Cuddlefish

.Membro Ausente
  • Content Count

    21
  • Joined

  • Last visited

  • Country

    Portugal

Community Reputation

0 :)

About Cuddlefish

  • Rank
    Recém Chegado
  • Birthday 08/13/1968

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Concelho
    Abrantes (Santarém)
  • Localização
    Lisboa
  1. Cuddlefish

    Cuddlefish

  2. Cuddlefish

    Meter O Vicio Aos 3 Anos

    Bagas e crianças de três anos não são uma boa combinação. A não ser que ele apenas tenha acesso às ditas na presença de um adulto. Back on topic. Isso faz um efeito engraçado. Vou mostrar a um amigo meu que tem répteis em vários terrários, acho que isso dava uma boa decoração para as cobras e lagartos... Esse cubo vai ter alguma fauna? Ou foi só uma experiência para o petiz meter a mão na massa?
  3. Cuddlefish

    Reds bom alimento vivo?

    Excelente tópico. Este é um tema polémico que nunca reunirá unanimidade. Estava para aqui a ler e organizar mentalmente um post todo elaborado, mas o jar e o AGA fizeram isso por mim, subscrevo as vossas opiniões. Amo e admiro a Mãe Natureza, mas não renego a minha condição de vil humano. Por um lado não consigo ter um cão em casa porque penso não conseguir dar-lhe uma boa qualidade de vida (acho que consigo dar essa qualidade de vida aos peixes que habitam o meu aqua de 54 litros, tanto que já ando às voltas na secção de Ofertas à procura de um bom negócio para um maior...), mas por outro lado faço caça submarina (ou melhor, fazia, porque há um nao que não molho o fato...), não apenas porque adoro um bom sargo grelhado ou no sal, mas porque eu próprio e nós todos temos os nossos resquícios de predador. Mas tenho que fazer uma ressalva já feita anteriormente: não comparem caça em terra com caça submarina. Estamos num ambiente hostil, que não é o nosso, temos um tempo limitado para escolher a presa e apanhá-la, com uma arma que não é senão uma reles extensão do nosso braço com um alcance muito limitado e uma precisão digamos que... longe do perfeito. E sim, também já pesquei à mão, uns grandes barbos no Guadiana em Verões inesquecíveis e que contribuiram para o meu conhecimento e admiração da Natureza (pronto, tá bem, e do meu estomago, também...). Mas ficos com alguns remorços quando apanho polvos ou chocos, com aqueles olhos a revelarem o tal QI que nos faz classificar os animais pela ordem de 'inteligência', e confesso que já não os procuro como presa. Aliás, olhem para o meu nick e para o meu avatar (o octopus já estava ocupado!). Dar comida viva aos nossos peixes... dar comida 'morta' é dar comida viva que outros mataram por nós... e em que condições viveram e morreram esses seres que se transformaram em flocos, granulado e farinha?... Acho que foi o Zogli que disse que temos que fazer o melhor pelo bem estar dos nossos animais, peixes incluidos. Mas isso não iclui, no caso de algumas espécies específicas, dar comida vida? (e o facto de serem guppies, reds, artémia ou ratinhos é irrelevante, desde que não seja o caso grotesco das piranhas/kois que cuja única motivação foi o gozo sádico e não a alimentação dos bichos). E não me alongo mais, porque está tudo dito, há duas correntes, e uns nunca vão concordar com os outros e vice-versa. Mas deixem-me congratular todos pela discussão civilizada de um tema 'delicado'.
  4. Tenho uma Fuji S6500fd há uns dois meses, e só tenho a dizer maravilhas. Queria uma máquina que conjugasse a portabilidade com a facilidade de uso, e as 'bridge' são isso mesmo, e dentro dessas, esta é uma das melhores. Podes usar tudo automático, ou prioridade à velocidade ou abertura, e tem vantagens como o anel de zoom, em vez dos botões: é mais rápido, mais preciso e consome menos as baterias. Ainda não a 'espremi', mas so 'far so good'. Fotografar o aqua: permite usar ISO elevado sem ganhar muito grão. Noutras condições de luminosidade igualmente deficiente: fotografei este fim-de-semana um estágio de karaté do meu filho, num pavilhão fechado e não usei flash (àquela distância também não adiantava muito...), e as fotos ficaram porreiras, considerando que no zoom máximo perde obviamente luz. Já fui utilizador intensivo das SLR (pessoal e profissionalmente), mas chateava-me ter que andar sempre de mochila atrás por causa das lentes. Esta é um bom compromisso. Usa pilhas em vez de bateria proprietária, e tem uma autonomia muito boa, especialmente se usares o viewfinder em vez do ecrã na parte de trás. Resumindo para não me alongar: Prós: boa usabilidade, bons resultados finais (definição, cor e grão das fotos); anéis de zoom e foco manuais (este último em alternativa ao auto-focus, claro); todos os modos disponíveis (auto, prog, S, A, M, etc.). Face detection (óptimo para fazer retratos dos putos); bom comportamento em ISO elevado. Contras: é maior que uma tradicional compacta; viewfinder digital merdoso (é mesmo a única coisa que realmente não gosto na máquina); não tem sapata para um flash externo; mas o flash incorporado é potente q.b., às vezes queima mesmo as fotos, especialmente a curta distância. Por isso evito usá-lo. Que me lembre, é isto. É a segunda Fuji que tenho (a outra era uma compacta F601z, fantástica, mas a lentezinha limitava a utilização que lhe queria dar) e nas SLR fui cliente (e fã) Nikon. Se procurares reviews na net só vais ouvir falar bem. Se quiseres perguntar algo mais específico, estás à vontade.
  5. Aqui vão alguns dos meus. Eram inicialmente 5 (2 M e 3 F) agora são 10. Aqua de 54 litros, semi-plantado. Geral Um macho e uma fêmea. Este macho só tem um olho, mas isso não o impede de ser o rei do aquário. Três gerações, e por baixo das pedras que se vêem ao fundo anda um sobrevivente com meio centímetro... Desculpem a qualidade das fotos, mas são uns irrequietos...
  6. Cuddlefish

    Peso de aquário de 300L...

    Há vários tópicos sobre o assunto do peso, mas dos que me lembro de ter lido, este parece ser o mais informativo. Boa leitura.
  7. Cuddlefish

    Aquario de Parede

    E no WC? Mas em tamanho XL...
  8. Cuddlefish

    Kribsplace

    Só para tentar ajudar sobre as podas. Já não me lembro de onde tirei este texto, mas acho que foi da Era dos Aquários (www.aquahobby.com). • Plantas ditas de caule mole, como por exemplo Cabomba, Egeria, Rotala, Hemianthus, Heteranthera , Glossostigma, Didiplis, Alternanthera, Polygonum, Limnophila, Myriophyllum, Ludwigia, Micranthemum, Hydrocotyle, Bacopa, Hygrophila, Potamogeton, Najas, etc: -- basta cortar no ponto desejado, imediatamente acima de um nó foliar (onde o pecíolo foliar ou as folhas se inserem no caule), replantando a parte superior destacada. A parte inferior, se mantida no local original, tende a rebrotar, desde que continue a receber luz e seja deixado um pedaço mínimo com folhas. • Plantas ditas de roseta, como por exemplo Echinodorus, Cryptocoryne, Aponogeton, Vallisneria, Sagittaria, Eleocharis, Samolus, Crinum, Cyperus etc: -- essas você deve podar apenas as folhas velhas, mais externas na roseta, no pecíolo foliar (a haste que liga a folha ao rizoma / bulbo) bem junto do rizoma / bulbo. Folhas cortadas em qualquer ponto de seu comprimento acabam amarelando e morrendo, ficando bastante anti-estético no aquário. E folhas podadas mesmo junto da base da planta não rebrotam. A multiplicação dessas plantas se dá apenas por estolões (Sagittaria, Vallisneria, Cryptocoryne, algumas Eleocharis e em Echinodorus pequenas), mudas nascidas no rizoma (Echinodorus, Aponogeton), direto da haste floral (Echinodorus), cespitosamente (mudas lado a lado, sobre um curtíssimo rizoma; Eleocharis, Cryptocoryne, Cyperus) ou semente, dependendo da espécie (muitas apresentam mais de uma dessas formas reprodutivas). É possível dividir o rizoma de algumas dessas espécies (Cryptocoryne principalmente), mas sempre com alto risco de perder a muda destacada e também a planta-mãe (OBS: raízes mais grossas de Cryptocoryne, se podadas e deixadas na água podem gerar novas plantas). • Plantas ninfeáceas como Nymphaea, Nymphoides etc, tem que ter suas folhas em forma flutuante cortadas sempre que surjam, e antes que alcancem a superfície, senão a planta passa a produzir apenas essa forma de folha, perdendo todas as submersas. Podas estéticas iguais às das plantas de roseta: folhas velhas e mais externas, no pecíolo junto do rizoma / bulbo. Folhas de Nymphaea, depois de podadas, não rebrotam, mas as de Nymphoides sim, basta deixar flutuando em local iluminado. A reprodução se dá em algumas espécies de Nymphoides pela formação de mudas na base da folha (no local ou pouco antes de onde o pecíolo foliar "entra" na folha), por estolão (algumas Nymphaea), ou por semente (a maioria das Nymphaea). Semente em Nymphaea só são formadas quando ela floresce, e isso só acontece quando se permite à planta formar folhas flutuantes. Não tente dividir bulbo ou rizoma de Nymphaea que só sai desastre... morre tudo, perde-se a planta. • Plantas pteridófitas: Existem as pteridófitas em forma de roseta, como Ceratopteris; essas devem ser podadas como as plantas de roseta, mas suas folhas, se deixadas flutuando em local iluminado e com nutrientes, formam novas mudas em sua extremidade -- ídem a pteridófitas como Microsorum (e exceto Isoetes, Bolbitis e Marsilea). As que apresentam-se com rizomas (caules horizontais de onde brotam as folhas), como Marsilea, Microsorium e Bolbitis, podem ter seu rizoma dividido para efeito de multiplicação; podas estéticas devem ser feitas como nas plantas de roseta (junto dos pecíolos foliares). As Isoetes possuem pequenos "bulbos", onde se formam esporos, que são a única forma de multiplicação além da multiplicação cespitosa (em forma de moita -- mudas novas ao lado da planta, sem formação de estolhos). Folhas podadas não rebrotam (exceto Microsorum e a citada Ceratopteris), nem é possível dividir os bulbos, apenas destacá-los do conjunto formado. Podas estéticas como nas plantas de roseta. • Plantas rizomatosas, como Anubias, Acorus e Nuphar: poda-se esteticamente apenas as folhas velhas, que não rebrotam. Folhas cortadas em qualquer parte de seu comprimento (incluindo pecíolo foliar) amarelam e morrem. A divisão de rizoma pode gerar novas mudas, mas é sempre processo arriscado -- costuma-se cortar a muda nova que tenha no mínimo 4 ou 5 folhas bem formadas. • Plantas flutuantes geralmente formam mudas laterais, por estolho ou não; a poda, se necessária, sempre como planta de roseta. Folhas cortadas em qualquer parte de seu comprimento amarelam e morrem, exceto Ceratopteris, que gera novas mudas em sua extremidade. Mudas costumam ser formadas por estolhos, basta destacar depois de bem formadas e com raízes. • Plantas inferiores, não vasculares, como o musgo (Vesicularia dubyana e afins (p.ex., o "musgo de Java"); briófitas (p. ex., Riccia, Ricciocarpus) e algas (p. ex., Chara, Nitella): basta dividir onde quiser, sobrando uma única célula é o suficiente para, havendo condições mínimas, gerar uma "nova planta".
  9. Cuddlefish

    Cauda-De-Espada

    Eu também tenho um aquário de 54 litros, comecei com cinco espadas, tenho agora 10, jé ofereci 60 de um único nascimento (tenho a certeza que foi de uma fêmea só porque estava isolada, e contei-os um a um) e não faço ideia quantos nascimentos já houve no meu aquário. São de facto peixes interessantes de observar, especialmente as danças de acasalamento. Os machos arrancam e param de repente, sempre à volta das fêmeas, chega a ser cómico. Os adultos comem os alevins - deles e dos outros - por isso se quiseres salvar alguns, é necessário ter muitos esconderijos para os pequenotes se pirarem dos 'tubarões'.
  10. Cuddlefish

    Problemas Com Aqua

    Tive esse problema recentemente no meu aqua de 50 litros, parecia que havia nevoeiro lá dentro, mas os testes não davam nada de anormal. Limpei o filtro Eheim 2211 (lavei as matérias filtrantes com a água do aqua) e fiz uma TPA de cerca de 50%. Dois dias depois tinha a água normal. Acho que era o filtro a funcionar abaixo da sua capacidade, saturado com tanta porcaria, porque já há muito tempo que não era limpo
  11. Cuddlefish

    Avipeixe

    Sou um novato nestas andanças, não conheço muitas 'peixarias', por isso a minha opinião vale o que vale. Mas acho que o lojista não tem a obrigação de aconselhar ou ensinar os clientes. Se o fizer é um bónus e é um modo de agradar e cativar um cliente. Quando vamos comprar um carro, o vendedor não nos diz 'não, não, não leve o V6 turbo a gasolina com estofos em pele de ave rara e sistema som trilogic super-estéreo, leve antes o 1500 dci com leitor de cassetes que é mais económico e dá para as suas necessidades'. E quando vamos comprar umas calças a moçoila do pronto a vestir não nos dá conselhos sobre que tecido escolher: 'trabalha num escritório? Tem ar condicionado? Não?! Ah, então não leve o polyester, leve o algodão'... o cliente é que tem que saber o que quer, e o vendedor tem que saber o que tem. Ou seja, apenas tem que saber responder às perguntas e não fazê-las. Claro que neste meio, como noutros, há aqueles que aliam o negócio à paixão, e têm gosto naquilo que fazem, para além de tirarem daí o seu ganha-pão. Mas esses, neste ramo, como em todos os outros, são a excepção e não a regra. O que é que podemos exigir de um empregado, provavelmente temporário, que se calhar está ali como podia estar na caixa de um supermercado ou na recepção de um consultório? Quem lhe exige é o patrão, que quer é vender... Quando vou comprar um peixe ou planta, ou qualquer equipamento, não estou á espera que me façam perguntas, mas gosto que saibam responder às minhas. São apenas os meus dois cêntimos, sem razões de queixa nas quatro lojas onde fiz compras, e das quais apenas me recordo do nome de uma, a Aquaplate em Benfica. As outras foram no CC Odivelas Parque, no piso -1 do Carrefour de Telheiras, e no CC Oceano de Odivelas.
  12. Cuddlefish

    Plantamin Da Tetra

    Quando se acabou o meu primeiro frasquinho, como tinha adquirido outro fertilizante mais abrangente (qualquer coisa Profito), não voltei a comprar, mas as minhas plantas (hygrophyla, echinodorus e outra que não sei o nome, sagitaria qualquer coisa) começaram a ficar com buracos e a perder folhas. Comprei outra vez e apesar de estar a usar há apenas uma semana, não notei mais folhas esburacadas/transparentes de novo e já muito menos perda de folhas. Se calhar o tal Profito tem menos qualquer coisa que o Plantamin complementa. Mas como sou novato nestas andanças não pesco nada do tema, por isso os entendidos que se cheguem à frente e nos dêm umas luzes sobre o assunto, se faz favor.
  13. Cuddlefish

    Molly Cega!

    Se puderes separa-a dos outros e vê se recupera. Eu tenho um cauda de espada zarolho (não tem o olho direito) e só reparei dois dias depois do o ter no aquário. Tive para o ir trocar na loja, mas como tinha um comportamento normal, semelhante ao dos outros, deixei-o ficar. E tal como nas histórias da carochinha, hoje é o rei do aquário, anda sempre atrás das fêmeas e corre com o outro macho. Não se apercebe é de nada do que acontece do seu lado esquerdo... o que é uma vantagem para quem foge dele!
  14. Cuddlefish

    Corydoras Pygmaeus

    Os meus Corydoras paleatus encheram-me os vidros de ovos. Retirei alguns com um cartão plastificado para dentro da maternidade, daquelas de plástico com ranhuras. Eclodiram, mas os alevins foram desaparecendo... eram tão pequenininhos que devem ter passado pelas ranhuras da maternidade, não vejo outra hipótese. Para a próxima, se houver próxima, vou arranjar uma rede o mais fina possível para fazer uma 'creche' e manter alguns ovos sem hipótese de fuga depois de eclodidos. Os que não retirei dos vidros foram desaparecendo, e vi que pelo menos alguns foram comidos pelos próprios corys.
  15. Cuddlefish

    Reprodução De Espadas

    A gestação são 30 dias? É que há mais de 40 dias que detectei que duas das minhas espadas estão grávidas (o que quer dizer que já estavam há mais tempo) e alevins até agora nada. Continuam super-barrigudas as duas, vê-se o que eu suponho ser as crias através da pele da barriga mas partos, nada...