Sign in to follow this  
Veterinário

"como Matar Peixes Doentes"!

Recommended Posts

Eu apenas li esta ultima folha de respostas e gostava de deixar a minha opiniao. Acho que, com um peixe com uma doença terminal ou muito debilitado por outra razao, nunca o daria a comer a outro peixe antes de morto ou o poria no congelador ou lhe daria alcool. Se eu tivesse um caso assim no meu aquario, que tive, (uma kuhli que estava extramamente debilitada) depois de fazer tudo para conseguir a sua melhoria, ou lhe cortaria a cabeça (rapido e indolor, que muito provavelmente nao iria ser capaz de fazer) ou o deixaria morrer no aquario onde sempre viveu (junto das outras 10 kuhlis com que sempre viveu) porque acho que, fora o romantismo, e embora possa ter uma morte prolongada, esta no seu "habitat" e nao é sujeita a uma morte stressante, apenas natural.

 

Pensar em dar a minha kuhli, peixe que eu goste ou nao, a um oscar ou qualqer especie de predador, acho demasiado selvagem, tal como alimentar com comida viva, mas tambem nao quero entrar por ai. Pensar que o meu peixe ia viver os seus ultimos segundos ou minutos de vida, a mudar de aquario, atirado para outro desconhecido e diferente, ser comido ou engolido por um mostro e permanecer num saco gastrico, ate morrer ou de intoxicação ou por corrosao dos acidos, faz me uma enorme impressao. Nao tanto como deixa lo no congelador ou mergulhado em alcool, mas tambem nao era capaz de sujeitar o meu peixe a minutos de stress ou sofrimento prolongado... Ou ainda pela sanita abaixo, quase pela mesma razao que a morte dentro do estomago do oscar.

 

Fica aqui a minha opinao, peço desculpa se estou a repetir ou ofender alguem.

Obrigado, João Pedro Palma

Edited by jpp

Share this post


Link to post
Share on other sites
As coisas que uma pessoa aprende já viste??

 

Tens ideia onde posso encontrar esse fantastico metanossulfonato de tricaina?? é que normalmente mando os meus peixes pela sanita usando a posologia de 5L que o meu autoclismo contento um fluido liquido designado por água, ups H2O.. com PH 7.5-8, sabes.. não é tão caro ups... orenoso!

 

 

Esse metanossulfonato de tricaina deve arranjar-se comercialmente nalgum laboratório. De qualquer das formas,nem sei se o comercializam de forma livre. Poderá ser só vendido ao pessoal o pessoal que trabalha em veterinária, ou farmacêutica e que lida com este tipo de produtos, até porque se mata,é porque não faz bem a ninguém...e os acidentes acontecem.

 

A sanita não é,sem dúvida a melhor solução (se calhar é até uma das piores) porque ele vai morrer lentamente e sofrer a caminho do esgoto.

Quanto à palavra "orenoso",escrevi-a porque estava no documento ao qual a informação foi retirada, mas não deixa de ser uma palavra engraçada. Eu coloquei entre parêntises a "tradução" porque não é comum uma pessoa saber o seu significado. Até se aprende português num fórum de aquariofilia :tongue:

Cumps

Edited by Veterinário

Share this post


Link to post
Share on other sites

eu mataria a agulhadas ou daria uma anestesia

se ele morresse eu colocaria numa caixinha de madeira e faria um velorio pro jo

Share this post


Link to post
Share on other sites
Nada como colocar um peixe a ver o noticiário da TVI, ele suicida-se.

 

Simplesmente hilariante!!!!!

Um bom off-topic...

 

Falando mais a sério.

Dois tipos de eutanásia q m vi obrigado a fazer :

Um há pouco tempo - um cardinal "tuberculoso" a dar as últimas, nem nadar conseguia - decidi q o melhor seria cortar-lhe a cabeça com um corte rápido e limpo - morreu instantaneamente.

O outro foi há uns valentes anos - um disco magérrimo e mesmo sem forças q não reagiu a nenhum tipo de tratamento, não comia há uns dois meses, escuro e muito cansado de uma panaferlália de medicações infrutíferas - este coloquei-o num tupperware com água do aqua e coloquei-o no congelador - penso q tenha adormecido (sem iluminação) e depois morrido p hipotermía. Custou-me imenso, já o tinha desde pequeno... Por outro lado tinha a certeza q não sofreria mais após esse momento.

 

Nunca é fácil...

Edited by rikasfonsas

Share this post


Link to post
Share on other sites

boas

 

 

Eutanásia de peixes

Embora isso mexa com a emoção de muitas pessoas, é fato que apesar de se tentar manter os peixes o mais saudáveis possível, às vezes alguns ficam doentes. Também é fato que mesmo se tentando fazer o melhor possível para salvar os doentes, alguns não melhoram e chegam ao chamado estado terminal. O que fazer então? A resposta vai depender da natureza de cada pessoa e das condições específicas do momento.

Se você está acompanhando de perto a situação do peixe e quer ter a paz de espírito de saber que fez absolutamente tudo para salvá-lo, então insista no seu tratamento até que ele melhore ou morra. Note que neste caso você pode estar prolongando por muitos dias o sofrimento de um peixe que na verdade não tem mais chance de recuperação.

Por outro lado, se você é capaz de lidar bem com o fato de estar deliberadamente matando um peixe de estimação e convencido que será melhor para ele, então a eutanásia é a opção, da mesma maneira que para outros animais de estimação. Note que neste caso você sempre estará correndo o risco de matar um peixe que na verdade poderia ter salvação.

Se você chega à conclusão que a eutanásia é a melhor opção, então como fazê-la para minimizar o sofrimento do peixe? Várias soluções já foram propostas na literatura. Métodos há muitos - matar é fácil - mas como fazer isto sem que o peixe sofra mais do que sofreria morrendo pela doença é o que queremos. Como fazer para que essa morte seja a mais rápida e indolor possível?

O assunto é muito polêmico e difícil de discutir para quem ama os animais em geral - indicativo de que tem condições de amar as pessoas e a vida - e mais difícil ainda para quem se apega de alguma forma a um animal de estimação - no caso um peixe - sobre o qual tem responsabilidade total. Mas há algumas considerações que aparentemente são amplamente aceitas:

O método deve resultar em morte o mais rápida e indolor possivel. O método utilizado deve ser feito por quem tenha domínio sobre a técnica e o manuseio do material utilizado O método tem que ser ética- e esteticamente aceitável para quem o aplica, compatível com o pensamento e a estrutura psicológica de seu executor.

Também é razoável assumir que os melhores resultados em geral são os que incluem o uso prévio de substâncias anestésicas em conjunto com qualquer outro método. Muitos destes procedimentos e materiais para anestesia não estão ao alcance do aquarista comum, pois poderiam ser danosos para o usuário destreinado. Mas quem tem acesso a anéstesicos e aos cuidados para seu uso em peixes não deve se furtar de tirar proveito disso. Na verdade é a única forma garantida de não produzir sofrimento para o peixe, e ajuda bastante nos efeitos sobre os sentimentos morais e éticos do aquarista. Neste caso, talvez sejam desnecessárias as recomendações quanto aos cuidados pois quem tem experiência no seu uso certamente as conhece bem. Se o aquarista não tiver experiência no manuseio e aquisição fácil dos anestésicos, de nada adiantarão maiores discussões e quem os conhece, certamente prescinde disto.

Tendo em vista tudo isto, vamos descrever em seguida algumas das opções mais usadas e apresentar apenas uma breve análise de cada uma, pois no final a decisão sobre qual método (ou combinação) usar tem que ser sua.

 

A. Métodos Químicos

 

1- Overdose de anestésicos Utiliza produtos de venda restrita como benzocaína, hidrocloreto de benzocaína, sulfato de quinaldina, sódio-pentobarbital, 2-fenoxietanol, cloreto de etila, tricaína metano sulfonato (TMS, MS222). Estes produtos, por serem anestésicos poderosos, não são de acesso fácil aos aquaristas comuns. A maioria destes compostos são perigosos e requerem cuidados especiais ao serem manipulados, sendo utilizados somente por pessoas devidamente treinadas em locais controlados como laboratórios e hospitais. Em doses adequadas, estes produtos produzem sono profundo, coma e morte.

 

2- Éter Dietílico/Sulfúrico Foi o primeiro anestésico geral usado em medicina. À venda em farmácias sem maiores problemas. O éter apresenta um ponto de ebulição baixo, próximo a temperatura ambiente. Por isso, mais perigoso do que inalá-lo é o risco de explosão. Em dias quentes a pressão no interior dos frascos que armazenam o éter é grande e se esse frasco, principalmente se for de vidro, for manipulado de forma inadequada, ele pode explodir ao ser tocado. Isso é um acidente muito comum nos laboratórios de química. Outro ponto é que o vapor de éter se acúmula próximo ao chão, e se algum desavisado que estiver fumando próximo jogar uma bituca acesa no chão...!!! Serve para quem tenha os devidos cuidados e conhecimento de manuseio. Coloca-se o peixe num recipiente seco e levemente fechado, onde haja um algodão embebido na droga. Isto o fará dormir - se não o matar. Em seguida procede-se a outro método qualquer para a morte. O próprio éter pode matar, dependendo do tempo de exposição. O éter é de fato desaconselhado para o aquarista que não tenha conhecimento para manuseá-lo, pelo risco de explosão, incêndio, etc. Além disto, deve-se tomar muito cuidado com o éter estocado há muito tempo pela possibilidade da produção de outros tóxicos. Não é mesmo recomendado para quem não tenha experiência com ele.

 

3- Método da Vodka Retira-se a água do aquário (o necessário para abrigar o peixe), colocando em uma jarra ou balde, acrescenta-se 10-20% de uma vodka (por exemplo) ou 5-10% de álcool comum, e em seguida introduz-se o peixe. O álcool vai atuar como anestésico, fazendo o peixe deitar-se no fundo em poucos segundos e literalmente "embriagar-se" até a morte em poucos minutos. O método NÃO envolve jogar o peixe direto no álcool! Existe uma diferença brutal entre o álcool puro/concentrado e o álcool diluído em termos da sensibilidade das mucosas, o que nós mesmos podemos perceber quando provamos na boca uma bebida alcoólica fraca ou uma muito forte.

 

4- Óleo de Cravo Semelhante ao descrito para o álcool, mas em dose bem menor. Na dose de 40 mg/L produz anestesia em 1 min em formas jovens de peixes médios.

 

5- Método do Alka-Seltzer ou do Bicarbonato Ambos consistem na produção de CO2 pela reação química entre um ácido e bicarbonato. A diferença é que no comprimido de Alka-Seltzer, um ácido orgânico fraco na forma sólido (geralmente ácido cítrico) vem misturado ao bicarbonato e a reação só ocorre na presença de água. Induzem narcose e morte por asfixia devido à produção de CO2 em alta concentração na água. Algumas pessoas defendem o método como indolor, enquanto outras criticam afirmando que o peixe sofre bastante.

 

B. Métodos Físicos

 

6- Método da Fritura (Cozimento) Neste caso se coloca água para ferver e, quando estiver em grande ebulição, joga-se o peixe na panela...Ouve-se um SHHHHH por 2 ou 3 segundos, dependendo do tamanho do peixe e ele parece um torpedo durante estes segundos. Suas proteínas rapidamente se desnaturam, sobrevindo morte quase imediata. Neste caso o maior sofrimento costuma ser para o aquarista ao ver a cena.

 

7- Método do Congelamento Coloca-se o peixe numa vasilha com água do aquário e em seguida esta vai para o congelador ou freezer. Algumas pessoas defendem o método por acreditarem que o peixe, sendo de sangue frio, não sofre com o resfriamento e congelamento. Além disso é conveniente para o aquarista pois o peixe não morre à sua vista. Mas infelizmente não há máquina de congelamento imediato...às vezes demora muito para o peixe morrer. Certamente ocorre um atordoamento após certo tempo, como se pode imaginar, mas não sabemos realmente o impacto sobre o peixe enquanto ele está consciente e, até prova em contrário, não parece um método muito aconselhável.

 

8- Método da Desidratação Simplesmente retira-se o peixe da água e o deixa secar ao ar. Ele não mata o peixe imediatamente, mas apenas o atordoa e lhe tira a "consciência", mais ou menos como o CO2 e principalmente pela impossibilidade de funcionamento das funções cerebrais do peixe. Mas também é demorado e muito criticado por isto, produzindo perda das funções branquiais levando à asfixia. Como é um método desagradável também para o aquarista, não é recomendável. No entanto, junto com o congelamento, é o método pelo qual morre a maior parte dos peixes para nossa alimentação.

 

C. Métodos Mecânicos

 

9- Método da Decapitação Viável para peixes não muito grandes. Coloca-se o peixe de lado sobre uma tábua e usa-se uma faca como guilhotina para separar a cabeça em um só golpe. Deve ser feita com atordoamento ou anestesia previa do peixe, embora muitos não façam assim.

 

10- Método da Secção Espinhal Alternativa à decapitação para peixes maiores, mas não é o melhor pois o peixe estaria vivo enquanto o O2 não lhe faltasse completamente. Seus olhos estão ligados diretamente ao cérebro, como talvez outros nervos que não saiam da medula, como em outros animais que tem nervos craneanos. Pode haver sofrimento embora o peixe não mostre movimento por causa da secção da medula, mas muitos consideram esta como a melhor opção para o peixe. Você deita o peixe de lado, pega um facão e corta a espinha dorsal dele, logo atrás da cabeça. O problema com este método é que quem não tiver vocação para cirurgião poderá ter dificuldades em o fazer.

 

12- Método do Esmagamento Aplicável a peixes pequenos. Coloca-se o peixe dentro de saco plástico, deita-se este sobre uma superfície plana, e se o atinge abruptamente com um objeto pesado e com superfície de choque plana para um esmagamento rápido e total. A morte é instantânea e consequentemente indolor, no entanto, esteticamente tem peso negativo. É cruento e, embora rápido, a cena deve ser pouco agradável para aquele que a pratica. Também não há duvidas de que só seria realmente seguro com peixes bem pequenos...com peixes maiores talvez a eficiência quanto ao tempo e diminuição de sofrimento ficasse comprometida, por não conseguir-se completar o ato de uma só vez.

 

13- Método da Concussão Alternativa para os peixes bem maiores. Coloca-se o indivíduo num saco plástico, e num golpe rápido e potente, bate-se o saco com força contra uma superfície dura - de tal forma a causar-lhe traumatismo craneo-encefálico (TCE) e ruptura de seus órgaos. Se o aquarista não se sentir mal em o fazer, talvez seja aceitável, no entanto é importante notar que ele pode produzir apenas concussão cerebral e não se pode parar aí pois o TCE simplesmente não é sinônimo de morte. Neste caso tem que se ser seguido de outra ação que efetivamente garanta sua morte.

  • Upvote 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

O nosso moderador acabou de nos descrever e muito bem os variados e multiplos metodos de se acabar com o sofrimentos dos nossos peixes quanod estão na fase terminal. Eu já utilizei o metodo da sanita e o do congelador os outros nunca experimentei, e sempre doloroso quando se chega a esta fase.

 

Cump

Marques

Share this post


Link to post
Share on other sites

Penso que a maioria de nós já usou o método da sanita, talvez o mais cobarde pois é uma questão de não vermos o que acontece, penso que ou temos coragem de os matar ou não temos, pois quando como carapaus ou outro peixe qualquer também sei que morrem lentamente e não vejo ninguém preocupado com isso.

Eu pessoalmente gosto muito mais de carne do que de peixe apesar de nunca me preocupar quem os mata julgo que nunca teria coragem para matar um porco, uma galinha, um coelho ou outro animal do género.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ao longo de cerca de 20 anos de aquariofilia já tive de recorrer a autanasia algumas vezes e algumas delas com peixes de grandes dimensões o que se torna ainda mais doloroso.

 

O metodo que uso, é rapido e indolor para o peixe, pois a morte dá-se em segundos (2 segundos ou menos).

 

Meto agua a ferver num tacho....e seguidamente atiro o peixe lá para dentro o mais rapidamente possivel...nem se mexem...tocam na agua..e a morte é imediata...sem asfixia...sem sangue....sem dor....sem sofrimento.

 

Aconselho que ao meter o peixe na agua se tape de imediato o tacho...pois embora seja uma questão de segundos...pode fazer impressão a pessoas mais sensiveis.

 

Depois é só desligar o lume...esperar que arrefeça..e despejar na retrete....e pronto.....the end...!!!

 

Atenção...peixes de pele dura...como os plecostumos não podem ser abatidos seguindo este processo pois demoram mais tempo a morrer....sendo mesmo assim um processo mais indolor que alguns já aqui citados.

 

 

No entanto...tento sempre TUDO para salvar os meus peixes.....!!!

Edited by hlaranjo

Share this post


Link to post
Share on other sites
Nada como colocar um peixe a ver o noticiário da TVI, ele suicida-se.

bang.gif' class='bbc_emoticon' alt=':D' />

Nem mais...

Não preçisa de ser o noticiário, qualquer outra coisa serve.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ver um dos nossos peixes doente é algo que nos pode tocar a todos. Porém temos de saber avaliar bem a situação do peixe, de modo a que saibamos realmente se a eutanásia é a melhor solução, de modo a não matarmos um peixe perfeitamente recuperável.

 

Penso que apenas deve ser cometida a eutanásia quando após várias tentativas de tratamento o peixe não deu sinais de melhora, e piorou ainda a olhos vistos,estando num estado de visivel agonia e sem salvação possivel.

 

A eutanásia deve ser sempre a ultima das ultimas soluções.

 

De todos os métodos possiveis a sanita não é sequer um método. É se calhar facilitismo da nossa parte.Se não temos coragem de fazer algo como deve ser mais vale não fazer nada.

 

Outro dos métodos,o retirar o peixe e deixá-lo ao ar, é como o da sanita quanto a mim. Um peixe pode sobreviver fora de água durante muito,mas muito tempo,e ficará desconfortavel,num ambiente que não é o seu.

 

O melhor método é sem dúvida alguma o esmagamento do peixe,ou em caso de peixes maiores, o corte com uma tesoura da cabeça,ao nivel dos olhos e ''cranio''.Tesoura afiada,golpe instantâneo, indolor. Em peixes pequenos,envolver o peixe num tecido e esmagá-lo,com um golpe só.

 

Não me agrada nada o congelamento nem a fritura. O congelamento não é instantâneo, nem nada que se pareça, a fritura sempre é melhor,mas um pouco agressiva aos mais sensiveis.

Edited by Zogli

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá,

 

Cá em casa metemos num aquario com piranhas e lagostins azuis... Damos uma alegria à bicharada, estimula o sistema imunitario e andam todos felicissimos.

 

Abraço,

Share this post


Link to post
Share on other sites

sugestão: votar a melhor forma de eutanásia ja experimentada

Share this post


Link to post
Share on other sites

fazer do tipo: melhor maneira de matar um peixe sem sofrimento:

Alcool: 3 pontos

Martelada:2 pontos

Gelo: 1 ponto

e depois vemos qual a mais usada: Boa ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Concordo em pleno que a Eutanasia será sempre a ultima opção e apenas um recurso depois de termos tentado tudo para salvar o peixe e o mesmo alem de não melhorar mostrar sinais de sofrimento.

 

Sou contra a atirar a peixes maiores os peixes doentes por varios motivos...um deles será a hipotese de contaminação do peixe agressor e outra será achar que o metodo não é eficaz nem demonstra para com o peixe doente qq tipo de respeito.

 

Um peixe doente num aquario de predadores pode demorar mt tempo a morrer...ser comido aos poucos....e com isso sofrer sem qq necessidade....!!!

 

Continuo a defender o metodo da fritura.....embora confesse que fico sempre mt emocionado e angustiado quando tenho de recorrer a este metodo para acabar com o sofrimento de um peixe....

 

Se a doença não se mostrar dolorosa para o peixe costumo deixar o pobre bicho morrer dignamente num aquario sozinho....mas ao minimo sinal de sofrimento...Eutanasia...!!!

 

Ser Aquariofilista não é a mesma coisa do que "Ter um aquario" é uma questão de postura e respeito perante os nossos peixes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas

 

...ao contrário do que a maioria das pessoas pensa algumas das mortes apresentadas anteriormente método do congelador ,corte pelo pescoço(cabeça) ,alcool.....são os piores porque basicamente estamos a tirar a ligação entre o cerebro e o corto e por nós não os vermos a "rabiar" pensamos está morto.....mas não ....porque após o corte de cabeça (falo neste porque e o melhor exemplo pa explicar)o cerbero tem "energia "para continuar a funcionar entre 8 a 10 minotos e nós todos contentes(este ja não sofre mais ...mas ele ainda nos esta a ouvir...passo a expressão)

 

 

conclusão o trituramento da cabeça com um copo ou algo bem pesado vai desfazer a cabeça destruindo assim o "processador"....logo ele desliga por completo ....

 

acho muito mau ,qualquer um de nós quando tem um acidente ródoviario e por momentos (de mota apos queda) nao sentir as pernas ,nem falar......e ouvir tudo o que nos rodeia pessoas a falar....ou ate que sabe pessoas numa maca as pessoas falam ,nos ouvimos e as vezes ate respondemos mas nao somos no e o nosso incosciente.....parece estupido o que escrevo mas faz sentido .....procurem livros sobr o assunto....~

 

 

abraços espero ter ajudado

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aqui já testei a parte do corte na cabeça.

 

Um oscar a limpar um setas vermelhas\escalo do norte.

 

Ficou sem cabeça, e passados na boa, 30 minutos, ainda mexia.

Solução seguinte: sanita.

E não é que mexia ainda? Garanto que não estou a inventar... seriam espasmos? :mrgreen:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas,

 

Já utilizei e recomendo o “Método do Congelamento” (principalmente para peixes de maiores dimensões), que consiste em colocar o peixe doente num saco ou caixa com água do aquário, de preferência envolvido num saco de côr fosca ou opaca para não stressar o peixe, e só depois colocá-lo no congelador.

Como o peixe, é um ser de sangue frio, não sofrerá com o processo de arrefecimento e congelamento, pois irá adormecer lentamente.

Outra vantagem é a de que, não temos de ver o seu peixe a morrer, e como (no meu caso) o colocámos previamente envolvido num saco opaco, nem mesmo quando o retirarmos do congelador o voltaremos a ver, suavizando o impacto emocional da operação.

 

Um abraço a todos os menbros do forum

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas

 

quando tem mesmo de ser feito a melhor opçao (na minha opiniao) seria o banho em agua com alcool misturado

 

em segundo lugar o congelamento.

 

todos os outros metodos aqui descritos parecem-me demasiado "fortes"

 

 

 

abraço

 

William

Edited by william

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas, acho que a melhor forma de acabar com o sofrimento deles é dá-los como forma de alimento vivo a peixes maiores (como por exemplo ciclideos), a menos que os peixitos tenham alguma doença contagiosa.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Este é um tema interessante, apesar de ter sempre uma conutação negativa, visto, apesar de não se gostar, ser por vezes necessário.

 

Quem sabe como os pescadores, não profissionais claro, fazem para matar os peixes capturados? Uma pancada forte e está feito. Por algum motivo fazem assim.

 

Cumps

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest Nuno_lvc

A frigideira é o melhor método! eheh

Opa eu peço desculpa, não resisiti.

 

Nem sempre os pescadores usam a melhor maneira, eu vi um otário espetou o canivete na cabeça de um charroco e o bixo que por si já é feio para caraças ficou ali uns 10 minutos a agonizar...

A sanita para peixes pequenos, é uma das melhores soluções, eu moro no 7º andar, e de certeza de que quando lá chegam abaixo, desmaiaram na descida, e já estão todos partidos.

Na natureza, seriam imediatamente comidos, ou morreriam lentamente escondidos a um canto.

 

Peço descupa a crueldade, mas a meu ver, há coisas que merecem muito mais a nossa atenção do que a maneira como executamos o nosso peixinho...

 

Olhem lembrei-me agora, azoto liquido...

 

 

Abraço (não levem a mal o meu humor, que hoje está meio preto)

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas, eu penso que a eutanasia é para quem se quer ver livre dos peixes o mais rápido possível...

Ou então é para não nos custar ver o animal a sofrer.

 

Pensem assim:

Estou doente... Tenho a doença que pode explodir uma veia no cérebro e plooff. Já fui

Eu acho que perfiro morrer onde sempre estive... NA minha casa.

Ao pé dos meus amigos.

Preferia morrer assim... Poderia sofrer... Mas ao menos tinha ali as pessoas que gostam de mim... e Vice-Versa.

 

Sou desta opinião

 

Quando não há nada a fazer... Deixá-lo morrer com os amigos ..

 

Quem não gosta e acha isto de uma crueldade maquiavélica fazfavor de reclamar .

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu tambem tento sempre recuperar o peixe.

 

Por vezes temos sucesso outras não mas dou-lhe a oportunidade de sobreviver.

 

De qualquer modo ninguem pensou no metodo 123 ?

 

Cumps

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vamos lá ver uma coisa....percebo algum romantismo e sou uma pessoa especialmente emocional no que toca ao meus animais..seja um gajo...uma rola ou um simples Guppy....no entanto sejamos honestos, um peixe não tem noçao da maioria das coisas que se apontam em alguns textos.....morrer com os amigos?.....epah....tb já me parece demais...se o peixe tiver a morrer...os amigos...irão tentar comer o pobre coitado e dar cabo dele....não há esse tipo de piedade entre peixes....

 

Tive uns Oscars ha uns anos....qd um ficava doente..os outros limitavam-se a dar cabo dele....com uma aparente crueldade...brutal...

 

Temos de respeitar os nossos peixes e assegurar uma vida digna e uma morte condizente mas sem exageros....

 

qualquer dia aparece um aqui a dizer que quando vai a 200 km/h na AE tem pena das moscas que se esboracham nos vidros....e que coitadinhas sofrem....

 

Sejamos realistas...os peixes não são animais com tanta sensibilidade....apenas alguns grandes ciclideos mostram capacidades cognitivas mais elaboradas...mas a maioria dos peixes...possuem estruturas mt primitivas...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Sign in to follow this