ESPÉCIE PROIBIDA EM PORTUGAL: A (G a m b u s i a)


Recommended Posts

Bom dia,

 

não é a minha intenção ofender a ninguém mas o outro dia quando estive nesta secção do foro fiquei surpreso pela quantidade de tópicos onde vocês falam e procuram esta espécie proibida no pais.

 

Este peixe é um peixe de origen sul-americano, muito parecido aos guppies mas sem cor ou beleza nenhuma, a única utilidade que este peixe tem em países com problemas de malária é que é uma espécie invasora que tem sido utilizada para controlar as populações de mosquitos e tentar erradicar esta horrível enfermidade.

 

A pesar dos últimos casos que tem acontecido de malaria nas Açores, Portugal agora mesmo é um país sem risco onde este peixe invasor está a comer e destruir o habitat e a fauna Portuguesa.

 

Por isso mesmo gostaria que as pessoas que tem este peixe ou estão a ler este tópico pensaram bem a jogada antes de adquirir estes peixes que são ilegais em Portugal já que estão a fazer um fraco favor na sua fauna e ao mundo da aquariofilia partilhando dum circulo que sempre acaba por ser o mesmo:

 

- Recolhem ou compram este peixe

- O peixe cria rapidissimamente e nao podem manter tantos.

- Liberam o excesso de peixes no sitio onde foram apanhados ou um novo sitio

- Prejudicam a fauna portuguesa

 

Por isso gostaria que pensaram que antes de ter um peixe proibido e feio sem cor e nada engraçado que morde as barbatanas de outros peixes e que perjudica fortemente a fauna deste grande país, pensem em ter por exemplo guppies, estes peixes reproduzem rápido, tem cores brutais e podem ser comprados a outros usuarios do foro por preços irrisórios pois quem tem guppies vá ter sempre mais do que gostaria :D:DD:!!

 

Agradeço a atenção, mais uma vez espero não ter ofendido a ninguém com este post a minha intenção e simplesmente tentar dar a entender que a lista de espécies proibidas nao é uma lista feita para dar dores de cabeça mas para preservar a biodiversidade e evitar que algumas espécies desapareçam para sempre das nossa (vossas) aguas,

 

cmps

 

Pol

 

Edited by polnadal
Link to comment
Share on other sites

Devemos viver em dois portugais diferentes.

 

Portugal, mais conhecido como Republica das Bananas, apesar da sua economia extremamente debil, é um dos paises com a natureza mais destruída em toda a Europa. Fruto da dispersão territorial (acelerada pelo presente regime politico caotico), corrupção generalizada, desde a administração central a junta de freguesia (nulidade que deveria ter sido aniquilada), e da construção de auto-estradas por todo o lado. Algo que já foi lamentado a nivel europeu, pois sem quererem contribuíram com dinheiro que apenas serviu para destruir o pais e alimentar corruptos. Pessoas que não tem nada a ver com isto sentem culpa! ve lá ao que isto chegou.

 

A mega-fauna foi aniquilada, desde os Romanos ate chegar a Republica das Bananas. Os sistemas ribeirinhos estão aniquilados e são focos graves de saude publica. Estamos a falar de um país que nem é tropical, mas subtropical quanto muito. Falas como se Portugal fosse um paraiso de espécies. Eu quando vou a locais naturais não vejo rigorosamente nada, vejo um deserto autentico. Por isso não percebo esse preciosismo por espécies nacionais que só existem na vossa cabeça, peço desculpa pelo termo.

Edited by Quo
  • Upvote 1
  • Downvote 1
Link to comment
Share on other sites

Devemos viver em dois portugais diferentes.

 

Portugal, mais conhecido como Republica das Bananas, apesar da sua economia extremamente debil, é um dos paises com a natureza mais destruída em toda a Europa. Fruto da dispersão territorial (acelerada pelo presente regime politico caotico), corrupção generalizada, desde a administração central a junta de freguesia (nulidade que deveria ter sido aniquilada), e da construção de auto-estradas por todo o lado. Algo que já foi lamentado a nivel europeu, pois sem quererem contribuíram com dinheiro que apenas serviu para destruir o pais e alimentar corruptos. Pessoas que não tem nada a ver com isto sentem culpa! ve lá ao que isto chegou.

 

A mega-fauna foi aniquilada, desde os Romanos ate chegar a Republica das Bananas. Os sistemas ribeirinhos estão aniquilados e são focos graves de saude publica. Estamos a falar de um país que nem é tropical, mas subtropical quanto muito. Falas como se Portugal fosse um paraiso de espécies. Eu quando vou a locais naturais não vejo rigorosamente nada, vejo um deserto autentico. Por isso não percebo esse preciosismo por espécies nacionais que só existem na vossa cabeça, peço desculpa pelo termo.

 

Portanto se percebo bem o que dizes, por as coisas estarem mal devemos prover o mau estado e a desordem?

 

Se pensarmos um pouco e for perdido algum tempo a educar as pessoas, eventualmente até com tópicos como este poderá deixar de se ver as barbaridades que se tem visto (ainda há uns dias um rapaz a deitar o pleco ao Rio) que tanto são más para as espécies autóctones como muitas vezes para as espécies que estão a libertar.

 

Não é por não veres nada quando dás passeios que as coisas não existem, talvez será falta de vontade.

 

Efectivamente a G(G a m b u s i a) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b] sp. é um problema dos nossos sistemas aquáticos de água doce que afecta imenso tanto a comunidade de peixes (inclusive peixes de maiores dimensões ao predarem os juvenis) como insectos e anfíbios. Quem fala neste peixe pode também falar do lagostim.

Edited by Pedro_
Link to comment
Share on other sites

Num pais onde o Estado é o primeiro a não respeitar as leis, não sei porque falas num decreto-lei. Ainda não percebeste que um dos maiores criminosos contra a natureza é a própria administração do estado? estás a culpar o cidadão comum?

 

As coisas não existem, porque os ecossistemas portugueses estão severamente danificados. E, está destacado na lista negra europeia. facto. E, nao estou a falar apenas do litoral... o interior português cortado pelas suas auto-estradas inuteis aparece bem referenciado como vergonha da Europa e desperdícios de recursos. E sabemos porque estas estradas foram feitas, não sabemos?

 

Apenas plecos mesmo grandes e adultos podem viver em Portugal, os do genero Pterygoplichthys suportam salinidade. de forma a poderem povoar diferentes rios. Estás a colocar questões que existem em paises tropicais num pais como Portugal.

  • Upvote 1
  • Downvote 1
Link to comment
Share on other sites

Num pais onde o Estado é o primeiro a não respeitar as leis, não sei porque falas num decreto-lei. Ainda não percebeste que um dos maiores criminosos contra a natureza é a própria administração do estado? estás a culpar o cidadão comum?

 

As coisas não existem, porque os ecossistemas portugueses estão severamente danificados. E, está destacado na lista negra europeia. facto. E, nao estou a falar apenas do litoral... o interior português cortado pelas suas auto-estradas inuteis aparece bem referenciado como vergonha da Europa e desperdícios de recursos. E sabemos porque estas estradas foram feitas, não sabemos?

 

Apenas plecos mesmo grandes e adultos podem viver em Portugal, os do genero Pterygoplichthys suportam salinidade. de forma a poderem povoar diferentes rios. Estás a colocar questões que existem em paises tropicais num pais como Portugal.

 

Quanto ao decreto de lei isto é automático do forum.

 

Vejamos, o estado comete erros será que isso deve permitir ao cidadão comum fazer o que lhe apetece? Se formos por aí mais vale acabar com os institutos prisionais e libertar os coitados dos cidadãos comuns que lá estão pois o estado sempre cometeu erros e a culpa nunca é do cidadão comum.

 

Voltando ao caso em questão, não discuto o que o estado fez de bem ou não, a G(G a m b u s i a) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b] é uma praga que infesta os nossos cursos de água, se o cidadão comum não consegue pensar por si mesmo após ter acesso às devidas informações (ou não se tentar informar) é tão culpado como o estado por prejudicar os cursos de água, quem diz cursos de água também pode falar de Acácias que infestam certas zonas do país.

 

Porque a pensar no: "isto está mal, mais vale manter mal e utilizar isso como passa-tempo e esperar que dê o berro ou que se ponha bem sozinho" não se vai melhorar em nada, antes pelo contrario.

Link to comment
Share on other sites

pois é, Pedro, tens razao. Os criminosos em Custoias, muitos deles não são cidadãos comuns. O cidadão comum que falo é aquele que fez aquarium-dumping. Não misturemos coisas. Em custoias era necessario estar alguns estão neste momento felizes da vida em orgãos de soberania.

 

Apenas quis dar um alerta para a realidade ecológica nacional. "grande pais" e "proteger espécies nacionais" num caco generalizado, tenhamos consciencia, isto ocorre mesmo em zonas pouco povoadas.

Edited by Quo
  • Upvote 1
  • Downvote 1
Link to comment
Share on other sites

pois é, Pedro, tens razao. Os criminosos em Custoias, muitos deles não são cidadãos comuns. O cidadão comum que falo é aquele que fez aquarium-dumping. Não misturemos coisas. Em custoias era necessario estar alguns estão neste momento felizes da vida em orgãos de soberania.

 

Apenas quis dar um alerta para a realidade ecológica nacional. "grande pais" e "proteger espécies nacionais" num caco generalizado, tenhamos consciencia, isto ocorre mesmo em zonas pouco povoadas.

 

Tanto devemos ter consciência que isso ocorre como devemos ter a consciência para não o fazer, as coisas estão mal, mas podem ser de algum modo revertidas, basta vontade ou pelo menos não complicar/promover ainda mais.

 

Quanto a isto "Apenas plecos mesmo grandes e adultos podem viver em Portugal, os do genero Pterygoplichthys suportam salinidade. de forma a poderem povoar diferentes rios" a questão não é só se aguentam ou não mas sim o facto de não haver razão para introduzir espécies não endémicas nos nossos ecossistemas.

 

Link to comment
Share on other sites

Boa noite,

 

Quo: acho que interpretou mal as minhas palavras e se a minha maneira de falar com respeito de Portugal (não sendo português) foi interpretada como nacionalismo, peço desculpa pois foi engano.

Há 19 tópicos na primera página desta secção do foro que estão a falar deste peixe proibido quando há muitas pessoas que oferecem grátis outros viviparos porque tem um excesso de crias. Não vou falar de política, corrupção ou outros problemas de Portugal ou do meu pais, só pretendia comentar que há muitas pessoas que fazem o que o Quo chama "aqua dumping" e que quando a malta fala de onde encontrar estes peixes, como reproduzir ou onde comprar, na minha modesta opinião estão a fazer um fraco favor porque se vocês não fazem "aqua dumping", ninguém pode assegurar que o 100% das pessoas que vem estes tópicos não vão fazer.

 

cmps,

 

Pol

Link to comment
Share on other sites

  • 1 year later...

Desculpem a nota mas em 2014 "proibir" a G a m b u s i a é como meter o Ronaldo aos 89 minutos quando se está a perder 6-0...

 

Importa agora, isso sim, procurar uma estratégia de defesa dos ecossistemas que ainda preservam alguma biodiversidade e que estão vulneráveis a essa e outras espécies e aí sim, numa solução abrangente, defender o que ainda é possível defender e procurar reduzir ao máximo a probabilidade desta praga lá entrar e proliferar.

 

Em Espanha os Aphanius sp. e a Valencia hispanica aparentemente têm beneficiado dos esforços integrados de conservação (que em alguns casos passaram pela reprodução em cativeiro e reintroduções controladas após combate feroz à G a m b u s i a).

Edited by Nuno Prazeres
Link to comment
Share on other sites

o principal problema em Portugal é a destruição de ecossistemas e os que sobram serem residuais. Isto de espécies exóticas é anedótico em em muitas situações. Interessar-se pelo acessório sem se interessar pelo essencial. Além de que é normal a deriva de espécies entre continentes. Por exemplo, sabiam que o papagaio surjiu na Europa. E, agora existe na America do Sul, Africa e Asia e não existe na Europa. Que seria da natureza se estas extraordinarias aves não saissem da Europa a tempo?

 

Olho sempre estes comportamento puritanos com grande desconfiança. Este receio de especies deve-se a casos devastadores em ilhas em que especies invasoras deram cabo de especies indigenas, do mais variado espectro da vida. As ilhas sao casos a parte, pois muitas das suas especies são doceis, por não trem predação ou competição, além de serem ecossistemas extremamente pequenos.

 

Quem dera que os plecos habitassem os rios portugueses. Nao percebo como veem isso como um problema com a autentica m... de rios que temos. Apresentem-me provas que isso seria um problema!!!

Edited by Quo
  • Upvote 1
  • Downvote 1
Link to comment
Share on other sites

Eu não ia por aí. O problema das invasoras não se restringe às ilhas.

 

As espécies de killies espanhois que referi quase foram riscados do mapa pela g a m b u s I a.

 

Quando a evolução dos ecossistemas ocorre fora do tempo natural devido à intervenção do homem, temos em geral problemas.

 

O meu post foi no sentido de ilustrar que é rídiculo lutar contra invasores meramente proibindo a respetiva venda.

 

Que eu saiba, (e acompanho este tema há anos) essa foi a única medida visível contra os peixes invasores.

 

Numa palavra: ridículo

Link to comment
Share on other sites

As espécies de killies espanhois que referi quase foram riscados do mapa pela g a m b u s I a.

 

Atenção que não estou a falar deste caso especifico. Mas onde estão os killies portugueses. Era bom termos... sempre seria mais interessante que a (G a m b u s i a)

Edited by Quo
  • Upvote 1
  • Downvote 1
Link to comment
Share on other sites

Por acaso até há um killi em Portugal mas, lá está, é uma espécie invasora.

 

Em conjunto com a G A M B U S I A, é responsabilizado pela quase extinção da espécie espanhola de Aphanius (a do sul, há outra na zona norte da costa mediterrânica).

 

http://www.fishbase.org/summary/3192

 

Tanto quanto sei ocorre no Sapal de Castro Marim.

 

Isto é mais ou menos um tiro no escuro mas esse Aphanius teria todas as condições para viver à grande na zona estuarina do Guadiana. Resta saber se não chegou mesmo a existir por lá e se este e a outra emigrante não deram conta dele. Segundo a literatura científica há referências deste peixe bem perto da nossa fronteira no estuário fica na zona de Huelva.

 

1mapbaeticus.gif

 

Indo diretamente à tua pergunta... se calhar até já houve killis realmente portugueses (e não há muito tempo) mas as espécies invasoras usurparam-lhe o ecosisstema... Não é difícil pensar que aquela mancha vermelha podia antes começar um bocadinho mais à esquerda nomeadamente chegando ao Guadiana e à Ria Formosa. A capacidade de sobreviver em meios salinos permite pensar que poderá ter menos dificuldade em distribuir-se pela costa por via marinha.

 

:Smile-PT:

Provada a existência passada deste peixe no nosso País (honestamente não tenho nem ideia se há registos dele por cá mas como disse não me parece de todo absurda essa possibilidade), era recomendável uma tentativa de reintrodução a partir de reprodução em cativeiro como se está a fazer com o Lince.

  • Upvote 1
Link to comment
Share on other sites

Obrigado nuno.

 

Deveriam preocupar-se em recuperar os rios, reintroduzindo especies, sempre com segurança de forma a não prejudicar especies nativas. na net dizem que a perda de habitat pode ser a maior causa do declineo.

  • Upvote 1
  • Downvote 1
Link to comment
Share on other sites

Viva amigos!

A razão de se proíbir a venda de espécies invasoras tem unicamente a prevenção contra o abandono das mesmas em rios que não as têm. Todos nós sabemos que há gente para tudo ...

À uns anos atráz descobriram no alentejo uma jibóia. Imaginem-se a fazer um piquenique lá perto ...

Bom Ano para todos!

"Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água." Thomas Fuller

Link to comment
Share on other sites