Prédios de habitação não dimensionados para o peso dos aquas


Surf_is_life

Recommended Posts

Isso dos 200kg/m2, deve ser naquelas casa de barro, no deserto Laughing

 

pois, parece que e mesmo assim ricardo, andeia falar com mais profs e eles todos me disseram para ter cuidado, os predios não são feitos para por aquarios nem bibliotecas, para isso foram inventadas as bibliotecas municipais que a partida tem 300Kg por metro2, e obvio que com o coeficiente de caganço podemos estar descansados mas... eu moro num predio com cerca de 25 anos, e cheira-me que nessa altura os calculos que se faziam não eram tão minuciosos como os de hoje, e que os materiais que se usavam não eram tão bons como os de agora, por isso que viva em predios mais antigos, o meu conselho e cuidado!

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 120
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

eu moro num predio com cerca de 25 anos, e cheira-me que nessa altura os calculos que se faziam não eram tão minuciosos como os de hoje, e que os materiais que se usavam não eram tão bons como os de agora

 

Ou então era tudo feio com factor cagaço brutal... tipo feio forte e bruto...

Link to comment
Share on other sites

Nao concordo oinq, pois feio forte e bruto = caro e normalmente esse e o factor que pesa mais na construçao civil... dinheiro!

Link to comment
Share on other sites

Boas!

 

Por acaso até tenho a ideia que os coeficientes de segurança era maior à uns anos atrás. Com o tempo foi-se aproximando de uma solução mais proxima da melhor utilização do material.

Isto é a ideia que tenho...

 

Mas acho que o pessoal não deve ficar muito alarmado com pesos inferiores a 800kg, desde que estejam colocados perto de vigas ou paredes mestras. Para pesos superiores as coisas podem complicar...

Link to comment
Share on other sites

Voces tem duvidas que maior parte dos predios antigos...e antigas constroçoes ...Sao mais resistentes...que muitos dos nosso predios agora...

Pensem nisso...

nao me batam...mas se formos agora...eles vao pelo economico...e nao pelo fiavel...antigamente era tudo feito a bruta. preocupavam se mais com a qualidade...:wink:

 

 

Por isso vemos que muitos predios de antes... inda nao cairam ...e hoje em dia...ve-se novos a cair e terem problemas...

Isto é so uma opiniao....

 

 

Porque as casas nao sei feitas de rocha???? os castelos inda tao de pe:D

Não é permitido assinaturas comerciais. PC

Link to comment
Share on other sites

Olá,

 

Após leitura deste tópico e concordando com o Diogo Lopes quando diz:

 

Acho que necessitamos todos de uma explicação técnica.... mas mesmo técnica!

encontrei este tópico colocado pelo António Vitor

http://www.aquariofilia.net/forum/viewtopi...pic.php?t=38987

onde participa o membro José Manuel Martins Sousa que é engenheiro civil do ramo de estruturas.

 

Optei por colocar este post

http://www.aquariofilia.net/forum/viewtopi...p=260896#260896

chamando a atenção para este tópico e pedindo a sua participação nele.

 

Cumps,

 

Carlos Silva

 

 

O meu começo na aquariofilia:

http://www.aquariofilia.net/forum/viewtopi...p?p=18856#18856

Um homem só tem o direito de olhar o outro de cima para baixo, para o ajudar a levantar-se.

Link to comment
Share on other sites

Caros Amigos

 

Sou recém chegado a este Fórum e não quero deixar de responder ao apelo formulado pelo membro C.S., contribuindo com o meu conhecimento nesta matéria, tal com fiz no tópico do António Víctor.

 

Todos nós temos mais ou menos sensibilidade para a compreensão das questões associadas à distribuição das cargas nos pavimentos das nossas casas.

 

Nos Aquários que normalmente instalamos nas nossas casas, independentemente do seu comprimento, a sua secção tranversal raramente ultrapassa a Largura de 50cm e a Altura de 70cm. Neste caso significa que cada metro linear de Aquário pesará cerca de 400Kgf em unidades antigas e 4KN em unidades actuais.

 

As sobrecargas regulamentares que os técnicos são obrigados a considerar no cálculo das lajes estruturais dos pavimentos dos edifícios de habitação (compartimentos destinados a utilização de carácter privado) são actualmente de 2KN/m2 (desde 1985) e foram de 200Kgf/m2 no passado, o que quer dizer que os valores não se alteraram.

 

Qualquer Aquário com mais de 20cm de coluna de água esgota a sobrecarga considerada no cálculo dos pavimentos. No entanto as lajes em causa são concebidas para que, no caso de existir uma sobrecarga concentrada, ela seja redistribuida por uma área de laje superior à superfície de contacto dessa sobrecarga (neste caso do Aquário, ou do móvel onde ele se apoia), sem comprometer a estabilidade da laje em causa, a não ser que se trate de um Aquário excepcionalmente grande.

 

O vulgarmente chamado de "Coeficiente de Cagaço" não é mais do que um Coeficiente de Segurança que é considerado para que as estruturas resistam a solicitações acidentais excepcionais tais como o vento excepcional, a neve ou os sismos, etc., não devendo ser utilizada esta reserva de resistência das estruturas para outro tipo de solicitações.

 

A localização de um Aquário de dimensões acima dos 5KN (500Kgf) é sempre preferível junto das paredes envolventes dos compartimentos, sobre uma parede mestra conhecida, sobre uma viga, sobre um pilar, etc., o que nem sempre nos convém face à decoração do espaço onde o queremos instalar. No entanto isto não quer dizer que se instalarmos o Aquário no meio da sala vamos ter problemas, nada disso. A laje vái seguramente ter alguma deformação (Aquário eventualmente ligeiramente desnivelado), mas sem qualquer problema estrutural.

 

No caso de prédios antigos em que a estrutura dos pavimentos é em madeira, (estrutura tipo "Galinheiro" utilizada em Lisboa), apoiadas em paredes mestras em alvenaria de pedra, aconselha-se sim alguma prudência devendo neste caso ser sempre instalados junto das paredes para evitar a prematura deformação dos pavimentos de madeira. Neste caso, antes de instalarmos o Aquário sobre o móvel temos de nivelar a base porque os pavimentos em madeira de prédios antigos têm sempre deformações e assentamentos acumulados ao longo dos anos.

 

Depois de tudo isto, resta-me afirmar que nos casos correntes e ainda para alguns mais "arrojados" não irão ter quaisquer tipo de problemas, a não ser que queiram tranformar a vossa sala num "Oceanário".

 

Ainda assim se detectarem alguns sinais exteriores que indiciem mau comportamento da estrutura, como sejam a ocorrência de fendas nas paredes, deformação exagerada dos pavimentos (o Aquário apareceu desnivelado) etc., podem contar comigo para ajudar a resolver o problema.

Contem comigo tal como eu conto convosco para os meus problemas de aquariofilia!

Um Abraço

Martins de Sousa

Link to comment
Share on other sites

Caros Amigos

 

Sou recém chegado a este Fórum e não quero deixar de responder ao apelo formulado pelo membro C.S., contribuindo com o meu conhecimento nesta matéria, tal com fiz no tópico do António Víctor.

 

Todos nós temos mais ou menos sensibilidade para a compreensão das questões associadas à distribuição das cargas nos pavimentos das nossas casas.

 

Nos Aquários que normalmente instalamos nas nossas casas, independentemente do seu comprimento, a sua secção tranversal raramente ultrapassa a Largura de 50cm e a Altura de 70cm. Neste caso significa que cada metro linear de Aquário pesará cerca de 400Kgf em unidades antigas e 4KN em unidades actuais.

 

As sobrecargas regulamentares que os técnicos são obrigados a considerar no cálculo das lajes estruturais dos pavimentos dos edifícios de habitação (compartimentos destinados a utilização de carácter privado) são actualmente de 2KN/m2 (desde 1985) e foram de 200Kgf/m2 no passado, o que quer dizer que os valores não se alteraram.

 

Qualquer Aquário com mais de 20cm de coluna de água esgota a sobrecarga considerada no cálculo dos pavimentos. No entanto as lajes em causa são concebidas para que, no caso de existir uma sobrecarga concentrada, ela seja redistribuida por uma área de laje superior à superfície de contacto dessa sobrecarga (neste caso do Aquário, ou do móvel onde ele se apoia), sem comprometer a estabilidade da laje em causa, a não ser que se trate de um Aquário excepcionalmente grande.

 

O vulgarmente chamado de "Coeficiente de Cagaço" não é mais do que um Coeficiente de Segurança que é considerado para que as estruturas resistam a solicitações acidentais excepcionais tais como o vento excepcional, a neve ou os sismos, etc., não devendo ser utilizada esta reserva de resistência das estruturas para outro tipo de solicitações.

 

A localização de um Aquário de dimensões acima dos 5KN (500Kgf) é sempre preferível junto das paredes envolventes dos compartimentos, sobre uma parede mestra conhecida, sobre uma viga, sobre um pilar, etc., o que nem sempre nos convém face à decoração do espaço onde o queremos instalar. No entanto isto não quer dizer que se instalarmos o Aquário no meio da sala vamos ter problemas, nada disso. A laje vái seguramente ter alguma deformação (Aquário eventualmente ligeiramente desnivelado), mas sem qualquer problema estrutural.

 

No caso de prédios antigos em que a estrutura dos pavimentos é em madeira, (estrutura tipo "Galinheiro" utilizada em Lisboa), apoiadas em paredes mestras em alvenaria de pedra, aconselha-se sim alguma prudência devendo neste caso ser sempre instalados junto das paredes para evitar a prematura deformação dos pavimentos de madeira. Neste caso, antes de instalarmos o Aquário sobre o móvel temos de nivelar a base porque os pavimentos em madeira de prédios antigos têm sempre deformações e assentamentos acumulados ao longo dos anos.

 

Depois de tudo isto, resta-me afirmar que nos casos correntes  e ainda para alguns mais "arrojados" não irão ter quaisquer tipo de problemas, a não ser que queiram tranformar a vossa sala num "Oceanário".

 

Ainda assim se detectarem alguns sinais exteriores que indiciem mau comportamento da estrutura, como sejam a ocorrência de fendas nas paredes, deformação exagerada dos pavimentos (o Aquário apareceu desnivelado) etc., podem contar comigo para ajudar a resolver o problema.

Contem comigo tal como eu conto convosco para os meus problemas de aquariofilia!

Um Abraço

Martins de Sousa

 

O meu muito obrigado!

Link to comment
Share on other sites

Olá,

 

Resta-me apenas agradecer a rápida resposta e a clareza do esclarecimento prestado pelo membro José Manuel Martins Sousa. Parece que todos estamos de acordo, que era de uma informação deste nivel que precisavamos.

Já tinha feito pesquisa noutros foruns, espanhóis e brasileiros inclusivé, mas para além de ficar quase sempre um certo grau de incerteza a pairar no final dos posts publicados, havia ainda a questão de não saber se os regulamentos desses países poderiam ser considerados semelhantes ao nosso, para poder estabelecer qualquer tipo de comparação razoavel.

Pela minha parte, para além de ficar mais descansado, aprendi novamente algo mais neste fórum. Muito obrigado.

 

Cumps,

 

Carlos Silva

 

 

O meu começo na aquariofilia:

http://www.aquariofilia.net/forum/viewtopi...p?p=18856#18856

Um homem só tem o direito de olhar o outro de cima para baixo, para o ajudar a levantar-se.

Link to comment
Share on other sites

Sim senhor, um excelente tópico e muito esclarecedor para todos quantos pensam manter aquários de maior "calibre".

 

Parece-me que este tópico ficará melhor na zona dos tópicos avançados :lol:

Nuno Antunes

Mantenho:

Tropheus brichardi ujiji "Katonga"

Tropheus moorii Lufubu

Apistogramma hongsloi

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

palavras para que ja esta tudo dito!!!esperemos que os nossos aquas nunka caiam no vizinho de baixo.lolololol

Friendship is a golden gift cherished above all life's treasures!!

Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Bem, pelo que já li estou de acordo com todos :evil: :D, resumindo toda a conversa o problema esta no aquario, porque se cair o chão e o aquario ficar inteiro está tudo bem, :twisted::twisted: (o chao é facil de concertar), o contrario é pior :cry::cry: , estou certo?

Mais vale ser julgado por doze que carregado por seis....

* Imagem da Assinatura Removida *

Link to comment
Share on other sites

  • 4 months later...
Só que também toda a gente sabe que a agua que temos nos nossos aquas não é destilada e, principalmente para os meninos dos salgados, a densidade das nossas aguas anda muito acima de 1.

Sim, mais exactamente 1,025.

 

O que limita a laje não é o peso que suporta, mas o momento maximo que este peso lhe transmite(excepto nas bielas). Mas isso é mais complicado de explicar

Nem mais, pode não ser fácil de explicar, mas é fácil de entender... quantos de nós temos aquários não encostados a uma parede? vai uma votação? É do senso comum que um aquário pesado não se mete no centro geométrico da sala ou não?

 

E se isto não bastar, uma análise estatística da realidade (muitos engenheiros fazem afirmações teóricas que são fácilmente desmanchadas com a mera observação - os restantes são os bons): há milhares de aquários montados em Portugal, centenas de milhar no mundo inteiro. Quantos casos de lajes a ceder por causa de aquários (notícia muito apta a ser rapidamente divulgada) conhecem? será zero?

 

Abraços,

PCB

67% das estatísticas estão erradas... como tu!

Link to comment
Share on other sites

É pá calma aí!!!!

 

Antes de entrarmos em garnde teorias, vejamos tenho um aquário numa sala de 500kg e fico preocupado!!! E se em vez do aquário de 500 kg, organizava uma festa cá em casa convidava uns amigos, que por sinal até são magritos 70 kg e apareciam 10!!! 70 *10 =700 kg Acham que a laje não aguenta? Mal estaríamos.

 

 

(...)No caso de prédios antigos em que a estrutura dos pavimentos é em madeira, (estrutura tipo "Galinheiro" utilizada em Lisboa), (...)

 

Caro colega, a esta hora estão os antigos mestres às voltas no caixão, essa estrutura de madeira´são chamadas Cruzes de Santo André ou estrutura em Gaiola. :lol::lol:

 

E já agora se ultrapassado o Estado Limite de Utilização, surge pura e simplesmente fendas, até ao colapso muitos aquários teriam de encher :lol::lol::lol:

Link to comment
Share on other sites

Nem mais!

 

Por norma as estruturas estão a 50% do carregamento maximo! um aquario de uma tonelada em 4 pes, pode ser preocupante. Agora a maioria dos aquarios...nem por sombras!

 

A denominação de Galinheiro creio que também é correcta. Pelo menos já ouvi varias vezes da boca de mestres e doutores.

 

abraço

Link to comment
Share on other sites

 

A denominação de Galinheiro creio que também é correcta. Pelo menos já ouvi varias vezes da boca de mestres e doutores.

 

abraço

 

Galinheiro é de galinhas !!! :evil::wink::wink:

 

Já agora para quem não sabe aqui vai uma boa definição

 

O sistema de gaiola consiste num método construtivo em que o edifício funciona como um todo. O piso térreo é totalmente constituído por paredes de alvenaria, com arcos em pedra e tectos abobadados em tijolo, onde assenta, nos pisos superiores, uma malha ortogonal de planos estruturais, formados por paredes de frontal (módulos quadrangulares, constituídos por elementos verticais e horizontais unidos pelas “cruzes de Santo André”) num sistema de travamento tridimensional, que servem de apoio ao vigamento das lajes entre pisos, à estrutura da cobertura e às paredes divisórias

 

Tb há o sistema gaioleiro

 

O sistema “gaioleiro” apresenta-se como uma deturpação do sistema de gaiola, em que a fragilidade das alvenarias e da estrutura de madeira reduz as características resistentes e anti-sísmicas. O edifício funciona como um somatório de planos independentes entre si. Com efeito, trata-se de um método construtivo menos elaborado, em que as paredes de frontal são utilizadas principalmente na caixa de escada sendo as restantes em tabique. O vigamento das lajes é encastrado nas paredes exteriores, apoiado em frechais junto às entregas;

 

Como aparte trabalho à quase sete anos em Reabiltação Urbana, conheço bastante bem os métodos construtivos pré-terramoto e pós-terramoto e nunca ouvi ninguém falar em galinheiros...

 

Abraço

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...

Olá

 

Andava eu calmamente a ver a evolução do tópico quando reparei que, sem querer, feri algumas sensibilidades quando chamei "galinheiro" a uma gaiola que afinal se destinava a seres humanos.

Fi-lo afinal na convicção de que o termo também se aplica, tenho-o ouvido várias vezes não me parecendo estar incorrecto, apesar de no meio científico e académico o termo "gaioleiro" ser o mais adoptado.

"Gaioleiro" é uma designação que encontramos em inúmeros escritos, que tendo sido inicialmente dada aos construtores, acabou por designar aquilo que eles construiram.

Actualmente esta é a designação dada à construção que se segue ao período pombalino e que perdura até ao aparecimento do betão armado na década dos anos 30 do século passado.

Este processo construtivo, de muita qualidade e rigor no período pombalino, foi-se adaptando aos interesses imobiliários da época sofrendo mutações que lhe retiraram as características de qualidade e segurança de que beneficiava na sua origem, tendo sido a decadência da gaiola pombalina.

A grande vantagem do sistema construtivo pombalino caracterizada por uma estrutura de madeira com capacidade de resistência aos sismos preenchida com alvenaria de pedra, era a de permitir que, no caso de ocorrer um sismo, as alvenarias desprendiam-se das paredes e caíam para a rua, mantendo-se intactos os pavimentos e a estrutura da paredes.

A segurança no interior das habitações era assim salvaguardada, embora no exterior tal não acontecesse dada a projecção dos materiais das paredes para o exterior com excepção da madeira.

Com a decadência do sistema construtivo pombalino, para além de outras adaptações, foram eliminadas as estruturas de madeira nas paredes exteriores e de tardoz.

Os "gaioleiros" são portanto edifícios estruturalmente muito débeis, que comparados com os anteriores pombalinos são maiores e mais altos, as paredes de alvenaria ordinária são de execução descuidada, as paredes interiores são tabiques muito deformáveis e de fraca resistência a esforços de compressão, de corte e de flexão e os pavimentos têm vigamentos também escassos em rigidez e resistência.

A expeculação imobiliária aparece assim como responsável pela falta de qualidade de muitos destes edifícios, afastando-se muito da admirável concepção pombalina.

Desta forma veio a perder-se o brilhante trabalho desenvolvido, no período pós terramoto de 1755, por Ressano Garcia e pelos engenheiros militares Manuel da Maia, Eugénio dos Santos, Carlos Mardel, e outros.

Apesar de tudo, e tal como disse anteriormente, desde que não queiram tranformar as vossas casas pombalinas ou "gaioleiras" em "oceanários" terão de ter apenas as precauções e os alertas que indiquei quando instalarem os vossos aquários. Estas são as convicções que um jóvem da minha idade tem dificuldade em alterar.

E, finalmente, porque aos mestres antigos não posso pedir desculpas, e espero que não se mexam muito no caixão por isso, não quero deixar de pedir desculpas aos "mestres" actuais, principalmente ao NonoC a quem não quis incomodar.

Cumprimentos

Martins de Sousa

Link to comment
Share on other sites

E se isto não bastar, uma análise estatística da realidade (muitos engenheiros fazem afirmações teóricas que são fácilmente desmanchadas com a mera observação - os restantes são os bons): há milhares de aquários montados em Portugal, centenas de milhar no mundo inteiro. Quantos casos de lajes a ceder por causa de aquários (notícia muito apta a ser rapidamente divulgada) conhecem? será zero?

 

Concordo plenamente.

Acho que o pessoal está a entrar em pânico sem necessidade.

Não se preocupem que o prédio não cai.

Tratem bem dos vossos "meninos" e relaxem... :twisted:

 

Nuno Almeida

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Então é assim, tenho encomendado um aquario de 450L (1.40 x 50 x 60) ao qual vou juntar uma sump com cerca de 150L. o que faz cerca de 600L mais um monte de cenas como pedras, areia...etcs (eu tb entro nisso porque tb vou fazer 90Kg de peso quando estiver junto :wink: )

 

Tal como todos que falaram neste topico, o meu problema é o peso do aquario no quarto onde quero colocar.

 

O aquario vai ficar encostado a uma parede que tem uma viga por baixo e a cerca de 2 m dele tem outra viga. estas vigas tem cerca de 28 x 28cm.

 

Estas conclusões tirei a olhar para o meu tecto, ja que não fui à casa do vizinho de baixo confirmar.

 

Estou no 1º andar e o edificio tem 5 andares no total.

 

Terei problemas com esta "configuração" ???

 

Como estou logo no inicio do edificio as vigas não são mais fortes para suportarem o resto do edificio??

 

 

De qualquer modo.. alguem conhece alguma situação em que o aquario tenha ido parar ao vizinho de baixo? parece que estou a gozar, mas isto é algo que me preocupa muito...

 

Abraço e obrigado desde já.

 

 

Uma imagem para terem a noção (não ligar à imperfeição do modelo)...

 

quartohd2.jpg

DBDportugal.gif
Link to comment
Share on other sites

nao sou engenheiro, mas pergunte ao responsavel pelo edificio ou na prefeitura qual a resistencia do piso por polegada ou centimetro quadrado. Depois pegue o peso maximo do sistema, (pode e deve arrendondar o valor pra cima sem medo) e divida pelo numero de pes que o sistema tem. Assim eu fiz, pois apesar de morar no terreo achei que o aqua ia furar o chao..... Ate hoje tudo bem e ja tem um ano e meio!!!

super 500 litros feito a mao -espero que nunca vaze!!!!

Link to comment
Share on other sites