• advertisement_alt
  • advertisement_alt
  • advertisement_alt

Paulo José - APC

.Membro Ausente
  • Content Count

    450
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 :)

3 Followers

About Paulo José - APC

  • Rank
    Membro Júnior Pro

Profile Information

  • Localização
    Barreiro

Recent Profile Visitors

1,190 profile views
  1. Olá Os alevins de Iriatherina no inicio só comem rotiferos, portanto nem os infusorios normais servem e muito menos o Micron, isso é tudo muito grande para eles. Ou arranjar uma cultura de rotiferos, dificil em Portugal, ou agua verde. Esta ultima tem rotiferos e se for bastante chega até eles começarem a comer microvermes ou nauplios de artemia.Se forem postos sozinhos num aquario maturo com bastantes plantas pode ser que alguns sobrevivam até comerem comida maior. Abraço Paulo José
  2. Dominik Os autores que mencionei escreveram sobre o assunto muito antes de teres nascido. Mantiveram cá fora sobretudo anabantideos e ciprinideos. Existe uma grande tradição aquariofila na republica checa e são grandes exportadores de peixes. Abraço Paulo José
  3. Olá Os aquariofilos checos têm uma longa tradição de manter peixes tropicais ao ar livre no verão, nomeadamente criadores como Stanislav Frank, Ruda Zukal e outros escreveram sobre o assunto. Abraço Paulo José
  4. Olá As lojas vendem o que lhes vendem a eles e raramente sabem se aquilo que têm à venda é hibrido ou não. Só dá para ter a certeza quando forem plenamente adultos e com a coloração completa. Diria que as probabilidades são de hibrido=75%, Não hibrido= 25%. Abraço Paulo José
  5. Olá A Melanotaenia parva não é. Há bastantes anos um croador holandês criou três tipos de hibridos e deu-lhes nomes mas já não me lembro quais eram. Ocasionalmente aparecem cá. Não é tambem a Chilatherina bleheri. Abraço Paulo José
  6. Olá Há uma dificuldade obvia neste projecto e que foi deixada de lado. Esta especie só come peixes vivos, se não se tiver acesso permanente a por exemplo peixes dourados jovens ou a (G a m b u s i a s) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b] não devia ser tentado tê-lo em aquario, acabará por morrer.
  7. Olá Há uma pequena possibilidade de ser uma Chilatherina mas o mais provavel é ser uma Melanotarnia hibrida originaria da Holanda que circula no Hobby há muitos anos. Abraço Paulo José
  8. Olá Trata-se de um "Flower Horn". É um hibrido, as caracteristicas mais marcantes vêm de um dos progenitores que é o "Cichlasoma" trimaculatum e é dele tambem que recebeu a sua grande agressividade. Como 95% dos Flower Horn que nascem não têm as caracteristicas desejadas eles são despachados como trimaculatum ou com uma outra designação fantasiosa.É o tipo de peixe que os ciclidofilos a serio evitam. Abraço Paulo José
  9. Olá As percas sol (Lepomos gibbosus) são predadoras, qualquer peixe que lhe caiba na boca é capaz de lá ir ter mais tarde ou mais cedo, se desaparecem peixes pequenos a causa não será dificil de determinar qual é... O mesmo para os Ameiurus melas e em menor grau para os Cichlasoma facetum. Esses Myriophillum foram apanhados cá em Portugal não foram? Parecem-me ser mais M. alternifolium do que M. aquaticum mas só vendo ao vivo é que poderia ter a certeza. Abraço Paulo José
  10. Olá Os Baobab são arvores que vivem em climas tropicais mais ou menos secos, não são de areas de floresta humida, levam imenso a crescer e depois dos primeiros anos como é que se vai manter aquilo? Só com recipientes muito grandes, dentro de casa nos meses frios e com muita luz, o que dentro de casa é dificil, não me parece nada pratico ou até possivel ter esta arvore a medio prazo para quem tenha apenas condições normais. O ideal é tê-la numa estufa aquecida. Nos primeiros anos dá para a ter em casa perto duma janela e cá fora no verão. O papiro (Cyperus papyrus) tem um optimo aspecto, nos tropicos cresce até aos 4 metros de altura só que cá fica muito mais pequena e é muito susceptivel à geada. Há varias alternativas que são os outros Cyperus, muitos dos quais dão-se muito bem com o clima de Leiria, são claro bastante baixos mas eu vi em torres Vedras um papiro(Cyperus papyrus) que nunca foi alem dos 40 cm de altura e acabou por morrer... Em Lisboa vi uns que tinham 1,70 de altura o que já é muito bom. Abraço Paulo José
  11. Olá A arvore é uma Acacia sp. .É uma especie tropical assim como o Baobab, não aguenta o inverno cá fora. Existem varias especies de Acacia sp. australianas que se dão cá muito bem e até são infestantes, não têm é o aspecto da que está na foto. O papiro (Cyperus papirus) deficilmente aguentará o frio do inverno em Leiria. Mesmo na area de Lisboa já é dificil que aguente, depende da zona e nalgumas fica completamente queimado pela geada, há que a pôr num sitio resguardado do norte e virado para sul. O melhor é arranjar um ou dois rebentos que com tempo quente pegam bem, com sementes é mais incerto mas é capaz de dar. Abraço Paulo José
  12. Olá A medio prazo não há plantas aquaticas que resistam aos Kois com a possivel excepção dos nenufares(Nymphea) e muitas vezes nem isso. Em lagos mesmo grandes com não muitas kois e com uma muito grande massa de plantas de rapido crescimento como a elodea densa é possivel ter estas plantas. A altura dos jacintos tem a ver com a densidade das plantas, muitas lado a lado faz com que as folhas sejam mais longilineas e compridas para melhor receberem a luz do sol, outra razão é que como me apercebi, os jacintos em lugares mais abrigados são maiores, mais altos e robustos que os exemplares mais expostos que são pequenos e ficam queimados com a geada. Abraço Paulo José
  13. Olá Dou uma garantia absoluta que todas as plantas aquaticas que mencionei aguentam o nosso inverno sem quaisquer problemas, tive-as muitos anos cá fora . Aliás aguentam-no em paises mais a norte com invernos a sério. As palustres que mencionei tambem o aguentam com a excepção do taro e do papiro que podem ficar queimadas no inverno na sua parte superior mas que voltam na primavera a reviver, mas se o Costa azul tem outra experiência com o papiro não o contesto, o mesmo com o (J a c i n t o de Água)[b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b]. O myriophyllum aquaticum em relação ao frio é à prova de bala, não há qualquer necessidade do policarbonato, é uma infestante em Portugal, na zona de Aveiro há zonas compactas desta especie e o frio é-lhes indiferente. Uma planta que não costuma aguentar na margem sul é a (P i s t i a) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b] stratiotes, mesmo no verão dá-se mal. Em casa com luz de janela à temperatura ambiente aguenta 2 anos e depois morre. Nos açores dá-se otimamente cá fora e um amigo trouxe-me de lá no outono passado. A lista das plantas aquaticas que se dão bem no nosso clima é muito mais vasta que aquela que eu dei e o lago do Costa Azul é uma otima oportunidade de ter muita coisa interesante. Abraço Paulo José
  14. Olá Existem imensas plantas aquaticas que aguentam o nosso inverno, muitas podem ser adquiridas em lojas de aquariofilia. Apenas alguns exemplos: Elodea densa, Ludwigia repens e varias outras formas verdes deste genero, Myriophyllum aquaticum que existe em Portugal introduzido, assim como as especies portuguesas e as do comercio de cor verde, Cabomba caroliniana, Bacopa caroliniana, Bacopa monniera, Lagarosiphon major, Rotala rotundifolia etc, etc. Das flutuantes a Salvinia e a Lemna dão-se bem, o problema é controla-las... A Eichornia crassipes costuma aguentar mesmo que a parte emersa fique queimada no inverno. As palustres como a Phragmites ou a Typha ou mesmo Cyperus são autênticas "pompes a nitrates" como dizem os franceses, o papiro pode ficar queimado no inverno dependendo da zona mas costuma reviver no tempo mais quente, o mesmo para o taro ou inhame( Colocasia esculenta). Quando estas especies estão em pleno crescimento não há algas filamentosas ou flutuantes que resistam, as primeiras podem resistir mas sem crescerem mas as segundas desaparecem. Já vi varias vezes lagos e até aquarios com agua verde de um dia para o outro ficarem transparentes devido ao efeito "aspirador" de nitratos que as plantas superiores têm. É tudo uma questão de quantidade de plantas e de tempo. O UV para alcançar o efeito pretendido, destruir agentes patogenicos na agua, tem que ter a potência necessaria senão vai prejudicando a vida microscopica na agua mas sem fazer o que é esperado dele. Quando estamos doentes não vamos tomar um quarto da medicação que deviamos, isso vai ainda tornar as coisas piores. O uso do UV em lagos é geralmente feito quando uma agua esterilizada é pretendida para tornar a possibilidade de os peixes dourados ou Kois valiosos ficarem doentes se reduza a zero. Como paralelo, no Aquario Vasco da Gama a chefe de Aquariologia disse-me que não quer UV a funcionar nos aquarios porque o resultado é a esterilização do ambiente em que vivem os peixes, o que só torna tudo não natural e com varios inconvenientes. Abraço Paulo José