Vera Santos

Moderador GERAL
  • Posts

    4,125
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    124
  • Country

    Portugal

Everything posted by Vera Santos

  1. Masdevallia shroederiana A grande maioria das masdevallia não gostam de calor, por isso, cultivá-las em regiões como o nordeste pode ser algo quase impossível. Abaixo estão algumas dicas para que você consiga cultivar facilmente essa orquídea: Forneça temperaturas baixas para ela: regiões como o sul do Brasil são ideais para cultivá-la. Os vasos devem ser pequenos: essas orquídeas gostam de vasos apertados, por isso, deixe pouco espaço para suas raízes. Onde plantar: vasos de barro, plástico, cestas, colocá-las em troncos ou árvores. Você não pode plantá-las na terra. Substrato: casca de pinus, esfagno, perline, fibra de coco, etc. Faça uma mistura com essas opções e cuidado para não exagerar em algum substrato. Replantio: antes do verão, normalmente ocorrendo a cada 2 anos. Luz: indireta, luz direta pode queimar as folhas dessa orquídea. Saiba mais em: manchas nas folhas das orquídeas. Adubação: NPK 20 20 20 com metade da força, 1 ou 2 vezes ao mês. Umidade: entre 60 e 80% é o ideal Rega: pouco antes do substrato secar Dica extra: essa orquídea não entra em dormência. Normalmente as espécies de masdevallia que apresentam uma coloração mais forte, necessitam de temperaturas menores. Link: https://orquideasblog.com/orquideas-masdevallia/ https://www.orquideasnoape.com.br/2019/05/orquidea-masdevallia.html?m=1 Promenanea Sunlight
  2. BEGONIA MACULATA WIGHTII Nativa das matas brasileiras, a Begônia Maculata é uma planta de visual exótico e encantador que foi ganhando cada vez mais espaço no mercado de decoração. Suas folhas em tom verde-oliva marcado por manchas circulares brancas, que parecem ter sido pintadas à mão retratam uma verdadeira obra de arte natural. Não à toa: que cada folha nos reserva uma surpresa. Além disso, de tempos em tempos, quando o inverno acaba é comum a Begônia Maculata flor nos presentar com um caule repleto de flores brancas. Apesar da Begônia Maculata ser pouco exigente nos cuidados, algumas informações e dicas de cultivo são sempre bem-vindas para que a sua plantinha possa crescer forte e saudável. Rega: a dica é manter a terra sempre úmida, mas nunca encharcada. Neste caso, procure regá-la ao menos 2 vezes por semana e evite que durante a rega a água entre em contato com suas folhas, ou seja, a rega deve ser feita diretamente no solo; Iluminação: a Begônia Maculata é uma planta de meia-sombra, por isso recomenda-se deixá-la próxima a uma janela para receber a luz natural indireta; Floração: durante a floração a Begônia Maculata normalmente investe muita energia na reprodução, por isso não se assuste caso nesse período ela aborte suas folhas;
  3. Tillandsia ionantha Descrição geral Tillandsia ionantha é uma bromélia comumente vendida no Reino Unido como uma 'planta de ar'. O epíteto específico ionantha é retirado do adjetivo grego, íon , que significa 'violeta', e do substantivo, anthos , que significa 'flor'. Em seu ambiente natural, a noiva ruborizada freqüentemente experimenta plena luz do sol e chuvas muito baixas. Essas adaptações tornam-na uma planta de casa fácil de cuidar, desde que seja mantida em condições de muita luz. Encontrada do México à América Central (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua) a 450 - 1.700 metros acima do nível do mar. Descrição A noiva ruborizada geralmente cresce como uma planta sem caule, com folhas de até 6 cm de comprimento, cobertas por escamas grosseiras cinza-prateadas. As bainhas das folhas são elípticas e quase metade do comprimento das lâminas das folhas. As lâminas das folhas são robustas, estreitamente triangulares e com 5 mm de largura. As folhas externas são verdes e as internas são vermelhas na época da floração. A inflorescência é uma panícula reduzida, com aparência de espigão. As pétalas violetas têm mais de 4 cm de comprimento e os estames amarelos e o pistilo sobressaem da extremidade. O fruto é uma cápsula subcilíndrica de 3 cm de comprimento. As sementes têm um tufo de pelos e são dispersas pelo vento. Grupos de plantas podem se desenvolver em densos aglomerados de rosetas pela produção de deslocamentos, formando grandes aglomerados que podem envolver completamente um galho de árvore. As folhas internas vermelhas na floração e as partes florais exercidas (protuberantes) sugerem polinização por beija-flores. Cultivo Tillandsia ionantha é popular no cultivo por ser pequena, atraente e fácil de cultivar. Ela cresce principalmente como epífita, mas também é encontrada como terrestre. Quando cultivada sob luz forte, a planta inteira muda em um curto espaço de tempo para uma cor carmesim que comanda os holofotes. Cresce comumente como epífita em troncos de árvores em floresta tropical seca, matagal, chaparral (matagal ou charneca afetados por incêndios florestais) e ao longo das margens dos rios.
  4. Peperomia caperata Nomes Populares: Peperômia, Rabo-de-rato Família: Piperaceae Categoria: Folhagens, Forrações à Meia Sombra, Gramados e Forrações Clima: Equatorial, Tropical Origem: América do Sul, Brasil Altura: 0.1 a 0.3 metros, menos de 15 cm Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra, Sombra Ciclo de Vida: Perene A peperômia é uma planta herbácea, de folhagem densa, arredondada e bastante atrativa, cultivada no mundo todo como ornamental, sendo aproveitada principalmente na decoração de interiores. Suas folhas são cordiformes, carnosas, verde-escuras na forma típica e com nervuras profundas, em baixo relevo, que dão um aspecto “engomado” à folha. Elas são sustentadas por longos pecíolos avermelhados ou rosados. As flores são diminutas, brancas, e surgem em diferentes épocas do ano, dispostas ao longo de inflorescências do tipo espiga, que surgem acima da folhagem. As inflorescências são finas, cilíndricas e compridas, sendo muitas vezes recurvadas, assemelhando-se a uma cauda de rato, o que lhe valeu um nome popular. Há diferentes cultivares desta peperômia. A grande maioria delas, tem ênfase em alguma característica das folhas, como tons vermelhos, verde-escuros, prateados, etc. Entre essas podemos citar a ‘Emerald Ripple’, ‘Metallic Ripple’, ‘Pink Lady’, ‘Rosso’, ‘Schumi Red’, ‘Red Sunshine’, ‘Variegata’, ‘White Lady’, etc. Este espécie de peperômia é ideal para terrários abertos ou fechados, assim como vasos amplos e rasos, decorando balcões, mesas, escrivaninhas e estantes. Ela se desenvolve bem em locais com pouca luminosidade, onde outras espécies de plantas pereceriam. Em lugares com clima tropical, ela também pode ser utilizada como forração no jardim, em áreas sombreadas ou com luz filtrada pela copa das árvores. Desta forma ela pode ser utilizada como um excelente pano de fundo para composições com outras plantas, inclusive outras espécies de peperomias.
  5. Boas, Vriesea splendens (Brongn.) Vriesea splendens Cuidados Exposição indireta:Rega abundante:Ambientes internos: NOME CIENTÍFICO: Vriesea splendens NOME POPULAR: Vriesea Splendens CICLO DE VIDA: Perene. FLORES: A maioria das bromélias costuma florescer apenas uma vez durante o seu ciclo de vida. Após a morte da flor, nasce um novo broto na lateral da planta mãe, está perece dando lugar ao novo broto substituindo a planta mãe. As bromélias atingem a maturidade e florescem em idades diferentes umas das outras, dependendo da espécie e do local onde são cultivadas. ILUMINAÇÃO: Em geral, as plantas com folhas rígidas e estreitas tal como a grande maioria das bromélias gosta de muita luminosidade durante a maior parte do tempo. Algumas espécies podem até receber Sol direto por algumas horas do dia. As plantas com folhas mais rígidas, dentadas ou semi-rígidas com tons mais claros, rosados, cinza-prateados, verde com base avermelhada, gostam de lugares com incidência grande de luz. Porém, as plantas de folhas macias de cor verde ou verde-escuro, apreciam lugares com menor intensidade de luz, mas nunca um local escuro. REGA: As bromélias gostam de ter as raízes molhadas, mas sempre de forma bastante moderada, o mais importante é molhar as folhas e mantém sempre o tanque central com água. Quando a temperatura ambiente estiver muito alta, borrife as folhas com água, mas nunca nas horas mais quentes do dia. Evite o horário de Sol a pino, entre 10h e 14 horas. As plantas com folhas macias apreciam um ambiente mais úmido do que as plantas de folhas mais rígidas. A bromélia é uma planta de clima tropical, não tolera geadas ou frio intenso. SUBSTRATO: Além de substrato orgânico, pode ser usado musgo, turfa ou mesmo húmus de minhoca. O importante é que a mistura possibilite uma drenagem rápida. O substrato deve ser leve, com rápida absorção, muito parecido com o substrato da orquídea. ADUBAÇÃO: Pode ser utilizado NPK 10-10-10 ou adubo foliar, neste caso é recomendado sempre utilizar concentração abaixo de 0,5 g por litro de água. MÉTODO DE PROPAGAÇÃO OU REPLANTE: Multiplica–se por touceira, sementes ou eventualmente por brotos formados na lateral da planta. Não afunde demais as bromélias no substrato, mantenha a base das folhas acima do solo. Não use um vaso muito grande, pois há perigo de umidade excessiva nas raízes. Não permita que a planta fique ‘’ balançando ‘’, fixe–a bem, pois isto poderá danificar o tenro desenvolvimento das novas raízes. Estaqueie a planta se necessário, até que as raízes estejam bem desenvolvidas. Coloque sempre uma boa camada de cacos de telhas ou pedriscos no fundo do vaso, este deve ser sempre furado nas laterais ou no fundo, a fim de proporcionar uma boa drenagem. Neoregelia carolinae cv. Flandria Descrição: Coloquialmente conhecida como a bromélia listrada Neoregelia carolinae cv. Flandria é uma forma variada de Neoregelia carolinae . É caracterizada por listras branco-cremosas a amarelo-claro ao longo das bordas das folhas. Quando esta neorregélia está se aproximando da fase de floração, as folhas centrais adquirem um tom rosa choque e duram alguns meses depois. Pequenas flores azuladas / brancas aparecem quando a flor amadurece dentro de sua roseta colorida. Cultivo e propagação: Neoregelia carolinae "Flandria" é uma bromelídeo de crescimento lento de valor ornamental notável para a forma e cor particulares da folhagem. Por ser nativa das florestas tropicais, o entardecer fresco com dias quentes e alta umidade descreve suas melhores condições de cultivo, porém também cresce muito bem como uma planta doméstica, onde pode fornecer uma nota de cor duradoura mesmo nos cantos escuros. . As plantas individuais vivem de três a cinco anos e produzem filhotes (plantas menores) logo após a floração.Substrato em crescimento:Esta bromélia é uma epífita ou saxícola que na natureza normalmente cresce sem solo, mas como uma planta de casa é normalmente cultivada em recipientes cheios de luz, um substrato bem drenado, arejado, poroso e retentor de umidade que é rico em substância orgânica, mas melhores resultados são obtidos quando são cultivados epifiticamente e as raízes são cobertas com musgo ou fibra de samambaia arbórea grosseira e triturada, envolta em um recipiente ou ligada à superfície de pedras, cascas ásperas, paredes de rocha ou galhos de árvores. Viver entre os galhos das bromélias das árvores das florestas tropicais precisa de muito pouco espaço de raiz, portanto, não coloque em um vaso muito grande. A podridão das raízes pode ser um problema se o solo estiver muito úmido. Continue a armazenar anualmente na primavera até que a bromélia encha um vaso de 10-15 cm. Vasos pequenos podem induzir flores em plantas maduras. É facilmente transplantado; Contudo,Exposição: Cultive Neoregelia em luz filtrada brilhante tanto em ambientes internos quanto externos. No jardim, ela prefere áreas parcialmente sombreadas e cresce melhor onde há sol da manhã ou mudança de sombra ao longo do dia, mas não tolera o sol direto do meio-dia em climas quentes de verão. A pouca luz muitas vezes intensifica as cores brácteas que se desenvolvem. Em apartamento, deve ser colocado preferencialmente numa posição luminosa, mas adapta-se também a situações de pouca luminosidade.Rega:Goza de umidade constante da chuva ou aspersão. Em climas secos e quentes, a umidade pode ser aumentada com nebulizações utilizando água em temperatura ambiente e não calcária. No verão se as temperaturas forem superiores a 18 ° C, pode-se deixar um pouco de água destilada na cavidade central formada pela roseta de folhas, renovando-a freqüentemente para evitar a formação de um ninho de larva de mosquito, enquanto com temperaturas mais baixas e no inverno. é melhor deixá-lo seco, evitando assim um possível apodrecimento. Em qualquer caso, é bom evitar, imediatamente após a floração, a permanência de água, o que causaria o apodrecimento dos resíduos das flores, com conseqüente odor desagradável. As plantas crescem melhor com alta umidade. Coloque o recipiente em uma bandeja de seixos úmida para aumentar a umidade. Na presença de ar seco e altas temperaturas, a umidade pode ser incrementada com nebulizações, utilizando água desmineralizada em temperatura ambiente e não calcária, para não causar pontos antiestéticos nas folhas. Requer uma drenagem completa e perfeita. Se você tiver uma que não esteja florescendo, mantenha-a bem aquecida na primavera e regue com moderação. Para remover o excesso de sal, lixivie o pote de bromélia uma vez durante o verão.Alimentação: Aplique uma ração líquida muito fraca a cada mês ou mais durante a estação de crescimento e uma solução suave (força de um quarteto) de fertilizante foliar em intervalos de 3 meses para plantas de jardim e contêineres. Aplique fertilizante nas folhas, raízes e reservatório.Clima: Deve ser cultivada em local isento de geadas ao ar livre nos países de clima tropical e subtropical úmido, com temperaturas que convém manter acima de 14 ° C, melhor 20-24 ° C. Inverno resistente às zonas 10-11 do USDA. Ao norte da Zona 10, esta bromélia é cultivada em recipientes que devem passar o inverno dentro de casa. Sua folhagem fica danificada já com temperaturas pouco acima de 0 ° C.Pragas e doenças: Sem problemas graves de insetos ou doenças. Fique atento para pulgões, tripes e escama. É suscetível a mosquitos que às vezes se reproduzem nas poças de água que ficam presas entre as folhas. Infestações de percevejos também são um problema frequente. A podridão pode se desenvolver se o solo for mantido muito úmido.Dica: Remova as folhas velhas da base da planta e apenas as pontas das flores mortas. Remova a coroa da planta mais velha quando ela começar a murchar.Uso: A planta, e ainda mais seus híbridos, podem ser cultivados como planta doméstica ou como enchimento de vasos de pátio, ou sob a sombra de árvores tropicais como cobertura do solo ou acento.Propagação:Divisão. Quando a flor murcha, os filhotes aparecem de gemas axilares entre as folhas perto da base das plantas. Os deslocamentos podem ser destacados e replantados quando atingirem a dimensão de um terço da planta-mãe. Certifique-se de fornecer alta umidade por um mês após a propagação dos deslocamentos. A reprodução por sementes geralmente é mantida para a hibridização: retire as sementes da inflorescência e coloque-as descobertas. Neoregelia carolinae (Beer)
  6. Boas, bem malta está a aproximar-se a fase mais interessante para vocês, digo eu.... 😂😂
  7. Marcgravia sp. Perú Nativo: Peru. As Marcgravias são encontradas em toda a América Central e do Sul, bem como no Caribe. Em seu habitat natural, eles são normalmente encontradas crescendo em troncos de árvores na floresta tropical. Preferências de temperatura: Quente Preferências de água: Humidade média Terrestre ou Epifítico: Terrestre Informações gerais e cuidados: As folhas tendem a ficar pequenas, com menos de um quarto de polegada em nossa experiência. O espaçamento das folhas é o que realmente destaca esta espécie. As folhas quase parecem se sobrepor umas às outras. Quando cresce um pedaço de madeira flutuante ou o fundo, esta espécie realmente parece incrível! Tende a subir em direcção à luz. Além disso, deve-se notar que nenhuma Marcgravia parece gostar de água parada em suas folhas por longos períodos de tempo. Antes da floração, as Nas Marcgravias desenvolvem-se ramos laterais As hastes de folhas planas agarram-se a troncos de árvores com raízes aéreas. Uma vez que sobe o suficiente, Margravia envia ramos laterais e flores com cachos de flores pendentes que são polinizadas por pássaros e morcegos. Esta forma particular de Marcgravia tem folhas ovais que são muito próximas umas das outras e se sobrepõem e as bordas externas das folhas são lisas. A nervura central e as veias são de um branco suave e não tão pronunciado como com outras Marcgravia. Marcgravia adora umidade e, portanto, torna-se uma ótima planta para o ambiente úmido de um jardim ou terrário. Por ser uma trepadeira de crescimento rápido, ela precisará ser podada regularmente para permanecer contida. Muito pequena para suportar rãs, esta planta dá uma grande característica ou sotaque, especialmente quando deixada crescer no fundo ou na paisagem de um viveiro. Plante Marcgravia no solo, na base de algo que ela possa escalar, forneça luz moderada a alta e observe-a decolar! Marcgravia Umbellata Marcgravia umbellata é uma planta RARA e especialmente difícil de encontrar em vasos deste tamanho para venda. Normalmente, apenas pequenas estacas estão disponíveis. Marcgravia também conhecida como Shingle vine e Shingle plant é um membro da família Marcgraviaceae. É uma trepadeira de rápido crescimento, nativa das ilhas do Caribe, América do Sul e Central. Marcgravia é encontrada em condições úmidas da floresta tropical subindo nas árvores. Suas vinhas de folhas planas agarram-se a troncos de árvores com raízes aéreas. Uma vez que sobe o suficiente, Margravia envia ramos laterais e flores com cachos de flores pendentes que são polinizadas por pássaros e morcegos. Esta bela forma de Marcgravia tem folhas com bordas brancas. A nervura central e as nervuras também são brancas, o que proporciona um contraste marcante contra a coloração verde escura das folhas. As bordas das folhas também são serrilhadas, o que lhe confere uma aparência muito bonita. O novo crescimento parece ser de uma cor rosa / enferrujada e se tornará verde escuro com o envelhecimento das folhas. Para obter melhores resultados, mantenha-o uniformemente úmido e em condições úmidas. Marcgravia adora humidade e por isso a torna uma ótima planta para o ambiente úmido de um jardim ou terrário. Por ser uma trepadeira de crescimento rápido, ela precisará ser podada regularmente para permanecer contida. As folhas se sobrepõem umas às outras e fazem uma exibição espetacular no viveiro. Muito pequena para suportar rãs, esta planta tem uma grande característica, especialmente quando deixada crescer no fundo ou na paisagem de um viveiro. Plante Marcgravia no solo, na base de algo que ela possa escalar, forneça luz moderada a alta e observe-a decolar! Marcgravia Sintenissii As folhas de crescimento novo é geralmente vermelho e desbota para verde conforme amadurece. Maior do que M. rectiflora, esta Marcgravia faz um belo arco-íris no viveiro à medida que cresce! Endêmico para: Porto Rico Iluminação: Baixa a intermediária Temperatura: Fria a Quente Humidade: Alta Localização: terrestre, vinha, escalada Floresce: N / A
  8. Pyrrosia nummularifolia Nomes comuns : Samambaia rasteira Nativo da: Indonésia / Papua Nova Guiné Preferências de temperatura: Quente Preferências de água: umidade média a alta Terrestre ou Epifítico: Terrestre ou Epifítico Informações gerais e cuidados: Pyrrosia nummularifolia , também conhecida como samambaia em botão rastejante, é uma das poucas samambaias que a Glass Box Tropicals oferece e que se dá bem tanto epifiticamente quanto terrestre. Esta espécie tem folhas pequenas oblongas que são um rizoma púbere rastejante. As folhas são verdes claras com alguma pubescência também. Esta espécie parece tolerar um ligeiro ressecamento entre as regas, mas também se dá bem em ambientes extremamente úmidos. Ele também parece preferir estar sob uma luz um pouco mais forte para realmente produzir um bom crescimento. Num terrário ou paludário tropical, a Pyrrosia nummulariifolia é um ótimo complemento. Com luz e umidade suficientes, esta pequena samambaia começará a escalar um tronco ou parede. Necessita de luz média, temperaturas de 25 a 30 ° humidade de 70% a 90.
  9. BEGONIA AMPHIOUX Guia de cuidados com plantas Begonia amphioxus Solo Begônia anfioxus precisa de um solo rico e bem drenado. Uma mistura de turfa de alta qualidade ou uma mistura de planta de casa comum serve, mas eu recomendo adicionar lascas de calcário, cascas de ostra ou cascas de ovo. Isso garantirá que o solo não seja muito ácido e resultará em cores vermelhas mais brilhantes nas folhas. Eu recomendo fortemente o cultivo desta planta em um terrário, como explicarei mais adiante neste artigo. Pegar o meio feliz desta planta é quase impossível em um vaso. Ao plantar em um terrário, escolha um local na camada do meio para o seu anfioxo Begonia, pois ele gosta de bastante luz, mas odeia ter os pés molhados. Dito isto, onde quer que seja plantado, é de suma importância que as raízes não fiquem na água. Solo levemente ácido com um nível de pH entre 6,1 e 7,5 é o ideal. Begônia anfioxus adora luz indireta brilhante e sol parcial ocasional. Parece ambíguo? É porque é. Se você não vive em um clima tropical, sua melhor chance de sucesso serão luzes fluorescentes em um terrário ou acima de uma cúpula de umidade, pelo menos 8-12 polegadas (20 a 30 cm) de distância da fonte de luz, então não não se queime. Uma janela voltada para o norte será boa o suficiente até que comece a florir, então ela precisará ser movida para um local mais claro, mas se você cultivá-la sob luz artificial, não precisa se preocupar com isso. O sol direto causará danos causados pelo sol, e pouca luz fará com que seu anfioxo Begonia murche e morra. Rega Como a maioria das outras Begônias, seu anfioxo precisa de um pouco mais de água do que uma planta normal. Regue até três vezes por semana durante o verão e uma vez por semana durante o inverno. Deixe o solo secar ligeiramente entre as regas e tente evitar o alagamento e o apodrecimento das raízes. Isso será fácil com uma mistura de solo de drenagem rápida. Deve regar com água filtrada RO, ou pelo menos água destilada, ao mesmo tempo que deve estar atento à temperatura. A begônia anfioxus, como já mencionei, não se dá bem com mudanças bruscas na temperatura do ar, e o mesmo acontece com a água. Temperatura Outra razão importante pela qual você deve fornecer um ambiente de cultivo fechado para o seu Begonia amphioxus é que ele precisa de temperaturas relativamente altas e constantes. Ele adora aquecimento, idealmente até 85 ° F (30 ° C), nunca deixando chegar abaixo de 50 ° F (15 ° C) e nunca permitindo grandes flutuações de temperatura. Eles são sensíveis à geada e deixam cair todas as suas folhas para que você saiba que estão infelizes. Umidade Não se engane, a Begonia amphioxus é uma planta dependente da umidade e não tolera ambientes secos. Esta é uma das razões pelas quais eu prego terrários e recipientes fechados. Não há outra maneira de garantir que ele tenha 60-80% de umidade durante o dia e 80 a 100% à noite. Sim, você leu bem. Com toda a franqueza, uma cúpula de umidade pode não ser suficiente. Sua Begônia pode permanecer viva, mas definitivamente não prosperará em quaisquer outras condições. A nebulização ocasional é recomendada, mas certifique-se de fazer de manhã para que as gotas tenham tempo de secar e não fiquem na superfície das folhas por muito tempo. Propagação Uma das raras coisas que são fáceis com esta planta é a propagação. Você pode optar por fazer isso por sementes, mudas de folhas ou mudas herbáceas. A propagação por sementes é exatamente o que você supõe que seja, você deixa as flores secarem e coleta as sementes, depois armazena as sementes durante o inverno e as planta na primavera. Se você não quiser passar por esse procedimento prolixo, então as estacas de caule são sua próxima melhor aposta. Você pode ter sorte porque, quando a Begonia amphioxus deixa cair suas folhas por qualquer motivo, elas tendem a se enraizar no local onde caíram, especialmente se em um terrário ou em uma superfície que esteja constantemente úmida. Propagação por estacas de caule Escolha um caule saudável que tenha pelo menos alguns centímetros de comprimento. Remova as folhas inferiores do corte. Mergulhe a base da estaca no hormônio do enraizamento para garantir o enraizamento. Com cuidado, plante este corte com sete centímetros de profundidade, de preferência em musgo esfagno úmido ou em um solo rico e arejado com muita perlita. Mantenha esta nova planta em um local quente e úmido com exposição parcial ao sol. Pode ser um recipiente de propagação ou em um terrário / sob uma cúpula de umidade. Regue essas mudas regularmente e nunca deixe o solo secar. Depois de três a quatro semanas, você deve notar o desenvolvimento da raiz. Crescimento A begônia anfioxus tem um ritmo de crescimento normal se cultivada em suas condições ideais e expelirá novas folhas regularmente. Você pode podar as folhas secas ou apodrecendo quando necessário. Eles também podem florescer até três vezes a cada temporada. Desde que lhe dê as condições de que necessita, esta planta é perfeitamente viável sem terrário. Uma estufa também pode resolver o problema, e talvez você queira experimentar algumas cúpulas de umidade DIY. Se você mora em um clima mais quente, é uma opção. Contanto que você possa fazer um recipiente fechado que seja hermético, é apropriado para um anfioxus Begônia. Se você pode pagar um terrário ou talvez já tenha um, isso não deve ser um problema. Você não terá que vigiar constantemente o solo e mantê-lo úmido, não terá que borrifar o tempo todo e não precisará se preocupar com as oscilações de temperatura. Um terrário hermético se tornará seu próprio ecossistema, onde a água irá evaporar, condensar e cair no solo novamente e circular assim constantemente. Você pode ficar sem regar por semanas! Se você ainda está conhecendo sua cúpula de umidade ou terrário, fique de olho no solo. Quando perceber que está seco, acrescente um pouco de água. Isso pode acontecer com mais frequência se a Begonia amphioxus for plantada em um recipiente pequeno, pois ela beberá a água mais cedo. Problemas comuns com Begonia amphioxus Os problemas que você pode encontrar com essas plantas variam de acordo com onde você as cultiva. Se for cultivado em um vaso ao ar livre, você pode encontrar Thrips . Os tripes gostam de begônias e são as pragas mais comuns que encontramos neles. Se você está mantendo a umidade alta, sua Begônia é sempre suscetível ao oídio e antracnose (uma doença causada por fungos). Uma maneira óbvia de as Begônias nos informarem que estão com problemas é enrolando as folhas. Vou explicar tudo isso e como lidar com eles a seguir. Thrips Se você estiver olhando para insetos pequenos, pretos e pontiagudos, estes são provavelmente Thrips. Eles se alimentam do suco de sua planta e podem derrubar uma begônia facilmente. Eles crescem e se multiplicam muito rápido, e até têm asas para que possam se espalhar facilmente em outras plantas. A primeira coisa que você deve fazer é isolar a planta das outras, para que não se espalhem. Em seguida, remova todos os insetos visíveis com um jato de água forte. Lave bem se precisar. Depois, você pode lavá-lo mais uma vez com sabonete inseticida. Ensaboe bem todas as folhas e caules para matar todos os insetos, larvas e ovos restantes. Depois disso, você deve pulverizar sua planta com óleo de nim, certificando-se de cobrir cada centímetro da planta, para dissuadir quaisquer visitantes futuros. Durante este processo tente não molhar as raízes ou o solo da planta. Você pode colocar essa parte em um saco plástico. Isso evitará o excesso de água ou danos às raízes. Esse processo pode precisar ser repetido algumas vezes, já que os tripes são muito resistentes e costumam voltar em números ainda maiores, então seja paciente e continue assim. Oídio Se você notar que as folhas se enrolam e manchas brancas distintas nas folhas de Begonia amphioxus, é mais provável que seja oídio. O mofo gosta de ambientes quentes e úmidos, então isso não é uma surpresa. Felizmente, o oídio raramente é fatal para uma planta, mas como você provavelmente está cultivando sua begônia pela aparência, esse é um grande problema estético. Você pode tentar lavar as folhas com uma mistura de uma colher de sopa de bicarbonato de sódio, um galão de água e meia colher de chá de sabão líquido não detergente, mas isso geralmente é usado como uma medida preventiva. Sua melhor aposta é um fungicida orgânico comprado em loja, basta seguir as instruções na garrafa e você está bem. Antracnose A antracnose é um problema fúngico comum com Begonias. Ele se manifestará como folhas onduladas com manchas amareladas e marrons. Se notar estes sintomas, a primeira coisa que deve tentar é remover todo o material vegetal infectado e morto e ter muito cuidado para não molhar as folhas na próxima vez que regar. Use um fungicida comprado em lojas de acordo com as instruções e tenha muito cuidado para não espalhar para outras plantas. Com todas as infecções fúngicas, bacterianas e virais de plantas, é de suma importância que você lave e desinfete suas mãos e ferramentas antes de manusear outra planta. Begônias gostam de luz solar direta? Forneça ao seu anfioxus Begônia luz indireta brilhante. Sol da manhã parcial por uma ou duas horas está bem. No entanto, tenha cuidado, pois as folhas frágeis do Amphioxus Begonia se queimam facilmente. A Begônia anfioxus é fácil de cuidar? O cuidado com a begônia anfioxus não é simples devido ao aumento das necessidades de umidade e temperatura. O melhor é cultivar Begonia amphioxus em um terrário. Qual é o melhor solo para um anfioxo Begonia? Begônia anfioxus precisa de solo rico e bem drenado. Uma mistura de turfa com calcário adicionado ou cascas de ovo é uma ótima escolha. Conclusão Resumindo, o Begonia amphioxus será uma adição vibrante à casa ou ao terrário de qualquer pessoa, mas fará você trabalhar para isso. Ele gosta de um solo bem drenado com um pH um pouco mais alto, rega generosa, mas não muito, ampla umidade e altas temperaturas. Ele permitirá que você saiba quando algo não está indo de acordo com o planejado, enrolando e deixando cair drasticamente suas folhas, às vezes todas de uma vez. É propenso a vários problemas de fungos também, portanto, trabalhar preventivamente será o melhor curso de ação.
  10. Boas, tem que ser, isto é tudo novo para mim, tenho que me orientar senão isto sai uma grande cagada😂😂, vou pesquisando, leio e ponho aqui, uma forma de interiorizar e aprender um bocadinho. Olha, estas orquídeas vieram de Espanha, da Littletree, são menos usuais. As chamadas micro orquídeas. Mas isto tem de ser a pouco e pouco, não é propriamente barato... Mas também se não levarmos alguma coisa que nos dê prazer... 😉 Rhaphidophora hayi ORIGEM: Florestas úmidas de várzea de Queensland e da Nova Guiné CARACTERÍSTICAS: Rhaphidophora hayi é uma planta em que as folhas ficarão planas em superfícies planas, cujas folhas verdes têm finas veias brancas. Conforme a planta amadurece, eles se tornam maiores e têm uma cor verde suave. QUALIDADES ATRATIVAS: Rhaphidophora hayi são epífitas (crescem em árvores / produzem raízes ariais). Ajude-os a crescer em outras coisas usando extensões de suporte de plantas ou totens de fibra de coco. LUZ: luz indireta brilhante TEMP: As temperaturas ideais variam de 68 ° F a 80 ° F (16 ° C - 27 ° C), com temperaturas mínimas de 55 ° F (12 ° C). UMIDADE: Alta Umidade REGA: Regue, permitindo que a água escoe completamente. Certifique-se de regar com água destilada ou água da chuva. Deixe um ou dois centímetros do topo do solo secar um pouco entre as regas.
  11. Neofinetia falcata Neofinetia falcata, a orquídea dos samurais. É encontrada a crescer em encostas montanhosas, em rochas, mas principalmente em pequenos ramos de árvores de folha caduca do Nordeste Asiático, China, Coreia e do Japão. No entanto, é no Japão, onde cresce junto a Nagasaki, na ilha de Kyushu e em diversas outras ilhas japonesas, que ganhou uma grande fama de cultivo. A planta A Neofinetia falcata é uma orquídea miniatura que pode crescer até aos 15 cm, mas cujo tamanho médio ronda os 7-8 cm. É uma planta monopodial, constituída por uma haste central onde crescem pequenas folhas curtas e finas, cerosas, com uma dobra longitudinal ao meio. Assemelha-se a uma pequena Vanda, género onde foi recentemente inserida, já sendo encontrada, em textos mais recentes, como Vanda falcata. A planta pode ramificarse com novos rebentos a aparecerem junto às folhas mais perto da base. Nas axilas das folhas superiores, rebentam as hastes florais que crescem até 7-8 cm e que podem dar entre três e 15 flores. As flores medem cerca de 3 cm e são normalmente brancas. Têm a particularidade de terem um pequeno esporão ou nectário curvado para trás. As flores são muito perfumadas, com um aroma que lembra o jasmim, durando entre um e dois meses. Cultivo à japonesa, com uma única bola de musgo de esfagno enrolada na raiz como substrato. O cultivo Resistem bem a temperaturas baixas. Podem facilmente ser cultivadas num parapeito de janela ou numa estufa fria. Gostam de boa luz, mas nunca sol direto. As temperaturas ideais variam entre os 8-10 graus de mínimas no inverno e perto dos 30 graus no verão. Os japoneses têm toda uma técnica de cultivo, utilizando lindos vasos de porcelana e enrolando as raízes numa bola de musgo de esfagno, mas podem ser cultivadas em qualquer pequeno vaso com substrato muito poroso (casca de pinheiro fina, perlite, musgo de esfagno) e também montadas em cortiça ou ramos de árvore, desde que as raízes não sequem totalmente na época de crescimento, entre a primavera e o outono. No inverno, reduzem-se muito as regas a uns simples borrifos e suspende-se a fertilização. A melhor água para regar estas orquídeas é a água da chuva ou destilada, onde devemos colocar uma dose muito fraca de fertilizante próprio para orquídeas. Normalmente, muda-se o substrato anualmente, no final do inverno, antes de a planta iniciar o seu período de crescimento. A floração aparece principalmente na primavera, mas pode acontecer até ao início do outono. Texto José Santos Link: https://www.google.com/amp/s/revistajardins.pt/neofinetia-falcata-orquidea-dos-samurais/amp/ Orquídea Pleurothallis grobyi Porte da Planta: Micro-orquídea, com bulbos e folhas que chegam a 2,0cm de altura Tamanho da Flor: Micro, de 8,0cm de diâmetro que saem da base da planta Clima: Tropical Sombreamento: 70% Época de Floração: Primavera/Verão Tempo de Floração: Em média 15 dias Folhagem Caduca: Não Umidade no Ambiente: Média Substrato: Bem drenado - aceita vários tipos de substratos de qualidade Adubação: Semanal, com bom adubo foliar e orgânico a cada 2 meses Origem: É nativa de países como o México, El Salvador, Guatemala, Belize, Costa Rica, Nicarágua, Venezuela, Equador, Colômbia, Peru, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e Brasil. Outras Características: Planta de crescimento vigoroso e robusta. Espécie epífita, que se desenvolve sobre as árvores de florestas sombrias e cujas altitudes podem ter uma grande variabilidade, podendo desenvolver-se entre os 60 e os 3200 metros de altitude. Cultivo: É cultivada na estufa aquecida, em ambiente bem sombreado, com elevado grau de humidade e boa ventilação. Links: http://orquideassoltas.blogspot.com/2017/05/pleurothallis-grobyi.html?m=1 E https://www.orquidario4e.com.br/orquidea-pleurothallis-grobyi-ad/p/ptl00006 Masdevallia minuta É nativa da Bolívia, Guiana Francesa, Guiana, Peru e Suriname. Essas plantas epífitas são comuns em uma grande área do norte e oeste da América do Sul, mas até agora não foram encontradas no Brasil, Colômbia ou Equador. Eles crescem em vários habitats, variando de florestas úmidas nas planícies às florestas tropicais de montanha, em altitudes que vão do nível do mar a 1600 m. Uma das primeiras espécies descritas de Masdevallia, foi descoberta por Splittgerben no Suriname em 1842, embora uma localidade precisa não seja conhecida. É uma espécie em miniatura, de crescimento quente a frio, que atinge 3,0-6,5 cm de altura, com ramicauls delgados, eretos, 0,5-1,0 cm de comprimento envoltos basalmente por 2 a 3 bainhas tubulares e carregando uma única, apical, ereta , coriácea, estreitamente obovada, subaguda, folha de 2,5-5,5 cm de comprimento que gradualmente se estreita abaixo em uma base peciolada indistinta. A pequena Masdevallia floresce no verão e cai em uma inflorescência esguia, ereta, filiforme, de 15 a 60 cm de comprimento, com uma única flor surgindo na parte baixa do ramicaul, uma bráctea abaixo do meio e uma bráctea floral carregando a única flor segurada bem acima do folhas. As flores têm 1-2 cm de diâmetro. Eles têm pétalas brancas e lisas do verticilo externo. A pétala dorsal tem 1,2-1,7 cm de comprimento, incluindo um pecíolo cilíndrico, amarelo claro. Na base, ele é conectado aos flocos laterais, criando um tubo ligeiramente curvo, cilíndrico, em forma de xícara. A parte triangular livre afunila ligeiramente para a frente na cauda. As pétalas externas laterais são conectadas umas às outras, formando uma pétala oblonga de 2 peças, incluindo caudas estreitas, triangular-alongadas e semicilíndricas. Os flocos oblongos do verticilo interno são brancos, manchados de amarelo e a picada é branco-esverdeada. Masdevallia minuta precisa de um nível de luz de 8.000-15.000 lux. Requer uma posição de brilho médio. A luz deve ser filtrada e dispersa, e as plantas nunca devem ser expostas à luz solar direta. O forte movimento do ar deve ser garantido o tempo todo. Temperatura: É uma planta termofílica. No verão, a temperatura média diurna é de 30-31 ° C e noturna de 21 ° C, com amplitude diária de 10-11 ° C. A temperatura média no inverno fica entre 23-27 ° C e à noite de 14-16 ° C, dando uma diferença diurna de 8-12 ° C. Umidade: Precisa de umidade média de cerca de 75% na maior parte do ano, caindo para cerca de 65% no final do inverno e no início da primavera. Substrato, mídia de crescimento e repotting: Masdevallia minuta cresce bem agarrada a pedaços de fetos arbóreos ou cortiça com elevada humidade e rega diariamente durante o verão. Durante os períodos secos e quentes, pode ser necessário regar várias vezes ao dia. Eles geralmente são cultivados em vasos com um substrato de excesso de água de drenagem rápida, que, no entanto, contém substâncias que retêm uma certa quantidade - como musgo esfagno picado ou perlita. O carvão vegetal também é frequentemente adicionado para garantir a permeabilidade do substrato ao ar e proteção contra a acidificação. Recomenda-se repotting as plantas todos os anos. O repoteamento deve ocorrer no final do inverno ou início da primavera, mas também pode ser feito em qualquer época entre o outono e a primavera, a menos que entre em conflito com o florescimento da planta. Rega: A precipitação é moderada a forte na maior parte do ano, mas no final do outono e início da primavera é ligeiramente mais baixa. O substrato das plantas em cultivo deve ser úmido e, entre cada rega, deve secar apenas ligeiramente. No final do outono, a rega deve ser reduzida gradualmente. Fertilizante: Se as plantas crescem em musgo esfagno, fibras de samambaia ou raízes de samambaia osmunda, elas devem ser fertilizadas a cada 3-4 semanas 1 / 4-1 / 2 da dose recomendada de fertilizante de orquídea. Se eles são cultivados em uma cama de casca de pinheiro, a fertilização, pode ser aplicada a cada 1-2 semanas. No início do ano, quando as plantas crescem ativamente, em vez de fertilizantes com NPK de proporções iguais, você pode usar fertilizantes com alto teor de nitrogênio e, no final do verão e outono, usar fertilizantes com alto teor de fósforo para estimular a floração das plantas. Período de descanso: No inverno, a quantidade de água para o Masdevallia minuta deve ser reduzida. Eles podem secar mais do que no verão, mas não podem secar completamente. A fertilização deve ser limitada até a primavera, quando reinicia uma rega mais forte. Link: https://travaldo.blogspot.com/2018/03/masdevallia-minuta-care-and-culture.html?m=1
  12. Boas noites, Hoje acabei a faixa de drenagem, ela é constituída por uma caixa de eggcrate forrada a fibra de vidro fina. À volta levou rocha vulcânica, granulometria maior seguida de fina. Por cima coloquei o substrato, amanhã vou misturar um pouco de casca de pinheiro para maior drenagem. Depois há-de levar esfagno e folhas secas. Amanhã já planto algumas plantas. Depois mostro.
  13. Boas, ora actualizadando. Deixo umas fotos. Fecho superior colocado. Dobradiças inferiores colocadas: Acho que ficou com bom aspecto e como estava previsto. A seguir testei as colagens com silicone em baixo, por causa da área de drenagem. E por fim a caixa de drenagem rodeada por rocha vulcânica de granulometria maior, que depois é completamentada pela mais pequena por cima. Foto já com a calha Skylight AQI Intense V: Espero que vos agrade tanto como a mim. Estou satisfeita com o resultado para já. Agora requer paciência para que chegue o sistema de aspersão. Abreijos
  14. Boas deixo mais umas fotos Peperomia Graveolens Ruby Glow
  15. Olá, não ela depois de seca não é tóxica, não tem problema nenhum, até uso em aquários. Tinta própria não é bem, cá não existe muito escolha, então uso tinta para interiores, como é diluída com água também não se torna tóxica e pode-se usar sem problema. Podes até comprar no Leroy que tem umas latas pequenas de várias cores, deixo a foto da minha que utilizei no Paludário. rio.
  16. Boas, cá actualizar o tópico que já houve progresso. Então acabei o fundo, com um mix de fibra de coco e esfagno. A ser duas partes de fibra para uma parte de esfagno. A fibra vem prensada, no formato de um tijolo, junta-se água, no caso melhor destilada no meu entender, e transforma-se. Depois deixa-se secar bem antes de utilizar. Aqui já a mistura. Primeiro depois de preparado e retirado o excesso de espuma como vos mostrei, espalhei generosamente o silicone coma pistola, com luvas espalha-se melhor de modo a atingir todos os cantinhos e depois lá vai o mix. Deixei a secar durante 24h. Ficam umas fotos do processo. Embaixo já o fundo finalizado e a placa de respiração em cima colada. O fecho aplicado, tendo em atenção que o parafuso por dentro foi cortado o excesso e selado com silicone para não enferrujar. Para já é tudo, espero que estejam a gostar. Abraço
  17. Boas, deixo mais umas fotos tiradas à pouco. Tillandsia Recurvata Tillandsia Ionantha Red Aspargo samambaia – Asparagus setaceus Cryptanthus Bivittatus Espero que gostem, até mais
  18. Boas, já experimentas-te noutra tomada, inspecção ao fio do filtro às vezes, pode ser...
  19. Boas, para o teu aquário não escolheria nem um nem outro. Ambos são bons, se bem que eu gosto mais da Seachem, mas está última para mim funciona melhor separado. Disto isto há várias marcas no mercado, das quais uma é a Aquaforest Macros e Micros, do qual tenho uma ótima experiência em aquário de plantas exigentes, e o outro que estou a utilizar agora em dois dos meus aquários mais pequenos é que estou a gostar também, é o Masterline, também em dois frascos, um de All in one de Macros e outro de Micros. Esta última marca também tem um all in one macros e micros no mesmo frasco, que por acaso estou a usar num aquário de plantas de crescimento lento. Deixo fotos destes últimos. Aquaforest ou Masterline, em termos da relação qualidade / preço são bem melhores que os primeiros que mencionaste. Espero ter ajudado.
  20. Boas, borrifo os fetos todos os dias, 1 a 2 vezes. Suculentas, "bromelia" etc vou regando conforme a necessidade, não é certo. Fertilização estou a usar Masterline all in one, tem macros e micros tudo junto, o que é ótimo por não dá chatice, todos os dias. Já actualizei o primeiro post, por acaso tinha-me escapado. 2 lâmpadas led's 4000k 1521 lúmens de 12W (equivalente a 100W) - Fotoperíodo das 10h às 14h e das 18h às 21h 1 Led floodlight de 20W (projector) Fotoperíodo das 15h às 22h O danado do Snowe 🤦‍♀️ comeu-me a Tradescantia Zebrina, estava tão bonita mas está a rebentar outra vez, já recuperou duas folhas... Abreijos Deixo aqui mais umas fotos, já agora. Crassula Capitella
  21. Boas, mais umas fotos, surpreendida pela beleza desta planta, no começo parecia que não se estava a dar bem. Aeonium Arboreum
  22. Boas, actualizando, os acrílicos estão cortados. Em baixo, fiz ali um encaixe de acrílico também, não ficou perfeito mas disfarça um pouco o pvc cortado. Agora é colar o silicone nos extremos, nas placas de cima e debaixo. E furar a de cima, que vai servir para ventilação. Fui...
  23. Bom dia, está muito bom, mais um ótimo trabalho. A acompanhar 😉
  24. Bom dia a primeira fase está quase pronta, só esperar que seca ali alguns branquinhos para os futuros habitantes não se magoar em. Agora tenho que esperar que os outros materiais cheguem, nomeadamente as dobradiças, as placas de egg crate, a manta de fibra de vidro, e depois a placa de acrílico, para fazer a porta do terrário.