NeritinaFan

.Membro
  • Content Count

    35
  • Joined

  • Last visited

  • Country

    Portugal

Community Reputation

3 :)

About NeritinaFan

  • Rank
    Super Recém Chegado
  • Birthday 04/21/2002

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Concelho
    Alcanena (Santarém)
  • Localização
    Alcanena

Recent Profile Visitors

665 profile views
  1. Cuidado! Muitos dos comumente chamados camarões-fantasma pertencem ao género Macrobrachium (altamente agressivos) e atingem dimensões inimagináveis:os meus (que me foram vendidos como Palaemonetes sp. )atacaram e devoraram 4 RCS adultos num aquário de 100l.
  2. Realmente o José tem razão (quanto às Tylos), dado que, pelo que percebi das informações fornecidas,a fauna do aquário vai ser baseado nos camarões. Os Brotia pagodula são difíceis de manter segundo muitas fontes (não sei porque pessoalmente nunca os mantive) e sei que os Brotia herculea adoram matéria vegetal (pelo que não sei se não poderão causar estragos em plantas de natureza menos "rija"). A ampulária ( espécie Pomacea bridgesii) também poderá ser uma opção, mas deposita ovos nos vidros do aquário (acima da linha de água)e, segundo o que me disseram, a sua venda está interdita. Concluindo, penso que uma só neritina/um só Faunus e os próprios camarões (dependendo da espécie) ,em conjunto com uma boa limpeza e cuidados com os excessos alimentares, devem ser suficientemente eficazes para "extreminar" as algas.
  3. Eu diria que podia manter Tylomelanias sp. (não são as mais "renomadas" comedoras de algas, mas sempre contribuem), uma só neritina (eu penso que ela só deposita os ovos depois de fertilizados, contudo não tenho a certeza) ou um só Faunus ater (mais raro de encontrar).Temos também os Brotia sp. (herculea e pagodula, por exemplo) e os melanoides tuberculata. Claro que a escolha e respetiva quantidade depende do tamanho do aquário. Cumprimentos.
  4. Penso que isso poderá variar consoante a temperatura, mas em média será aquilo que o José referiu.
  5. Olá José, Sim, eu sei que eles não reproduzem em água doce e já os mantenho há cerca de um ano. No entanto,apenas agora me consciencializei que só posso adquirir espécies que consiga definitivamente reproduzir ...Aliás, escrevi aqui no fórum (secção "caracóis") um relato da minha experiência com Faunus sp. (e digo sp. porque ,apesar de este género apenas conter uma espécie descrita-Faunus ater- os detalhes morfológicos de indivíduos similares ao meu são algo diferentes desta.Contudo, poder-se-á tratar de uma variação restrita a um determinado biótopo, não merecendo assim o grau de espécie diferenciada). Engraçado será também acrescentar que a reprodução dos Faunus e das neritinas é muito semelhante, uma vez que ambos passam por desenvolvimento indireto, necessitando as larvas de água salobra (no geral) para atingirem a "maturidade".Caricato será também acrescentar que alguns neritídeos coexistem na natureza com Faunus ater, depositando frequentemente ovos na sua concha (comportamento que também se verifica em cativeiro, como podem observar na minha fotografia). José agradeço o conselho do substrato e realmente estou ciente da importância.Tenho noção que a sua ausência inibirá decerto comportamentos de determinadas espécies, nomeadamente gastrópodes.Contudo, se não me engano, diversas espécies de Tylomelanias são provenientes de habitats cujo substrato é mais rochoso, não tendo como tal necessitado de se enterrar.Sei também que outras se deslocam sobre fundos mais arenosos...O Sulawesi é realmente espetacular em termos de diversidade (e o seu "Circo", que me inspirou muito no que toca ao estudo das Tylomelanias, também)! Se conseguisse arranjar areia , pensaria sobre o assunto, mas nas lojas a que tenho acesso não há ninguém que a consiga obter (nem mesmo de fornecedores externos).Os restantes substratos disponíveis (como por exemplo o aqua gro soil) ou acidificariam a água ou apresentariam formatos e granulometrias impróprias para animais bentónicos. Quanto à questão das bactérias, permita-me discordar só com um aspeto...O substrato pode dar à colónia maior área de superfície para se estabelecer.Contudo, se fornecermos plantas e decorações também estaremos a colmatar (se calhar a não tão larga escala, mas de um modo suficiente) essa necessidade de espaço para multiplicação e fixação.Atualmente tenho os níveis de compostos tóxicos zerados e os nitratos muito baixos, mesmo com substrato ausente.Claro que, apenas com o aumento da população poderei corroborar a 100% esta minha ideia... Ao nível dos camarões eu possuo um aquário de reprodução independente , não tendo o tal problema de aspirar os recém-nascidos. Desculpem o testamento, Mais uma vez obrigado José
  6. Gostava ainda de deixar aqui em discussão um assunto que me tem estado a intrigar: Como podem ver, na quarta foto estão duas neritinas a acasalar.A questão é que elas pertencem , supostamente, a espécies distintas. Será possível ocorrer hibridização entre neritinas?
  7. Boa tarde colegas, Gostaria de vos apresentar os progressos do meu aquário de invertebrados (100l). Há muito tempo que esperava por ele e, como tal, planeei tudo de modo a que nada corresse mal (especialmente no início).Assim, resolvi iniciar o processo com cerca de 4 semanas de ciclagem sem fauna.Para tal, fui adicionando pastilhas e outros alimentos, para que se decompusessem, criando assim picos de amónia (e posteriormente nitritos) e, consequentemente, uma colónia estável de bactérias nitrificantes. O filtro é composto por três massas filtrantes:mecânica (esponja); biológica(cerâmicas); química(carvão ativado). Temperatura:26º pH-Varia entre os 7.00 e os 7.50 O aquário não tem substrato devido essencialmente à abrasão mecânica que provoca na concha dos gastrópodes.Também a dificuldade em encontrar ,nas lojas da minha zona, substrato que não alterasse os parâmetros químicos da água foi um fator preponderante nesta decisão. Flora:Anubia sp. e Cladophora aegagrophila Fauna: 7 Neocaridina heteropoda var.red (red cherry); 1 Vittina semiconica (neritina); 1 Palaemonetes sp. (ghost shrimp);1 Neritina variegatta; 1 Brotia herculea; 2 melanoides tuberculata (são pequenos demais para os apanhar e mudar);1 Faunus sp.-atualmente Próximas adições:Tylomelania sp. Poso Orange; Tylomelania sp.Poso Yellow; Cambarellus diminutus. Nota:Eu irei adicionar ainda mais fauna, mas terei que o fazer aos poucos...Convém também dizer que,atualmente,só adquiro seres vivos que eu pense ser capaz de reproduzir em cativeiro, pois , do meu ponto de vista, é mais saudável para os ecossistemas (por muito que a captura de peixes ornamentais esteja a beneficiar certos biótopos).Ademais, animais reproduzidos em cativeiro são mais resistentes a diferentes parâmetros (segundo algumas fontes) e existe menor risco de serem afetados por espécies parasitas (acontece muito com as Tylos). E como o pessoal quer é fotos, aqui estão algumas:
  8. NeritinaFan

    Mini caracois

    Pela posição horizontal da concha na foto e coloração eu identificá-los-ia como Gyraulus, como sugerido pelo colega Walther. São de facto inofensivos e uma excelente adição a qualquer aquário comunitário (desde que sem predadores). Cumprimentos,
  9. Também as Physas poderão ser bons exemplos. Reproduzem-se massivamente, sendo muitas vezes consideradas pragas. Cumprimentos
  10. Os caranguejos não deveriam ser mantidos num paludário??? Geralmente necessitam sempre do meio terrestre para se poderem desenvolver e viver em pleno... Vi que a loja os mantém com uma Neritina sp.A verdade é que, pelo que já li (não por experiência própria), eles podem também tornar-se agressivos para com os gastrópodes, principalmente para com os de menores dimensões...No caso da Neritina é possível que eles não a matem (devido à resistência da concha e do opérculo), mas possivelmente irão causar-lhe algum stress (o que se poderá verificar pelo facto de as antenas estarem "recolhidas"). Por isto: Eu também não arriscaria a comprar, nem que seja pelo facto dos funcionários não saberem dar informações concretas sobre os hábitos e taxonomia.Manter um ser vivo sem conhecer as suas necessidades é um tremendo desrespeito pela natureza! Cumprimentos,
  11. Eu concordo com o José... São crustáceos que se desenvolvem indiretamente por meio de larvas, necessitando estas de água com alguma salinidade para atingirem a forma adulta.Por isso ,e à semelhança de outros invertebrados como a Neritina Natalensis, os Faunus sp. e os Caridina multidentata/japonica ,a sua criação em cativeiro será bastante complexa, para não dizer impossível.
  12. Grande montagem, de facto! Os neritídeos (neritina pulligera;neritina natalensis;etc...) são excelentes a eliminar algas, não competem muito fortemente por alimento e não se reproduzem em água doce.Penso que seriam uma boa escolha.
  13. Bom dia, Não percebo praticamente nada de ciclídeos, mas o facto de eles virem à superfície (colocando-se numa posição quase vertical) indicia muito stress e,na minha opinião, falta de oxigénio na água. Cumprimentos,
  14. Bom dia, Deve ter vindo com as plantas...Mas não dá para ver muito bem. Espero que outro membro te consiga elucidar melhor. Cumprimentos