Comida Viva


Martouf

Recommended Posts

Nos últimos tempos tem vindo a crescer o número de interessados em manter as suas próprias culturas de diversos tipos de comida viva. Eu não sou excepção e com a prevista montagem de um aquário de africanos a comida viva assume especial relevância. Em virtude desse facto tenho andado a compilar alguma informação sobre os vários tipos de comida viva usualmente utilizada por aquariofilistas. A maioria da informação foi encontrada na net e em inglês. Após a tradução decidi partilhar o que obtive, de forma resumida, com o pessoal do forum e simultaneamente pedir a quem mantenha algumas das culturas que deixe o seu testemunho sobre a manutenção das culturas e alterações/melhorias nessa mesma manutenção. Espero que no fim da discussão do tópico se possa elaborar um documento o mais completo possível para adicionar aos inamoviveis.

Sem mais demora aqui fica o que encontrei até ao momento.

 

Introdução

Criar comida viva não é difícil, contrariamente ao mito criado.

Deve-se sempre iniciar com uma cultura de arranque.

Cultivar a sua própria comida viva permite poupar algum dinheiro, a longo prazo, além de fornecer aos seus peixes uma comida mais nutritiva, similar à que encontram nos seus habitats naturais.

 

A chave para usar comida viva é não sobrealimentar os peixes, de lembrar que a comida viva possui um elevado valor proteico.

É aconselhável fornecer aos seus peixes comida vegetal (por exemplo flocos) como suplemento, de forma a evitar obstipação intestinal, provocada pela comida viva. Um exemplo é intercalar a cada três alimentações flocos ricos em spirulina.

Lembre-se, no que toca a alimentação dos peixes, VARIEDADE é a chave para peixes felizes.

 

1 - Infusórios

Os infusórios são criaturas microscópicas que sobrevivem em águas “verdes”.

São uma comida excelente para alevins recém-nascidos de tamanho reduzido.

 

Coloque uma folha de alface dentro de um frasco ou garrafão com água do aquário, e coloque ao sol. Pode usar uma cultura de arranque. Dentro de 48-72 horas deve ver uma nuvem de aspecto leitoso na água, não é mais que a cultura de infusórios. (Não confia nos seus olhos? Recolha uma gota e observe-a ao microscópio). Duas dicas, use sempre água sem cloro, a água do aquário é óptima, e nunca use um recipiente metálico para cultivar infusórios. Desde que nunca lhes falte vegetais (água “verde” é o melhor) a cultura manter-se-á indefinidamente.

 

Recolha a água com infusórios com um pequeno sifão, pipeta ou conta-gotas. Ajuste a quantidade fornecida em função do número e tamanho dos peixes. Tenha cuidado para não os sobrealimentar. É preferível fornecer pequenas quantidades de comida várias vezes, de forma a evitar a sobrealimentação e a turvação da água.

 

2-Microvermes

São nematóides de reduzido tamanho, quase invisíveis a olho nu. Constituem uma excelente fonte de alimento para alevins ou peixes de tamanho reduzido.

O seu uso é mais fácil em tanques de criação ou crescimento, desprovidos de substrato, uma vez que tendem a afundar-se.

Podem ser cultivados em recipientes plásticos de cerca de 5 cm de profundidade. O recipiente deve ser tapado mas deve possuir furos para ventilação (certifique-se que os furos são pequenas para evitar a infestação da cultura por larvas da mosca da fruta.

O meio de cultura recomendado é uma mistura de flocos para bebé ou aveia, água e uma pitada de fermento. A mistura deve ter uma consistência branda, semelhante à massa das panquecas. Água ou flocos devem ser adicionados de forma a manter a consistência. Os micro vermes alimenta-se do bolor gerado pelo fermento, logo deve ser adicionado um pouco de fermento a cada dois dias. Se for adicionado fermento em excesso formam-se bolhas na mistura. Mexa a mistura para as retirar.

Uma nova cultura deve ser iniciada quando a mistura fica com uma cor castanha escura ou quando começar a deitar cheiro. Tente evitar transferir a mistura antiga para a nova (use os vermes que se encontram nos lados dos recipiente)

De forma a assegurar um fornecimento permanente use mais do que uma cultura de pequena dimensão, com início espaçado no tempo, além da cultura principal.

As culturas podem ser mantidas à temperatura ambiente ou colocadas em suspensão no frigorífico. As culturas mantidas no frio são capazes de produzir vermes mesmo após algumas semanas de frio. A maioria das culturas à temperatura ambiente conseguem manter uma produção contínua de vermes durante 2 a 5 semanas.

Uma cultura principal contêm milhões (?) de vermes à superfície bem como a trepar pelos lados do recipiente.

Para alimentar os seus peixes recolha uma pequena quantidade de vermes, dos lados do recipiente, com o dedo, um pincel macio ou mesmo um pedaço de papel. Coloque os vermes recolhidos num recipiente com água (para separar a mistura dos vermes). Após alguns minutos os vermes caem para o fundo do recipiente e pode retirar a água em excesso. Recolha os micro vermes com um conta-gotas e dê-os aos peixes. Lembre-se que os micro vermes se afundam, podendo viver horas, por vezes até um dia, no aquário, como tal evite a sobre alimentação.

 

3-Vermes do vinagre

São nematóides um pouco maiores que os micro vermes. Constituem uma boa escolha como comida para alevins, especialmente para alevins que se alimentam à superfície. As culturas podem ser mantidas indefinidamente.

Os vermes do vinagre adoram meios ácidos. Para iniciar uma cultura pode usar a seguinte receita:

Use um frasco de cerca de 5 litros, coloque lá dentro a cultura de arranque. Adicione, em partes iguais, uma mistura de vinagre de cidra e água (ou sumo de laranja do mais barato) até o nível do frasco atingir cerca de três quartos. Junte meia chávena de açúcar e uma colher de chá de fermento. Junte meia maçã e está feito. Os vermes do vinagre alimentam-se do bolor que se forma na mistura.

Deve conseguir observar um crescimento vigoroso da cultura no espaço de uma semana. Pode tapar o frasco com um filtro de café ou uma rede fina, de forma a evitar a propagação do cheiro. A adição de açúcar e fermento (ou mais fatias de maçã) é benéfica se observar que a sua cultura se encontra a decair. Vá adicionando mais água/vinagre se for preciso. As culturas deste tipo de vermes podem passar de pequenas culturas até milhões de vermes em poucas semanas sendo por isso uma cultura simples e resistente para manter.

Para recolher os vermes use um sifão para transferir uma porção da cultura para outro recipiente, passando por filtro de café. Verta os vermes para outro recipiente e lave abundantemente (para evitar que a acidez da cultura lhe altere o aquário). Os vermes podem agora ser fornecidos aos seus peixes usando um conta gotas ou vertendo o recipiente para o aquário. Os vermes nadam para a superfície da água e podem sobreviver até um dia se não forem comidos.

 

4-Artémia Salina

Não sendo uma género de comida natural para os peixes de água doce, este pequeno crustáceo oceânico tornou-se uma parte importante na criação e reprodução de algumas espécies.

Manter culturas de artémia adulta é trabalhoso e exige demasiados cuidados, é preferível usar artémia recém eclodida como forma de alimento. Nos intervalos da eclosão pode usar micro vermes ou vermes do vinagre como alimento.

A artémia recém eclodida é adequada para alevins de algumas espécies mas alevins de tamanho reduzido necessitam de comida de menor dimensão.

Os elementos importantes para fazer eclodir artémia com sucesso são: qualidade dos ovos, qualidade da água, salinidade e temperatura.

Compre os olhos de melhor qualidade que puder (maior rendimento de eclosão=maior custo) nas lojas da especialidade ou lojas online.

Use uma garrafa de 2 litros de coca-cola. Encha-a até 4/5 com água tépida. Adicione 3 colheres de sopa de sal para aquário ou outro sal desprovido de iodo e agite a mistura. Há quem adicione um pouco de bicabornato de sódio para ajustar a dureza e o pH. A quantidade de ovos a adicionar depende da quantidade de peixes a alimentar.

Coloque um pedaço de tubo, com uma pedra difusora dentro da garrafa e ligue o tubo a uma bomba de ar. A pedra difusora necessita de ser mudada no espaço de alguns meses. A temperatura ideal para eclodir os ovos ronda os 22 a 28ºC.

Se a temperatura da sala rondar os 20ºC, uma simples lâmpada incandescente, perto da garrafa, é suficiente para subir a temperatura. Temperaturas mais baixas levam a um maior tempo de eclosão. Temperaturas demasiado alta podem levar a uma redução da taxa de eclosão.

A eclosão deve ocorrer no decorridas entre 24 a 48 horas, dependendo da temperatura, da água e da qualidade dos ovos.

Para alimentar os seus peixes, remova a pedra difusora e deixe a água estagnar.

As cascas vazias flutuam e a artémia eclodida afunda. Se colocar uma pequena luz junto á garrafa a artémia desloca-se em direcção à luz.

Use um pedaço de tubo para sifonar um pouco de água com artémia, através de uma rede, para outro recipiente. Lave a artémia com água corrente e alimente os seus peixes. Depois da alimentação a pedra difusora deve ser recolocado no seu lugar, a funcionar.

 

5-Dáfnia

Também conhecida como pulga de água, estes pequenos insectos (Daphnia Pulex e Daphnia Magna spp.) constituem um excelente alimento natural para peixes pequenos ou de médio tamanho. O tamanho das dáfnias pode variar desde 3 mm até perto de 10 mm. Podem sobreviver no aquário durante bastante tempo se não forem comidas. É necessário uma cultura de arranque para iniciar uma colónia.

 

As dáfnias podem ser cultivadas em recipientes de qualquer tamanho. O modo mais fácil de propagar uma colónia de dáfnias é usando água “verde” ou água com bastante algas em suspensão. Água do aquário com a adição de fertilizante (não necessita de ser para plantas aquáticas), deixada ao sol durante uma semana torna—se numa excelente água “verde”.

As dáfnias alimentam-se dos infusórios e outros micro-organismos presentes na água. Também pode alimentar a cultura principal com fermento de padeiro, leite em pó, polpa de abóbora esmagada, etc. Evite a agitação excessiva da água.

Pode mesmo criar uma pequena cultura de dáfnias no aquário de crescimento. As dáfnias irão alimentar-se das bactérias e outros micro-organismos presentes, purificando a água, e os alevins alimentam-se das dáfnias mais pequenas, conforme a colónia se for reproduzindo.

Um camaroeiro vulgar ou um pedaço de rede fina pode ser para apanhar as dáfnias

e passá-las para o aquário. Sobrealimentar com dáfnias é raro acontecer mas deve ter em atenção que pode ter problemas se as dáfnias morrerem mais depressa do que forem comidas.

 

6-Vermes de Grindal

São uma espécie de vermes brancos de tamanho reduzido. Alcançam, no máximo 15 mm e são o ideal para peixes jovens e pequenos peixes.

Os vermes de Grindal são cultivados da mesma forma que os vermes brancos com uma excepção. Os vermes de Grindal crescem e reproduzem-se melhor a temperaturas entre os 22 a 28ºC. Temperaturas mais baixas atrasam a sua reprodução.

Os vermes de Grindal são colhidos e fornecidos da mesma forma que os vermes brancos.

 

7-Vermes Brancos

O seu tamanho varia entre os 25 a 40 mm. São adequados para peixes pequenos ou de médio tamanho mas são demasiado grandes para alevins.

Como qualquer verme os requisitos para a sua cultura são a temperatura, humidade e meio. Qualquer recipiente pode ser usado, desde que lhe faça uns furos de ventilação. A temperatura ideal ronda os 15ºC mas suporta bem temperaturas até aos 21ºC.Os vermes brancos preferem o seu meio bastante húmido mas evite águas paradas. O meio de cultivo, com um máximo de 5 cm de profundidade, é uma mistura de turfa com substrato para plantas (para compensar a acidez da turfa).

Os vermes comem praticamente tudo mas lembre-se que a qualidade dos vermes depende da qualidade da comida que lhes der. Seja qual for a comida que escolha deve ser líquida porque os vermes não conseguem comer alimentos sólidos.

Uma simples papa de comida para bebé seca ou flocos para peixes é suficiente. Pode adicionar uma pequena quantidade de fermento em pó. Alimente-os apenas à medida que a comida for consumida, remova a comida não consumida bem como comida com bolor.

Para os recolher basta colocar um pedaço de vidro sobre a comida que colocar e recolhê-los directamente do vidro.

Podem aparecer ácaros do solo, que ocorrem em praticamente todas as culturas com base de solo, mas não são nocivos. Ácaros de solo, brancos ou castanhos, aparecem em quase todas as culturas de vermes. Não são perigosos e podem ser usados para alimentar os seus peixes. No entanto o seu número deve ser controlado, principalmente a variedade castanha, os ácaros concorrem directamente com a comida dos vermes e a maioria dos peixes não os comem.

Deixe o solo secar ligeiramente, até os vermes se afundarem no solo e de seguida

queime a superfície do solo com um pequeno maçarico ou com um isqueiro. Este processo é suficiente para manter controlada a população de ácaros, no entanto pode matar alguns dos vermes.

Para limpar e recomeçar a sua cultura imirja a sua cultura, em água, durante uma hora. Os ácaros ficaram a flutuar sendo fácil removê-los.

 

8-Drosófila

A mosca da fruta ou drosófila é fácil de manter e a maioria dos peixes que se alimentam à superfície facilmente se adaptam a usá-la como alimento. É apropriada para peixes pequenos os de médio tamanho. Existem vários tipos desta mosca, deste a vulgar até variedades sem asas, geneticamente apuradas.

Existem um sem número de receitas caseiras para um substrato apropriado ao seu cultivo. O mais limpo e confiável substrato é uma papa comercial que contêm um agente anti-fungico. Este substrato, apesar de barato, não é fácil de encontrar no nosso país (existe online na Exotic Aquatics).

Use um frasco de boca larga como recipiente para a cultura principal. Cubra a boca do frasco com filtro de café ou rede fina. O substrato é misturado com água e um pouco de fermento em pó. A mistura resultante deve ser húmida mas de consistência sólida. Coloque entre 2 a 6 moscas e mantenha a cultura à temperatura ambiente. Temperaturas mais altas podem resultar no crescimento de asas nas variedade sem asas. As moscas da frutas acasalam até morrer, e passado uma semana da introdução das moscas adultas deve ver a primeira fornada. A cultura continua a produzir durante cerca de um mês.

Os adultos podem ser alimentados com um pouco de fermento em pó. Mantenha o substrato húmido mas não encharcado. Os adultos vivem apenas alguns dias pelo que estão prontos a reproduzirem-se 48 horas depois de nascerem.

Para recolher as moscas, para alimentar os peixes, coloque a cultura no frigorifico durante uns minutos, para lhes reduzir a actividade. Depois podem ser simplesmente despejados para o aquário, sem o trabalho de os apanhar. As moscas mantêm-se à superfície até serem comidas. Forneça apenas as moscas que sejam consumíveis no espaço de alguns minutos.

 

9-Vermes Vermelhos

Este tipo de verme é vendido aos pescadores como isco. Podem crescer até aos 6 cm e podem ser fornecidos como comida a peixes grandes ou médios. Também podem ser cortados em pedaços e fornecidos a peixes mais pequenos.

A sua cultura é semelhante à dos vermes de Grindal (com uma mistura de turfa e substrato para plantas) e mantidos à temperatura ambiente. O A mistura deve ter entre 10 a 15 cm de altura. O substrato deve ser mantido húmido mas não em excesso. Pouca humidade leva os vermes a enterrarem-se e demasiada humidade leva-os a tentar subir pelas paredes do recipiente. Estes vermes depositam os ovos à superfície ou perto dela. Podem ser alimentados com pedaços de vegetais, flocos para peixes ou comida para bebé seca. Como os restantes vermes a comida deve ser liquida ou bastante húmida. Não sobrealimente a sua cultura para evitar problemas com bolor.

Os vermes vermelhos conseguem comer até 4 vezes o seu peso, por dia. Como outras culturas de vermes, se as condições forem as correctas, os vermes vermelhos duplicam a sua população no espaço de 90 a 120 dias.

Os vermes, devido ao seu tamanho, são recolhidos e fornecidos à mão. Devem ser lavados antes de serem fornecidos. Deve ter em atenção para não fornecer vermes demasiado grandes em relação ao tamanho dos seus peixes pois pode matá-los por sobrealimentação.

 

10-Minhoca do mar

Este tipo de minhoca também é vendida como isco para os pescadores. Constituem uma excelente comida para peixes grandes, podendo ser cortadas para peixes mais pequenos.

A cultura destas minhocas exige algum espaço disponível, dentro ou fora de casa.

Podem ser recolhidas durante a Primavera/Verão. O excesso pode ser congelado para fornecer aos peixes durante o Inverno.

A vermicultura é feita no exterior, com recurso a substratos apropriados para produção em larga escala. Existem vários livros sobre vermicultura, mas esse assunto já fica fora do âmbito desta introdução.

Numa escala menor pode-se recorrer a um tabuleiro grande de poliestireno (tipo os do peixe fresco, nos mercados) mas deve ser mantido bem ventilado. Os substratos para exterior podem ser usados mas o ideal é usar um substrato à base de celulose. O substrato deve ser mantido húmido mas não ensopado e mantido no escuro. A temperatura deve ser mantida entre os 10ºC e os 16ºC. Pode usar um frigorifico extra ou recorrer a cubos de gelo de modo a manter a cultura fresca e húmida.

No exterior a caixa pode ser enterrada ligeiramente de modo a manter a temperatura baixa mas não se esqueça de fazer pequenos furos para servir de drenos. O pior que pode acontecer é permitir que a temperatura se eleve demasiado ou sobrealimentar a sua cultura (forneça apenas comida liquida).

 

Tal como nas restantes culturas de vermes (brancos, vermelhos e minhoca do mar)

o substrato deve ser revolvido mensalmente e, se necessário adicionar mais um pouco de substrato. Remexer o substrato permite arejar o substrato e homogeneizar vermes e nutrientes.

Pode alimentar as minhocas com qualquer resto orgânico, tendo o cuidado de não os sobrealimentar, o que pode levar a cultura a ganhar cheiro pelos rsto sem decomposição (cobrir a comida com um pouco de substrato tende a minimizar este problema). Ficará espantado com a quantidade de comida que estes vermes comem por semana.

Estes vermes vêm à superfície para se alimentarem ou por excesso de água no substrato mas cavar para os encontrar é metade do divertimento.

As minhocas, depois de colhidas devem ser bem lavadas antes de as fornecer aos peixes. Caso sejam muito grandes podem ser cortadas aos pedaços.

 

11-Vermes da Farinha/Amendoim

Estes pequenos seres não são vermes mas sim o estágio larvar do tenébrio, um tipo de escaravelho. Pelo seu tamanho servem para alimentar peixes grandes (se fornecidos inteiros), cortados/esmagados para alimentar peixes mais pequenos ou secos e reduzidos a pó para misturar com outra comida.

 

A temperaturas entre os 21ºC a 32ºC estes seres não saem do estado larvar.

Larvas de tamanho reduzido podem ser mantidos no frigorífico (entre os 5ºC e os 10ºC), mantendo-se em estado latente durante um mês ou mais, se necessário.

Larvas de grandes dimensões não devem ser refrigeradas.

Use recipientes plásticos com as tampas furadas, de modo a manter a ventilação. Um simples recipiente de 5 litros pode conter até 1000 larvas.

Existem várias receitas caseiras para o substrato e alimentação dos tenébrios. Pode ser feita de farelos (trigo, milho ou aveia) ou farinha de milho. Se o substrato tiver uma aparência poeirenta ou gasta, adicione um pouco mais de substrato. Como alimento pode usar pedaços de batata, cenoura ou aipo crus, de forma a fornecer humidade às larvas. Também lhes pode dar biscoitos secos para cães ou gatos. O excesso de comida deve ser retirado e guardado visto os tenébrios por vezes depositarem neles os seus ovos.

A recolha é feita à mão e depois de lavados são fornecidos aos peixes.

Os tenébrios são também usados como alimento para algumas aves e mamíferos de estimação.

  • Upvote 1

launch1au.gif

 

Temos dois ouvidos e uma boca para ouvirmos mais do que falamos.

Link to comment
Share on other sites

""Os infusórios são criaturas microscópicas que sobrevivem em águas “verdes”.

São uma comida excelente para alevins recém-nascidos de tamanho reduzido.

 

Coloque uma folha de alface dentro de um frasco ou garrafão com água do aquário, e coloque ao sol. Pode usar uma cultura de arranque. Dentro de 48-72 horas deve ver uma nuvem de aspecto leitoso na água, não é mais que a cultura de infusórios. (Não confia nos seus olhos? Recolha uma gota e observe-a ao microscópio). Duas dicas, use sempre água sem cloro, a água do aquário é óptima, e nunca use um recipiente metálico para cultivar infusórios. Desde que nunca lhes falte vegetais (água “verde” é o melhor) a cultura manter-se-á indefinidamente.""""

 

 

só uma pergunrta...o garrafão pode tar completamente tapado com a tampa, ou tem de estar aberto?

 

AHH e INAMOVIVEL JÁ!!!!

Edited by bernardosales
Link to comment
Share on other sites

já que se está a falar de comida viva!

hoje fui há naturline e vi que eles tinham comida viva, como dafnia , artemia entre outra que não sei o nome agora!

 

 

cump´s

Coral Gigante! (clica)

 

O mar corroí tudo, mas um aquário de água salgada somente corroí a carteira...

Link to comment
Share on other sites

só uma pergunrta...o garrafão pode tar completamente tapado com a tampa, ou tem de estar aberto?

 

A "àgua verde" não é mais que àgua com algas em suspensão, visto as algas serem fotossintéticas necessitam de oxigénio para a fotossintese logo o garrafão/frasco deve ter respiração, totalmente aberta a tampa ou furada depende de cada um e do tamanho da tampa.

launch1au.gif

 

Temos dois ouvidos e uma boca para ouvirmos mais do que falamos.

Link to comment
Share on other sites

A "àgua verde" não é mais que àgua com algas em suspensão, visto as algas serem fotossintéticas necessitam de oxigénio para a fotossintese logo o garrafão/frasco deve ter respiração, totalmente aberta a tampa ou furada depende de cada um e do tamanho da tampa.

 

Olá :bad-words:

 

Segundo o meu professor de microbiologia, o que as algas verdes precisam para fazer a fotossíntese é mesmo de CO2... Assim como as plantas.

Os (micro)organismos fotossintéticos mais comuns, nomeadamente as algas (verdes, castanhas, vermelhas) e as cianobactérias (também conhecidas por algas azuis, mas que por serem procariotas não são considerados algas mas sim bactérias) fazem a fotossíntese de forma muito semelhante às plantas que conhecemos, havendo consumo de CO2 e libertação de O2.

 

Portanto, é provavelmente verdade que o garrafão deve estar aberto... Mas não devido à falta de oxigénio banana rock

 

Fiquem bem*

 

Rita Saraiva

Link to comment
Share on other sites

fazem a fotossíntese de forma muito semelhante às plantas que conhecemos, havendo consumo de CO2 e libertação de O2.

 

Portanto, é provavelmente verdade que o garrafão deve estar aberto... Mas não devido à falta de oxigénio :)

 

Fiquem bem*

 

Rita Saraiva

 

E vice-versa, já que à noite o consumo/libertação de gases inverte-se...o suposto garrafão deve estar aberto para a troca de gases entre atmosfera e a água.

 

E umas fotos sobre a comida viva deste tópico:

 

http://www.pegadas.iol.pt/index.php?option...&Itemid=104

 

http://www.livefoodcultures.com/microcultures.html#infusoria

 

http://www.well.com/user/debunix/fish/LiveFoodCultures.html

Link to comment
Share on other sites

tenho outra pequena duvida. em relação aos infusorios foi dito que se deveria ter em atenção a dose que se poe no aqua para nao sobrealimentar os peixes, e como sei a quantidade correcta?

Viva,

 

O maior problema com os infusorios, é a poluiçao extrema que estamos a introduzir no aqua ao colocar os infusórios. Imagina a quantidade de bacterias, nitritos, nitratos, amonia que essa 'agua' com infusorios nao deve conter...

 

Enfim, mas a quantidade correcta é a que eles conseguirem comer entre 30m a 1h.

 

Cmprts,

Luis.Dias

Link to comment
Share on other sites

Muito bom tópico. Inamovível!!!

 

Já agora, o que é uma cultura de arranque que é tão falada neste texto?

 

Cumprimentos!

Link to comment
Share on other sites

Muito bom tópico. Inamovível!!!

 

Já agora, o que é uma cultura de arranque que é tão falada neste texto?

 

Cumprimentos!

 

Ouvi dizer que os saltões também são bons alimentos vivos. É verdade?

Link to comment
Share on other sites

Muito bom tópico. Inamovível!!!

 

Já agora, o que é uma cultura de arranque que é tão falada neste texto?

 

Cumprimentos!

 

Uma cultura de arranque não é mais que uma cultura de pequena dimensão fornecida por outra pessoa que já possua uma cultura maturada, de modo a iniciar uma nova cultura.

Como qualquer elemento vivo, não surgem do nada, é necessário ter alguns individuos iniciais para "arrancar com a produção".

 

Deculpem-me o erro acima

visto as algas serem fotossintéticas necessitam de oxigénio para a fotossintese

Como o membro Rititi corrigiu e muito bem, a fotossintese ocorre com consumo de CO2 e não oxigénio, como mencionei.

launch1au.gif

 

Temos dois ouvidos e uma boca para ouvirmos mais do que falamos.

Link to comment
Share on other sites

"Ninguém é tão grande que não possa aprender, nem tão pequeno que não possa ensinar..."

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

O verme vermelho ao qual fazem referência não tem nada a ver com o blood worm pois não? eu gostava de saber criar blood worm, será que alguém me pode ajudar?

Cumprimentos

Rui Alves

Link to comment
Share on other sites

O verme vermelho ao qual fazem referência não tem nada a ver com o blood worm pois não? eu gostava de saber criar blood worm, será que alguém me pode ajudar?

 

Tanto quanto sei o termo blood worm pode-se referir a dois tipos de vermes:

- a larva de um tipo de mosca (de menor dimensão)

- um verme da familia Glycera, muitas vezes usados como isco na pesca (similares aos vermes vermelhos)

 

Em aquariofilia o termo blood worm costuma significar o primeiro caso (larva de mosca). Uma cultura deste tipo implica ter insectos adultos, o que tradicionalmente não é viável (à excepção da mosca da fruta). Basta ver que a comida baseada em larvas de insectos alados (larvas pretas/vermelhas de mosquitos,tubifex,etc) costuma apresentar-se liofilizada ou congelada, serem raros os casos de aquariofilistas com culturas de sucesso.

  • Downvote 1

launch1au.gif

 

Temos dois ouvidos e uma boca para ouvirmos mais do que falamos.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...

espectacular - inamovivel

 

 

so duas duvidas , no ponto11(vermes de farinha) é necessario ter uma cultura de arranque??

no ponto 1(infusorios) é obrigatorio começar com uma cultura de arranque ou basta pegar numa folha de alface garrafao e agua e esperar??

Edited by tomas bandeira
Link to comment
Share on other sites

No lago das minhas tartarugas e num tanque meu aparecem larvas de mosquito normais e larvas de mosquito vermelhas...posso usar as vermelhas como comida viva ou há algo contraditorio?

 

Abraço :twisted:

 

Ps:Voto inamonivel!

Edited by pedromelao
Link to comment
Share on other sites

espectacular - inamovivel

so duas duvidas , no ponto11(vermes de farinha) é necessario ter uma cultura de arranque??

no ponto 1(infusorios) é obrigatorio começar com uma cultura de arranque ou basta pegar numa folha de alface garrafao e agua e esperar??

 

Todas as culturas têm de ser iniciadas com uma cultura de arranque.

A única excepção são precisamente os infusórios, a cultura de arranque estabelece-se sozinha (muitos dos seres microscópicos que constituem os infusórios encontram-se na nossa comida, na água e mesmo no ar, basta encontrarem um meio propicio para se propagarem). Pode pegar numa folha de alface, garrafão e água e esperar, no entanto uma cultura de arranque de infusórios assegura um inicio mais rápido da cultura.

 

No lago das minhas tartarugas e num tanque meu aparecem larvas de mosquito normais e larvas de mosquito vermelhas...posso usar as vermelhas como comida viva ou há algo contraditorio?

 

Abraço bigsmile

 

Ps:Voto inamonivel!

 

As larvas de mosquito existentes em águas paradas podem ser usadas como alimento, depois de recolhidas devem ser bem lavadas e nunca passar a água onde foram colhidas para o aquário. Deve ter atenção e fornecer apenas larvas de mosquito, podem vir misturadas larvas carnivoras (usualmente distinguem-se bem, é o caso das larvas das libélulas) ou parasitárias, sem ser o exposto atrás não conheço inconvenientes.

launch1au.gif

 

Temos dois ouvidos e uma boca para ouvirmos mais do que falamos.

Link to comment
Share on other sites