The Forsaken World


Pedro Rosa

Recommended Posts

Mostro.. este fim‑de‑semana tiro uma geral.

Apenas não tirei pq tinha acabado de podar. Fica sempre muito "direito" na parte traseira.

 

Pedro.

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Passados 7 meses depois de ter montado o aquário, pode dizer-se que está maturado “quanto-baste”, considerando a duração das minhas montagens.

Nada comparado com um aquário verdadeiramente maturado com vários anos e que vamos vendo por aqui. É de louvar a existência desses aquários.

 

De vez em quando vão-me perguntando sobre vários aspectos (fertilização, fertilização, manutenção, fertilização, etc). Nesse sentido há umas semanas comecei a escrever algumas coisas (umas mais pormenorizadamente que outras!) sobre o tratamento que dou ao aquário (melhor, aos meus aquários).

 

Nada de especial mas além de ter a potencialidade de ser interessante para quem lê, é também interessante para mim manter um registo destas coisas para “memória futura”.

Além disso, contrariamente ao Facebook (onde de facto o publico é bastante maior e a velocidade de transmissão da informação é alucinante - vejo isso bem quando partilho fotos dos aquários!) aqui fica arquivada a informação de uma forma razoavelmente fácil de ser procurada.

 

Portanto dividi muita informação em várias partes e que vou disponibilizando ao longo das próximas semanas.

Umas serão mais interessantes que outras, conforme quem lê e as duvidas e experiências que já tenha.

 

É um texto aberto. Critiquem para o bem e para o mal e sugiram alterações aos meus procedimentos. Todos aprendemos com todos e portanto eu terei aqui algum trabalho a ir escrevendo isto mas certamente que muitos de vocês também me vão dar ideias novas.

Senão derem feedback provavelmente nem terminarei a saga :)

 

O que me levou a escrever toda esta informação?

Várias coisas, mas principalmente poder motivar outros a terem aquários com plantas saudáveis e portanto com mais capacidades de derrotarem as famosas algas :)

Tudo isto deve andar espalhado aqui ou ali neste completo Forum, admito que existam algumas dicas novas, mas esta informação adequa-se a este aquário (e ao meu outro) e vai estar sistematizada.

 

Falarei sobre manutenção, fertilização, etc. Sobre montagens tenho no meu canal de Youtube, vários Step-by-Step de vários aquários meus e até um do Miguel Reis quando fizemos a montagem em casa dele há umas semanas :)

Interessados podem ver em www.youtube.com/pmgsrosa

 

Vou intervalando com atualizações do Aquário do tópico, obviamente :)

Mas também vou colocando outros vídeos meus que achar interessantes para ilustrar os capítulos que aqui for deixando (ou vídeos de outros devidamente referenciados).

 

 

Parte 1 - Manutenção genérica do aquário

 

A forma como faço a gestão do aquário deve ser muito parecida ao restante pessoal: é gerido em ciclos de “semanas”.

Aliás, comigo nem podia deixar de ser assim. Tudo o que preciso fazer durante a semana tem que ser algo pouco demorado (exemplo: fertilizar). Tal como muitos de vocês o tempo é muito pouco de semana (saio cedo, chego às vezes tarde e alguns dias dou aulas noutra Universidade privada e chego ainda mais tarde).

Portanto a palavra mais adequada é DISCIPLINA na manutenção do aquário.

Para mim o tempo de manutenção é o fim de semana, mais propriamente o Domingo.

Claro que isto deve ser adaptado à vida profissional das pessoas porque muito pessoal que trabalha em turnos não pode ter este ritmo nem estes dias tal como vou descrever. Mas manter a tal DISCIPLINA é importante. Primeiro há que encontra-la de acordo com a vida de cada um.

 

Para salientar isto é importante (mas não obrigatório) terem um folha de cálculo em Excel, etc, com o registo do que fazem nas manutenções. Desta forma vão saber facilmente quantas garrafas de CO2 estão a consumir, de quanto em quanto tempo precisam fazer certas limpezas (difusores, lilly pipes, etc), se quiserem podem inclusivamente registar quanto gastam em dinheiro, etc.

Para quem faz testes também podem ir registando isso e depois terem uns gráficos com uma leitura simples. Ajuda a perceber o que vai acontecendo no aquário ao longo do tempo.

Se eu não registasse estas coisas nem conseguiria escrever tudo o que escreverei aqui.

 

E claro… umas fotos pelo menos mensais para irem vendo a evolução do aquário… mas isso o pessoal que frequenta Foruns já deve tirar para ir colocando on-line.

 

Voltando ao ciclo semanal…

 

De semana tenho tudo preparado para:

  1. Fertilizar o aquário em segundos, através de embalagens com bomba doseadora (Tropica, ADA, Elos... mesmo que usando EI com pós pode-se usar uma destas embalagens… todos têm) – fertilizo o aquário todos os dias antes de sair de casa. Em menos de um minuto fertilizo os dois aquários com a quantidade e produto desse dia. Sempre igual semana após semana. Quase nunca mudam as quantidades;
  2. A fertilização é extremamente estável e praticamente sem mudanças após o primeiro mês, mesmo assim mantenho um papel com a quantidade de ml que dou de macros e micros a cada um dos meus dois aquários. Mesmo que eu não esteja em casa algum dia, alguém pode carregar “n” vezes na bomba doseadora do frasco sem qualquer problema.
  3. Ter uma rede por cima da calha para ir apanhando, à noite, antes de dar de comer, as folhas ou pedaços de plantas que se soltem. É importante esteticamente e já haverá, debaixo da superfície, matéria orgânica suficiente para manter o ciclo natural do aquário.
  4. Olhar com atenção para a fauna e a flora na altura de dar de comer. Se algum peixe não vem à comida é porque algo se passa. Quanto às plantas, em aquários como este cheio de musgo é preciso verificar se não há bocados a soltarem-se, etc.

Este aquário é um chamado “high-tech” (creio que a definição é clara :)). Muito CO2 e muita fertilização juntamente com uma dose razoável de luz, dá crescimento rápido. Sendo assim é essencial ter a tal a manutenção semanal, até porque restituímos alguns nutrientes ao nosso ecossistema fechado e retiramos de lá alguns excessos que existam e possam prejudicar a fauna.

Alem disso cresce rapidamente mas os problemas também aparecem mais rapidamente, daí a atenção redobrada (é mais ou menos como comparar um carro a 50 km/h e a 120Km/h).

 

A manutenção semanal inclui SEMPRE o seguinte:

  1. Limpeza de vidros - pode pensar-se que é essencialmente estético, mas é uma questão “sanitária” também, aquários com muita luz são propícios a vidros verdes (algas GSA) e portanto a limpeza semanal é essencial para terem autorização da dona da vossa vida para terem o aquário na sala :-D;
  2. Remexer a areia (neste caso) - estético e sanitário;
  3. Mudança parcial de água de cerca de 50% (mais até…) - já referido em cima: restitui nutrientes e retira excessos prejudiciais à fauna. Alem disso mantem a água cristalina (assim o filtro ajude!) o que é uma motivação extra para continuarmos a dar a manutenção adequada ao aquário. Atenção que em aquários que estejam com alguns tipos de algas, não fazer mudança parcial de água todas as semanas, pode ajudar a combater as algas (acumula nutrientes), mas sobre isso não falarei mais por enquanto. A água que retiram é ótima para regar as plantas lá de casa ou do jardim: muitos nutrientes ;);
  4. Durante a retirada da água aspirar a areia e alguns locais onde se veja que estão alguns detritos (fundo, plantas, pedras, etc) - estético mas essencialmente sanitário: um aquário é um ecossistema fechado, qualquer exagero tem que ser controlado ou haverá problemas. Não é que a matéria orgânica que se acumule seja obrigatoriamente prejudicial (longe disso) mas há a questão do exagero;
  5. Cortes pontuais nalgumas plantas e musgos - há sempre uma folha dos fetos que está a ficar velha, alguma folha das anubias a ficar com pontos pretos, etc. Se esta manutenção não for feita semanalmente e deixarmos meses de crescimento, as consequências são várias: apodrecimento da parte da planta que fica à sombra; plantas a crescer para locais onde não queremos (estragamos o efeito estético que planeámos); consumos de nutrientes vão crescendo à medida que a massa vegetal cresce, logo haverá mais riscos de faltar algum nutriente que não estivesse assim tanto em excesso, logo … ALGAS!; etc.

 

Imagens:

 

Limpeza de vidros:

 

gg-day4-2.jpg

 

Mudança de Água Parcial:

 

gg-day4-1.jpg

 

 

 

Quinzenalmente é sempre feito:

  1. Limpeza do difusor: o que poderei dizer sobre isto? É talvez uma das coisas mais importantes que se devem fazer num aquário plantado com CO2. Um difusor sujo, mesmo que de alta qualidade como os que uso (ADA) baixa bastante a sua eficácia a cada semana que passa. Um difusor sujo de qualidade duvidosa, pode perder a eficácia quase toda. As bolhas começam a ser maiores e a haver mais desperdício de CO2 para a superfície. Portanto um difusor sujo NÃO É UM PROBLEMA ESTÉTICO, É UM PROBLEMA SÉRIO DA SAUDE DO AQUÁRIO. Só para vos dar um exemplo o Rui Alves na Aquaeden lava os difusores semanalmente, mesmo quando estão visualmente limpos; o Viktor Lantos da GreenAqua (ADA Hungura) lava os difusores semanalmente; etc, etc, etc. Portanto, eu não os lavo semanalmente mas lavo obrigatoriamente quinzenalmente e assento isso no registo que faço para ter a certeza da semana em que preciso lavar. Não o lavar com esta frequência faz com que as concentrações de CO2 comecem a baixar até … ALGAS! Haverá alguma que aproveita a falta deste nutriente essencial.
  2. Poda das plantas traseiras de caule (podem durar três semanas): creio que expliquei em cima a necessidade das podas. As plantas de caule podem chegar a taparem tudo e fazerem sombra aos musgos ou plantas de tapete. Os musgos, quando crescem demais, ficam fracos/podres por baixo e quando finalmente decidimos podar (algumas semana depois do que devíamos ter feito!) o musgo pode estar tão fraco por baixo que se solta todo. Não tenham pena de podarem o musgo. Ele gosta e agradece-vos e cresce mais “luxuosamente” e com maior saúde e brilho. Acho que vos dou bons exemplos disso neste aquário e no Utopia.

 

Três em três semanas:

  1. Poda maior de musgos: explicado em cima porquê, mas nestes casos corto um pouco mais e principalmente “encaminho-o”. Muito cuidado para não se soltar dos locais. Acontece quase sempre num bocadinho ou outro :( … nunca aspirar com mangueiras largas em cima de musgo. Eu sei que há sempre a tentação de aspirar aqueles “bocadinhos” de porcaria que se vêm em cima dos musgos, mas a técnica é abanar para se soltar a “porcaria” e depois apanhar com a mangueira. Principalmente as senhoras quando nos pedem para ajudar na aspiração/TPA, têm sempre esta tentação. Sejam firmes nas ordens que lhes dão :-D

 

Mensalmente:

  1. Limpeza das mangueiras e Lilly Pipes: imaginam quanto se perde em circulação na sujidade das mangueiras? É impressionante mas é verdade. Uma peça essencial para toda a gente com filtros externos é um ou dois escovilhões (um apara mangeiras e outro para lilly pipes ou tubagens – quem tem lilly pipes da ADA costuma pensar duas vezes antes de usar um escovilhão dos “chineses”). Os Lilly Pipes ainda têm aquele defeito de esteticamente ficarem horríveis quando estão sujos. Lá está o parâmetro “poder estar na sala” é altamente dependente de 1) haver lilly pipes e 2) estarem sempre limpos.
  2. Poda maior de musgos (senão for feita de 3 em 3 semanas): explicado em cima.
  3. Mudança do liquido do Drop Checker: nem sei o que vos diga… nem tenho bem a certeza da duração que o liquido terá dando resultados (mais) verdadeiros, mas pelo sim pelo não, mudo pelo menos mensalmente. Água 4dh.

 

Trimestral a Semestral:

  1. Limpeza do filtro externo: com os habituais cuidados da componente biológica, que até poderá ser toda a componente de filtragem (no Utopia só tenho BioRio e um pouco de lã branca, portanto 90% biológica... mais à frente explicarei porquê);

 

Depois há coisas que se vão vendo:

  1. Estas pedras são muito porosas e tendem a ficar escuras. Podem ser esfregadas mas mesmo fazendo uma TPA generosa a seguir corro o risco de aumentar o PH substancialmente. Prefiro colocar Excel numa seringa e colocar nas pedras que ficam debaixo de água na TPA. As que ficam de fora levam um tratamento idêntico mas com uma escova de dentes (bem mais eficaz). Umas horas depois estão limpas e dura muitas semanas. Até agora fiz isto apenas 2 vezes durante a montagem.
  2. ... e muito mais coisas que dependem da montagem em particular - plantas, hardscape, fauna, etc.

 

Esta manutenção com DISCIPLINA é obrigatória para as coisas correrem bem.

 

O que faço é obrigar-me a fazer isto todos os domingos de manhã. Demora de meia hora a duas horas, dependendo do que preciso fazer nessa semana.

Quando não se pode no domingo de manhã (passeios, etc), faz-se sábado ao final da tarde/noite ou domingo à noite. É mesmo importante não falhar isto (pela saúde das plantas e dos peixes/invertebrados).

 

Nesta montagem não tive algas, logo não precisei de tratamentos especiais.

Devo ter tido uns dias de diatomáceas para aí à terceira semana (já nem me lembro bem) e umas filamentosas no segundo mês (coisa pouca). Como isso foi resolvido com fertilização, falarei sobre isso noutro capitulo.

 

Assim que a manutenção está terminada e a água reposta, dou sempre fertilizante (ao domingo é dia de Macros) e algum aditivo se for caso disso.

 

Videos:

 

Neste primeiro video, alem da limpeza, vê-se a famosa TPA (mudança de água -> que será um assunto que abordarei brevemente).

O video tem +-16 meses e foi feito no meu anterior aquário: Green&Grey. Algumas destas ferramentas já não utilizo (por exemplo para limpar o vidro). Hoje uso uma esponja (que depois poderei mostrar).

 

 

Este é um video maior com mais pormenores da manutenção semanal mas que já tem mais de 3 anos :) Algumas destas ferramentas também já não utilizo, mas os procedimentos são basicamente os mesmos.

 

 

 

Para terminar deixo um link para um video do canal do Youtube deste mesmo Forum acerca de uma manutenção feita pelo Luís Fortunato na FIL este ano (não lhe pedi para usar aqui o video mas acho que ele não se zanga :))

Espero que não tenham que fazer a manutenção a um aquário como este porque está, prositadamente, numa lástima :)

Chamo a atenção para que até poderá haver alguma coisa no video que seja diferente de como eu escrevi ou demonstrei em cima. Isso é normal, há várias formas de fazer a mesma coisa.

O Fortunato, por exemplo, é um artista a arranjar ferramentas :) Eu sou mais leal às ferramentas de aquascaping propriamente ditas :) etc, etc, etc...

 

 

Nenhuma da informação aqui colocada foi retirada ou copiada da Internet, excepto o link para o video do Aquariofilia.net do Luís Fortunato, pelo que para este texto não tenho referencias bibliográficas a fazer.

Edited by Pedro Rosa
  • Upvote 13

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Bravo Pedro. Este post por si só merecia um tópico à parte e por mim ficava já inamovível na parte dos plantados/aquascaping.

  • Upvote 2
Link to comment
Share on other sites

Já nao chegava os aquarios todos bonitos para seguir este topico ? :P

Agora tambem tenho que ler esta informação toda. :D

Parabens pela iniciativa.

 

Cumps,

Carlos Alves

  • Upvote 1

Sands

Link to comment
Share on other sites

Boas,

 

Muito boas dicas e informação bem valiosa.

 

Deveria ser criado o tópico inamovível e postas lá estas "notas" assim que vão sendo escritas.

 

Obrigado Pedro!

 

Abraço,

  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites

Bravo Pedro! Sem duvida que sem disciplina a coisa ou não vai ou vai marreca! Tocaste em pontos chave nos equipamentos especialmente nos difusores de CO2 e o melhor ainda, para todos aqueles que dizem que ter um aquário plantado lhes roubará o tempo que não têm, esta é a prova. Menos de um minuto diário e entre meia hora a duas horas ao Domingo. Não se desculpem com argumentos não válidos.

 

 

De facto tem aqui bom material para tirar notas e criar um inamovível, no entanto, a informação aqui disponibilizada têm uma orientação que neste caso segue o aquário do Pedro, pelo que não deve ser dispersa.

Contudo, podemos negociar uns artigos aqui para esta área. ;)

 

Obrigado ao Pedro por disponibilizar a informação. Manda mais.

 

 

Abraço

  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites

Parabéns Pedro por essa ajuda e disponibilidade que nos vais dando seja com fotos ou vídeos e agora em "bíblia".

Tal como o António Nunes e o A.Ferreira concordo que seja inamovível, apesar de se basear no teu aquário de certeza que irá ajudar muitos no futuro.

Já guardei o capitulo 1, fico então á espera do resto...

  • Upvote 1

Cmpts,

Tiago Gomes

 

Calha 2x24W em Acrílico

Link to comment
Share on other sites

Obrigado pessoal. Não me parece que haja grande coisa de novo mas está organizado.

 

Pode fazer-se isso... de facto isto está baseado no caso especifico do aquário mas generaliza-se a praticamente todos (claro que falo em musgos, etc, que podem não existir em todos).

 

Ena!

Uma formação à borla...

 

Estou na área, manda vir!

 

Obrigado

 

Isto nao é formação, é informação biggrin.png' alt=':biggn:'>

 

Pedro.

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Excelente texto Pedro! Explicaste de uma forma simples mas muito estruturada como se deve proceder à manutenção do aquário.

 

Apesar de ser direccionada para o teu aquário, ao ler, consegui direccionar toda a informação para os meus...

 

Muito obrigado pela partilha! Tenho a certeza que irá ser bastante útil a muita gente... agora já percebo porque raio nunca consegui fazer nada de jeito com os meus musgos! lol

 

Seja aqui ou num tópico inamovível só com as digas, já estou à espera do próximo capítulo! ;)

 

Abraço

  • Upvote 1

Cumpts,

João Marujo

Vipasca

Link to comment
Share on other sites

Muito bom o texto! Deu-me logo vontade de ir podar os musgos haha (embora não haja grande coisa para podar vou só podar onde está mais farfalhudo por que noto que está castanho me baixo), e já agora uma dúvida quando limpo o difusor desligo o redutor e quando volto a ligar não fica exatamente na mesma pressão achas que terá problema essas oscilações minusculas até agora não tive algas, achas que poderei ter por causa disso?

Edited by rodasaquarium
  • Upvote 1

River of the Stone Age (acabado)

____________________________________

 

Link to comment
Share on other sites

Muito bom o texto! Deu-me logo vontade de ir podar os musgos haha (embora não haja grande coisa para podar vou só podar onde está mais farfalhudo por que noto que está castanho me baixo), e já agora uma dúvida quando limpo o difusor desligo o redutor e quando volto a ligar não fica exatamente na mesma pressão achas que terá problema essas oscilações minusculas até agora não tive algas, achas que poderei ter por causa disso?

 

Thanks a todos :)

 

Certamente que a oscilaçao sera muito maior quando fazes a mudança de agua parcial. Nem ligo a isso (tenho a botija dentro do movel.

Isso pode estar relacionado com a limpeza. Volta ao mesmo passado uma semana?

 

Pedro.

Edited by Pedro Rosa

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Não percebi muito bem a pergunta :huh: Mas realmente não tinha pensado nisso na TPA a oscilação é muito maior, eu perguntei isto porque na primeira vez que fiz a limpeza ao difusor o SAE atirou-se do aquário pode nem ter id nada a ver ... não cheguei a perceber pq é que o fez, os parâmetros estavam todos bem, ele ainda era bem pequenino, por isso acho que não é por ser demasiado pequeno para o aquário que tem apenas 30l mas estava a pensar trocar o SAE por ottos mas ele decidiu atirar-se :blink:

River of the Stone Age (acabado)

____________________________________

 

Link to comment
Share on other sites

Não te preocupes com SAEs a voarem, os meus de 6 neste aquário sobram 2. Deduzo que agora são maiores já não saltem tanto, mas quando são pequeninos são uns verdadeiros pára-quedistas :)

Infelizmente acontece bastante.

 

Pedro.

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Como faço as mudas de água semanais...

 

Parte 2 - TPA - Trocas Parciais de Água

 

As mudanças de água parciais são essenciais em aquários fortemente fertilizados como é o caso deste.

Atenção que muito haveria a falar sobre TPAs (Trocas Parciais de Água) noutros tipos de aquários. Deve ser possível encontrar muita informação sobre isto aqui no fórum. Até é um tema que com alguma frequência dá azo a algum radicalismo.

Neste caso interessa-me este tipo de aquários e descreverei o que faço. Estou aberto a melhoria nos “procedimentos”, mas é razoavelmente irrelevante opiniões de que não são necessárias TPAs neste tipo de aquários ou que devia haver apenas reposição, etc. Isso é comprovadamente ineficaz nestes caso.

 

Em aquários plantados com CO2 e fertilizados, muitos deles seguindo as indicações do EI (Estimative Index - como explicação muito rápida defende-se a fertilização em excesso para não haver faltas) o número redondo para mudanças de água semanais é 50%.

Creio que é razoavelmente o que eu pratico por aqui.

Se podemos só fazer 30% porque é um aquário com menos massa vegetal e menos fertilização? Claro que podemos, cada aquário é um caso distinto e temos que tomar estas decisões baseadas nalgum racional.

Se podemos fazer 70% porque estamos a tentar irradicar alguma alga? Claro que sim, mas quando chegamos a estes valores será razoável não o fazer na mesma semana em que, por exemplo, fazemos a manutenção do filtro.

A razão é simples: TPA e limpeza de filtro são dois potenciais “ataques” (embora necessários) às defesas do nosso aquário (colónia de bactérias). Uma procura pelo “Ciclo de Azoto” aqui no fórum dá muita informação sobre o assunto.

 

Interessa pensar um pouco nas razões que nos levam a fazer estas mudanças de água.

Há muita confusão sobre esta necessidade, nomeadamente em aquários plantados “high-tech”. Estas são as minhas razões e opiniões, devidamente referenciadas quando possível:

  1. A resposta que se lê genericamente é que se deve fazer a troca de água para fazer um “reset” ao aquário. Não está totalmente errado, mas a razão que se costuma dar está parcialmente errada: porque fertilizamos normalmente em excesso e essa mudança de água retirava os nutrientes a mais. O que queremos retirar da água são os produtos orgânicos produzidos pelos peixes e pelas plantas [1] [3] e não os inorgânicos que colocamos no aquário como fertilizantes. As trocas de água diminuem a quantidade destes produtos nocivos ao nosso aquário porque, contrariamente aos inorgânicos, podem causar algas. Não devemos esquecer que a produção destes produtos orgânicos é bem maior num aquário com crescimento muito rápido como os que têm injeção de CO2, logo deve haver maior controlo no controlo dos produtos na água.
  2. Mas com muita fertilização diária, o aquário também tenderá a ter nutrientes inorgânicos em excesso que não serão consumidos porque os ciclos de semanas estão sempre a recomeçar. Uma forma de eliminar este desequilíbrio, cujo o único problema é que pode chegar a ser perigoso para a fauna, é mudar uma quantidade significava da água.
  3. Além de tudo isso há a simples questão de ter de repor a água evaporada. Conforme o tipo do aquário (mas plantados são tipicamente abertos) a evaporação é maior. Também varia conforme as condições da sala onde está o aquário, se existem desumidificadores, etc. Nos meus aquários, principalmente no verão, tenho sempre que repor uns quantos litros de água a meio da semana sem fazer qualquer TPA.
  4. Manter a água cristalina é outro dos objectivos da mudança de água parcial. Os filtros são essenciais (e as matérias filtrantes que lá estão dentro) mas sem uma mudança recorrente a água tenderá sempre a ir ficando menos própria para a fauna.
  5. A água “nova” que colocamos enriquece o nosso aquário com alguns nutrientes necessários para as nossas plantas.
  6. A mudança de água também deve resultar na retirada da camada (que parece “gordura”) no topo da água. Esta camada é normalmente formada por produtos orgânicos que impedem que as plantas tenham uma fotossíntese adequada por mais CO2 que exista na água. Logo, com água limpa, as plantas também tenderão a ter um crescimento mais saudável. Portanto, outra razão para se fazer mudanças de água parciais [5]

 

 

Há coisas más nas mudanças de água parciais?

Há!

  1. Cria um desequilíbrio na quantidade de CO2 presente na água. Por isso mesmo o ideal será mudar a água antes das luzes acenderem e o CO2 começar a ser injetado no aquário.
  2. A temperatura da água varia sempre, normalmente para mais fria, sendo que isto é particularmente verdade no inverno. Água demasiadamente fria pode trazer problemas graves como o Ictio, que a aparecer deve ser combatido com 1) aumento de temperatura; 2) ou medicamentos –é uma chatice quando começamos a colocar químicos a mais na água.
  3. Para resolver o problema anterior, “diz-se” que a utilização de esquentador é desaconselhada por causa do cobre. Faz sentido e será de facto desaconselhado. Se eu utilizo esquentador neste aquário? Sim, e nunca tive problemas… [6] mas lá está, bate certo haver a possibilidade de criar problemas nomeadamente em camarões, mas também poderá depender do esquentador (digo eu de uma forma razoavelmente leviana J)
  4. A água da torneira tem cloro. Isso é um problema potencial para a nossa fauna. Há conselhos comuns que é deixar repousar a água em depósitos apropriados por um ou mais dias ou utilizar água de garrafão. Não faço nem um nem outro :) Mais sobre isto a seguir.

 

Que água coloco no aquário?

 

Para repor a água utilizo água da torneira. Não é uma água com PH substancialmente diferente do que pretendo no aquário – 6,5 – e portanto a reposição de 50% acaba por ter uma variação razoavelmente pequena que é recuperada nos dias seguintes 1) através da injeção de CO2; 2) devido ao substrato utilizado (Ada Aquasoil); 3) e pode ainda ajudar a existência de troncos e outros elementos.

Por outro lado podemos ter componentes no aquário a aumentarem ainda mais o PH, como algum tipo de rochas. Rochas como a Seyru e a Spirit Stone não são totalmente inertes e acabam por aumentar ligeiramente o PH (mas sem gravidade se os restantes procedimentos, isto é TPAs, forem feitas). Já nem falo das calcárias e muitas das que se apanham na praia.

Além disso o GH da água da torneira também é aceitável e não necessito de colocar, geralmente, nenhum produto para aumentar o GH nas mudanças de água.

Não utilizo água de osmose nem o defendo em plantados. Seria estar a retirar o que depois colocávamos novamente na água com produtos. Admito que isto não é verdade para todos os tipo de aquários mas é razoavelmente verdade para todos os plantados, com excepção em sítios onde a água é substancialmente diferente.

Nesses casos muita gente acaba por utilizar água de garrafão para as trocas de água. Alem de mais caro, dá mais trabalho, mas lá está... em caso de total necessidade... mas acho que deve ser raro essa necessidade para plantados.

Também não tenho nenhum poço em Linda-a-Velha J pelo que não podia utilizar esse tipo de água. Para quem usa é uma água bem mais barata mas com probabilidade de maior instabilidade nos parâmetros que podem depender de dias de chuva, etc. Nestes casos e do pessoal que utiliza, só posso aconselhar muitos testes à água. Admito que algum tipo de água é rica em NO3 o que acaba por ser fabuloso para plantados.

 

Antes de retirar a água do aquário...

 

Parece óbvio mas pelo que tenho visto nem todos desligam o aquecedor. Façam-no! É que com aquários com rochas a probabilidade de um aquecedor se partir é muito maior. É um verdadeiro perigo.

Por outro lado, muito pessoal acha que como fica sempre debaixo de água nas TPAs que não é preciso desligar. Desliguem-no J

Se o aquecedor correr o risco de ficar fora de água, então é mesmo obrigatório desligar ou 1) avaria; 2) derrete o suporte onde está preso.

Os filtros também convém desligar ou a manutenção será altamente dificultada e os riscos de remexer o substrato serão bem maiores.

A injeção de CO2 pode não ser desligada, mas durante o esvaziamento do aquário estaremos a deitar CO2 para o lixo. Deve-se ligar assim que se começa a encher, se o horário corresponder à injeção de CO2.

 

Com retiro e coloca água no aquário.

 

Longe vai a época de alguidares e garrafões. Durou pouco J

Sempre retirei água com uma mangueira, desde que não tenha buracos J a mangueira pode ter um cumprimento grande. A minha deverá ter à volta de 12 metros.

Não utilizo bombas. Prendo-a no aquário e levo a outra ponta até à casa de banho onde, com uma leve sucção, puxo a água que começa a correr alguns 5 ou 6 segundos depois diretamente para a banheira.

Razões para o fazer para a banheira: 1) muito raramente, mas pode acontecer, algum peixe ou camarão gosta de parques aquáticos J; 2) a água pode ser, pelo menos parcialmente, reaproveitada para regar as plantas lá de casa – é excelente porque está cheia de nutrientes que regra geral não damos às nossas plantas terrestres; 3) podemos ter uma noção mais real da “cor” da água, uma vez que fica na banheira (branca), além de podermos verificar o que aspiramos para detetar alguma coisa estranha, algum vivo estranho, etc.

 

Na pontas utilizo dois acessórios:

  1. No lado da casa de banho tenho daqueles acessórios de encaixe de jardim. Claro que as torneiras não têm o acessório correspondente mas podem comprar isso por uns míseros euros no AKI. Desenroscam a ponta da torneira (que tem um filtro) e enroscam esta ponta. Depois é só encaixar a ponta da mangueira que terá um acessório compatível em plástico. Como a minha casa de banho tem dois lavatórios fiz isso no primeiro. A gerente do “estabelecimento” até me agradece porque assim também pode utilizar aquilo para lavar a varanda traseira da casa quando chove J
  2. No lado do aquário a coisa é mais variada. Até há alguns meses utilizava, quer para retirar/aspirar, quer para repor a água, um acessório que é basicamente um “L” estilo uma “flauta” de saída dos filtros, como podem ver na imagem. Aliás, este acessório veio, há muitos anos, num “reactor” de CO2 da TMC (aqueles externos de plástico).
    Agora utilizo esse acessório para repor a água porque, como se pode perceber, a água sai na horizontal sendo menor o risco de afastar areia/substrato e danificar o layout do aquário. Aliás, aponto a flauta para cima para agitar a água e dessa forma retirar a pouca película que ainda possa estar formada no topo. Basicamente faz a mesma circulação do filtro. Ótimo J
    Para retirar a água agora já não utilizo este acessório. Andava há algum tempo para comprar uma torneira da Eheim. Noutro dia fui obrigado a comprar uma por causa do Eheim Ecoo Pro 300 que tenho do ADA 60P e aproveitei a que retirei para colocar na ponta da mangueira. Encaixa na perfeição e tem algumas vantagem em relação à flauta: 1) podemos controlar a velocidade de sucção através da regulação do caudal da torneira – excelente para aspirar perto dos musgos; 2) se, por acidente, algum bocado de musgo ou planta for sugada, tende a ficar presa logo na entrada e não passar até à mangueira (pq está parcialmente fechada); 3) ... e muito importante: posso fechar a sucção, tirar a mangueira de dentro da água e depois voltar a aspirar mais água mais tarde, sem ter de ir à banheira “ferrar” a mangueira novamente, que é sempre mais difícil quando já tem água lá dentro. Aliás, o que fazias nessas situações era, em vez de sugar novamente, colocava-a na torneira e enchia uns segundos o aquário e depois retirava a mangueira rapidamente para a banheira – estava ferrado e começava logo a puxar a água. Agora já não é preciso J

Acessório para repor água:

gg-day4-1.jpg

 

Quanto ao retirar água, obviamente que aproveito para “aspirar” algumas coisas, como por exemplo a areia e algumas pedras.

 

Mas atenção à aspiração ou simples remexer do substrato!!!

A razão é simples. Ao remexer o substrato vamos colocar partículas em suspensão que estão carregadinhas de amónia. Senão as aspirarmos vamos correr o risco de ter um boom de algas, mesmo fertilizando eficazmente [2]

Convém recordar que amónia alta pode levar à ocorrência de algas.

É comum dizer-se que remexer no substrato, quando existe fértil, pode levar a algas mas provavelmente será mais fácil levar a algas por levantar partículas, isto é amónia.

Senão for o caso de estarem a fazer uma TPA e remexerem no substrato, deve fazer-se sempre uma TPA generosa (50% ou mais).

 

Já falei anteriormente do musgo e da atenção a aspirar musgos... mais vale bater no musgo com uma pinça e soltar a porcaria e depois aspirar a porcaria que fica na água.

Consigo ainda aspirar bocados de podas que tenha eventualmente feito e tenham ficado a boiar no topo do aquário.

 

A mangueira é de facto muito melhor que baldes. As costas agradecem não acartar com baldes. Não há água no chão. É mais rápido. Melhor só o esgoto e uma torneira ao lado do aquário.

 

Enchimento do Aquário

 

Quanto ao colocar água, claro que deve ser devagar e podemos aproveitar esse momento para ir limpando os vidros ou alguns acessórios.

Há diferentes opiniões sobre a altura em que se devem limpar os vidros durante as TPAs.

Uns, como eu tendo a fazer, limpo a parte de cima antes de tirar a água ou enquanto tiro a água e a parte mais funda depois de retirar toda a água. Nesta parte mais funda inclui-se, pelo menos quinzenalmente, passar com um “cartão de crédito” em frente à areia ou substrato para libertar a porcaria presa entre o vidro e o substrato/areia/plantas. Um “scrapper” pode não servir, dependendo da profundidade.

Como dizia, outros defendem que os vidros devem ser limpos ou antes ou depois das TPA para não ficar a marca do local até onde a água foi retirada.

Não acho que esta decisão seja muito relevante e sinceramente tende a ser como a manutenção estiver a acontecer, sem grandes planeamentos no que respeita a isso.

 

Importante é limpar os vidros com um acessório adequado.

Os scrappers, penso que generalizados pela ADA, são espetaculares e têm na ponta uma lâmina da barba. Portanto têm uma manutenção barata.

 

Pro Razor da ADA:

2_0b.jpg

 

Alem disso há umas esponjas maravilhosas que o Rui Alves da Aquaeden me mostrou que são ideias para limpar vidros e especialmente os cantos do aquário (aqueles que tendem a ficar verdes no silicone J)

 

image.jpeg

 

Já agora um truque para quando os cantos ficam mesmo muito verdes: colocar Seachem Excel numa escova de dentes e passar a escova no silicone. Se tiver fora de água, deixar uns minutos. Na parte submersa, não é tão eficaz mas também trabalha. Passados uns dias o silicone está limpinho J

Será problemático para o silicone? Não sei L Sinceramente faço isso 1 a 2 vezes por montagem, por isso não me importo muito. Ácido não é certamente pelo que não desfaz o silicone numa quantidade tão pequena.

É basicamente o mesmo truque que se utiliza para as pedras ficarem limpinhas e que falei no capitulo anterior.

 

Voltando ao enchimento do aquário...

Como dizia deve ser feito lentamente porque a temperatura vai variar (para mais frio). É importante voltar a ligar o termóstato assim que possível, embora seja mais aconselhado apenas no final da TPA para não haver acidentes.

Quanto à utilização de esquentador já falei em cima. Utilizo mas apenas parcialmente no início da reposição. É um risco.

Aconselhada é a utilização de anti-cloro. Francamente não tenho utilizado ultimamente e embora tenha as minhas duvidas sobre a verdadeira utilizada do anti-cloro é MUITO mais seguro utilizar e ir colocando a pouco-e-pouco enquanto repomos a água. Devemos conhecer bem a água da nossa zona para saber se devemos ou não utilizar obrigatoriamente.

Há quem deixe a água a repousar em garrafões uns dias. Nesse caso não precisam de utilizar anti-cloro nenhum.

Há no entanto uma coisa que sempre me fez confusão neste “repouso” e que nunca vi escrito ou debatido em lado nenhum: ao deixar repousar a água, vamos perder oxigénio da água? Será que uma coisa compensa a outra? Não faço ideia... era interessante um pouco de debate sobre isto. O pessoal pode estar a pensar que está a fazer uma coisa bem para a fauna mas pode estar a fazer outra má.

 

Assim que o nível da água esteja perto da saída de água, deve-se ligar o filtro. Se o filtro tiver regulador de caudal, deve-se ligar quase logo e baixar a velocidade de entrada de água para evitar estragos no layout e ir aumentando à medida que vai enchendo.

Com o filtro ligado a água vai misturando melhor e haverá menos diferenças na temperatura.

De qualquer forma vão reparar que, no inverno, quando ligam o aquecedor os peixes vão ficar mais perto dele. Porque será? J

 

No final não esquecer de colocar a velocidade do filtro onde desejamos (máximo?).

 

Depois é fertilizar, apanhar os restos de plantas, endireitar as plantas de caule, apagar as luzes (se for caso disso) e meter os relógios novamente no automático, e já está.

Provavelmente, consoante o número de camarões que tenham, vão notar alguns exoesqueletos na água em resultado da TPA. Deduzo que seja o ciclo natural dos bichos a funcionar. Especialistas em invertebrados poderão falar mais sobre isso.

 

No inicio/meio disto tudo podemos ter de fazer podas, replantações, etc... mas sobre isso falarei noutra altura. Para já aconselho a que façam as podas sempre antes da mudança de água e nunca façam podas sem fazer mudanças de água a seguir.

 

Uma sugestão importante: sei que é comum limpar-se os filtros nos dias de TPA. Não o façam. Estão a aumentar a probabilidade de problemas. Como já disse estão a atacar o que vos protege o aquário em duplicado (mudar a água e mexer no filtro). Façam-no a meio da semana.

 

Uma outra sugestão para quem quer fazer menos trocas parciais de água: reduzir o metabolismo do aquário, começando por reduzir a luz. Isto desacelera o aquário, criando menos matéria orgânica e necessitando de menos trocas de água e menos fertilização [4].

 

Outra nota curiosa: Depois da troca de água o pearling é enorme. Porquê? J

Não, não será pearling embora o resultado aparente ser o mesmo. Na verdade formam-se bolhas em inertes (troncos, rochas, vidro, tubagem, etc). Certamente que não haverá pearling em inertes J

Na verdade são gases que estavam na canalização. Para que a água canalizada seja distribuída nas redes de distribuição existentes, a pressão é bastante elevada, voltando ao normal quando finalmente sai nas torneiras e neste caso diretamente para o aquário. Portanto os diversos gases existentes nessa água estão com maior pressão do que os mesmo gases existentes no aquário (O2, N2, CO2).

A partir daqui creio que já é visível que estas diferenças e o ajuste à água no ecossistema do aquário, formam o efeito descrito durante as primeiras horas a seguir à TPA. Passado esse tempo os gases foram todos libertados [5].

 

Vou terminar de uma forma pouco original porque vou repetir o filme que deixei na primeira parte. Serve para aqui na perfeição :)

 

 

 

 

[1] UKAPS - http://www.ukaps.org/forum/threads/why-do-i-need-to-change-the-water.19162/#post-193235

 

[2] UKAPS - http://www.ukaps.org/forum/threads/partial-water-changes-in-high-tec-aquariums.10496/#post-112526

 

[3] UKAPS - http://www.ukaps.org/forum/threads/ei-dosing-using-dry-salts.1211/

 

[4] BarrReport - http://www.barrreport.com/showthread.php/11691-Hate-water-changes-EI-can-get-you-there-with-a-small-modification?highlight=water+changes

 

[5] UKAPS - http://www.ukaps.org/forum/threads/help-i-need-a-scientist-water-changes-pearling-and-co2.19407/#post-196288

 

[6] BarrReport - http://www.barrreport.com/showthread.php/6817-How-do-you-heat-tap-water-for-water-changes?highlight=why+water+changes

Edited by Pedro Rosa
  • Upvote 9

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Excelente tópico! Além da espetacular montagem, obrigado pela partilha das tuas experiências/conhecimentos! :thumbup3:

 

 

Já agora, a questão dos exoesquelos dos invetebrados após TPA´s julgo que estará diretamente relacionada com a reposição de minerais como o cálcio..

 

Em relação à TPA, no meu caso (e porque os aquas são pequenos), deixo a agua a repousar em garafões de um dia para o outro para o cloro se dissipar. Mas a questão que levantas é pertinente em relação às caraterísticas que se alteram na agua após o repouso da mesma - nomeadamente o oxigénio. O meu único receio realmente em colocar a água diretamente da torneira prende-se mais com a colónia de batérias do que com a fauna (com a diluição da água do aquário não julgo que tenha grande efeito na fauna). :eusathink:

Edited by António Nunes
  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites

Pedro já li religiosamente o tópico todo e guardei para mim claro... ;)

Muito bom como sempre!!! Parabéns e continua...

 

Não falaste em limpadores daqueles magnéticos. Não usas???

Esses nunca precisas de molhar o braço, tirando os cantos e outros locais mais inacessíveis que tens de ir com a escova de dentes.

Essas esponjas brancas parecem aquelas que se compram no Continente por ex. que dão para limpar tudo. São essas???

 

Para retirar água de momento uso a mangueira directa para 1 garrafão para regar as plantas e para repor (isto é que é mais chato) com jarro. No sitio onde está o aquário a torneira mais perto não dá para usar o teu sistema.

No móvel novo que estou a construir já previ umas alterações ás mangueiras do filtro para tirar e repor a água sem sujar as mãos...

  • Upvote 1

Cmpts,

Tiago Gomes

 

Calha 2x24W em Acrílico

Link to comment
Share on other sites

Já agora, a questão dos exoesquelos dos invetebrados após TPA´s julgo que estará diretamente relacionada com a reposição de minerais como o cálcio..

 

Em relação à TPA, no meu caso (e porque os aquas são pequenos), deixo a agua a repousar em garafões de um dia para o outro para o cloro se dissipar. Mas a questão que levantas é pertinente em relação às caraterísticas que se alteram na agua após o repouso da mesma - nomeadamente o oxigénio. O meu único receio realmente em colocar a água diretamente da torneira prende-se mais com a colónia de batérias do que com a fauna (com a diluição da água do aquário não julgo que tenha grande efeito na fauna). :eusathink:

 

Quanto à questão dos invertebrados é óbvio que a liberação do exoesqueleto está associada ao GH da água, daí ser preferível valores que penso serem entre 3 e 6 (ou 8 ) - mas estes valores precisam de confirmação dos entendidos, para que 1) seja possível a criação do novo exoesqueleto (difícil com GHs baixos) ; 2) seja possível a libertação do exosequeleto (dificil com GHs altos).

No entanto o que deixo subentendido no texto é que a TPA pode influenciar os bichos a fazer nessa altura a mudança. Isto é o que observo. Repito novamente que não sou minimamente entendido em camarões. Apenas sei algumas coisas para os manter em condições.

 

Quanto ao repouso da água é como digo, compreendo mas não sei se terá outras implicações. Se calhar não tem, as água em repouso creio que tende a perder O2...

Quanto ao que falas do filtro, se a água não entrar diretamente para o filtro, só uma água com muito cloro poderia matar as bactérias. De tudo o que tenho lido (neste assunto o Clive do UKAPS tem escrito coisas interessantes!) a colónia de bactérias é bem mais resistente do que aquilo que pensamos (em aquários minimamente matutados).

Mas não faz mal nenhum a quem tem aquários ter cuidados em excesso com isso :)

 

Não falaste em limpadores daqueles magnéticos. Não usas???

Esses nunca precisas de molhar o braço, tirando os cantos e outros locais mais inacessíveis que tens de ir com a escova de dentes.

Essas esponjas brancas parecem aquelas que se compram no Continente por ex. que dão para limpar tudo. São essas???

 

Para retirar água de momento uso a mangueira directa para 1 garrafão para regar as plantas e para repor (isto é que é mais chato) com jarro. No sitio onde está o aquário a torneira mais perto não dá para usar o teu sistema.

No móvel novo que estou a construir já previ umas alterações ás mangueiras do filtro para tirar e repor a água sem sujar as mãos...

 

Nunca utilizei isso porque não me parece que limpe eficazmente. Acredito que para dar uma limpeza nos dias de semana será bem bom pq se vai limpando, mas para uma manutenção prefiro mesmo a esponja e o outro acessório.

 

Sim, creio que as esponjas existem nos supermercados.

 

Pedro espetacular! Grande trabalho, algo que procurava a bastante tempo!!

 

Eu é que agradeço a correção que me enviaste. Já está vidro e não video :)

 

Pedro.

Edited by Pedro Rosa

Pedro.

 

Atuais: Risa (60l)

Descontinuados: Dutch by the book (300l) Dark Land (300l)  Lost Nature (60l)  Wabi-kuza II (38 cm)  Utopia (60l) The Forsaken World (300l) by the Forest Shore (60l) Green&Grey" (300l) Beach Cliff (60l) Valley Roots (300l) Throught the Distance (300l) Utopia (60l)

Link to comment
Share on other sites

Fantástico mais uma vez, Pedro!

 

Essas esponjas são uma maravilha. Tenho um bocado de uma agarrada a um extensor de plástico e é perfeito na limpeza dos vidros.

 

 

Manda vir mais desses artigos que agradecemos. ;)

 

 

Abraço

  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites