Sign in to follow this  
João Cotter

[ARTIGO] Os Nossos Melhores «Cirurgiões»

Recommended Posts

Os Nossos Melhores «Cirurgiões»

 

Fomos procurar os melhores cirurgiões, não aos hospitais e clínicas mas sim aos recifes e aquários de água salgada. Uma bela família de peixes que não deixa ninguém indiferente.

 

Traços distintivos desta família

A família dos Cirurgiões ou acanturídeos (Acanthuridae) encontra-se representada por pelo menos 72 espécies facilmente reconhecidas pelas lâminas (ou bisturis) que possuem na base da barbatana caudal. Em algumas espécies, estas lâminas projectam-se para fora quando necessário (no caso de disputas territoriais e para defesa) como se de facas de ponta e mola se tratassem; enquanto noutras espécies, as ditas lâminas são fixas. Outra característica distintiva é o formato do corpo que evidencia um perfil elevado, de forma oval e achatada. As escamas terminam geralmente numa pequena protuberância, dando uma sensação áspera ao toque.

Apesar de não ocorrerem alterações significativas de cores entre a idade juvenil e adulta na maioria das espécies, existem algumas excepções, como o caso do Cirurgião Azul das Caraíbas (Acanthurus coeruleus), que passa por uma fase amarela quando juvenil.

Embora as diferenças exteriores entre os sexos sejam, de uma forma geral, raras, é possível notar algum escurecimento das cores do macho durante o acasalamento. O tamanho também não é um indicador de confiança para determinação do sexo, já que nem sempre os machos são maiores do que as fêmeas.

As espécies que compõem esta família encontram-se em todos os mares tropicais, principalmente em zonas de recife, se bem que algumas prefiram nadar em mar aberto. Com efeito, alguns Cirurgiões que habitam em mar alto chegam a atingir dimensões superiores a meio metro, porém, obviamente, essas não são espécies apropriadas para o aquário doméstico.

Em termos gerais, os cirurgiões são peixes exigentes no que respeita à qualidade da água em comparação com muitas outras famílias de peixes marinhos tropicais, requerendo elevados níveis de oxigenação, pelo que há que ter este facto em consideração aquando da sua introdução num aquário.

 

A origem do nome vulgar Cirurgião

deve-se ao espinho existente na base da

barbatana caudal, muitas vezes denominado

de bisturi, utensílio utilizado pelos médicos-cirurgiões.

 

Alimentação

Uma questão importante a considerar é que praticamente todas as espécies de Cirurgiões são herbívoras, ou seja, ingerem fundamentalmente matéria vegetal, alimentando-se de algas no seu habitat natural. Em cativeiro, estes animais necessitam de ser alimentados várias vezes por dia caso haja um crescimento insuficiente de algas no aquário. De facto, os espécimes mais novos crescem muito rapidamente e morrerão à fome se não tiverem acesso a alimento com muita frequência. Apesar de não sobreviverem sem matéria vegetal, algumas das espécies em cativeiro aceitam de bom grado outro tipo de alimentos congelados, granulados ou mesmo em flocos.

 

Comportamento

Os Cirurgiões que geralmente possuímos nos nossos aquários domésticos vivem, no seu habitat natural, em cardumes nas zonas de recifes de coral. Contudo, no aquário, renunciam a esta tendência gregária e entram em disputas entre si, a não ser que disponham de um ambiente bastante espaçoso. Espécimes já estabelecidos geralmente não toleram novos peixes introduzidos no aquário, principalmente se forem da mesma família e pior ainda se forem da mesma espécie. Quanto maior a similaridade do tamanho do peixe introduzido, maior será a agressividade demonstrada. Espécimes jovens, cujos «bisturis» são, felizmente, menos perigosos que os dos adultos, desencadeiam movimentos ameaçadores contra recém-chegados, mas, geralmente, estas demonstrações são muito curtas e pouco perigosas. A fim de minorar os problemas de convivência, na medida do possível, os membros desta família devem ser introduzidos em simultâneo no aquário, evitando-se sempre repetir espécies ou colocar espécies de coloração e formato semelhantes.

Todos os membros desta família são, de uma forma geral, susceptíveis aos parasitas dos pontos brancos - Oodinium e Cryptocaryon irritans - especialmente quando a água não tem a qualidade mais desejável. Infelizmente, os medicamentos à base de cobre que são utilizados para tratar tais infecções não são tolerados em aquários de recife, o que obriga a colocar estes peixes em aquários sem invertebrados para que possam ser devidamente tratados. Alguns equipamentos, tais como UV’s e ozonizadores, reduzem substancialmente a população destes parasitas que se encontram em suspensão no aquário, minorando assim os riscos de contaminação destes peixes.

 

Diversidade de espécies

Esta família contém alguns dos peixes mais populares e desejados pela maioria dos aquariofilistas de água salgada. As suas cores intensas e variadas, as suas formas e o seu comportamento tornam estes peixes bastante cobiçados e atraentes no aquário. Assim optámos por eleger algumas espécies como as mais adequadas ao aquário. Parte dos peixes que identificámos não coexistem pacificamente, a não ser que disponham de um ambiente de grandes dimensões, pelo que o leitor terá de fazer a sua própria selecção antes de pensar em adquirir algum espécimen. Alertamos ainda para o facto de que, sempre que é introduzido algum Cirurgião, o aquário deverá estar maturamente estabelecido e, de preferência, sem vestígios de nitratos e com um nível de oxigénio dissolvido de cerca de 6-7 ppm. A luz intensa é também um factor aconselhável.

 

Zebrassoma flavescens

É talvez o Cirurgião mais comummente encontrado em lojas de aquariofilia e aquários domésticos. Este peixe completamente amarelo atinge os 15cm num aquário de grandes dimensões. Sendo resistente aos parasitas que costumam atacar esta família, é comum a sua introdução em aquários de recife, muitas vezes para controlar o crescimento de algas.

 

Paracanthurus hepatus

Um peixe de um azul forte com marcas pretas e amarelas. Como é relativamente pequeno e pacífico, é possível manter esta espécie em pequenos cardumes, quando o espaço o permite.

 

Naso lituratus

Este peixe é capaz de atingir o respeitável tamanho de 25cm no aquário e, como tal, requer uma área espaçosa. Apesar do seu tamanho, é geralmente uma espécie pacífica. Os espécimes do Havai têm uma dorsal preta e os do Oceano Índico apresentam a dorsal cor-de-laranja.

 

Acanthurus lineatus

É um peixe relativamente fácil de manter e possui um padrão às riscas de tons garridos de amarelo, azul e preto. Mantenha apenas um espécimen por aquário ou, em alternativa, vários, mas nunca um par e desde que o aquário tenha dimensão para tal. É um apreciador de espaços rochosos e corais que lhe ofereçam algum abrigo.

 

Acanthurus leucosternon

Um peixe muito atraente e popular. Contudo, tenha em atenção que se não lhe forem dadas as condições ideais em termos da qualidade de água, espaço e correcta alimentação, estará constantemente sujeito aos parasitas dos pontos brancos. Outro facto a considerar é que deverá limitar-se a um espécimen destes por aquário e nunca dois, uma vez que combaterão ferozmente até que um ou ambos acabem por sucumbir.

 

Acanthurus achilles

É considerado por muitos um dos peixes mais bonitos dos oceanos. Tem o corpo negro acastanhado - quase preto - com um círculo laranja junto à base da cauda, disfarçando o seu «bisturi». Tem ainda uma faixa laranja na cauda e outra na base das barbatanas dorsal e anal. É um peixe curioso, já que estes espécimes ou se dão espantosamente bem em cativeiro ou morrem, o que lhes granjeou uma reputação algo injusta em termos de dificuldade. O segredo para o sucesso está em replicar o mais possível o seu habitat natural. O Acanthurus achilles vive na zona do recife onde a água é mais turbulenta, o que significa que necessita de águas ricas em oxigénio. Assim, é importante que o aquário disponha de uma elevada agitação da superfície da água. Por outro lado, deverá ser providenciada a este peixe uma alimentação rica em vegetais. Uma boa solução é a utilização de nori e outras algas, espinafre e brócolos. Como curiosidade, é de salientar que esta espécie no seu habitat natural alimenta-se de detritos e de algas.

 

Acanthurus sohal

Este elegante peixe é semelhante ao A. lineatus no que respeita à forma corporal. O padrão das suas riscas, o azul das suas extremidades e as marcas alaranjadas na zona dos espinhos conferem-lhe uma beleza rara. Mais uma vez recomenda-se apenas um indivíduo por aquário. Os espécimes mais jovens podem tornar-se um tanto conflituosos.

 

Espécies eleitas para o iniciante:

as espécies mais apropriadas para

os iniciantes são o Zebrasoma flavescens

e o Paracanthurus hepatus

 

Compatibilidade com invertebrados

Todas as espécies aqui apresentadas

são apropriadas para aquários de recife.

No entanto, há que ter em conta que as

espécies mais susceptíveis aos parasitas

Oodinium e Cryptocaryon irritans poderão

vir a necessitar de tratamentos à base de

cobre, tratamentos esses que são letais

para invertebrados.

 

Texto: João Cotter

Share this post


Link to post
Share on other sites

boas

 

já agora podias por o limite minimo de litros, para cada especie??

 

Abraço

Share this post


Link to post
Share on other sites
boas

 

já agora podias por o limite minimo de litros, para cada especie??

 

Abraço

 

 

Mesmo o tópico sendo antigo, posso responder a quantidade de litros de cada 1 desses peixes?

 

Abraços

Share this post


Link to post
Share on other sites

Zebrassoma flavescens

379 litros

 

Paracanthurus hepatus

265 litros

 

Naso lituratus

474 litros

 

Acanthurus lineatus

569 litros

 

Acanthurus leucosternon

379 litros

 

Acanthurus achilles

379 litros

 

Acanthurus sohal

682 litros

 

 

Espero ter ajudado!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Assim num aquário com 6500 ltr podemos por mais que um?


Obrigada!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Sign in to follow this