Classificação


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 11/10/18 Em todas as areas

  1. 8 points
    E pronto...o aquário entrou na sua fase máxima ou quase.. Apartir daqui é aó tentar manter...vamos ver como corre. Eu julgava que a montecarlo ia ficar abafada mas pelos vistos vai ser ao contrario. Com o tempo dá uma mistura engraçada. Já tenho ajudante. 😉 Só falta um fotografo para a foto final. 😉
  2. 5 points
    Boas pessoal Depois de algum tempo afastado a gente volta sempre parar ao mesmo. Vamos ver se desta vez o investimento vai valer a pena pois acho que tem tudo para dar certo. Tentei fazer as coisas o mais calmo possível e comprar as coisas para nada dar errado, ou pouca coisa pois sempre dá. Como ando numa de bonsais já á algum tempo e tenho aprendi algumas coisas voltei as plantas do aquário. Talvez com mais experiência. A meu ver vai ser um aquário apenas de casa, para ir cuidando sem grande coisas, sem grande tretas. Tens plantas difíceis e outras fáceis mas visto e ja tenho o equipamento todo sempre é mais fácil pois antes andava sempre a comprar aos poucos entao havia sempre algo que faltava e dava errado. Preocupei-me em encher o aquário com o máximo de massa vegetal possível para as algas nao terem lugar e visto que tenho os peixes em standby no antigo aquário posso abusar um pouco mais no CO2. A novidade desde ano ( talvez a minha proprioa prenda ) é a calha. Entao vamos la ao Setup: Setup: Aquarium 90x45x45cm Filter Eheim professional 4+350 Heater Eheim jager 200W CO2 pressurizado - 4b/s CO2 Neo - Até agora melhor difusor que ja usei, até melhor que ADA. Bolhas suuuppeeerrrr finas. muito bom Lights Twinstar 900SP com controlador - A 60% na primeira semana ( aumentando 10% todas as semanas até chegar a 100%) Substract Équo -fertil 3 sacos NEO SOil Plantas ( Vou testar este desta vez, sem ADA =)) Hardscape Ryuoh Stone 35Kg +/- Plants ROTALA BONSAI ALTERNANTHERA REINECKII MINI MICRANTHEMUM MONTE CARLO ELEOCHARIS ACICULARIS MINI ROTALA WALLICHII ROTALA SP. GREEN ROTALA ROTUNDIFOLIA Rotala 'Vietnam STAUROGYNE REPENS Anubias Pangolino ANUBIA NANA ANUBIA Bucephalandra deep purple/ RED E GREEN HYGROPHILA PINNATIFIDA CRYPTO PARVA CRYPTO UNDULATA Fishes 9 - Otocinclus Affinis 18 - Hemigrammus Erythrozonus 2 - Casal Rams Invertebrates 9 - Caridina Multidentata - Japonica 2 - Neritina Pulligera Como disse nenhum peixe ainda está no aquario. A Agua é nova mas o filtro já está em uso á uns 5 meses. Aproveitei a agua desse filtro e enchi o aquario novo com agua nova. Coloquei o acelerador biologico para o ciclo ser mais rapido. Daqui a 1 semana coloco os otos na 2º os camaroes e na 4 os restantes. 50% de TPA de 2 em 2 ou de 3 em 3 dias na 1º /2º semana. Devido a nao ter peixes estou a abusar um pouco no CO2 e tambem pela massa vegetal tambem nao será por ai. 4b/s até é pouco para este inicio mas como tenho ainda a 50% de luz tem de ser. Ser fertilizante neste momento. Mas devo usar Florish ou tropica. Apenas alguns pós para ter os parametros nivelados os carencias. Não estou preocupado sinceramente com algas. Talvez seja a experiencia de tar calmo quanto a isso. O aquario já está plantado e tiro fotos agora de tarde quando as luzes acenderem. por enquanto so estas. Não vou colocar aqui fotos de colocar substrato fertil, depois outro depois outra pedra etc porque ja toda a gente sabe isso =D Estou a usar a saida o lilly pipe, sinceramente tambem foi uma boa escolha pois sai bem melhor a agua e o CO2 com este difusor as bolhas nem chegam ao topo, a agua consegue empurrar o co2 todo para as plantas o que é bastante bom e era/é o que se quer. Vou em breve ( deve estar para chegar ) adquirir um Chihiros Doctor. Vamos la ver se tambem ajuda nas plantas e no aquario em geral mas nao há milagres. TPas e limpeza da nossa parte tambem ajuda. Ora vamos la as fotos: Daqui a pouco tem as fotos com as plantas pessoal. Grande abraço e vamos lá aprender outra vez =D
  3. 5 points
    Actualização do Zezinando Em primeiro lugar, tem sido um gozo tremendo trabalhar com um aquário tão pequeno. Cada pormenor, cada planta, cada poda tem uma importância acrescida porque qualquer erro num aquário grande rapidamente passa despercebida. Em algo tão concentrado, a dificuldade é maior! As algas estão quase erradicadas por completa, sobrando algumas coisas sem importância nenhuma. As plantas crescem bem, o tapete está quase fachado no lugar dele começando já a invadir algumas zonas adjacentes. Noto clara dificuldade em tornar a Rotala rotundifolia mais alaranjada. Desconfio que a luz não dê para isso tão rapido, mas veremos mais tarde. A verdade é que tambem não a deixo crescer até ao topo da coluna e mais proximo da luz, mas a prioridade neste momento é mesmo que adense a moite na parte posterior. Entraram 2 plantas diferentes: A Ludwigia Super red (ou Ludwigia Palustris) e a Bolbitis diformis. A Ludwigia tem cores fantásticas. É uma planta chata porque temos sempre de andar a podar a parte superior e enterrar novamente porque o caule fica feio e acaba por apodrecer. É muito facil sacar vermelho dela, nunca desilude. Para quem quer vermelho rapido num aquario, é claramente a planta mais facil para isso. É curioso ver que as folhas verdes acabam por ficar vermelhas nas nervuras. Quando planta está verde e a colocamos no aquario (foi o caso), as folhas novas nascem imediatamente com tons vermelhos vivos, e as antigas ganham esses tons nas nervuras. Entraram tambem estas coisas. Nunca fui fã disto! Até hoje, que estou rendido à beleza das cores. Fotografá-los é que é quase impossivel pois não param quietos. Não consegui tirar uma foto de jeito que fosse 😞 Fica a foto frontal, ligeiramente por cima, para se notar o gradiente de cores que tento conseguir no plano traseiro. Não vai ser facil e duvido que tenha tempo para ficar no ponto até fevereiro. Continuo sem dar Macros! Apenas K e Trace. tem-se aguentado e até bem mais do que eu pensava. Não noto carências nas folhas novas, e vou deixar estar mais uns tempos assim. continuo com o regime de 50% de TPA todas as semanas. Próxima etapa, escolher o fundo para o aquário. Nem sei o que escolher. As duas opções são o preto ou o fosco claro. Dependendo do que escolher, terei de mexer no caminho (ou não) e acertar podas de outra maneira. Na próxima semana meto umas fotos com ambos para ver se me ajudam a escolher 😉 Ps: desta vez experimentei fazer uma edição mais dark com as fotos a ficarem mais escuras... Não desgostei, mas tambem não fiquei muito fã.
  4. 4 points
    Boas pessoal Como prometi aqui ficam mais umas imagens da plantação, espero que gostem. Como podem ver as bolhas do Co2 sao bem pequenas, mal deu para focar. As plantas ja sentem o CO2, a monte carlo a tentar o pearling =D Vista Geral do Aquario ja com as plantinhas. a luz ta bem baixo 50% como disse por isso que tem essa cor mais escura. o drop ta verde. Vou iniciar 3 h antes de ligar a luz e aumentar mais 1 bolha. O difusor da NEO dá para fazer conta bolhas entao vou contar por la em vez do contador normal. Grande Abraço
  5. 4 points
    Desde que entraram 4 boraras (mais algumas entrarão em breve para ficar um cardumezinho simpático) e um casal de limia tridens, que tem estado tudo relativamente tranquilo no Rookie. Hoje foi dia de TPA e podas. Tirando as anubias e as bucephalandras, todas as outras plantas crescem muito rapidamente. Estavam mesmo todas a precisar de uma poda valente. Mas como tive medo de as cortar todas ao mesmo tempo, não fosse destabilizar o aquário, deixei para a próxima semana o desbaste da pogostemom. Descobri entretanto que as limia tridens estão a gostar da nova casa, pelo menos já vi dois filhotes no meio das plantas de fundo. Aqui têm uma foto do antes e do depois... Como podem ver, a minha técnica de poda ainda tem muita margem para melhorar. 😄 Mas continuo a adorar este desafio. Tenho aprendido muito todos os dias! Nota: Muito em breve vou comprar um skimmer!!!!!! É muito necessário!!!
  6. 4 points
    https://www.facebook.com/cichlidsLAB/videos/317911969045425/?t=8 Fica aqui um pequeno video para verem a minha selva 😉 Ja encomendei umas tesouras e pinças da "ADA" ehehhee
  7. 4 points
    Afinal, devemos ou não utilizar sal no aquário de água doce? Esta é uma pergunta que frequentemente me colocam muitos aquariófilos que se estão a iniciar no hobby e que é também muito provavelmente uma das questões mais controversas na aquariologia de água doce... Há quem garanta que sim, que só faz bem... Há quem sustente que não, que os prejuízos são muito superiores às vantagens... Antes do mais, convém esclarecer que quando estamos a falar de sal estamos a referir-nos ao sal marinho comum, ao sal grosso utilizado na cozinha, ao sal puro, sem aditivos e não refinado (o nome correcto da substância é cloreto de sódio, cuja fórmula química é NaCl, pois é formada na proporção de um átomo de cloro para cada átomo de sódio). Ora bem, por um lado, estamos a falar de um dos remédios mais antigos usados pelos aquariófilos: está provado que a adição de sal à água tem efeitos muito positivos na recuperação dos ferimentos dos nossos peixes, que promove a produção dos mucos protectores da pele e das barbatanas deles, que melhora significativamente as suas funções branquiais e que é inquestionavelmente uma abordagem eficaz no tratamento contra vários parasitas externos (designadamente contra infestações de Costia, Epistylis e outros protozoários), bem como na prevenção e controlo do envenenamento por nitritos num tanque recentemente instalado (onde o ciclo do nitrogénio ainda não esteja estabilizado). Basicamente, é fácil encontrarmos muita informação na internet sobre as vantagens da utilização do sal num aquário de água doce, sendo que eu próprio já publiquei aliás textos a recomendar a sua aplicação em vários casos. Isto desde que as espécies de peixes que nós tivermos o tolerem, como é evidente. Porque há muitas espécies, como os peixes sem escamas, em particular as corydoras, e muitos tetras que não suportam sal, mesmo quantidades muito pequenas. Além disso, todas as plantas aquáticas também se ressentem gravemente, mesmo com quantidades muito reduzidas de sal. Pelo exposto, a utilização de sal para tratamentos deve ser feita sempre que possível num aquário-hospital e nunca num aquário plantado. O sal como excepção à regra Todavia, por outro lado, também existem muitas provas científicas de que as situações acima descritas podem ser excepções à regra e que não devemos utilizar o sal num aquário de água doce. De facto, se o aquário é de água doce, existem muito outros parâmetros (e cuidados da nossa parte…) que podem ajudar a prevenir as situações acima descritas. Na esmagadora maioria dos habitats de onde provieram os nossos peixes e plantas não existe sal na água (salvo algumas espécies perfeitamente identificadas, que geralmente são consideradas peixes de água salobra; ou seja, cientificamente falando, já não estamos a falar de peixes de água doce…) Significa isto que a forma correcta de pormos a questão é dizer que os nossos peixes podem excepcionalmente tolerar o sal, mas não precisam sempre dele e vivem muito melhor sem ele. Quanto às nossas plantas, é indiscutível que não precisam nunca de sal e que irão seguramente murchar se houver sal na água. Sintetizando, numa perspectiva de médio e longo prazo (ou seja, mais do que durante 3 a 4 semanas seguidas), o sal acaba por ser prejudicial para (quase) todos os peixes de água doce. Já para as plantas de água doce é prejudicial a qualquer momento. Por isso, as consequências prejudiciais da utilização de sal num aquário de água doce têm diferentes graus para os peixes e para as plantas. Para entendermos porque é que isso é assim, temos de compreender primeiro o que é que o sal faz na água e percebermos também o que são os processos de regulação osmótica (que em termos muito simplistas têm a ver com as trocas de líquidos entre os seres vivos e o respectivo meio-ambiente e com a respectiva pressão interna). Vamos então por partes: todos sabemos que o sal torna a água mais densa que a mesma água sem sal (para nós é muito mais fácil boiarmos num mar calmo do que numa piscina, pois a maior densidade da água salgada ajuda-nos a conseguirmos flutuar...) O nosso aquário contém água, que é o ambiente que serve de suporte à vida dentro dele e os corpos dos nossos peixes e as folhas e os caules das nossas plantas aquáticas também contêm água (exactamente da mesma forma que nós, pois os nossos corpos são constituídos por entre 60 a 70% de água, consoante a idade). Ora a água que temos no aquário e a água que está dentro dos nossos peixes e das nossas plantas são separadas por uma camada semi-permeável, uma membrana composta por células. A água pode passar por cada uma dessas células e está sempre a passar. Ou seja, quando o corpo de água de um lado é mais denso, o outro corpo de água menos denso passa por essa membrana, através dela, para equalizar a água em ambos os lados. A pressão osmótica e a osmoregulação Assim sendo, a água do aquário está constantemente a passar através dessa membrana, das células da pele dos peixes, por osmose, a tentar equalizar a água dentro do corpo do peixe (que é mais denso) com a água no aquário. Convém ter em conta que o corpo de um peixe é constituído por entre 80 a 90% de água, sendo que a grande diferença entre os peixes de água doce e os de água salgada é que, enquanto na água do mar há muito mais sal do que dentro do corpo dos peixes de água salgada, já num ambiente de água doce a quantidade de sal dentro do corpo dos peixes é maior do que a que existe no ambiente que os rodeia. Tudo isto tem a ver com uma propriedade dos líquidos que se chama tonicidade e que numa forma simplista se pode explicar como sendo a capacidade de uma solução (um líquido) exercer pressão osmótica sobre uma membrana (se a pressão osmótica, a pressão interna, dentro do peixe for muito grande, como sucede na hidropsia, até às escamas dele vão começar a levantar, a ficarem eriçadas, não é verdade?) Querem um exemplo prático disto, caros leitores? Pois bem, se deixarmos as nossas mãos dentro de água durante muito tempo vemos que os nossos dedos ficam todos enrugados, não é? Isso sucede por causa da osmose e porque a nossa pele também tem uma membrana semi-permeável… E os vegetais não ficam desidratados e secos ao longo do tempo? É por causa da osmose, em que perdem a água dentro deles por evaporação, através da tal membrana de células. No mundo dos seres vivos, de uma forma ou de outra, estamos rodeados de situações de osmose. No caso dos peixes de água salgada, a água do mar é hipertónica para os peixes. Ao invés, nos peixes de água doce, a água no seu ambiente é hipotónica para os seus corpos: como o conteúdo de sal dentro dos seus corpos é maior do que na água que os rodeia, por causa da osmose a água flui constantemente através dos seus corpos. Dito isto de outra forma, a água do aquário está constantemente a diluir a água do corpo dos peixes até que fiquem ambos iguais. Quanto aos corpos dos peixes, estão a controlar a quantidade de sais que mantém dentro de si, ou expelem, através de uma função chamada osmoregulação. No caso dos peixes de água doce, estão sempre a regular esse equilíbrio e a excretar essa água através da respiração e da urina. Esta é a questão fulcral que está por detrás das diferenças de pH, bem como das durezas da água, que têm a ver com os tipos e quantidades dos sais minerais e outras substâncias dissolvidos na água. O ambiente da água é fundamental para o equilíbrio interno do peixe e, consequentemente, para o seu bem-estar. E é por isso que cada espécie tem requisitos diferentes relativamente aos parâmetros da água que constitui o seu meio ambiente. Uma carga sobre os rins dos peixes Voltando à utilização do sal na água doce, o que se verifica é que com a adição de sal aumenta o trabalho fisiológico pedido ao corpo do peixe — as funções renais são particularmente utilizadas para manter o equilíbrio biológico interno contra o excesso de sal — o que também acaba de algum modo por aumentar o stress do peixe, neste esforço para manter sua estabilidade interna, o seu equilíbrio. Além disso, com o sal na água o peixe tende a produzir mais muco do que o normal, especialmente nas brânquias, o que ajuda na cicatrização das feridas e afasta os parasitas pura e simplesmente porque o sal é um agente com propriedades irritantes. Ou seja, o peixe aumenta a produção de muco para se defender também da irritação que o sal lhe provoca na pele. Esse muco em excesso indica que o peixe está a tentar proteger-se também ele da irritação que lhe provoca o excesso de sal na água. Eu devo confessar aqui que gosto de utilizar a água do mar no fim de cada Outono como tónico geral. Mas eu tenho a sorte de morar perto da Zona de Interesse Biofísico das Avencas, uma área marinha protegida que abrange as praias da Parede, onde posso captar água do mar não-contaminada, longe das marinas de Oeiras e de Cascais. Exceptuando nos meus aquários com plantas, adiciono de forma progressiva entre 1 a 2 litros de água do mar por cada 100 litros de água dos meus aquários (cada litro de água do mar tem entre 33 a 34 gramas de sal). Mas faço isso apenas para as espécies que tenho que gostam de águas duras e que toleram muito bem o sal. Para outras espécies há ter particular atenção às medidas e sobretudo conferir se as espécies de peixes em questão toleram o sal de todo. Porque há muitas espécies que não suportam nem quantidades mínimas. Num dos meus livros de ictiologia é referido que 100 ppm (partes por milhão) de sal é o máximo que se pode utilizar para caracídeos e há várias espécies que entram muito rapidamente em considerável stress e acabam até por morrer com uma concentração de 60 ppm. Ora, 100 ppm é sensivelmente igual a 0,1 gramas de sal por litro de água. Como uma colher de chá rasa contém 6 gramas de sal, então uma colher de chá de sal por 100 litros equivaleria a cerca de 60 vezes a quantidade tolerável. Ou seja, quando eu adiciono água do mar aos meus aquários estou a adicionar entre 34 a 68 vezes a quantidade tolerável pelos caracídeos. Mas a realidade é que eu não tenho caracídeos… Para certas espécies, em particular para várias espécies ovovivíparas da família dos poecilídeos, que têm uma tolerância muito maior ao sal (na Natureza encontram-se muitas vezes existem Mollinesias em água salobra), estes níveis de sal até podem ser perfeitamente seguros para eles… Tenho amigos que mantêm mollies que adicionam com alguma regularidade 4 colheres de sopa rasas de sal (uma colher de sopa rasa contém cerca de 15 gramas de sal) por cada 100 litros sem problemas... Já quanto às plantas a história é completamente diferente: quando se adiciona sal à água do aquário, a água que está dentro das células das plantas é menos densa, por isso escapa-se-lhes através das células e perde-se. O resultado é que as plantas ficam desidratadas em pouco tempo e começam rapidamente a murchar. Começam literalmente a secar, mesmo estando dentro de água... Infelizmente, até à data ainda não consegui encontrar em nenhum lado, em nenhum livro, uma referência, um indicador, sobre a quantidade de sal que é tolerada pelas plantas. Em todos os meus livros sobre plantas de aquário os especialistas referem que algumas espécies de plantas são menos sensíveis do que outras, mas todos eles estão de acordo que o sal é extremamente prejudicial para as plantas e todos recomendam também que não se utilize nunca sal em aquários com plantas.
  8. 4 points
    Já actualizavas isto ou quê?! Aqui está a foto dos 4 meses. Ainda vou adicionar mais umas árvores, mais umas copas e substituir a areia e a macaya (não está a fazer o efeito de moita cerrada que estava à espera) por erectus.
  9. 4 points
    Olá pessoal, Este aquário tem sido para mim uma caixinha de aprendizagem muito importante! Relembrei que o tempo é um amigo precioso na aquariofilia. Precioso, mas implacável e determinante… Algumas plantas ainda aqui andam firmes e serenas, outras nunca chegaram a vingar e nem sempre consegui entender o porquê. Por exemplo, Marsilea Crenata foi desaparecendo aos poucos, primeiro aparentou arrancar bem e depois definhou… por outro lado, a Hirsuta que até estava numa localização menos favorável, com menos luz, ainda cá anda e se eu não a travo já teria invadido zonas que não lhe estão destinadas. A Ranunculus nunca gostou de aqui estar e definhou até desaparecer (essa deve ter sido por iluminação insuficiente). A Murdania é uma planta muito complicada e não é para as minhas unhas, com efeito não morreu, foi erradicada porque nunca a consegui manter num nível satisfatório (não acho que seja uma planta fácil como dizem). A Cardamine passou por um período em que quase desapareceu, mas entretanto começou a ressuscitar e agora está cheia de força! As Criptos e as Buces já tiveram o seu momento de glória, depois (acho que por erro meu, pois tive a bomba de circulação desligada um dia, apenas um!…) derreteram “subitamente” no início de Outubro, mas acredito que mais tarde ou mais cedo acabem por recuperar a sua força! (é uma questão de lhes dar o tempo necessário). A Pinatifita revelou ser tramada, gosta de ir para onde lhe apetece, só que nem sempre estamos de acordo. Até com a Limnophila tenho andado às avessas, pois teima em crescer mais do que eu queria e obriga-me a usar a tesoura com demasiada frequência! A fauna também me tem “partido a cabeça”. As minhas lindas Sewellias desapareceram… nunca vi nenhuma morta, mas só podem ter morrido. Efetivamente a circulação não estava adequada para elas, agora está melhor pois mudei o local da bomba e coloquei uma “spray bar” para distribuir melhor o fluxo, Sim, melhorou imenso, mas não vou arriscar a colocar outras, pois são demasiado maravilhosas para as deixar desaparecer sem deixar rasto! Os camarões têm sido a minha perdição. Desapareceram todos excepto os Amano! Confesso que ainda vi dois CRS mortos, mas os outros (tanto os CRS com os Red Cherry), devem ter emigrado clandestinamente!… Curiosamente as Amano andam quase sempre ovadas, o que me faz ficar ainda mais baralhado. Vá lá alguém compreender isto! Por outro lado as Rasbora heteromorfa e os Coprae parecem estar satisfeitos. Numa das fases de ataque de algas (as filamentosas e eu sempre fomos muito chegados), já sem camarões a não ser os Amano, acabei por ceder aos SAE. Foi uma boa opção, tenho dois trabalhadores incansáveis. Conclusão, está muito longe do equilíbrio estético que eu gostaria. É uma espécie de “aqua jungle experimental”, mas considerando que a filtragem está longe do ideal e a iluminação muito aquém do desejado, até que não me posso queixar muito. Só lamento mesmo a fauna que morreu. Hoje, um ano (365 dias) após a montagem está aparentemente equilibrada, estável e apresenta-se assim: Continuarei decerto a cometer mais erros e a tentar aprender com eles, entretanto vou desfrutando.
  10. 4 points
    Ora Viva... Mais uma semaninha e a coisa entrou em velocidade cruzeiro. Neste momento conta com 20 e tal Red Cherrys Entrou-se na fase de corte e replantação em diferentes zonas para ajustar os detalhes finais do layout. A Ellatine foi a única planta que embora não tenha morrido, também não arranca e decidi replantar a UG, que se está a desenvolver muito bem, também nesse lado do aquário. Abraços
  11. 4 points
    Boa noite, ontem li este tópico e realmente fiquei bastante incomodada, daí preferi não responder a quente e esfriar as minhas ideias, só tenho que LAMENTAR QUE MEMBROS NÃO SE RESPEITEM E NÃO MANTENHAM A BOA EDUCAÇÃO num fórum que se dedica precisamente à entreajuda num hobby que em princípio todos gostamos! Estamos cá para impor esse respeito, mediar de forma imparcial e justa! E obviamente ajudar quem precisa de respostas, mas também quem as queira aceitar. Obviamente que quem cria um Tópico está sujeito a um role de opiniões, que podem ser do seu agrado ou não, mas que quase sempre são construtivas e querem SALVAGUARDAR A BOA CONDUTA NA AQUARIOFILIA , afinal trata-se de manter seres vivos e todos se devem esforçar por lhes dar as melhores condições. Ora é normal que nem sempre estejam de acordo mas com isso não quer dizer que se criem desarmonias, faltas de educação, ora posto isto, @Gabriel Boccia SÓ LHE FICAVA BEM UM POUCO DE HUMILDADE E UM PEDIDO DE DESCULPAS aos membros e ao fórum! Mesmo assim, vou responder às suas dúvidas se se der ao trabalho de as ler, pode ser que o ajudem a tomar boas decisões num futuro próximo, pelo menos é o que espero pelo bem da fauna que agora mantém. Acabei de montar um aquário de ciclídeos com as seguintes especificações: - 63 litros (45x40x35) Totalmente inadequado para ciclídeos africanos no geral. Sendo que para ciclídeos dos Lagos Malawi e Vitória é impensável. 120cm de frente é o mínimo dos mínimos para um aquário do lago malawi, apartir dos 150cm de frente é o aconselhável. No entanto, para uma espécie de conchiculas do lago Tanganyika até seria possível, se tivesse cuidado com o layout. - Filtro Aquaclear 200 Filtro inadequado para as dimensões desse aquário, de mochila com pouco caudal. Informo-o que ciclídeos sejam de que parte do mundo forem, precisam de bons filtros, é um equipamento indispensável para o bem estar da fauna, pois são eles que providenciam a boa qualidade da água no aquário. Para africanos devem ter um caudal de saída de 7X o volume do aquário, guiando-me pelo caudal anunciado pelos fabricantes sem matérias filtrantes, porque na prática com as matérias filtrantes perdem 30%a 50% do anunciado, dependendo das marcas. - Substrato Samoa Pink Sem problema. - Rochas Sansibar Aqui deve-se ter cuidado e ter em atenção na escolha da rocha, porque esta às vezes apresenta buracos que se tornam pequenos e os peixes podem ficar entalados ou até arestas onde se podem magoar. Mas é uma rocha comum nas montagens de africanos, tendo em atenção também a disposição das mesmas. - Aquecedor com termostato Roxin 100w Sem problema - Iluminação Led calha comúm Sem problema, não precisam de grandes calhas de iluminação e às vezes as suas cores até sobressaem mais que menos intensidade de luz. A fauna do aquário é a seguinte: - Aulonocara nyassae pink 5 cm - Tropheus Duboisi 3 cm - Demasoni Pombo 5 cm - Labidochromis yellow 4 cm Aquários de ciclídeos africanos devem ser montados consoante o lago que escolhemos! Portanto, outro ponto a ser levado em consideração é o facto de não se dever misturar espécies de lagos diferentes. Ora dessa lista tem espécies de Malawi e uma de Tanganyika, nomeadamente Tropheus, logo a partir daí começam as incompatibilidades entre espécies, fora por exemplo ter um Mbuna com um tropheu com cores idênticas, coisa que não suportam gerando conflitos entre si, fora guerras por território, etc.  Montei este aquário para deixa-lo com o aspecto de marinho e gostaria de saber a opinião de vocês sobre layout e fauna, por exemplo, "Quais peixes posso colocar?" "Devo colocar mais rochas?" Pois, a começar pelo aspecto marinho que não entendo o porquê de se preocupar com isso, já que não são espécies de água salgada. Que peixes pode colocar, a resposta é nenhum, pois não são as condições adequadas para eles, para além de que se adiciona-se mais alguns, supondo que os compra juvenis, não iam chegar a adultos... Quanto às adicionar rocha também não vale a pena, por todos os motivos que identifiquei desde o início, para mais que 45cm de frente não são de todo minimamente suficientes para para albergar a fauna que mantém, por isso não é isso que vai ajudar para não haver confrontos entre eles. Sei que o aquário é pequeno, mas pretendo ficar com ele por só mais 1 ano e depois aumenta-lo para um maior (ainda não sei quantos litros). É notório o seu desconhecimento sobre o tema, o que de todo não é um comentário depreciativo nem pretende sê-lo, pois todos começamos por algum lado e vamos aprendendo ao longo da nossa vida, com isso evoluímos em todos os aspectos. Duvido muito que algum desses peixes chegue até lá, o que devia fazer era devolvê-los a quem lhos deu ou vendeu e optar por outro caminho, outras espécies, outro tipo de layout, etc. Acho que esta é a informação indispensável, não vale a pena dizer mais para já. Espero que o tópico prossiga sem mais incidentes, obrigada aos outros membros que por aqui passaram até ao momento.
  12. 3 points
    @Vasco Ferreira pois precisa, aquelas moitas lá trás são danadas... Eu tenho podado, mas em vez de podar tudo podo por espécie, senão estou ali 2horas à volta daquilo. Por exemplo, domingo podei a rotundifolia e a outra ao lado que não me lembra, hoje foi a vietnam, sexta é a sp. green, vou fazendo assim, senão estou 2h e tal de volta do aquário. Tenho feito tpas de 60/70% de 3 em 3 dias. As filamentosas andam chatas, 2 vezes por semana removo algumas, o problema é quando está no tapete, a monte carlo não enraiza como deve ser e não fecha, então de vez em quando desprende-se mesmo com cuidado. Lá para o natal vou ter uma semanita de férias e acerto a poda, faço uma geral. Dia 46 (21 de Novembro)
  13. 3 points
    Olá sou a Isabel e sou uma entusiasta de aquariofilia, comecei na agua doce e hoje tenho um aquário de agua salgada de quase 1000 litros, sump+aquario
  14. 3 points
    Tirei uma foto antes de umas pequenas férias de 15 dias que vou fazer lá na China. Aaaah estou a gozar, é mesmo para a Tailândia. O Aqua vai ficar entregue a fertilização diária por um estranho e subi um pouco a luz para baixar o ritmo da coisa.
  15. 3 points
    Vai andando lentamente, à velocidade de CáemPortugal! Uma das ideias com pedras... [/url] Colagem das pedras com espuma PU. Atenção que o hardscape fica marcado nas zonas de colagem, limitando futuras utilizações. Esta é uma das soluções para fixar 'pedragulhos' grandes, pesados e posições fora do equilíbrio da física... Vista superior das pedras/espuma. Como podem, com o passar do tempo a espuma vai expandindo, convém utilizar em pouca quantidade! Fase final de preparação, corte e limpeza do excesso de espuma! Mas tudo coladinho... Vamos ver se isto dá para plantar alguma coisa de jeito! 🤔
  16. 3 points
    Bom, tinha referido no ultimo comentario, que as algas tinham aparecido. Desta vez lembrei-me de fazer um follow up 😉 1ª Foto Algas em quase todas as superficies inertes. Tronco e pedras com muitos tufos delas. Algumas plantas tambem com a sua presença, mais concretamente 2 buces e os fetos (nas raízes aéreas). Removi o maximo com a escova de dentes (não é facil, mas não é impossivel) e apliquei Excel na dosagem indicada pela marca. Esta aplicação foi feita com uma seringa e com a respectiva agulha. Com a agulha, permite-me uma aplicação mais pormenorizada, e apenas onde estão as algas. A quantidade recomendada não chegava para todas as algas, por isso estabeleci prioridades. Comecei nas areas com maior circulação de água. Com o filtro desligado, limpei as superficies com a escova, depois uma TPA de 50% para remover a sujidade, depois apliquei o Excel, e por fim enchi o aquario. O dia de aplicação do Excel chamei de dia 0 e fiz a contagem a partir daqui. 2ª Foto Passaram 4 dias. Ao segundo dia já elas mostravam sinais de um avermelhado. Ao terceiro dia todas estavam vermelhas e no quarto dia já algumas estavam brancas. Sinal de estarem completamente mortas e de que vão ser removidas ou pela equipa de limpeza ou serão removidas de forma natural pela circulação de água. 3ª Foto Passaram 7 dias e na area de aplicação do Excel, nem vista delas. Aliás, na foto dá para perceber claramente onde terminou a acção do excel. Na parte posterior, não apanhou com o Excel e elas não morreram. Alem do tratamento no dia 0, dia sim, dia não dava 1ml de Excel para atrasar o ritmo de propagação. No dia de hoje tenho a alga em poucos locais. Não foi erradicada na totalidade, porque a dose recomendada pela marca, não permite que actue em todos os lugares em que ela se encontra. Assim, no dia que faço a manutenção, dou 5ml. Depois faço 1ml dia sim dia não. Ou seja, mesmo com a seringa com a respectiva agulha, nunca me dá para atingir todas as algas de uma vez. Em duas manutenções no entanto, já erradiquei mais de 80%, e em locais onde não havia, tambem não apareceu. O Excel não é um produto milagroso. Resulta com alguns tipos de algas e quando percebemos porque aparecem. Apenas isso 😄
  17. 3 points
    Ora é como não podia deixar de ser, lá vieram as filamentos as fazer uma visita, e então o fim de semana passado fiz uma limpeza com a escova de dentes, e seguida de tpa de 60%. Na terça feira fui comprar um SAE, o mais pequeno e magricela que lá havia, para a limpeza das malditas, na verdade a alga que acho mais feia de se ver, gosto mais das diatomáceas, lol. Ao trazer o peixito, o qual fiz uma ambientação como sempre gosto de fazer, lembrei-me que tinha de colocar o termostato a funcionar, o que fiz. Certo é que o peixe entrou no aquário e nunca mais o via, durante um dia e meio as algas continuavam na mesma, o que achei estranho, pois são exímios a comê-las. Pois cheguei à conclusão que o termo estava a fazer mau contacto na tomada e estava desligado, lá resolvi o assunto e passado umas horas lá vi o peixito a começar a trabalhar, deve ter passado um mau bocado já que a temperatura estava nos 21° graus. Mas a situação não ficou por aqui, e eu que tinha o termo que é de 100W para 26° mas a temperatura estava a 30°, tive de ajustar o termo para os 22° para ficar com uma temperatura de 27 reais. Acho que tenho de investir num termo de 50W da elite, pois são pequenos e como vi o Gonçalo a colocar um eheim dentro do filtro vou optar por fazer o mesmo. Aqui ficam as fotos gerais do dia 6 de Novembro e de hoje dia 10, já se nota a diferença, embora ache que ele continua um pouco preguiçoso.
  18. 2 points
    Boas António Sebastião Já foi-te dito o principal pelo Bruno,mas quero-te acrescentar que quereres colocar um tubarão dentro dum aquário de 15 litros,e como quereres colocar dentro do teu quarto um elefante,nem um nem outro tem cabimento,desculpa mas não leves a mal falar-te a sim,essa historia de que os peixes só crescem conforme o espaço e uma total treta,e sabes porque? porque eles morrem mesmo antes de começarem a desenvolver o crescimento,vê lá se consegues arranjares um aquário maior, já agora respondo a esta ultima questão,(Que quantidade de Bettas devo colocar)só um Betta,porque dois eles se matam um ao outro,para responder a tua pergunta sobre aquário para tubarões,vê e lei aqui,https://www.seriouslyfish.com/species/pangasius-sanitwongsei/ ,e como já vi que não sabes muito de aquários e peixes,deixo-te aqui para leres com muita atenção sobre o ciclo do azoto. Cumprimentos
  19. 2 points
    Olá Fábio, bem-vindo de volta. Sobre a ug só posso dizer que foi um falhanço completo. E a culpa é toda minha que não lhe dei as condições desejadas. Talvez numa próxima oportunidade... Entretanto andei a inventar mais uma vez com a calha! Como ao ter colocado a calha antes tão em baixo a luz não espalhava tão bem sobre todo o aquário as moitas atrás estavam a ressentir-se crescendo muito em altura mas sem densidade! Por outro lado os tapetes finalmente arrancaram e os musgos e a pinnatifida também! Para conseguir dar a volta a isto decidi subir a calha trocando a posição dos suportes de metal de um dos lados. Não ficou totalmente nivelada mas na falta de melhor solução... Para não perder a intensidade luminosa no fundo do aquário abri as goelas á calha! Tenho agora 8 horas a 100% e mais duas horas para a transição do 0 para os 100 e o caminho inverso. Bendito dinheiro que dei pelo regulador eletrônico. Aproveitei e podei o que era necessário e respectiva muda de agua. Ainda é cedo para se perceber como vai reagir o aquário a estas mudanças, estou atento! Finalmente ficam umas fotos fresquinhas 🙂
  20. 2 points
    Boas Francisco Ate agora estamos a falar de um aquário,mas que aquário e,medidas do mesmo,que filtro estas a pensar comprares,não te deves preocupar que peixes vais colocares no aquário se nem sabes que aquário vai ser,estas a por os bois há frente da carroça,não leves a mal,pensa bem no que vais comprar,antes de comprares pergunta aqui para tirares duvidas,e não gastares dinheiro há toa,vela tu que depois de teres o aquário,terás que fazer o ciclo do azoto,que demora 30 dias,sempre com muita calma vais então ter tempo de pensares que peixitos vais querer,neste hobby quer-se muita calma e paciência,nada de stress. Cumprimentos
  21. 2 points
    Boas Aqui vai um update deste aquario. Em primeiro lugar talvez um pedido de desculpa, o forum não serve para mostrar as boas experiências. Também serve para mostrar as más. E o porquê do pedido, este aquario estava a ficar muito bonito quando fiz o último update. No entanto em Agosto quando tivemos a vaga de calor as coisas começaram a dar para o torto bastante rápido. A primeira coisa que me aconteceu foi que os camarões morreram todos. Dias depois as plantas começaram a morrer. Cuba é monte carlo especialmente meltaram e o aquario ficou horrível. Eu devia ter estado preparado para o calor, no entanto após tantos anos num país mais frio, esqueci-me que em Portugal o verão pode ser problemático. O meu pedido de desculpas deve-se ao facto que eu devia ter partilhado esse evento aqui e quem sabe até pedir opiniões. A verdade é que não o fiz, o aquario estava deprimente e nem tinha cara de olhar para ele. Durante semanas andei a pensar desmonta-lo. Fui adiando, adiando até que as plantas começaram a recuperar muito lentamente. Mas durante os meses todos até agora mantive este layout um pouco mais escondido porque não estava de todo contente com ele. Com o desastre de Agosto a Cuba desapareceu deste aquario e a monte carlo que dominava grande parte do layout também tem agora uma presença reduzida. Isso possibilitou a outras plantas que tinham resistido melhor que tomassem conta do layout. Eleocharis mini tinha uma presença pequena no layout antes, espalhou-se por todo o lado. Hemianthus michrantemoides também tomou conta de toda a área traseira onde antes havia Cuba. Com o tempo comecei a gostar o look desta planta e comecei a fazer podas regulares para formar um arbusto e dar-lhe forma. Este aquario está neste momento a usar a minha chihiros aquasky 451, ao invés da Tmc que usava antes. E a calha está a 100% visto que quando estava no nível 4 o arbusto de michrantemoides não era muito denso e não parecia saudável. O problena resolveu-se com o aumento da luz. A fertilizacao é Estimative index com uma solução preparada a partir dos sais da aquarium plant food UK. Faço macros e micros alternadamente e descanso ao sábado. A manutenção deste é semanal, todas as semanas faço poda das plantas em especial da michrantemoides, aspiro o substrato e limpo os vidros. Duas vezes por semana limpo as rochas com uma escova de metal, as rochas tendem a ficar esverdeadas e eu gosto do look cinzento das seiryu a saltar a vista entre as plantas. Isto um pouco trabalhoso e as vezes chego a remover Rochas e aspirar por debaixo para evitar acumulação de detritos. Também a cada duas semanas aspiro um pouco da área do caminho e adiciono uma nova camada. Finalmente tento limpar o filtro dennerle pelo menos de duas em duas semanas, para evitar uma redução na corrente do filtro. É quando faço isso coloco as pipes e o difusor de Co2 numa solução de lixívia para limpa-Los. Tenho notado que desde que me tornei mais consistente com as manutenções, todos os aquarios da casa melhoraram a olhos vistos e este não é excepção. Este aquario está a começar a cativar-me, e não me arrependo de não o ter desmontado. Não vai ser perfeito porque muito do que se tornou agora foi a Natureza a a crescer por si própria, não comprei plantas novas para substituir as que morreram, apenas deixei o aquario abandonado a crescer sozinho. Daí que está um pouco diferente daquilo que tinha em mente em Agosto. De qualquer maneira aqui vai uma foto tirada hoje com o tele. Fico a espera de opiniões. Enviado do meu PRA-LX1 através do Tapatalk
  22. 2 points
    Falo no florido tabs devido ao fértil ao fim de 6 meses +/- esgotar-se. Uma caixa de florido tabs custa á volta dos 7€ Entretanto vou ver se ganho coragem de desmontar pra começar a nova montagem
  23. 2 points
    Video planting this scape. Enjoy 😄 https://www.youtube.com/watch?v=k8iNXeEIBV8
  24. 2 points
    E pronto! Lá foi ele para o lago [emoji4] Enviado do meu SM-J510FN através do Tapatalk
  25. 2 points
    Boas deixo aqui mais algumas fotos espero que gostem

Tempo de vida do fórum


Data de criação do fórum: March 16, 2003 00:00:00