A Minha Experiência Com Os Cpo's


Recommended Posts

A minha experiência com CPO’s:

 

Primeira etapa:

 

Após ter descoberto esta espécie, em Julho de 2007, e ter adorado, resolvi trazer alguns para o meu aquário comunitário.

Procedi então para a procura de um criador. Encontrei e encomendei cinco espécimes, 2 machos e 3 fêmeas de um criador alemão.

 

Após uma semana cá estavam os 5 belos CPO’s, após a viagem da Alemanha, de perfeita saúde. Coloquei-os no aquário e fui observando.

Durante as primeiras semanas tudo correu bem até que a 1ª fêmea apareceu com ovos, a partir daí foi o descalabro.

 

Uma vez que os CPO’s são muito territoriais, não gostam de partilhar o aquário e nas alturas de maior fragilidade (após a muda de exosqueleto ou quando estão com ovos), refugiam-se, escondendo-se o melhor possível. No meu caso, como o aquário era densamente plantado e com muitos esconderijos, deixei de os ver e comecei a ter dificuldades em alimentá-los. Um por um foram morrendo até que perdi os cinco…

 

Segunda tentativa:

 

Baseando-me na experiência anterior decidi preparar melhor as coisas e tentar uma segunda vez, montando um aquário propositadamente para eles:

  • Dimensão: cubo, 35cm de lado (aprox. 40 litros);
  • Filtro: Eheim Liberty 150, com 90% de Eheim substract-pro e esponja para filtragem mecânica;
  • Aquecedor: Jager de 100W;
  • Substrato: ADA Amazon;
  • Inertes: Duas Dragon Stones e um pequeno tronco;
  • Flora: Erect Moss, Fissidens Fontanus e Feto de Java grande;
  • Fauna auxiliar: 12 Tylomelania sp.

 

307909550_K6nd2-Th.jpg 307909160_u3g2B-Th.jpg 307908788_dAU7U-Th.jpg 307907451_KwYEb-Th.jpg 307907144_dRT76-Th.jpg

 

Procedi então a mais uma encomenda ao mesmo criador e recebi mais 5 belos exemplares, mais uma vez 2 machos e 3 fêmeas. Tendo desta vez encomendado também uns tubos cerâmicos que são usados especificamente para cambarellus, onde estes se podem refugiar de forma confortável. Estes tubos, que podem ver nas imagens prévias, possuem o diâmetro indicado para apenas caber um CPO adulto, e são apenas abertos de um dos lados, para que o CPO não se tenha que preocupar com as traseiras quando usa as tenazes para defender a entrada.

 

Mais uma vez fui observando pacientemente o desenrolar dos acontecimentos.

O layout pareceu-me eficaz, os confrontos eram reduzidos e os CPO’s procuravam o refúgio dos tubos cerâmicos após as mudas, sendo ao mesmo tempo possível identificar a sua distribuição no aquário para que conseguisse todos os dias alimentar cada um individualmente.

 

Após 15 dias, num espaço de 3 dias, as 3 fêmeas surgiram com ovos em grande quantidade:

 

CPO_eggs.jpg

 

No entanto, após estes primeiros dias a quantidade de ovos foi diminuindo, até não sobrar nenhum.

Decidi esperar pela segunda rodada, pois pensai que poderia ser devido à inexperiência das fêmeas.

 

Passados cerca de 20 dias, as fêmeas voltaram a aparecer com ovos, mais uma vez em grande quantidade e tal como na primeira vez, acabando por perdê-los nos dias seguintes (cerca de uma semana até ficarem sem nenhum).

 

Nesta altura o pensamento de me desfazer dos CPO’s começava a assolar-me…

Para procurar perceber o que se passava fui explicitando a situação em fóruns frequentados por criadores reputados, levantando-se então algumas teorias:

 

  • Dureza da água;
  • PH;
  • Fraqueza genética dos espécimes.

 

Todas elas refutadas por criadores experientes.

Voltei ao ponto de partida e como ultimo recurso decidi massacrar o pouco comunicativo criador que me vendeu os CPO’s.

A resposta que recebi, após alguma insistência foi: ”Não sei dizer porquê, mas nos meus aquários, sempre que usei substrato ADA as minhas fêmeas perdem todos os ovos…”

 

Troquei então todo o substrato por um inerte preto e voltei a aguardar.

Dia 27/5 apareceu a primeira fêmea com ovos e a segunda dia 30/5, a segunda voltou a perder os ovos, no entanto a primeira perdeu a maior parte mas manteve entre 5 e 10, até que dia 18/6, 24 dias depois, a observei pela primeira vez sem qualquer ovo. Mantive-me a observar o aquário na esperança de encontrar um jovem lagostim até que finalmente, cerca de 15 minutos depois, achei o primeiro! Tendo conseguido no total contar 4.

 

Até agora é esta a minha história com os CPO’s, espero que ajude em alguma coisa, sobretudo na tentativa de aumento da taxa de natalidade desta maravilhosa espécie.

Espero vir a complementar este post com mais informações, tanto textuais como visuais bigsmile

Link to comment
Share on other sites

quer dizer que a ADA estragava te tudo bigsmile ?

 

bem aqui esta uma coisa que acho que nem o Sr.Amano previa

 

 

pode ser apenas coincidencia

 

nem todo o pessoal que nao consegue manter ou reproduzir CPO tem ADA

bannerShrimpscaping.jpg

Link to comment
Share on other sites

pode ser apenas coincidencia

 

nem todo o pessoal que nao consegue manter ou reproduzir CPO tem ADA

 

É como o Carlos diz, pode ser apenas coincidência.

 

Interessante é saber se há quem esteja a reproduzir com sucesso com ADA. No teu caso Carlos qual é o substrato?

Link to comment
Share on other sites

Boas Alexandre,

 

Desde já parabéns pelo excelente "diário" da tua experiência com os CPO's!

 

”Não sei dizer porquê, mas nos meus aquários, sempre que usei substrato ADA as minhas fêmeas perdem todos os ovos…”

Esta afirmação/constatação dá que pensar... :wink:

 

No meu caso, tenho ADA Malaya e tudo bem que foi apenas a primeira tentativa, mas não vingou. Segundo me recordo, o André Silvestre também não teve grande sucesso na reprodução dos dele e o substrato também era ADA...

 

No entanto, o que considero ainda mais pertinente é o facto de tu teres estado vários meses a tentar a reprodução e não conseguiste nada e, aparentemente, apenas com a mudança de substrato conseguiste quase de imediato uma postura com sucesso. A mudança de substrato não terá provocado alteração de alguns parâmetros da água, tais como pH, Kh,... que influenciaram positivamente o sucesso na rerodução?

Link to comment
Share on other sites

Boas Alexandre,

 

Desde já parabéns pelo excelente "diário" da tua experiência com os CPO's!

 

 

Esta afirmação/constatação dá que pensar... :wink:

 

No meu caso, tenho ADA Malaya e tudo bem que foi apenas a primeira tentativa, mas não vingou. Segundo me recordo, o André Silvestre também não teve grande sucesso na reprodução dos dele e o substrato também era ADA...

 

No entanto, o que considero ainda mais pertinente é o facto de tu teres estado vários meses a tentar a reprodução e não conseguiste nada e, aparentemente, apenas com a mudança de substrato conseguiste quase de imediato uma postura com sucesso. A mudança de substrato não terá provocado alteração de alguns parâmetros da água, tais como pH, Kh,... que influenciaram positivamente o sucesso na rerodução?

 

Olá Jorge,

 

Obrigado :)

 

Quanto às alteraçõe nos parametros, o que te posso afirmar é que no que eu consigo medir, nomeadamente PH e dureza as alterações foram quase nulas, pelo que penso não terem tido influência no sucesso ou não da reprodução.

Link to comment
Share on other sites

Olá Alexandre!

 

Finalmente, sucesso! Parabéns! Quando as coisas são feitas com calma e o bom senso impera, só podem haver recompensas. De facto, a mudança do substracto pode ter sido a causa principal para a sobrevivência inicial dos CPOs. Fizeste muito bem em mudar. Eu próprio teria feito o mesmo se tivesse continuado a manter a espécie, pois se o primeiro acasalamento deles foi um sucesso, os outros 4 nem por isso. Se os parâmetros que consegues medir não variaram substancialmente com a mudança de substracto, então podemos especular que se tratava de algo que o outro libertava.

 

Jorge, no meu caso, tinha Akadama mas por baixo tinha Power Sand. Não excluo a hipótese do Power Sand libertar algo para a coluna de água mas acho que é uma hipótese remota. A akadama, por outro lado, sendo uma argila, liberta sempre qualquer coisa e talvez possamos ir por aí quando comparamos com o areão que o Alexandre colocou, já que este é inerte ( por inerte e neste contexto, entende-se que o mesmo não é fértil, logo, não liberta elementos para a coluna de água).

 

Talvez nunca desvendemos este " mistério" mas é um facto que, em condições com sucesso, não se mexe e por isso, Alexandre, se tiveste sucesso com estas condições, há que manter o aquário assim. A taxa de sobrevivência, ainda assim, é reduzida mas mais vale poucos que nenhuns. :)

 

quer dizer que a ADA estragava te tudo banana rock ?

 

bem aqui esta uma coisa que acho que nem o Sr.Amano previa

 

O Sr. Amano não tem que prever estes acontecimentos porque os seus substractos não são direcionados para a criação de invertebrados. São direcionados para o desenvolvimento das plantas e para serem neutros para os animais. Neste caso particular, estamos a falar de uma espécie que produz descendentes muito sensíveis e que, mesmo compostos azotados ou outros elementos nocivos em níveis residuais, à semelhança de uma TPA mais generosa, podem ditar a sua sobrevivência.

 

Alexandre, excelente tópico! Vai actualizando.

 

 

Abraço,

André

Link to comment
Share on other sites

Obrigado André.

 

Bem, tempo de deixar um pequeno update.

 

Na passada semana encontrei o que me pareceram ser os restos mortais de um dos pequenos CPO's, mas não consegui confirmar, no entanto comecei a recear que a já famosa fragilidade destes invertebrados tinha reclamado a primeira de muitas vitimas.

 

Já hoje, consegui contar pela primeira vez 7 pequenos CPO's activos e aparentemente saudáveis, o que me leva a supor que o que encontrei era a primeira muda de casca de um dos pequenos, não tenho no entanto qualquer certeza, pois ainda não consegui encontrar qual a frequência das mudas de exoesqueleto nos jovens individuos.

 

Outro facto que tenho notado, nos poucos periodos que disponho diáriamente para me deliciar com o comportamento destes seres, é que não existe muito interesse por parte dos adultos nos pequenitos, sendo que estes são também extremamente rápidos e cautelosos, não se deixando estar ao alcance das tenazes dos adultos nem por um segundo.

 

Passando aos aspectos menos positivos, já registei pelo menos mais uma gravidez com perda de 90% dos ovos, na última vez que apanhei a fêmea grávida de feição percebi que restam entre 4 e 8 ovos...

 

Por fim anuncio a quase morte de um das minhas três fêmas, ontem, após uma muda de casca foi imediatamente caçada por um macho, e possuindo o exoesqueleto ainda mole, devido á mudança recente, foi brutalmente mutilada, perdendo as 2 tenazes e a quase totalidade das patas.

Quanto me dei conta, separei-a imediatamente para um recipiente onde a tenho tentado alimentar, mas para alem de apenas se conseguir arrastar, não parece conseguir pegar na comida. Temo que o seu fim esteja por horas...

 

PS: Infelizmente não tenho tido disponibilidade para tirar fotos, já que com a lente que possuo na minha 400d preciso de bastante tempo para tirar uma foto de jeito... (o meu jeitinho tb não ajuda muito).

Link to comment
Share on other sites

Pena a femea :\ , vamos a ver se se vai safar mas complicado com essas lesões todas .

 

Boa sorte anyway , e vai mantendo isto updated para sabermos o que se passa :arrow:

 

E se tiveres um tempinho podes ler a mp que te mandei ? thx

Link to comment
Share on other sites

A fêmea acabou por morrer ontem, vitima dos ferimentos...

 

Os pequenos por outro lado continuam saudáveis e já começam a comer os pellets da JBL :)

 

Alexandre, sinto muito pela perda da femea! É sempre triste quando se perde um animal! Felizmente tens mais femeas e tens as crias que poderão trazer-te muitas alegrias!! Tenta por fotos! Já sabes que o pessoal gosta de cuscar!

Cump,

 

Sofia Mira

Link to comment
Share on other sites

Hey Alexandre...

 

como vão os pequenotes???

 

Abr.

Tiago

 

Tiago os pequenotes estão 5 estrelas, parecem-me ser 7 e vão crescendo, têm cerca de 1 cm de corpo.

 

Com os adultos é que não é bem assim, perdi ontem a segunda fêmea, desta vez sem razão aparente. Não apresentava qualquer lesão externa, apenas começou a deixar de comer lentamente, a mexer-se menos e acabou por morrer biggrin.png' alt=':biggn:'>

 

Os restantes dois machos e uma fêmea apresentam saúde e apetite.

 

Boas Alexandre,

 

Pode me informar qual o substrato inerte preto que usou e onde comprou?

 

Cumps,

Ricardo

 

Olá Ricardo, não sei qual a designação mas comprei na Naturline, penso que basta pedir um inerte preto.

Edited by Alexandre Carvalho
Link to comment
Share on other sites

Com os adultos é que não é bem assim, perdi ontem a segunda fêmea, desta vez sem razão aparente. Não apresentava qualquer lesão externa, apenas começou a deixar de comer lentamente, a mexer-se menos e acabou por morrer :mellow:

 

Os restantes dois machos e uma fêmea apresentam saúde e apetite.

 

Alexandre,

mais uma vez sinto muito pela perda!É estranho o que aconteceu com ela... se fossem problemas na agua julgo que os pequenotes seriam os primeiros a queixar-se. Se puderes vai pondo fotos dos pequeninos e relatando o seu desenvolvimento. Estamos todos curiosos e a torcer que vinguem!

Cump,

 

Sofia Mira

Link to comment
Share on other sites

Infelizmente a lente que tenho na minha máquina, em conjunto com a minha habilidade ainda não me permitem tirar fotos dos pequenos, tenho de esperar que cresçam um pouco mais :P

Link to comment
Share on other sites