ruicarlov

Membro
  • Posts

    16
  • Joined

  • Last visited

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Concelho
    Lisboa (Lisboa)
  • Localização
    Lisboa

ruicarlov's Achievements

Newbie

Newbie (1/14)

-1

Reputation

  1. ruicarlov

    ruicarlov

  2. Também sou um iniciante nos lagos, mas o que fiz foi arranjar algum areão de rio (no meu caso fui ao parque das nações em Lisboa), lavá-lo e pô-lo no fundo do lago. Depois plantei lá as vallisnerias. Como o meu lago é bem pequeno, coloquei o areão num prato de vaso bem comprido em vez de ser no fundo do lago propriamente dito. Criei um tópico para o meu lago recentemente e como é pouco fundo dá para ver bem o fundo nas fotos: http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showtopic=218931 Terra não recomendo pois turva a água toda.
  3. Na realidade a rã não tem grande hipótese de escolha. Tendo em conta que o meu quintal é todo murado à volta, não há maneira de rãs chegarem e partirem. No sábado consegui arranjar uns três girinos razoavelmente grandes no Koipark. Dois com patas traseiras e um sem patas. Estranhamente, não consigo dar com eles quase desde o dia 1. O girino sem patas nada por lá, mas os com patas nunca mais os vi. E agora parece que a minha (G a m bú s i a)[b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b] maior desapareceu. Há um par de dias que espreito no vaso verde e não a vejo. Encontrei umas penas a flutuar à superfície? Será que há algum pássaro que pode andar a caçar no meu lago?
  4. Para plantas é seguir mais ou menos os conselhos que têm vindo a ser dados neste tópico. Oxigenantes no fundos (vallisnerias, elodea, etc.), flutuantes à superfície (alfaces de água, lentinlha de água) e plantas marginais, que filtram a água com as suas raízes. Para este efeito tenho lido que juncos e papiros são bons exemplos de plantas depuradoras.
  5. 2º dia sem sucesso. Hoje havia menos rãs à vista e estavam todas mais escondidas entre a vegetação, onde é mais difícil chegar-lhes. Andaram a cortar uma série de plantas aquáticas de fundo, que faziam um tapete à superfície. Era onde as rãs estavam. Agora sem isto vai ser duplamente complicado ter uma boa oportunidade.
  6. 1º dia de caça. Nada de rã. Duas ainda foram à rede, mas conseguiram escapar-se. Uma delas saltou da rede e uma vez no chão fugiu para dentro do meu casaco que estava pousado ao meu lado. Desperdicei esta oportunidade única. Conseguiu fugir do casaco de volta para o lago. Bem, pelo menos apanhei umas (G a m b ú s i a s) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b] (acho eu que era isso).
  7. Penso que a rã ibérica é diferente das outras duas. Rana perezi e Pelophylax perezi são efectivamente a mesma espécie (nome antigo e recente), é um parente próximo da rá iberica (rana iberica), mas não da mesma espécie desta: http://naturlink.sapo.pt/NaturSAPO/Fichas-de-Anfibios/content/Ficha-da-Ra-iberica?bl=1 Bem, hoje já andei a "passear" pela Gulbenkian, e embora tenha encontrado um lago onde há rãs, penso que seria muito complicado conseguir apanhar alguma, já que mal me aproximei fugiu logo uma para o fundo do lago, por baixo dos nenúfares. Como a cor é bem escura, não dava para ver patavina do fundo. No entanto, acho que sou capaz de ter melhor sorte com o lago no jardim ao pé do El Corte Inglês. Não só está cheio de (G a m b ú s i a s) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b], como num dos cantos estavam lá três rãs a olhar para mim.
  8. Penso que a minha rã é a rã-comum, Pelophylax perezi. Mas não sou especialista, e e pelas imagens que tenho visto também pode ser uma rã-ibérica. Tanto quanto li sobre este animal, nada diz que se alimente apenas fora de água. A senhora onde fui buscar a rã tinha lá estas larvas para lhes dar de comer. E parece que vai ser complicado arranjar-lhe uma parceira. O mentecapto que me ia vender uma fêmea ontem fez-me esperar uma hora sem ele aparecer, até que desisti. Alguém sabe onde posso arranjar uma? Também pensei ter umas (G a m b ú s i a s) [b][color="#FF0000"] Espécie inserida no DL 565/99.[/color] [url="http://http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showannouncement=6"]Lista de espécies cuja venda é proibida em Portugal[/url][/b], mas vi que seria complicado devido à proibição. Pexes do paraíso li que eram muito agressivos e que até era necessário separar o macho da fêmea depois desta pôr os ovos. Os tais neons chineses estão-me a parecer a melhor opção. Penso que sejam mais fáceis de arranjar do que rãs
  9. Então sempre são larvas de mosquito. O predador era suposto ser a rã. Mas parece que ela não dá conta do recado. Hoje vou arranjar mais uma. Pode ser que com duas comecem a controlar mais a coisa. Também pensei por um par de peixinhos, mas tendo em conta o tamanho/litragem do lago têm de ser espécies bem pequenas. Algumas sugestões? Quanto à origem do lado, a minha mãe encontrou-a numa loja de bombas para piscinas. Supostamente era o modelo de uma piscina, em escala reduzida (até tem vários degraus do lado junto à queda de água. A água não vem da parede, embora pareça que sim nas fotos e à distância. Ao pé do Equisetum está a bomba solar, que envia a água para cima por um tubo transparente, que se liga ao bambu que está pregado à parede. Ficou melhor do que eu imaginei.
  10. Olá Instalei no meu quintal um micro lago, com dimensões 0,9x0,4x0,2. O objectivo era ter lá rãs, já que fazem bem à horta. Arranjei uma espécie de modelo de piscina em miniatura, que foi instalado num espacinho do meu quintal Resolvi depois acrescentar mais um vaso cheio de água, à semelhança dos nano-lagos do Miguel Figueiredo (cuja experiência me inspirou a fazer isto), ligando tudo através de uma pequena bomba solar. Não tenho qualquer filtro, tendo optado por colocar bastantes pantas boas para o efeito (dentro das limitações do tamanho do lago). Após muito penar para arranjar algumas variedades (nomeadamente Vallisneria tortofolia), o estado do lago é atualmente este: Enquadramento: A nível de plantas, tenho o fundo do lago mais amplo com as ditas Vallisneria tortifolia, mais dois pés de Hydrocotile leucocephala. A nível de flutuantes tenho um jacinto de água, e Lenma e Limnobium laeviagtum agrupados em ilhas para aquilo não se espalhar pelo lago todo. No fundo do vaso tenho também um nínfea e uns pés de elodea. As plantas marginais não sei com certeza absoluta quais são, embora me pareça que uma delas é uma planta do género Equisetum. A outra foi oferecida e disseram-se que era um lírio. Á direita do lago substituí as clíveas por fetos, mas parece que eles não se adaptaram muito bem. Vamos ver se com o tempo vingam. Para além do que aqui tenho, queria ver se ainda arranjava uma Anubia barteri nana ou petit, para amarrar ao tronco que tenho submerso. E talvez uma ou duas alfaces de água. O meu lado já tem um habitante, Fred - a rã, mas que não consegui fotografar. Quem me deu a rã disse para levar um bocadinho de lodo que tinha lá vários bichinhos para ela se alimentar. Parece que os ditos bichos se multiplicaram bem, que estão agora em toda a parte. Alguém sabe o que isto é?
  11. Também é uma boa ideia. Mas o tubo não fica pouco estético? Ou não se nota muito?
  12. Obrigado pelas ideias. Tenho a vaga impressão de ter lido algures neste fórum uma maneira que envolvia fio de pesca. Dá para fazer um círculozinho com ele, que fica a flutuar à tona de água?
  13. Precisava de algumas ideias de como "arrumar" e controlar a expansão de plantas flutuantes como Limnobium laevigatum e Lenma minor. A minha ideia era criar umas "ilhas flutuante" destas plantas, delimitando-as com qualquer coisa. Alguma ideia de como o fazer?
  14. À falta de feedback, decidi avançar com a procura das Vallisnerias mini twister (que pelos vistos tem o nome de tortifolia). Pelo sim pelo não, criei um tópico de procura nos classificados, a ver se tenho sorte. Fora isso, alguém sabe de lojas em Lisboa que possam ter esta planta? Pelo que percebi não é incomum haver confusão entre as várias espécies de Vallisnerias, assim que gostava de saber de algum local tivesse mesmo esta variedade e não uma apenas parecida.
  15. Ok, se calhar é melhor explicar a minha situação melhor: Tenho um pequeno lago muito pouco profundo (20cm, com algumas zonas ainda mais baixas - http://www.aquariofilia.net/forum/index.php?showtopic=217815), que a minha mãe comprou e instalou no meu quintal, com o intuito de lá ter rãs. Percebo agora que a profundidade do lago é menos do que ideal para ter um bom ecossistema, mas o que está feito está feito e quero ver se consigo aproveitá-lo da melhor maneira. Sei que a base disso é plantas e mais plantas, mas saber o que usar é que é mais complicado. A nível de flutuantes não tenho grandes dúvidas. Alfaces de água e lentilha de água era o que tinha em mente. Para as plantas marginais e de fundo é que é mais complicado. As vallisnerias e elódeas são demasiado grandes, pelo que gostava de saber alternativas. Vi que entre as vallisnerias existe uma variedade chamada Mini-twister, que é pequena. Poderá ser esta uma boa ideia? Também pensei em usar plantas vulgarmente usadas para tapetes em aquários, como musgos de java e afins. Dentro desta classe quais são as mais indicadas como oxigenadoras? A nível de plantas marginais, tenho uma pequena zona do lago mesmo baixinha, pelo que pensei por alguma planta num vaso, ficando este apenas parcialmente submerso. Plantas como papiros ou juncos têm necessariamente de ficar em vasos cobertos até acima por água ou conseguem dar-se em vasos parcialmente submersos? Fui ao Tejo apanhar algum areão e lavei-o. A minha intenção era utilizá-lo em vasinhos ou uma camada no fundo do lago. Após ver um tópico falando de nano-lagos (vasos cheios de água) pelo Miguel Figueiredo, decidi por ao lado deste lago um vaso cheio de água, onde aí sim posso por umas elódeas e uma nínfea. Pelo que li, a nínfea deve ser mesmo colocada num vaso. No horto do campo Grande encontrei lá umas, mas ou estavam reservadas, ou estavam com muito mau aspecto (a seleção de plantas aquáticas era muito fraca, por sinal), pelo que não sei bem onde arranjar.