Vera Santos

Moderador GERAL
  • Posts

    3,930
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    109
  • Country

    Portugal

Everything posted by Vera Santos

  1. Boas, na mim há opinião não tem problema nenhum, podes variar e dia sim dia não dás as duas comidas, não vai fazer mal de certo, mas fiquei curiosa, afinal quais são as comidas que estás a utilizar??
  2. Eu não sou um bom fotógrafo. OK, eu nem sou um bom fotógrafo de paisagismo. Mas, nos últimos 13 anos, tirei fotos do concurso de aquários sozinha, sozinha. Minhas fotos do concurso costumavam ser imprevisíveis, às vezes eu as acertava, às vezes elas eram ... não tão certas. Como já mencionei a muitos outros, a fotografia do tanque de concurso é a minha parte menos favorita deste hobby, é estressante e cansativo, um ano inteiro de trabalho duro literalmente se resume a um único clique (ou 300 cliques, o que quer que seja), então, tomar o concurso foto é sempre uma tarefa traumática para mim. No entanto, como juiz de paisagismo em alguns concursos de paisagismo ao redor do mundo, vi muitos layouts potencialmente bons serem arruinados por fotografias ruins, o que é uma pena. Você pode argumentar que este é um concurso de paisagismo, não de fotografia, concedido. Mas como os jurados só podem avaliar a base do seu aquário com base na única foto que você enviou, uma foto ruim inevitavelmente afetará o julgamento. Sem mencionar que a arte é subjetiva e a primeira impressão da qualidade da foto do concurso costuma ser bastante influente. De vez em quando, recebo mensagens perguntando sobre a técnica de fotografia de aquário de concurso, configuração da câmera, como tirar uma boa foto de aquário etc ... então pensei em resumir e compartilhar tudo o que sei sobre fotografia de concurso de aquário aqui. Observe que este é um guia para iniciantes, os aquascapers experientes podem desviar o olhar. 1) Meu equipamento fotográfico e gadgets A. Câmera - Canon 7D, que está comigo nos últimos 10 anos. Não é top de linha, mas também não é exatamente uma câmera amadora. Para ser honesto, a maioria das DSLR modernas pode fazer o trabalho igualmente bem, a tecnologia se desenvolveu muito nos últimos anos e eu diria que contanto que seja uma DSLR de nova geração, você está pronto para ir, independentemente das marcas ou modelos. B. Lente - Canon EFS 17-55mm. A maioria dos fotógrafos dirá que a lente é mais importante do que a própria câmera; em concursos de fotografia de aquário, isso também pode ser verdade. Você pode usar qualquer corpo DSLR moderno, mas escolha uma boa lente que atenda a esse propósito. Quando se trata de seleção de lentes, a primeira questão é sempre: grande angular ou não grande angular. Para responder a essa pergunta, antes de mais nada, você precisa saber se sua câmera é full frame ou APSC. APSC tem um fator de corte de 1,6x (para a Canon, não tenho certeza sobre outro modelo), o que significa que se você estiver usando uma distância focal de 17 mm (supostamente uma grande angular) na câmera APSC, a distância focal efetiva é 17 mm x 1,6 = 27 mm (que não é mais um ângulo amplo). Então, se você está planejando atirar em seu tanque com grande angular, lembre-se de que há um fator de corte se o seu B. Lente - Canon EFS 17-55mm. A maioria dos fotógrafos dirá que a lente é mais importante do que a própria câmera; em concursos de fotografia de aquário, isso também pode ser verdade. Você pode usar qualquer corpo DSLR moderno, mas escolha uma boa lente que atenda a esse propósito. Quando se trata de seleção de lentes, a primeira questão é sempre: grande angular ou não grande angular. Para responder a essa pergunta, antes de mais nada, você precisa saber se sua câmera é full frame ou APSC. APSC tem um fator de corte de 1,6x (para a Canon, não tenho certeza sobre outro modelo), o que significa que se você estiver usando uma distância focal de 17 mm (supostamente uma grande angular) na câmera APSC, a distância focal efetiva é 17 mm x 1,6 = 27 mm (que não é mais um ângulo amplo). Portanto, se você está planejando filmar seu tanque com grande angular, lembre-se de que há um fator de corte se sua câmera for APSC. Lembre-se de que alguns concursos não preferem fotos de concurso com lentes grande-angulares, mas outros podem não ter essa restrição. O design do seu layout também pode mostrar resultados / efeitos diferentes no comprimento focal. Existem alguns designs que basicamente não oferecem uma diferença significativa entre um grande angular ou não, portanto, verifique este ponto antes de decidir sobre a distância focal ou o uso da lente. C. Flash / Iluminação - A iluminação é o fator mais importante na fotografia de aquário, ponto final. Se você consegue controlar bem a iluminação durante a sessão de fotos, está a meio caminho do sucesso. Tenho usado flashes de estúdio nos últimos 10 anos, mas antes disso, coloquei tantas lâmpadas fluorescentes T5 quanto pude em cima do meu tanque apenas para espremer a quantidade de luz necessária. Devo dizer que, com o desenvolvimento revolucionário da poderosa luz LED para aquário hoje em dia, às vezes o uso dessa luz LED sozinha é suficiente. Um ponto a ser observado é que diferentes layouts de tanques podem exigir configurações diferentes de iluminação. Alguns tanques são mais escuros com muitas sombras, alguns tanques têm muitas plantas / hardscape perto da superfície da água (isso pode causar superexposição). Portanto, o ângulo e a intensidade de sua configuração de iluminação durante a sessão de fotos podem ser diferentes para cada layout. Esta é a vantagem de usar a luz do flash de estúdio ou outra luz de flash externa, porque você pode ajustar a intensidade e o ângulo da luz do flash livremente, algo que a luz do aquário pode não ser capaz de fazer. 2) Configurações da minha câmera A. Velocidade do obturador - 1/80 a 1/120. A configuração da velocidade do obturador tem 2 funções importantes: em primeiro lugar, ajuda a congelar os peixes, para que eles fiquem nítidos na foto. Uma velocidade do obturador muito lenta fará com que seu peixe fique desfocado, pois você precisa de um obturador rápido para congelar o objeto em movimento. Em segundo lugar, ajuda a controlar o brilho da sua foto. Um obturador rápido tornará sua foto mais escura e um obturador lento irá iluminar sua foto. Dito isso, congelar o movimento do peixe é a função principal da configuração do obturador porque podemos controlar o brilho da foto com outros parâmetros (veja abaixo), mas apenas a velocidade do obturador pode fornecer uma imagem nítida dos peixes. Em geral, se você estiver usando peixes que nadam extremamente rápido (como Puntius Denisorii ou Rummy rose, por exemplo), você precisará de uma velocidade do obturador superior a 1/100, mas para peixes que não nadam tão rápido (como Altum Angel ou alguns tetras ), às vezes até 1/60 é suficiente. Se você pode congelar o movimento do peixe usando uma ampla faixa de configuração de velocidade do obturador, esse é o momento em que você pode usar a faixa de velocidade do obturador disponível para controlar o brilho da foto, mas primeiro certifique-se de que a imagem do peixe está nítida. D. Gatilhos remotos - Como estou usando a luz do flash do estúdio, preciso de um gatilho remoto para sincronizar o obturador da minha câmera com a luz do flash que uso, apenas um dispositivo simples que você pode comprar na maioria das lojas de câmeras, um para a minha câmera (gatilho ) e um para a luz do flash do estúdio (receptor). Outro gatilho remoto que é importante se você está fotografando o aquário sozinho é o gatilho remoto do seu obturador. No meu caso, como tenho que perseguir o peixe sozinho, não é possível sentar na frente da câmera e clicar no obturador, então um disparador remoto é obrigatório. No entanto, eu realmente não tenho um gatilho "remoto" porque estou usando um com um cabo, só tenho que me certificar de que o cabo é longo o suficiente para que eu ainda possa disparar o obturador enquanto estou parado na lateral do tanque e perseguindo o peixe. Pode parecer estranho às vezes, mas eu faço isso desde que me lembro. E. Tripé - Apenas o equipamento básico que todos deveriam ter. Você nunca pode tirar uma foto de concurso de aquário segurando a câmera manualmente. F. Caixa de luz - Se você estiver usando luz de flash de estúdio ou luz de flash externo normal, uma caixa de luz é altamente recomendada para que a luz possa ser dispersa uniformemente. 3) Alguns guias importantes durante a sessão de fotos R. Costumo usar camisas e calças pretas durante as sessões de fotos - para minimizar qualquer chance de reflexão. Evite usar roupas de cores vivas ou com estampas brilhantes, pois pode ficar com reflexo na foto. B. A sala inteira deve estar o mais escura possível, a única fonte de luz deve ser do aquário. Portanto, para o meu tanque de competição que está na sala, só posso atirar à noite. O tanque de competição que é minha sala de peixes, posso atirar a qualquer momento, desde que feche a porta e a janela. Por que tem que estar escuro? Em primeiro lugar, queremos evitar o reflexo no aquário, qualquer fonte de iluminação ao redor pode ficar refletida na foto. Em segundo lugar, queremos que o sensor da câmera capture apenas a luz do aquário. Se o ambiente estiver claro, o sensor pode detectá-lo e isso afetará a configuração. Se você não tem outra opção a não ser atirar no tanque durante o dia, onde o ambiente é claro, tudo bem, desde que você tome cuidado com o fator de reflexão. Você pode usar um pano preto para cobrir a fonte de reflexo ou encontrar outras maneiras de garantir que o ambiente claro não afete a qualidade da foto. Você também ficará bem. C. A fonte de luz (seja flash de estúdio, flash externo ou luz de aquário) deve ser colocada pelo menos 30 cm acima do aquário. Colocar sua fonte de luz muito perto de seu aquário facilmente causará queima ou superexposição, mesmo com uma caixa de luz. Queremos um brilho suave de luz sobre todo o tanque, não uma luz forte e concentrada em um determinado ponto. Portanto, quanto mais alto você colocar a fonte de luz, melhor será obter a dispersão suave e consistente da luz. D. Cubra a parte superior do seu aquário com uma lousa preta (o espaço entre o aquário e sua fonte de luz). Isto é muito importante. Sua foto ficará mais nítida e melhor com este quadro preto (consulte a foto em anexo). Como mencionado antes, queremos que a luz venha apenas de dentro do aquário, então se não cobrirmos o espaço entre o aquário e a fonte de luz, a câmera irá captar a luz da fonte de luz diretamente e não apenas de dentro do aquário. Como resultado, você obterá uma foto comprometida. C. ISO - A principal função da configuração ISO é controlar o brilho. Um ISO maior dará a você uma foto mais brilhante e vice-versa. A desvantagem de usar ISO extremamente alto é o nível de “ruído” da sua foto, você obterá uma foto levemente borrada com muitos pequenos pontos brancos pixelados (chamados de “ruído” no termo de fotografia), especialmente se você ampliar a foto. No entanto, a DSLR moderna tem feito um bom trabalho no controle do efeito de ruído da configuração de ISO alto, portanto, desde que você não esteja usando ISO extremamente louco (como acima de 5000), normalmente está tudo bem com o efeito de ruído. Minha configuração ISO usual é 100-1000, em casos extremos (como Pure em 2020), eu uso ISO5000 e paguei o preço de ter uma foto “sonhadora”. D. A velocidade do obturador, abertura e ISO - como você já leu, todas as 3 configurações afetam o brilho da sua foto. Enquanto a velocidade do obturador (congelando peixes) e a abertura (profundidade de campo) têm suas funções principais, o ISO é puramente para controlar o brilho. Portanto, você pode brincar com essas 3 configurações para obter o brilho correto que se adapta ao efeito da foto do aquário que deseja criar. Cada layout é diferente dependendo do design, portanto, não há configuração fixa para todos. E. Distância focal - Eu uso principalmente 17 mm na minha câmera APSC, o que efetivamente me dá uma distância focal de 27 mm. Para ser honesto, eu não acho que a distância focal causa um grande impacto na foto do concurso, seja ela grande angular ou não, o efeito não é aparente o tempo todo. A única vez que usei uma configuração de grande angular real em "Faith" de 2018 (17 mm em full frame), fui penalizado pelo organizador do concurso, então tendo a pensar que não vale a pena usar a configuração de grande angular, para quê? O efeito não é tão grande e você reduz os pontos de risco. B. Abertura - f8 a f14. A abertura controla a profundidade de campo da sua foto e também o brilho dela. Profundidade de campo significa quão nítida você deseja que sua foto pareça do ponto mais próximo ao ponto mais distante do seu foco. Se você estiver usando uma abertura maior (f4 e abaixo, por exemplo), o item que você está focalizando parecerá nítido, mas mais longe do item que você focalizará ficará desfocado. Por exemplo, se você estiver focalizando a rocha principal do seu tanque usando f4, a rocha parecerá nítida, mas os itens distantes da rocha parecerão desfocados. Pelo contrário, se você estiver usando uma abertura menor (f16 e acima, por exemplo), você terá uma profundidade de campo muito boa, o que significa que o item que você foca e todos os outros itens que estão longe de seu foco ficarão todos nítidos. Na foto do concurso de paisagismo aquático, definitivamente queremos que tudo pareça nítido na foto, portanto, uma abertura menor é preferível. No entanto, a abertura menor tornará sua foto mais esmaecida / escura porque você está limitando a quantidade de luz para atingir o sensor. Pela minha experiência, f8 a f14 é um bom valor de referência, ele lhe dará uma boa profundidade de campo (foto nítida longe do seu ponto de foco) e ao mesmo tempo o brilho é administrável. 5) Como obter um fundo preto / escuro A. Há um equívoco comum de que um fundo preto é criado colando-se um papel preto diretamente na parte de trás do vidro do tanque. Se você fizer dessa forma, terá apenas um fundo acinzentado e não totalmente preto. B. O fundo preto final é criado pelo espaço escuro entre o tanque e a parede. Para fazer isso, primeiro você precisa ter uma parede preta, ou você pode colocar um pouco de papelão, papel ou tecido preto na parede. Depois disso, você precisa cobrir a parte superior desse espaço entre o tanque e a parede, dependendo do efeito e do ambiente, você pode precisar cobrir as laterais também. C. Ao fazer isso, você está criando uma área completamente escura atrás do tanque onde nenhuma luz pode penetrar. Você terá um lindo fundo preto 6) Como criar uma tonalidade azul no fundo R. Se você vir meu layout Dream-On em 2019, verá um pouco de tom azul no fundo. Por favor, veja a foto em anexo de como eu o criei. Eu chamo isso de tela de luz do pobre homem. B. O efeito da tonalidade azul é por tentativa e erro. Preciso ajustar a quantidade e a localização da tinta azul no papel para obter o efeito que desejo. C. Eu acredito que usando a mesma técnica, você pode criar qualquer efeito de cor que desejar. 4) Como obter um fundo claro - normalmente, queremos que o espaço aberto ou o ponto final pareça brilhante, não sombrio ou cinza. R. A distância entre o aquário e a parede deve ser de pelo menos 15cm ou maior. Se você colocar seu aquário muito próximo à parede, será muito difícil obter um fundo claro. B. Uma parede branca ou uma parede com fundo branco (pano branco ou papel branco) C. Obtenha a configuração correta de velocidade do obturador, abertura e ISO, brinque com essas 3 configurações até que o fundo fique bem iluminado. D. Faça brilhar luz suficiente no topo do aquário. E. NUNCA cole um fundo branco na parte de trás do vidro do aquário. Sim, você ainda terá um fundo branco, mas se parecerá com uma parede e parecerá artificial. O brilho do fundo deve ser criado pelo espaço iluminado entre o aquário e a parede, para que você obtenha um espaço infinito brilhante que traz profundidade e efeito 3D. Não queremos uma parede branca. F. Caso ainda não obtenha um fundo brilhante como gostaria, você pode colocar uma fonte de luz na parte de trás do seu aquário, na parte inferior ou superior. Você também pode colocar papel alumínio na parte de trás do aquário para ajudar a refletir o máximo possível de luz na parede. Se você terminou de ler este post - uau! Você deve ser extremamente livre! Obrigado e espero que seja útil. Boa sorte a todos na temporada de concursos de 2021! É um péssimo ano de paisagismo aquático para mim, a explicação politicamente correta é a pandemia que está destruindo meu país, mas poucos sabem que a verdadeira resposta é que estou muito ocupado lutando e pegando monstros em todo o mundo. Não tenho um aquário que me sinta satisfatório este ano mas continuarei a participar pelo espírito do paisagismo aquático. Espero voltar mais forte no próximo ano. 9) Agora chegamos à pergunta que mais me perguntam - edição de fotos. Podemos editar nossa foto? R. Meu primeiro conselho é sempre ler as regras do concurso com clareza. Se disser que nenhuma edição é permitida, essa é a regra que devemos seguir. B. Se de alguma forma ainda decidirmos editar nossa foto do concurso, temos que fazê-lo por nossa própria conta e risco e aceitar as consequências de sermos penalizados ou desqualificados. Simples assim. Uma vez que isso aconteça, temos que respeitar a decisão do organizador, pois somos nós que violamos as regras em primeiro lugar. C. Eu edito minha foto do concurso? Sim eu quero. Redimensionar (que é permitido), recorte, correção de lente, ajuste de brilho / exposição / cor, melhora a nitidez da foto. Essas edições são permitidas? Leia 9A. D. Em resumo: 1º - siga as regras do concurso. 2º - se ainda decidirmos editar, faça-o com a consciência tranquila: o que pode ser editado, o que não deve ser editado. 3º - aceitar a decisão do organizador se estivermos sendo penalizados por violação das regras. E. Existem ondas de desqualificação em 2020 em todo o mundo devido à edição de fotos. Existem também competições que não exercem seu direito de desclassificação e deixam o competidor manter a classificação, embora os mesmos tanques estejam sendo desclassificados em outra competição. Para mim não existe certo ou errado, o organizador tem o direito absoluto de executar da forma que achar mais adequada. Cada decisão tem um motivo e não há motivo para nós, competidores, questionarmos e ficarmos furiosos com isso. Se não gostarmos da decisão deles, podemos optar por não entrar no concurso no futuro e encerrar o caso. Todos os concursos são gratuitos e também é de livre arbítrio para todos optarem por não participar. Não vejo sentido em argumentar que alguma contestação está sendo injusta. F. Esses tanques desqualificados merecem sua classificação nos concursos que não estão sendo desqualificados? Absolutamente sim. Se alguém pensa que está sendo bem colocado por causa da edição, está enganado. Tenho certeza de que esses tanques ainda receberão a mesma classificação se não forem editados. Todos nós gostamos de nos considerar um “artista” por direito próprio e todo artista é perfeccionista. Alguns editam seus tanques para se livrar dessa pequena imperfeição e para satisfazer o ego do artista, mas para os jurados do concurso, tenho certeza que eles não vêem de forma diferente com ou sem edição. Um tanque ruim não se tornará um campeão mundial, mesmo se for muito editado. G. Tendo dito tudo isso, quero dizer que não incentivo a “edição ilegal”, eles estão justamente sendo desqualificados por violar as regras. Mas também não desprezo nem desrespeito aqueles que o fizeram. Um bom tanque é um bom tanque, não importa o que aconteça, nenhuma quantidade de edição pode negar isso. 7) O momento da fotografia R. Queremos que a foto seja tirada no auge de nossos aquários, no momento em que as plantas estão com a melhor aparência. Se o seu aquário tiver a maioria das plantas com caule, a melhor sessão de fotos será de 7 a 10 dias após o corte das plantas com caule. B. Se o seu aquário tem plantas que crescem em ritmos diferentes (e provavelmente você tem), você precisará saber o momento correto para fazer o último corte de suas várias plantas, de modo que todas as plantas que têm taxas de crescimento diferentes atingirão o pico em o mesmo tempo. Por exemplo, você não pode aparar o musgo e a planta do caule ao mesmo tempo e esperar que fiquem bem ao mesmo tempo. O musgo leva pelo menos 1 mês para voltar a crescer e ter uma boa aparência, enquanto as plantas com caule geralmente levam de 7 a 10 dias. C. Não tire fotos quando suas plantas estiverem “dormindo” - especialmente plantas com caule. Sempre tire fotos quando as plantas estiverem acordadas e florescendo. D. No dia da fotografia, você deve desligar o CO2 (dependendo do seu período de iluminação e da hora que planeja fotografar, às vezes você precisa desligar o CO2 no dia anterior). Independentemente de quão boa a pérola possa ser, durante a sessão de fotos, não queremos aquelas bolhas de oxigênio. Bolhas de O2 no tanque podem criar distúrbios desnecessários ou distração para a imagem geral. Portanto, não devemos fornecer CO2 antes da sessão de fotos para evitar bolhas de O2 em todo o tanque durante a sessão de fotos. E. Mais um ponto a ser observado, se você tiver plantas como bolbitis ou samambaias em seu tanque, as bolhas de O2 embaixo das folhas criarão um efeito de flutuabilidade que levanta as folhas, na maioria dos layouts, não queremos que isso aconteça. Bolbitis ou samambaias têm melhor aparência quando suas folhas estão apontando para baixo, não para cima. 😎 Respeite o concurso removendo TODOS os equipamentos durante a sessão de fotos. Mostrar o equipamento em uma foto do concurso é uma declaração de como você desvalorizou e desrespeitou o concurso e os jurados. Sendo eu mesmo um juiz, os tanques com equipamento serão automaticamente classificados na metade inferior da lista, não importa quão bom seja o layout. Se você não está disposto a gastar apenas 5 minutos para remover todo o equipamento, por que os jurados deveriam perder tempo com sua inscrição?
  3. Como fotografar um aquário de concurso por Josh Sim Warning: super long and boring post. Feel free to skip. I am not a good photographer. OK, I am not even a good aquascaping photographer. But in the past 13 years, I took my aquariums contest photos all by myself, alone. My contest photos were often hit or miss, sometime I’ve gotten them spot on, sometime they were….not so spot on. As I’ve mentioned to many others, contest tank photography is my least favorite part of this hobby, it is stressful and tiring, one whole year of hardwork literally come down to that single click (or 300 clicks, whatever), so taking contest photo is always a traumatic task for me. However, as an aquascaping judge for a few aquascaping contest around the world, I have seen many potentially good layouts ruin by bad photography, which is rather pity. You may argue that this is an aquascaping contest, not a photography contest, granted. But as the judges can only evaluate your aquarium base on solely the single photo you submitted, a bad photo will inevitably affect the judgement. Not to mention that art is subjective and the very first impression of your contest photo quality is often quite influential. Every now and then, I get messages asking me about contest tank photography technique, camera setting, how to take a good tank photo etc…so I thought I would summarize and share all that I know on aquarium contest photography here. Please take note that this is a guide for beginners, seasoned aquascapers can look away. 1) My photography equipment and gadgets A. Camera – Canon 7D, which has been with me for the past 10 years. It is not top of the line but it is not exactly an amateur camera either. To be honest, most modern DSLR can do the job equally well, the technology has developed so much in the last few years and I would say as long as it is a new generation DSLR, you are good to go, regardless of the brands or models. B. Lens – Canon EFS 17-55mm. Most photographers will tell you that lens is more important than the camera itself, in aquarium contest photography, this may be true as well. You can use any modern DSLR body but do choose a good lens that serve the purpose. When it comes to lens selection, the first question is always: wide angle or not wide angle. To answer this question, first and foremost, you have to know whether your camera is full frame or APSC. APSC has a crop factor of 1.6x (for Canon, I am not sure about other model), which means if you are using a focal length of 17mm (supposedly a wide angle) on APSC camera, the effective focal length is 17mmx1.6 = 27mm (which is not a wide angle anymore). So if you are planning on shooting your tank with wide angle, do keep in mind that there is a crop factor if your camera is APSC. Please bear in mind that some contest does not prefer contest photo using wide angle lens, but other contest may not have this restriction. The design of your layout may also shows different results/effects on focal length. There are some designs that basically do not give a significant difference between a wide angle or non-wide angle, so do check this point before deciding on your focal length or lens use. C. Flash/Lighting – Lighting is the single most important factor in aquarium photography, period. If you can control your lighting well during photo session, you are half way to your success. I have been using studio flash light for the past 10 years but before that, I packed as much T5 fluorescent lights as I can on top of my tank just to squeeze in the amount of light needed. I have to say that with the revolutionary development of powerful LED aquarium light nowadays, sometime using these LED light alone is sufficient. One point to take note is that different tank layouts may require different setup of your lighting. Some tanks are darker with a lot of shadows, some tanks are having too many plants/hardscape near the water surface (that may cause over-exposure). Therefore, the angle and intensity of your lighting setup during photo session can be different for every layout. This is the advantage of using studio flash light or other external flash light, because you can adjust the intensity and angle of your flash light freely, something that aquarium light may not be able to do. D. Remote triggers – As I am using studio flash light, I need a remote trigger to sync my camera shutter with the flash light that I use, just a simple device that you can get from most camera shop, one for my camera (trigger) and one for the studio flash light (receiver). Another remote trigger which is important if you are shooting the aquarium by yourself, is the remote trigger for your shutter. In my case, as I have to chase the fish by myself, it is not possible to sit in front of the camera and click the shutter, so a remote shutter trigger is a must. However, I do not really have a “remote” trigger as I am using one with a cable, I just have to make sure that the cable is long enough so I can still trigger the shutter while I am standing on the side of the tank and chasing the fish. It can look awkward at times but I have been doing that for as long as I can remember. E. Tripod – Just the basic equipment that everyone should have. You can never shoot an aquarium contest photo by holding the camera manually. F. Soft box – If you are using studio flash light or normal external flash light, a soft box is very much recommended so that the light can be dispersed evenly. 2) My camera settings A. Shutter speed – 1/80 to 1/120. Shutter speed setting has 2 important functions: firstly, it helps to freeze your fish, so that your fish will look sharp in your photo. A shutter speed that is too slow will make your fish blur as your need a fast shutter to freeze the moving object. Secondly, it helps to control the brightness of your photo. A fast shutter will make your photo darker and a slow shutter will brighten your photo. Having said that, freezing the fish movement is the primary function of the shutter setting because we can control the brightness of the photo with other parameters (see below) but only the shutter speed can give you a sharp image of the fishes. In general, if you are using fishes that swim extremely fast (like Puntius Denisorii or Rummy rose for example), you will need shutter speed faster than 1/100, but for fish that do not swim as fast (like Altum Angel or some tetras), sometime even 1/60 will do. If you can freeze your fish movement using a wide range of shutter speed setting, that is the time that you can use the available shutter speed range to control your photo brightness, but firstly make sure your fish image is sharp. B. Aperture – f8 to f14. Aperture control the depth of field of your photo and also the brightness of your photo. Depth of field means how sharp you want your photo to look from the nearest point to the furthest point of your focus. If you are using bigger aperture (f4 and below for example), the item that you are focusing will look sharp, but further away from the item that you focus will look blur. For example, if you are focusing on the main rock of your tank using f4, the rock will look sharp but items far away from the rock will look blur. On the contrary, if you are using smaller aperture (f16 and above for example), you will have very good depth of field, which means the item that you focus and all other items that are far away from your focus will be all sharp. In aquascaping contest photo, we will definitely want everything to look sharp in the photo, so a smaller aperture is preferred. However, the smaller aperture will render your photo to be dimmer/darker because you are limiting the amount of light to hit the sensor. From my experience, f8 to f14 is a good value for reference, it will give you good depth of field (sharp photo away from your focus point) and at the same time the brightness is manageable. C. ISO – The main function of ISO setting is to control the brightness. Bigger ISO will give you brighter photo and vice versa. The downside of using extremely high ISO is the “noise” level of your photo, you will get a slightly blurry photo with a lot of small pixelated white dots (called “noise” in photography term), especially if you enlarge the photo. However, modern DSLR has done a good job in controlling the noise effect of high ISO setting, so as long as you are not using extremely crazy ISO (like above 5000), you are normally fine with the noise effect. My usual ISO setting is 100-1000, on extreme cases (like Pure in 2020), I use ISO5000 and I paid the price of having a “dreamy” photo. D. The Shutter Speed, Aperture and ISO – as you already read, all 3 of these settings affect the brightness of your photo. While shutter speed (freezing fish) and aperture (depth of field) has their primary function, ISO is purely to control the brightness. Therefore, you can play around with these 3 setting to get the correct brightness that suits the effect of the aquarium photo you want to create. Every layout is different depending on the design so there is no fixed setting for all. E. Focal length – I mostly use 17mm on my APSC camera that effectively give me a 27mm focal length. To be honest, I do not think focal length gives a big impact on contest photo, wide angle or not wide angle, the effect is not apparent all the time. The only time that I used a real wide angle setting in 2018’s “Faith” (17mm on full frame), I got penalized by the contest organizer, so I tend to think that it is not worth to use wide angle setting, what for? The effect is not really that great and you risk points reduction. 3) Some important guides during photo session A. I often wear black shirts and pants during photo session – to minimize any chance of reflection. Try to avoid wearing bright color outfit or those that has shinny prints, you may get reflection in your photo. B. The whole room should be as dark as possible, the only lights source should be from the aquarium. Therefore, for my contest tank that is in the living room, I can only shoot at night. The contest tank that is my fish room, I can shoot anytime as long as I close the door and window. Why it has to be dark? Firstly, we want to avoid reflection in the aquarium, any lighting source in the surrounding may get reflected in the photo. Secondly, we want the camera sensor to capture only the light from the aquarium. If the surrounding is bright, the sensor may pick it up and it will affect the setting. If you have no other options but to shoot the tank in day time where the surrounding is bright, it is fine as long as you take care of the reflection factor. You can use black cloth to cover the reflection source or find other ways to make sure the bright surrounding does not affect the photo quality, you will be fine as well. C. The light source (be it studio flash, external flash or aquarium light) has to be placed at least 30cm above the aquarium. Placing your light source too close to your aquarium will easily cause burn out or over-exposure, even with a soft box. We want a soft radiant of light over the whole tank, not a strong concentrated light on a certain spot. So the higher you place the light source, the better is to get the soft and consistent dispersion of the light. D. Cover the top part of your aquarium with a black board (the space between the aquarium and your light source). This is very important. Your photo will look sharper and better with this black board (please see attached photo). As mentioned before, we want the light to come only from within the aquarium, so if we do not cover the space between the aquarium and the light source, the camera will pick up the light from the light source directly and not only from within the aquarium. You will get a compromised photo as a result. 4) How to get a bright background – normally, we want the open space or the end point to look bright, not gloomy or grey. A. The distance between the aquarium and the wall must be at least 15cm or bigger. If you place your aquarium too close to the wall, it will be very hard to get a bright background. B. A white wall or a wall with white backdrop (white cloth or white paper) C. Get the setting of shutter speed, aperture and ISO right, play with these 3 setting until your background is brightly lit. D. Shine enough light on top of the aquarium. E. NEVER paste a white background at the back of your aquarium glass. Yes, you will still get a white background but it will look like a wall and it will look artificial. The brightness of the background should be created by the lit-up space between the aquarium and the wall, so that you will get a bright infinite space that bring you depth and 3D effect. We do not want a white wall. F. In the event that you still do not get a bright background as you would like it to be, you can put light source at the back of your aquarium, either at the bottom or from top. You can also put aluminum foil at the back of your aquarium to help reflecting as much light as possible to the wall. 5) How to get a black/dark background A. There is a common misconception that a black background is created by sticking a black paper directly at the back of the tank glass. If you do it this way, you will only get a greyish background and not completely black. B. The ultimate black background is created by the dark space between the tank and the wall. To do this, firstly you need to have a black wall, or you can put some black cardboard or paper or cloth on the wall. After that, you need to cover the top part of this space between the tank and the wall, depending on the effect and the surrounding, you may need to cover the sides too. C. By doing this, you are creating a completely dark area behind the tank where no lights can penetrate. You will have a beautiful black background 6) How to create a blue tint on the background A. If you see my layout Dream-On in 2019, you will see some blue tint at the background. Please see attached photo how I created it. I call it the poor-man’s light screen. B. The effect of the blue tint is by trial and error. I need to adjust the amount and location of blue paint on the paper to get the effect that I want. C. I believe by using the same technique, you can create any colors effect that you want. 7) The timing of photography A. We want the photo to be taken at the prime of our tanks, at the time when the plants look the best. If your tank has majority stem plants, the best photo session will be 7-10 days after the trimming of the stem plants. B. If your tank has plants that grow at different pace (and most likely you have), you will need to know the correct timing to do the last trimming of your various plants, so all the plants that has different growth rate will peak at the same time. For example, you cannot trim your moss and stem plant at the same time and expect them to look great at the same time. Moss will take at least 1 months to grow back and look good while stem plants usually take 7-10 days. C. Do not take photo when your plants are “sleeping” – especially stem plants. Always take photo when the plants are awake and blooming. D. On the day of photography, you should turn off the CO2 (depending on your lighting period and the time you plan to shoot, sometime you need to turn off CO2 the day before). Regardless of how nice pearling can be, during photo session, we do not want those Oxygen bubbles. O2 bubbles in the tank may create unnecessary disturbances or distraction to the overall image. Therefore we should not supply CO2 before the photo session to avoid having the O2 bubbles all over the tank during photo session. E. One more point to note, if you are having plants like bolbitis or ferns in your tank, the O2 bubbles underneath the leaves will create a buoyancy effect that lift up the leaves, in most layout, we do not want that to happen. Bolbitis or ferns look the best when their leaves are pointing downward, not upwards. 😎 Please respect the contest by removing ALL equipment during photo session. Showing the equipment in a contest photo is a statement of how you disvalued and disrespecting the contest and the judges. Being a judge myself, tanks with equipment will automatically being ranked at the bottom half of the list, no matter how good the layout. If you are not willing to spend just 5minutes to remove all the equipment, why should the judges waste time on your entry? 9) Now we come to the question that I have been asked the most – photo editing. Can we edit our photo? A. My first advice is always to read the contest rules clearly. If it says no editing is allowed, that is the rule we have to follow. B. If we somehow still decide to edit our contest photo, we have to do it at our own risk and accept the consequences of being penalized or disqualified. Simple as that. Once that happens, we have to respect the decision of the organizer as we are the one violating the rules in the first place. C. Do I edit my contest photo? Yes I do. Resizing (which is allowed), cropping, lens correction, brightness/exposure/color adjustment, enhance sharpness of the photo. Are these editing allowed? Read 9A. D. In summary: 1st - follow the contest rule. 2nd – if we still decide to edit, do it with a clear conscience: what can be edited, what should not be edited. 3rd – accept the decision of the organizer if we are being penalized for violating the rules. E. There are waves of disqualification in 2020 around the globe due to photo editing. There are also contest that do not exercise their disqualification right and let the contestant keep the ranking although the same tanks are being disqualified at other contest. To me, there is no right or wrong, the organizer has the absolute right to execute the way they deem fit. Every decision has a reason behind and there is no point for us contestant to question and be mad about it. If we do not like their decision, we can choose not to enter the contest in future and rest the case. All contests are free to enter and it is also free-will for everybody to choose not to participate. I do not see the point of arguing that some contest is being unfair. F. Are those disqualified tank deserved their ranking in those contest that they are not being disqualified? Absolutely yes. If anyone thinks that they are being placed highly because of the editing, they are wrong. I am quite sure that those tanks will still get the same ranking if they are not edited. We all like to consider ourself an “artist” in our own right and all artist is perfectionist. Some edit their tanks to get rid of that tiny bit of imperfection and to satisfy the artist-ego, but for contest judges, I am sure they do not see it differently with or without editing. A bad tank will not become a world beater even if it is heavily edited. G. Having said all these, I want to say that I do not encourage “illegal editing”, they are rightly to get disqualification by violating the rules. But I also do not look down or disrespect those who has done it. A good tank is a good tank no matter what, no amount of editing can deny it. If you finished reading this post – wow! You must be extremely free! Thank you and I hope you find it useful. Good luck to everyone in the 2021 contest season! It is a bad aquascaping year for me, the politically correct explanation is the pandemic that is wrecking my country but only a few know the true answer is that i am too busy fighting and catching monster all over the world. I do not have a tank that I feel satisfactory this year but I will still participate for the spirit of aquascaping. I hope to comeback stronger next year. 🍀
  4. VID_60340904_232851_469.mp4 Boas, umas fotitas para animar
  5. Boas, não vale a pena estar a desenterrar tópicos com 5 anos. Vendas e trocas aqui👇👇👇 https://www.aquariofilia.net/forum/classifieds/
  6. Boas, a granulometria da areia de piscina é muito pequena, fina, o que faz com que as raízes não se propaguem da forma que devem, ficam digamos atrofiadas. Areias de piscina, as chamadas comesticas, até a areia de praia, são inertes, logo não têm nutrientes nenhuns. Bem como, subtractos que às vezes há à venda, de cor preta, cinzenta, tudo inertes. Depois tens a hipótese de usar substratos férteis (aquabasis da JBL) , estes não podem estar em contacto com a coluna de água, aí colocas uma camada de fértil, uns três centímetros e podes colocar outros dois ou três de inerte. Não é a melhor solução, mas se não tiveres possibilidades financeiras.... Porque às vezes queres alterar a posição de alguma planta, e ao retirares há sempre a hipótese de ficar algum fértil em contacto com a coluna de água. Depois há o substrato a que eu chamo MISTO (Tropica, ADA, Neo, JBL, etc), este já pode estar em contacto com a coluna de água embora fértil. O que podes fazer é colocar fértil nas zonas que queres plantar e separas com umas rochas a areia.... Espero ter ajudado.
  7. Boas, só para actualizar, estão todas as plantas, bem, acho que consegui acertar na escolha.
  8. What do Poison Dart Frogs eat? The vast majority of poison dart frogs (with a few exceptions, such as Phyllobates bicolor, Phyllobates terribilis, or Epipedobates trivittatus) are microphagus – they specialize in consuming small foods. Most dart frogs will not consume any insect or arthropod much over 1/8″, and young froglets like food even smaller. Feeder animals should be dusted with a quality vitamin/mineral supplement at feeding. Below is a list of common feeder animals safe to feed to poison dart frogs, organized from smallest to largest. Springtails – Springtails (Collembola species) are soil isopods that measure approximately 1/32 of an inch. Springtails serve as vivarium janitors, consuming organic materials and making them available to plants. Springtails also will reproduce in the vivarium, and serve as an additional source of food for some vivarium inhabitants, such as dart frogs. Josh’s Frogs offers temperate springtails that are bred at our facility. Temperate springtails are perfect for adding to the vivarium as janitors and an extra source of food. Temperate springtails reproduce faster than other springtail species when cultured outside the vivarium, cultured on charcoal. Producing Wingless Drosophila Melanogaster Fruit Fly Culture: Melanogaster Fruit Flies – Drosophila melanogaster (also know as melanogaster, melanos, or mels) are probably the most commonly encountered species of fruit fly in culture, and measure about 1/16th of an inch long, making them ideal as the staple food for a variety of dart frogs and other animals that prefer smaller prey items. These flies lack wings, and as such are unable to fly. The life cycle of Drosophila melanogaster is very quick. Within 14 days of setting up a new culture, the next generation of flies is emerging. After that 14 day waiting period, new flies emerge every day. This quick generation time means that the culture will produce thousands of flies, fairly consistently, from day 14-28, when the culture is disposed of. Because of this, melanogaster fruit flies are generally preferred by those who are new to culturing fruit flies – melanogaster tend to be more forgiving and easier to culture consistently. Rice Flour Beetles – The confused rice flour beetle (Tribolium confusum) is an easy to culture, convenient food source for poison dart frogs, bumble bee toads, fish, and other small animals that enjoy smaller food items. Rice flour beetles are cultures in a media consisting mainly of flour, and take some time to start producing. When rice flout beetles do, rice flour beetles are very easy to maintain, and can go months without any upkeep, making rice flour beetles an ideal ‘special treat’ or ‘backup feeder’ if you run out of other feeder insects. Adult rice flour beetles are capable of emitting an unpleasant tasting chemical when threatened, making them unpalitable to many animals. Rice flour beetle larvae, however, are very nutritious and palatable, and most poison dart frogs, bumble bee toads, fish, and other small animals will eat rice flour beetle larvae with relish. Isopods – These isopods are very small and softer bodied than the other species we work with, making them an excellent prey animal. They also tend to reproduce fairly quickly, making them one of the easiest isopods to culture. These are considered to be the ‘original’ isopods in the trade, as they have been cultured the longest. Isopods, although not necessary to successfully keeping dart frogs, certainly make proper husbandry easier. Dwarf Tropical White Isopods play an important function in the home vivaria – mainly as nutrient cyclers and an additional food source. Isopods are simple to keep and culture at home. Phoenix Worms – Soldier Fly larvae, known in the reptile industry as Phoenix Worms, have a balanced calcium:phosphorus ratio and are the only calcium-rich feeder that can be safely fed as a staple, without supplemental dusting or gut loading. Phoenix Worms also naturally contain high levels of lauric acid, which is known to kill viruses, protozoa, and coccidia. Not only do phoenix worms contain all the nutrition your reptiles or amphibians need, but Phoenix worms help to keep them healthy, as well. Extra Small and Small Phoenix Worms are the perfect treat for your poison dart frog! Bean Beetles – Bean beetles are a species of weevil that lay their eggs on black eyed peas. Black eye peas are high in protein, fiber, iron, calcium and even contain some vitamin A.They make great snacks for dart frogs and other herps that appreciate smaller prey. Each culture will produce hundreds of beetles over several weeks. A culture may not have bean beetles visible when it’s received, but hundreds of beetles will emerge in the next couple weeks. Keep the culture warmer (up to 85F) to see beetles faster. Hydei Fruit Flies – Drosophila hydei (also known simply as hydei) are a commonly encountered fruit fly in the hobby. Hydei measure about 1/8” – perfectly suited for dart frogs that prefer larger prey items, or other pets with similar needs. A ‘flightless’ form of hydei is most commonly available – this strain will not revert back to fliers at a higher temperature, unlike ‘flightless’ melanogaster. The life cycle of D. hydei is much longer – it will take 21 days or more until the first new hydei being emerging in a culture. Hydei fruit fly cultures show a particular ‘boom and bust’ cycle – the culture will appear empty, only to suddenly be filled with flies overnight. Most cultures will have 2-3 booms, with 5-7 days between each one. Pinhead / 1/8″ Crickets – Easy to keep, inexpensive, and full of nutritious vitamins and minerals when properly gutloaded and dusted, crickets will eagerly be eaten by your pet reptiles and amphibians. Josh’s Frogs always recommends feeding your crickets with a quality cricket food for at least 48 hours before feeding them to your pet reptile or amphibian. Crickets will easily drown in a water dish. Instead, use fresh veggies or Josh’s Frogs Insect Watering Gel. We started breeding pinhead crickets for our own animals, and now have enough to offer you! Buy them here! How Often do I Feed Poison Dart Frogs? It’s common lore that poison dart frogs must be fed daily, especially young frogs. We feel this advice has been spread to some degree to make keeping dart frogs more difficult and time consuming than it really is! While dart frogs can be fed daily, at Josh’s Frogs we feed all of our dart frogs three times a week, on Monday, Wednesday, and Friday. If feeding crickets to larger adult dart frogs, we often skip a feeding beforehand. Crickets have a habit of hiding and sometimes growing up in the vivarium – skipping a feeding makes the dart frogs that much more eager to hunt down all the crickets in the habitat. Treats, such as rice flour beetle larvae or phoenix worms, are typically fed every month or so. While crickets can be fed as a staple (fruit flies are a much more economical option), we like to feed them to our breeding dart frogs every month or so. How many fruit flies a dart frog should be eating every day, or how many flies a dart frog can eat without getting fat. Truth be told, there is no exact answer to that question. Instead, we recommend placing a small piece of banana (about 1/4″ of a thin slice) in the vivarium. This ‘feeding station’ will attract loose fruit flies in the vivarium, allowing you to determine approximately how many are in the tank. Using this information, you can make an educated decision as to how many fruit flies to feed. For example, you feed fruit flies to your dart frogs on Monday. Wednesday, before you feed, check out the banana. If there are just a few fruit flies on the banana, go ahead and feed the same amount you did on Monday. If there are tons of fruit flies on the banana, do not feed again until Friday, then feed less than you did previously. If there are no flies on the banana, feed a little bit more than you did on Monday.
  9. Boas, este aquário ficou pronto para a foto final. Aqui ficam umas fotos do momento. Obrigada ao Nuno Matos e ao Pedro Mendanha.
  10. Nome: Phyllobates vittatus Bom para iniciantes Fácil de criar Sociável - moderadamente tímido Podem ser mantidos em grupos Temperatura: Eles podem tolerar uma faixa de temperatura de 18,3°a 26.6°, mas preferem temperaturas baixas e médias de 21.1 °. Temperaturas acima de 26,6° são perigosas. Humidade : Como a maioria dos sapos venenosos, os vittatus preferem uma faixa de umidade de 70 a 100%, mas podem tolerar umidade até 50% por curtos períodos de tempo se os sapos tiverem acesso à água. Os baixos níveis de umidade, especialmente sem acesso à água, podem rapidamente ser fatais. Na natureza, Phyllobates vittatus é freqüentemente encontrado perto de pequenos riachos e tira proveito de microclimas úmidos. Idade: Phyllobates vittatus é capaz de viver bem de 10 a 20 anos em cativeiro em condições ideais. Tamanho: o vittatus da fêmea adulta é maior, medindo aproximadamente 3,2cm. O vittatus masculino tende a ser um pouco menor, com média de cerca de 2,5 cm na maturidade. O tamanho nem sempre é uma boa indicação de sexo. Comportamento social: essas rãs ficam bem alojadas em grupos, desde que haja espaço suficiente. Sapos de Josh recomenda aproximadamente 5-10 galões por sapo. À medida que atingem a maturidade sexual aos 8-10 meses de idade, a dinâmica social em um grupo de Phyllobates vittatus pode mudar. Às vezes, as fêmeas adultas do vittatus comem os ovos umas das outras, resultando na produção de poucos ou nenhum girino. Por esse motivo, muitos criadores recomendam manter o vittatus aos pares quando adultos. Nós gostamos de mantê-los em grupos, no entanto - um grupo de 4-6 vittatus é um espetáculo para ser visto em um viveiro, como os machos chamam de diferentes poleiros ao redor do aquário. Alimentação: Como a maioria dos sapos venenosos, Phyllobates vittatus prefere alimentos menores. Moscas-das-frutas Drosophila melanogaster . Adultos Phyllobates vittatus consomem prontamente moscas da fruta Drosophila hydei , bem como grilos de até 1/4 "! Vittatus são muito incomuns porque são capazes de comer presas muito maiores do que a maioria dos outros sapos venenosos. Todas as idades de dardo venenoso rãs vão adorar colêmbolos e isópodes . Todos os insetos alimentadores devem ser polvilhados com um suplemento de vitaminas / minerais. Sexagem: Phyllobates vittatus é um sapo difícil de sexar até cerca de um ano de idade. Freqüentemente, um tratador de sapos saberá que tem pelo menos um macho devido a um chamado alto e vibrante que começa aos 6-8 meses de idade. As fêmeas tendem a ser maiores e mais pesadas do que os machos, mas um sapo geralmente revela seu sexo botando ovos antes que seu sexo possa ser confirmado visualmente. Cor / padrão: Phyllobates vittatus não são muito variáveis e a maioria dos indivíduos são virtualmente idênticos uns aos outros. Quando jovem, o vittatus sai da água como um sapo quase todo preto com uma forma de U vermelho / laranja nas costas. À medida que envelhecem, esse U se espalha e, eventualmente, forma 2 listras completas nas costas do sapo. Existem duas linhas distintas de vittatus no passatempo de sapo dos Estados Unidos - laranja e vermelho. Os animais laranja tendem a ter listras mais largas que vão de um laranja amarelado a um laranja-avermelhado, enquanto os animais vermelhos têm listras estreitas, muito vermelhas. Os sapos de Josh atualmente funcionam apenas com a linha laranja, já que a linha vermelha é muito incomum. Os sapos de Josh não recomendam, apóiam ou endossam a reprodução em linha, pois acreditamos que isso leva a animais em cativeiro mais fracos e a natureza já fez um trabalho maravilhoso ao criar uma incrível variação na cor e no padrão dos sapos venenosos. Reprodução: Phyllobates vittatus são fáceis de reproduzir uma vez que começam, e atingem a maturidade sexual em uma idade jovem (geralmente 8 a 10 meses, mas eu os criei 6 meses antes!). Geralmente, 8-20 ovos são depositados em uma folha larga e lisa ou em uma placa de Petri sob um coco. Os ovos eclodem em girinos, que levam de 60 a 80 dias para se transformarem em versões em miniatura dos adultos. Phyllobates vittatus ocorre naturalmente na região de Gulfo Dulce, no sul da Costa Rica, onde habita florestas tropicais de planície com alta umidade e precipitação anual. Vittatus são comumente encontrados perto de riachos de movimento lento, especialmente quando pequenas piscinas estão presentes (onde os vittatus depositam seus girinos).
  11. Boas, a coisa vai-se compondo para receber habitantes. Vou começar a fazer culturas de mosca de fruta 😂😂 quem diria🧐🤔. Cálcio e vitamina A, comprei a bom preço. Uma cultura de springtails já tenho cá em casa feita por mim, pedi outra porque vem em terra, quero ver como se reproduzem melhor. É por fim, um barrete, uma cultura de isopodes, mas que é deles!?!? 🤦‍♀️🤦‍♀️, posso estar enganada, vamos aguardar.
  12. Lágrimas-de-bebê Nome Científico: Soleirolia soleirolii Sinonímia: Helxine soleirolii, Soleirolia corsica, Parietaria soleirolii Nomes Populares: Lágrimas-de-bebê, Barba-de-moisés, Planta-da-sorte, Lágrima-de-bebê, Cabelinho-de-anjo, Lágrima-de-anjo Família: Urticaceae Categoria: Folhagens, Forrações à Meia Sombra, Gramados e Forrações Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical Origem: Europa, Itália, Mediterrâneo Altura: menos de 15 cm Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra, Sombra Ciclo de Vida: Perene Ela é bastante utilizada como forração, em locais sombreados, onde a grama não se desenvolve pela falta de luz e excesso de umidade. Sua textura é fina e de grande interesse, e muitos dizem que lembra cabelos cacheados, formando um contraste com o gramado ou outras forrações. É excelente como maciço, bordadura ou como pano de fundo para outras espécies, em canteiros, vasos ou jardineiras, com destaque para as cestas pendentes, onde a folhagem da planta pende como uma cascata verde. Ainda é bastante aproveitada no contorno de laguinhos, preenchendo os espaços entre as rochas, suavizando e conferindo naturalidade ao espaço. Por apreciar a sombra e umidade, é indicada também para a composição de terrários fechados.
  13. Masdevallia shroederiana A grande maioria das masdevallia não gostam de calor, por isso, cultivá-las em regiões como o nordeste pode ser algo quase impossível. Abaixo estão algumas dicas para que você consiga cultivar facilmente essa orquídea: Forneça temperaturas baixas para ela: regiões como o sul do Brasil são ideais para cultivá-la. Os vasos devem ser pequenos: essas orquídeas gostam de vasos apertados, por isso, deixe pouco espaço para suas raízes. Onde plantar: vasos de barro, plástico, cestas, colocá-las em troncos ou árvores. Você não pode plantá-las na terra. Substrato: casca de pinus, esfagno, perline, fibra de coco, etc. Faça uma mistura com essas opções e cuidado para não exagerar em algum substrato. Replantio: antes do verão, normalmente ocorrendo a cada 2 anos. Luz: indireta, luz direta pode queimar as folhas dessa orquídea. Saiba mais em: manchas nas folhas das orquídeas. Adubação: NPK 20 20 20 com metade da força, 1 ou 2 vezes ao mês. Umidade: entre 60 e 80% é o ideal Rega: pouco antes do substrato secar Dica extra: essa orquídea não entra em dormência. Normalmente as espécies de masdevallia que apresentam uma coloração mais forte, necessitam de temperaturas menores. Link: https://orquideasblog.com/orquideas-masdevallia/ https://www.orquideasnoape.com.br/2019/05/orquidea-masdevallia.html?m=1 Promenanea Sunlight
  14. BEGONIA MACULATA WIGHTII Nativa das matas brasileiras, a Begônia Maculata é uma planta de visual exótico e encantador que foi ganhando cada vez mais espaço no mercado de decoração. Suas folhas em tom verde-oliva marcado por manchas circulares brancas, que parecem ter sido pintadas à mão retratam uma verdadeira obra de arte natural. Não à toa: que cada folha nos reserva uma surpresa. Além disso, de tempos em tempos, quando o inverno acaba é comum a Begônia Maculata flor nos presentar com um caule repleto de flores brancas. Apesar da Begônia Maculata ser pouco exigente nos cuidados, algumas informações e dicas de cultivo são sempre bem-vindas para que a sua plantinha possa crescer forte e saudável. Rega: a dica é manter a terra sempre úmida, mas nunca encharcada. Neste caso, procure regá-la ao menos 2 vezes por semana e evite que durante a rega a água entre em contato com suas folhas, ou seja, a rega deve ser feita diretamente no solo; Iluminação: a Begônia Maculata é uma planta de meia-sombra, por isso recomenda-se deixá-la próxima a uma janela para receber a luz natural indireta; Floração: durante a floração a Begônia Maculata normalmente investe muita energia na reprodução, por isso não se assuste caso nesse período ela aborte suas folhas;
  15. Tillandsia ionantha Descrição geral Tillandsia ionantha é uma bromélia comumente vendida no Reino Unido como uma 'planta de ar'. O epíteto específico ionantha é retirado do adjetivo grego, íon , que significa 'violeta', e do substantivo, anthos , que significa 'flor'. Em seu ambiente natural, a noiva ruborizada freqüentemente experimenta plena luz do sol e chuvas muito baixas. Essas adaptações tornam-na uma planta de casa fácil de cuidar, desde que seja mantida em condições de muita luz. Encontrada do México à América Central (Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras e Nicarágua) a 450 - 1.700 metros acima do nível do mar. Descrição A noiva ruborizada geralmente cresce como uma planta sem caule, com folhas de até 6 cm de comprimento, cobertas por escamas grosseiras cinza-prateadas. As bainhas das folhas são elípticas e quase metade do comprimento das lâminas das folhas. As lâminas das folhas são robustas, estreitamente triangulares e com 5 mm de largura. As folhas externas são verdes e as internas são vermelhas na época da floração. A inflorescência é uma panícula reduzida, com aparência de espigão. As pétalas violetas têm mais de 4 cm de comprimento e os estames amarelos e o pistilo sobressaem da extremidade. O fruto é uma cápsula subcilíndrica de 3 cm de comprimento. As sementes têm um tufo de pelos e são dispersas pelo vento. Grupos de plantas podem se desenvolver em densos aglomerados de rosetas pela produção de deslocamentos, formando grandes aglomerados que podem envolver completamente um galho de árvore. As folhas internas vermelhas na floração e as partes florais exercidas (protuberantes) sugerem polinização por beija-flores. Cultivo Tillandsia ionantha é popular no cultivo por ser pequena, atraente e fácil de cultivar. Ela cresce principalmente como epífita, mas também é encontrada como terrestre. Quando cultivada sob luz forte, a planta inteira muda em um curto espaço de tempo para uma cor carmesim que comanda os holofotes. Cresce comumente como epífita em troncos de árvores em floresta tropical seca, matagal, chaparral (matagal ou charneca afetados por incêndios florestais) e ao longo das margens dos rios.
  16. Peperomia caperata Nomes Populares: Peperômia, Rabo-de-rato Família: Piperaceae Categoria: Folhagens, Forrações à Meia Sombra, Gramados e Forrações Clima: Equatorial, Tropical Origem: América do Sul, Brasil Altura: 0.1 a 0.3 metros, menos de 15 cm Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra, Sombra Ciclo de Vida: Perene A peperômia é uma planta herbácea, de folhagem densa, arredondada e bastante atrativa, cultivada no mundo todo como ornamental, sendo aproveitada principalmente na decoração de interiores. Suas folhas são cordiformes, carnosas, verde-escuras na forma típica e com nervuras profundas, em baixo relevo, que dão um aspecto “engomado” à folha. Elas são sustentadas por longos pecíolos avermelhados ou rosados. As flores são diminutas, brancas, e surgem em diferentes épocas do ano, dispostas ao longo de inflorescências do tipo espiga, que surgem acima da folhagem. As inflorescências são finas, cilíndricas e compridas, sendo muitas vezes recurvadas, assemelhando-se a uma cauda de rato, o que lhe valeu um nome popular. Há diferentes cultivares desta peperômia. A grande maioria delas, tem ênfase em alguma característica das folhas, como tons vermelhos, verde-escuros, prateados, etc. Entre essas podemos citar a ‘Emerald Ripple’, ‘Metallic Ripple’, ‘Pink Lady’, ‘Rosso’, ‘Schumi Red’, ‘Red Sunshine’, ‘Variegata’, ‘White Lady’, etc. Este espécie de peperômia é ideal para terrários abertos ou fechados, assim como vasos amplos e rasos, decorando balcões, mesas, escrivaninhas e estantes. Ela se desenvolve bem em locais com pouca luminosidade, onde outras espécies de plantas pereceriam. Em lugares com clima tropical, ela também pode ser utilizada como forração no jardim, em áreas sombreadas ou com luz filtrada pela copa das árvores. Desta forma ela pode ser utilizada como um excelente pano de fundo para composições com outras plantas, inclusive outras espécies de peperomias.
  17. Boas, Vriesea splendens (Brongn.) Vriesea splendens Cuidados Exposição indireta:Rega abundante:Ambientes internos: NOME CIENTÍFICO: Vriesea splendens NOME POPULAR: Vriesea Splendens CICLO DE VIDA: Perene. FLORES: A maioria das bromélias costuma florescer apenas uma vez durante o seu ciclo de vida. Após a morte da flor, nasce um novo broto na lateral da planta mãe, está perece dando lugar ao novo broto substituindo a planta mãe. As bromélias atingem a maturidade e florescem em idades diferentes umas das outras, dependendo da espécie e do local onde são cultivadas. ILUMINAÇÃO: Em geral, as plantas com folhas rígidas e estreitas tal como a grande maioria das bromélias gosta de muita luminosidade durante a maior parte do tempo. Algumas espécies podem até receber Sol direto por algumas horas do dia. As plantas com folhas mais rígidas, dentadas ou semi-rígidas com tons mais claros, rosados, cinza-prateados, verde com base avermelhada, gostam de lugares com incidência grande de luz. Porém, as plantas de folhas macias de cor verde ou verde-escuro, apreciam lugares com menor intensidade de luz, mas nunca um local escuro. REGA: As bromélias gostam de ter as raízes molhadas, mas sempre de forma bastante moderada, o mais importante é molhar as folhas e mantém sempre o tanque central com água. Quando a temperatura ambiente estiver muito alta, borrife as folhas com água, mas nunca nas horas mais quentes do dia. Evite o horário de Sol a pino, entre 10h e 14 horas. As plantas com folhas macias apreciam um ambiente mais úmido do que as plantas de folhas mais rígidas. A bromélia é uma planta de clima tropical, não tolera geadas ou frio intenso. SUBSTRATO: Além de substrato orgânico, pode ser usado musgo, turfa ou mesmo húmus de minhoca. O importante é que a mistura possibilite uma drenagem rápida. O substrato deve ser leve, com rápida absorção, muito parecido com o substrato da orquídea. ADUBAÇÃO: Pode ser utilizado NPK 10-10-10 ou adubo foliar, neste caso é recomendado sempre utilizar concentração abaixo de 0,5 g por litro de água. MÉTODO DE PROPAGAÇÃO OU REPLANTE: Multiplica–se por touceira, sementes ou eventualmente por brotos formados na lateral da planta. Não afunde demais as bromélias no substrato, mantenha a base das folhas acima do solo. Não use um vaso muito grande, pois há perigo de umidade excessiva nas raízes. Não permita que a planta fique ‘’ balançando ‘’, fixe–a bem, pois isto poderá danificar o tenro desenvolvimento das novas raízes. Estaqueie a planta se necessário, até que as raízes estejam bem desenvolvidas. Coloque sempre uma boa camada de cacos de telhas ou pedriscos no fundo do vaso, este deve ser sempre furado nas laterais ou no fundo, a fim de proporcionar uma boa drenagem. Neoregelia carolinae cv. Flandria Descrição: Coloquialmente conhecida como a bromélia listrada Neoregelia carolinae cv. Flandria é uma forma variada de Neoregelia carolinae . É caracterizada por listras branco-cremosas a amarelo-claro ao longo das bordas das folhas. Quando esta neorregélia está se aproximando da fase de floração, as folhas centrais adquirem um tom rosa choque e duram alguns meses depois. Pequenas flores azuladas / brancas aparecem quando a flor amadurece dentro de sua roseta colorida. Cultivo e propagação: Neoregelia carolinae "Flandria" é uma bromelídeo de crescimento lento de valor ornamental notável para a forma e cor particulares da folhagem. Por ser nativa das florestas tropicais, o entardecer fresco com dias quentes e alta umidade descreve suas melhores condições de cultivo, porém também cresce muito bem como uma planta doméstica, onde pode fornecer uma nota de cor duradoura mesmo nos cantos escuros. . As plantas individuais vivem de três a cinco anos e produzem filhotes (plantas menores) logo após a floração.Substrato em crescimento:Esta bromélia é uma epífita ou saxícola que na natureza normalmente cresce sem solo, mas como uma planta de casa é normalmente cultivada em recipientes cheios de luz, um substrato bem drenado, arejado, poroso e retentor de umidade que é rico em substância orgânica, mas melhores resultados são obtidos quando são cultivados epifiticamente e as raízes são cobertas com musgo ou fibra de samambaia arbórea grosseira e triturada, envolta em um recipiente ou ligada à superfície de pedras, cascas ásperas, paredes de rocha ou galhos de árvores. Viver entre os galhos das bromélias das árvores das florestas tropicais precisa de muito pouco espaço de raiz, portanto, não coloque em um vaso muito grande. A podridão das raízes pode ser um problema se o solo estiver muito úmido. Continue a armazenar anualmente na primavera até que a bromélia encha um vaso de 10-15 cm. Vasos pequenos podem induzir flores em plantas maduras. É facilmente transplantado; Contudo,Exposição: Cultive Neoregelia em luz filtrada brilhante tanto em ambientes internos quanto externos. No jardim, ela prefere áreas parcialmente sombreadas e cresce melhor onde há sol da manhã ou mudança de sombra ao longo do dia, mas não tolera o sol direto do meio-dia em climas quentes de verão. A pouca luz muitas vezes intensifica as cores brácteas que se desenvolvem. Em apartamento, deve ser colocado preferencialmente numa posição luminosa, mas adapta-se também a situações de pouca luminosidade.Rega:Goza de umidade constante da chuva ou aspersão. Em climas secos e quentes, a umidade pode ser aumentada com nebulizações utilizando água em temperatura ambiente e não calcária. No verão se as temperaturas forem superiores a 18 ° C, pode-se deixar um pouco de água destilada na cavidade central formada pela roseta de folhas, renovando-a freqüentemente para evitar a formação de um ninho de larva de mosquito, enquanto com temperaturas mais baixas e no inverno. é melhor deixá-lo seco, evitando assim um possível apodrecimento. Em qualquer caso, é bom evitar, imediatamente após a floração, a permanência de água, o que causaria o apodrecimento dos resíduos das flores, com conseqüente odor desagradável. As plantas crescem melhor com alta umidade. Coloque o recipiente em uma bandeja de seixos úmida para aumentar a umidade. Na presença de ar seco e altas temperaturas, a umidade pode ser incrementada com nebulizações, utilizando água desmineralizada em temperatura ambiente e não calcária, para não causar pontos antiestéticos nas folhas. Requer uma drenagem completa e perfeita. Se você tiver uma que não esteja florescendo, mantenha-a bem aquecida na primavera e regue com moderação. Para remover o excesso de sal, lixivie o pote de bromélia uma vez durante o verão.Alimentação: Aplique uma ração líquida muito fraca a cada mês ou mais durante a estação de crescimento e uma solução suave (força de um quarteto) de fertilizante foliar em intervalos de 3 meses para plantas de jardim e contêineres. Aplique fertilizante nas folhas, raízes e reservatório.Clima: Deve ser cultivada em local isento de geadas ao ar livre nos países de clima tropical e subtropical úmido, com temperaturas que convém manter acima de 14 ° C, melhor 20-24 ° C. Inverno resistente às zonas 10-11 do USDA. Ao norte da Zona 10, esta bromélia é cultivada em recipientes que devem passar o inverno dentro de casa. Sua folhagem fica danificada já com temperaturas pouco acima de 0 ° C.Pragas e doenças: Sem problemas graves de insetos ou doenças. Fique atento para pulgões, tripes e escama. É suscetível a mosquitos que às vezes se reproduzem nas poças de água que ficam presas entre as folhas. Infestações de percevejos também são um problema frequente. A podridão pode se desenvolver se o solo for mantido muito úmido.Dica: Remova as folhas velhas da base da planta e apenas as pontas das flores mortas. Remova a coroa da planta mais velha quando ela começar a murchar.Uso: A planta, e ainda mais seus híbridos, podem ser cultivados como planta doméstica ou como enchimento de vasos de pátio, ou sob a sombra de árvores tropicais como cobertura do solo ou acento.Propagação:Divisão. Quando a flor murcha, os filhotes aparecem de gemas axilares entre as folhas perto da base das plantas. Os deslocamentos podem ser destacados e replantados quando atingirem a dimensão de um terço da planta-mãe. Certifique-se de fornecer alta umidade por um mês após a propagação dos deslocamentos. A reprodução por sementes geralmente é mantida para a hibridização: retire as sementes da inflorescência e coloque-as descobertas. Neoregelia carolinae (Beer)
  18. Boas, bem malta está a aproximar-se a fase mais interessante para vocês, digo eu.... 😂😂
  19. Marcgravia sp. Perú Nativo: Peru. As Marcgravias são encontradas em toda a América Central e do Sul, bem como no Caribe. Em seu habitat natural, eles são normalmente encontradas crescendo em troncos de árvores na floresta tropical. Preferências de temperatura: Quente Preferências de água: Humidade média Terrestre ou Epifítico: Terrestre Informações gerais e cuidados: As folhas tendem a ficar pequenas, com menos de um quarto de polegada em nossa experiência. O espaçamento das folhas é o que realmente destaca esta espécie. As folhas quase parecem se sobrepor umas às outras. Quando cresce um pedaço de madeira flutuante ou o fundo, esta espécie realmente parece incrível! Tende a subir em direcção à luz. Além disso, deve-se notar que nenhuma Marcgravia parece gostar de água parada em suas folhas por longos períodos de tempo. Antes da floração, as Nas Marcgravias desenvolvem-se ramos laterais As hastes de folhas planas agarram-se a troncos de árvores com raízes aéreas. Uma vez que sobe o suficiente, Margravia envia ramos laterais e flores com cachos de flores pendentes que são polinizadas por pássaros e morcegos. Esta forma particular de Marcgravia tem folhas ovais que são muito próximas umas das outras e se sobrepõem e as bordas externas das folhas são lisas. A nervura central e as veias são de um branco suave e não tão pronunciado como com outras Marcgravia. Marcgravia adora umidade e, portanto, torna-se uma ótima planta para o ambiente úmido de um jardim ou terrário. Por ser uma trepadeira de crescimento rápido, ela precisará ser podada regularmente para permanecer contida. Muito pequena para suportar rãs, esta planta dá uma grande característica ou sotaque, especialmente quando deixada crescer no fundo ou na paisagem de um viveiro. Plante Marcgravia no solo, na base de algo que ela possa escalar, forneça luz moderada a alta e observe-a decolar! Marcgravia Umbellata Marcgravia umbellata é uma planta RARA e especialmente difícil de encontrar em vasos deste tamanho para venda. Normalmente, apenas pequenas estacas estão disponíveis. Marcgravia também conhecida como Shingle vine e Shingle plant é um membro da família Marcgraviaceae. É uma trepadeira de rápido crescimento, nativa das ilhas do Caribe, América do Sul e Central. Marcgravia é encontrada em condições úmidas da floresta tropical subindo nas árvores. Suas vinhas de folhas planas agarram-se a troncos de árvores com raízes aéreas. Uma vez que sobe o suficiente, Margravia envia ramos laterais e flores com cachos de flores pendentes que são polinizadas por pássaros e morcegos. Esta bela forma de Marcgravia tem folhas com bordas brancas. A nervura central e as nervuras também são brancas, o que proporciona um contraste marcante contra a coloração verde escura das folhas. As bordas das folhas também são serrilhadas, o que lhe confere uma aparência muito bonita. O novo crescimento parece ser de uma cor rosa / enferrujada e se tornará verde escuro com o envelhecimento das folhas. Para obter melhores resultados, mantenha-o uniformemente úmido e em condições úmidas. Marcgravia adora humidade e por isso a torna uma ótima planta para o ambiente úmido de um jardim ou terrário. Por ser uma trepadeira de crescimento rápido, ela precisará ser podada regularmente para permanecer contida. As folhas se sobrepõem umas às outras e fazem uma exibição espetacular no viveiro. Muito pequena para suportar rãs, esta planta tem uma grande característica, especialmente quando deixada crescer no fundo ou na paisagem de um viveiro. Plante Marcgravia no solo, na base de algo que ela possa escalar, forneça luz moderada a alta e observe-a decolar! Marcgravia Sintenissii As folhas de crescimento novo é geralmente vermelho e desbota para verde conforme amadurece. Maior do que M. rectiflora, esta Marcgravia faz um belo arco-íris no viveiro à medida que cresce! Endêmico para: Porto Rico Iluminação: Baixa a intermediária Temperatura: Fria a Quente Humidade: Alta Localização: terrestre, vinha, escalada Floresce: N / A
  20. Pyrrosia nummularifolia Nomes comuns : Samambaia rasteira Nativo da: Indonésia / Papua Nova Guiné Preferências de temperatura: Quente Preferências de água: umidade média a alta Terrestre ou Epifítico: Terrestre ou Epifítico Informações gerais e cuidados: Pyrrosia nummularifolia , também conhecida como samambaia em botão rastejante, é uma das poucas samambaias que a Glass Box Tropicals oferece e que se dá bem tanto epifiticamente quanto terrestre. Esta espécie tem folhas pequenas oblongas que são um rizoma púbere rastejante. As folhas são verdes claras com alguma pubescência também. Esta espécie parece tolerar um ligeiro ressecamento entre as regas, mas também se dá bem em ambientes extremamente úmidos. Ele também parece preferir estar sob uma luz um pouco mais forte para realmente produzir um bom crescimento. Num terrário ou paludário tropical, a Pyrrosia nummulariifolia é um ótimo complemento. Com luz e umidade suficientes, esta pequena samambaia começará a escalar um tronco ou parede. Necessita de luz média, temperaturas de 25 a 30 ° humidade de 70% a 90.