Miguel Mendes

.Membro Ausente
  • Content Count

    187
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 :)

1 Follower

About Miguel Mendes

  • Rank
    Membro Júnior
  • Birthday 04/20/1988

Contact Methods

  • Website URL
    http://
  • ICQ
    0

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • Localização
    Entre Penafiel e Porto
  1. Boas Francisco, Tal como já te tinha dito, acho que essas dimensões já dão para fazer umas "coisinhas", apesar do aquário só ter 80cm de comprimento tal parece-me suficiente para as espécies que escolheste, até porque a maior parte delas tem diferentes pontos do aquário como seu território (rock dwellers, shell dwellers e de "águas abertas"). O único "senão" que aí posso ver é a circulação, que talvez de início não seja preocupante, mas a longo prazo pode vir a ser, uma vez que estes peixinhos são um bocado "coelhos" no que toca a expandir a sua comunidade! Mas fica à espera de outras respostas, como sabes ando relativamente parado nestas andanças há algum tempo, certamente haverá quem melhor te possa orientar! Até logooo! Miguel Mendes
  2. Opaah como é que eu adivinhei que eras do Norte pela expressão?! Já agora, tens grandes bolas de berlim na tua terra! eheh Tenho ido algumas vezes a Viana por causa da minha Guitarra Portuguesa, que está a ser construída aí... :sleeping: Quanto aos Nanos da Vodafone, ando com essa ideia na cabeça. Já "deixei" o vício há uns tempos, mas é como sair à noite para os copos e fumar um cigarro... Se for só um não faz mal! eheheh Em relação a material? Já vi alguns tópicos em que apenas se recorre a iluminação, outros em que até existe uma sump... Para um volume tão pequeno como 5L (é pouco mais que isso), sabendo que não permite aventuras a nível de caldeirad...peixes, acham que vale a pena um "investimento" em filtragem e afins? É que mesmo em relação ao aquecimento, a iluminação por si só é bem capaz de dar conta do recado! Cumprimentos, José Miguel Mendes (será que é caso para dizer "back on attack?")
  3. Boas Andregk. Para começar acho que esse comum aquário redondo que falas, por estas andanças não é assim tão comum, e um pouco condenável, diria eu. Mas isso agora não interessa, nem é para aqui chamado. Acho que o ideal para começares com água salgada não é pensares em €. Apesar de isso ser importante, é ainda mais importante a pesquisa e a leitura de muita informação. A nossa experiência é o melhor para um aquário de água salgada, mas é bom que tenhas noção de outras experiências, para teres uma ideia do que resulta e do que não resulta, para saberes destinguir o que é, de facto importante e essencial, do que é "acessório". Falando agora de €, como um aquário de água salgada não é propriamente barato, mais uma vez te digo, pesquisa muito e planeia muito bem o que pretendes fazer do teu aquário. Assim poupas inconvenientes e situações do tipo "ai se eu tinha feito isto diferente..." e também poupas uns trocados em eventuais asneiradas (todos as fazemos/fizemos...). Miguel Mendes
  4. O meu herói... Frank Sinclair!
  5. Que nevoeiro!!!! Já estive malzinho, mas acho que nunca cheguei a tal ponto... Já tive amigo de aterrarem no meio do recinto da queima e ficarem a dormir lá no meio... Outros preferiam a soneca encostados às barracas...mas de pé! Abençoados grupos hidroxilos (e respectiva cadeia linear saturada de 2 carbonos!)
  6. Hoje à noite, iniciei o extremínio da praga de aptásias... usei uma boa quantidade de hidroxido de cálcio concentrado nas ditas, mas de pé só ficou 2 ou 3... espero que as outras não regressem... entretanto vou fazendo umas tpa's e continuar a pesquisa acerca de uma solução a longo prazo para esta bixarada (afinal, não estou livre de ter sobreviventes escondidas ou de receber uns presentes inesperados nas próximas aquisições...)
  7. Talvez a técnica do kalk seja eficaz, mas até que ponto poderá não provocar flutuações ao nível da química da água? Tal como no caso do aparecimento de mais aptásias, não digo que o tal aconteça, mas existe esse risco... daí que me pareça que no meu caso fosse favorável uma combinação de métodos químicos e introdução de um predador de fácil manutenção... o Peixe-folha, Acreichthys radiatus, não conhecia essa opção, vou tentar informar-me... Obrigado pela ajuda, Miguel Mendes
  8. Boas, Como este ano fui estudar para o Porto, o meu aquário, que está em Penafiel, sofreu muito com isso... Tive uma praga de algas filamentosas (acabou por passar por ela) e de coralina (será que lhe posso chamar praga...?, basicamente cobriu os vidros todos). Quando tratei de eliminar a coralina dos vidros (há uns dias atrás) descobri que o que achava que eram umas 2 ou 3 aptásias, eram na verdadede IMENSAS!!! Grandes e pequenas... tenho de tudo... (essencialmente muito grandes) A minha questão é: Como resolver isto? Já fiz alguma pesquisa sobre o assunto e acabei por obter praticamente as respostas (métodos) que estava à espera (cheguei a ler sobre este assunto há uns tempos...). Mas nenhum desses métodos (sozinho) me parece adequado para a situação, passo a explicar: -Os métodos de injecção de qualquer tipo de substância não me parecem muito eficazes, uma vez que a quantidade de aptásias é mesmo elevada (numa contagem rápida conto mais de 50!!! ); -Os métodos naturais, isto é, predatórios não sei até que ponto serão viáveis: os camarões não pegam em aptásias que penso que posso qualificar, sem medo, como King Size e também tendo outra fonte de alimentos (comida dos peixes) não se dão ao "trabalho de trabalhar"; Chelmon rostratus, não sei até que ponto esta é uma opção, já que este peixe preda corais e não é 100% seguro que o consiga manter e alimentar após eliminação das aptásias (e será que ele também come as ditas King Size "ladies"?); Berghias, não conheço muito bem, mas pelo que li no site da LusoReef ("É ideal colocar um par no refúgio do aquário e deixar que os nudibrânquios aí nascidos se desloquem por si até ao aquário para eliminar a praga de aiptasia.") fiquei na dúvida se teria obrigatoriamente de as introduzir num refúgio ou se poderia fazê-lo directamente no aquário principal (não possuo um refúgio, apenas uma sump, mas a um nível inferior ao aquário, pelo que a única hipótese de migração para o aquário principal seria passarem pelas bombas...) e também desconheço a sua eficácia relativamente a um número de aptásias tão elevado, tendo também em atenção as suas dimensões. Uma opção que desconhecia (e contínuo a desconhecer, tou neste momento a fazer uma breve pesquisa no google...) é a do Chaetoderma penicilligera, a qual me foi falada numa loja (quem me falou dele também me disse logo que não tinha a certeza da fiabilidade deste peixe nesta "área"). Neste momento ainda não sei se poderia vir a manter esta espécie (caso verificasse que realmente é uma devoradora voraz de aptásias). O que penso fazer neste momento é esperar. Não pelo crescimento de mais aptásias, mas sim pela restabilização do aquário... Não quero fazer mais asneiras. Depois estava a pensar na utilização de dois métodos. Por um lado um ataque químico (Ca(OH)2), por outro a introdução de predadores (não sendo estes camarões, uma vez que não posso provocar jejum) em que estes em vez de terem de atacar as aptásias grandes se poderiam encarregar das possíveis resultantes da matança com o hidróxido de cálcio (uma vez que são tantas as aptásias, é impossível provocar um genocídio sem que haja novas a nascerem...). Os problemas que vejo neste método são: -Que espécie utilizar? -Não irá a injecção com o hidrócido de cálcio provocar uma variação muito brusca da química da água? (quer ao nível de pH, kH, como também ao nível de nitratos/nitritos/amónia, resultantes da morte de tal quantidade de aptásias) Relativamente a este método tenho ainda a seguinte dúvida: Avançando com ele, devia aplica-lo de forma gradual (isto é, atacar um grupo de aptásias de cada vez) ou avançar para uma operação à americana, isto é, matar tudo o que se mexa e se assemelhe com o inimigo? Peço desculpa pelo tamanho do texto, mas era assim ou então não me conseguia explicar decentemente!!! Obrigado pela atenção, Miguel Mendes
  9. Miguel Mendes

    Mandarin

    Ou é de mim ou estamos no subfórum de água salgada! Microfauna, e continuando a falar de espécies de água salgada, tens tanta coisa... Fitoplancton, e Plancton (não Fito! ), as bactérias desnitrificantes (ou nitrificantes? sempre fiquei com esta dúvida!) e muita, muita, muita, muita mais coisas!!! Experimenta procurares, por exemplos animais do reino Monera e Protista que habitem águas marinhas!!! (vais ver que é muiiiiiiiiitaaaaaaaa fruta!)
  10. Penso que o guppie seria comido vivo, de facto. não sei é até que ponto ele precisaria de sobreviver em água salgada, isto é, mal o colocasses no aquário, ele seria, provavelmente, devorado! (penso eu... isto é mero raciocínio meu, mas parece-me adequado a esta descrição!)
  11. Mas acham que vale a pena fazer a alteração? (Excluindo o facto layout... tipo em termos de circulação e tal...)
  12. A alteração será apenas mudar de sitio as tubagens, prolongando-as, e mudar de sítio a coluna seca, para esconder as saídas de água do aquário: Esquema do estado actual do aquário Esquema do aquário após as alterações (Os mesmos tubos apresentam as mesmas cores nestes esquemas e nos anteriores) Ao desenhar estes esquemas surgiu uma nova dúvida: Eles podem ficar assim "suspensos"? (vão estar apoiados na parede da coluna seca, no entanto isso será suficiente?)
  13. As alterações ao nível da coluna seca que pretendo fazer podem ser ilustradas, de forma bem rudimentar, com os seguintes esquemas: Esquema do estado actual do aquário Esquema do aquário após as modificações que pretendo efectuar Já agora, eu nunca trabalhei com canos de PVC (ou de outro tipo qualquer...) acham que me consigo safar a fazer isso? Podiam dar-me algumas dicas quanto ao material/técnicas a utilizar e a como devo efectuar a alteração? Obrigado pela atenção, Miguel Mendes
  14. Viva, De momento tenho todos os meus aquários na cave, que não tem grande circulação de ar, pelo que, essencialmente graças ao reef, está com humidade excessiva, danificando tudo o que lá se encontra. Assim, para resolver este problema eu e os meus pais estamos a pensar mudar de local todos os aquários para uma "lavandaria" desactivada, ficando esta a ser uma fihsroom. O problema é que não sei como fazer essa mudança sem por em risco os seres vivos, pelo menos os do reef, já que os aquários de água doce, pela sua litragem "reduzida" serão mais fáceis de movimentar. O aquário é o que se encontra aqui: http://www.aquariofilia.net/forum/viewtopi...0894&highlight= O que estou a pensar fazer é: Limpar toda a lavandaria, e escolher um local para situar todos os aquários; Quando esse local estiver pronto, passar para um caixote, grande o suficiente, toda a rocha viva, corais, peixes e restantes animais, juntamente com a água que se encontra no aquário (1); Desmontar o sistema, isto é, desligar aquario da sump (2), remover a areia e limpar todos os vidros ; Remontar o sistema (3) e efectuar a passagem dos animais para o aquário, juntamente com a rocha viva e aproveitando grande parte da água que se encontrava no aquário inicialmente. (1) - não sei se deva colocar aqui os peixes, ou se noutro recipiente com alguma rocha, mas mais pequeno para que seja mais facil a sua captura. (2) - Não sei como fazer isto... Posso cortar os canos e montá-los novamente? É que não tenho experiência nesse campo, e tenho medo de fazer asneiras... (3) - Eu quero fazer algumas alterações ao nível do layout, e estou a pensar mudar a coluna seca de sítio, para a passar para o lado direito, mas penso que nao o poderei fazer, pelo menos totalmente, por causa da saída das bombas, mas posso passar para lá apenas o escoamento e deixar a saída das bombas onde elas se encontram? Quanto ao(s) recipiente(s) a utilizar, qual deverá ser a sua litragem? Para já estas são as minhas dúvidas, espero que me possam ajudar. Obrigado, Miguel Mendes