Terrário / Vivarium - Tutorial


Recommended Posts

IMG_20210407_131911.jpg

IMG_20210407_131920.jpg

IMG_20210407_132502_BURST002.jpg

 

Nome:  Phyllobates vittatus 

Bom para iniciantes 

Fácil de criar 

Sociável - moderadamente tímido

Podem ser mantidos em grupos

Temperatura:  Eles podem tolerar uma faixa de temperatura de 18,3°a 26.6°, mas preferem temperaturas baixas e médias de 21.1 °. Temperaturas acima de 26,6° são perigosas.

Humidade : Como a maioria dos sapos venenosos, os vittatus preferem uma faixa de umidade de 70 a 100%, mas podem tolerar umidade até 50% por curtos períodos de tempo se os sapos tiverem acesso à água. Os baixos níveis de umidade, especialmente sem acesso à água, podem rapidamente ser fatais. Na natureza,  Phyllobates vittatus é freqüentemente encontrado perto de pequenos riachos e tira proveito de microclimas úmidos.

Idade:  Phyllobates vittatus  é capaz de viver bem de 10 a 20 anos em cativeiro em condições ideais. Tamanho: o vittatus da fêmea adulta é maior, medindo aproximadamente 3,2cm. O vittatus masculino tende a ser um pouco menor, com média de cerca de 2,5 cm na maturidade. O tamanho nem sempre é uma boa indicação de sexo.

Comportamento social:  essas rãs ficam bem alojadas em grupos, desde que haja espaço suficiente. Sapos de Josh recomenda aproximadamente 5-10 galões por sapo. À medida que atingem a maturidade sexual aos 8-10 meses de idade, a dinâmica social em um grupo de Phyllobates vittatus pode mudar. Às vezes, as fêmeas adultas do vittatus comem os ovos umas das outras, resultando na produção de poucos ou nenhum girino. Por esse motivo, muitos criadores recomendam manter o vittatus aos pares quando adultos. Nós gostamos de mantê-los em grupos, no entanto - um grupo de 4-6 vittatus é um espetáculo para ser visto em um viveiro, como os machos chamam de diferentes poleiros ao redor do aquário. 

Alimentação: Como a maioria dos sapos venenosos, Phyllobates vittatus  prefere alimentos menores.  Moscas-das-frutas Drosophila melanogaster . Adultos Phyllobates vittatus  consomem prontamente moscas da fruta Drosophila hydei , bem como grilos de até 1/4 "! Vittatus são muito incomuns porque são capazes de comer presas muito maiores do que a maioria dos outros sapos venenosos. Todas as idades de dardo venenoso rãs vão adorar colêmbolos e isópodes . Todos os insetos alimentadores devem ser polvilhados com um suplemento de vitaminas / minerais. 

Sexagem: Phyllobates vittatus é um sapo difícil de sexar até cerca de um ano de idade. Freqüentemente, um tratador de sapos saberá que tem pelo menos um macho devido a um chamado alto e vibrante que começa aos 6-8 meses de idade. As fêmeas tendem a ser maiores e mais pesadas do que os machos, mas um sapo geralmente revela seu sexo botando ovos antes que seu sexo possa ser confirmado visualmente. 

Cor / padrão:  Phyllobates vittatus não são muito variáveis e a maioria dos indivíduos são virtualmente idênticos uns aos outros. Quando jovem, o vittatus sai da água como um sapo quase todo preto com uma forma de U vermelho / laranja nas costas. À medida que envelhecem, esse U se espalha e, eventualmente, forma 2 listras completas nas costas do sapo. Existem duas linhas distintas de vittatus no passatempo de sapo dos Estados Unidos - laranja e vermelho. Os animais laranja tendem a ter listras mais largas que vão de um laranja amarelado a um laranja-avermelhado, enquanto os animais vermelhos têm listras estreitas, muito vermelhas. Os sapos de Josh atualmente funcionam apenas com a linha laranja, já que a linha vermelha é muito incomum. Os sapos de Josh não recomendam, apóiam ou endossam a reprodução em linha, pois acreditamos que isso leva a animais em cativeiro mais fracos e a natureza já fez um trabalho maravilhoso ao criar uma incrível variação na cor e no padrão dos sapos venenosos.

Reprodução:  Phyllobates vittatus  são fáceis de reproduzir uma vez que começam, e atingem a maturidade sexual em uma idade jovem (geralmente 8 a 10 meses, mas eu os criei 6 meses antes!). Geralmente, 8-20 ovos são depositados em uma folha larga e lisa ou em uma placa de Petri sob um coco. Os ovos eclodem em girinos, que levam de 60 a 80 dias para se transformarem em versões em miniatura dos adultos. 

Phyllobates vittatus  ocorre naturalmente na região de Gulfo Dulce, no sul da Costa Rica, onde habita florestas tropicais de planície com alta umidade e precipitação anual. Vittatus são comumente encontrados perto de riachos de movimento lento, especialmente quando pequenas piscinas estão presentes (onde os vittatus depositam seus girinos).

IMG_20210407_131941.jpg

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • Vera Santos changed the title to Terrário / Vivarium - Tutorial

IMG_20210407_174155_edit_886951410674556.jpg

IMG_20210408_143808_edit_925697532217602.jpg

What do Poison Dart Frogs eat?

The vast majority of poison dart frogs (with a few exceptions, such as Phyllobates bicolor, Phyllobates terribilis, or Epipedobates trivittatus) are microphagus – they specialize in consuming small foods. Most dart frogs will not consume any insect or arthropod much over 1/8″, and young froglets like food even smaller. Feeder animals should be dusted with a quality vitamin/mineral supplement at feeding. Below is a list of common feeder animals safe to feed to poison dart frogs, organized from smallest to largest.

Springtails – Springtails (Collembola species) are soil isopods that measure approximately 1/32 of an inch. Springtails serve as vivarium janitors, consuming organic materials and making them available to plants. Springtails also will reproduce in the vivarium, and serve as an additional source of food for some vivarium inhabitants, such as dart frogs. Josh’s Frogs offers temperate springtails that are bred at our facility. Temperate springtails are perfect for adding to the vivarium as janitors and an extra source of food. Temperate springtails reproduce faster than other springtail species when cultured outside the vivarium, cultured on charcoal.

 

Producing Wingless Drosophila Melanogaster Fruit Fly Culture:

Melanogaster Fruit Flies – Drosophila melanogaster (also know as melanogaster, melanos, or mels) are probably the most commonly encountered species of fruit fly in culture, and measure about 1/16th of an inch long, making them ideal as the staple food for a variety of dart frogs and other animals that prefer smaller prey items. These flies lack wings, and as such are unable to fly. The life cycle of Drosophila melanogaster is very quick. Within 14 days of setting up a new culture, the next generation of flies is emerging. After that 14 day waiting period, new flies emerge every day. This quick generation time means that the culture will produce thousands of flies, fairly consistently, from day 14-28, when the culture is disposed of. Because of this, melanogaster fruit flies are generally preferred by those who are new to culturing fruit flies – melanogaster tend to be more forgiving and easier to culture consistently.

 

Rice Flour Beetles – The confused rice flour beetle (Tribolium confusum) is an easy to culture, convenient food source for poison dart frogs, bumble bee toads, fish, and other small animals that enjoy smaller food items. Rice flour beetles are cultures in a media consisting mainly of flour, and take some time to start producing. When rice flout beetles do, rice flour beetles are very easy to maintain, and can go months without any upkeep, making rice flour beetles an ideal ‘special treat’ or ‘backup feeder’ if you run out of other feeder insects. Adult rice flour beetles are capable of emitting an unpleasant tasting chemical when threatened, making them unpalitable to many animals. Rice flour beetle larvae, however, are very nutritious and palatable, and most poison dart frogs, bumble bee toads, fish, and other small animals will eat rice flour beetle larvae with relish.

 

Isopods – These isopods are very small and softer bodied than the other species we work with, making them an excellent prey animal. They also tend to reproduce fairly quickly, making them one of the easiest isopods to culture. These are considered to be the ‘original’ isopods in the trade, as they have been cultured the longest. Isopods, although not necessary to successfully keeping dart frogs, certainly make proper husbandry easier. Dwarf Tropical White Isopods play an important function in the home vivaria – mainly as nutrient cyclers and an additional food source. Isopods are simple to keep and culture at home.

 

Phoenix Worms – Soldier Fly larvae, known in the reptile industry as Phoenix Worms, have a balanced calcium:phosphorus ratio and are the only calcium-rich feeder that can be safely fed as a staple, without supplemental dusting or gut loading. Phoenix Worms also naturally contain high levels of lauric acid, which is known to kill viruses, protozoa, and coccidia. Not only do phoenix worms contain all the nutrition your reptiles or amphibians need, but Phoenix worms help to keep them healthy, as well. Extra Small and Small Phoenix Worms are the perfect treat for your poison dart frog!

Bean Beetles – Bean beetles are a species of weevil that lay their eggs on black eyed peas. Black eye peas are high in protein, fiber, iron, calcium and even contain some vitamin A.They make great snacks for dart frogs and other herps that appreciate smaller prey. Each culture will produce hundreds of beetles over several weeks. A culture may not have bean beetles visible when it’s received, but hundreds of beetles will emerge in the next couple weeks. Keep the culture warmer (up to 85F) to see beetles faster.

 

Hydei Fruit Flies – Drosophila hydei (also known simply as hydei) are a commonly encountered fruit fly in the hobby. Hydei measure about 1/8” – perfectly suited for dart frogs that prefer larger prey items, or other pets with similar needs. A ‘flightless’ form of hydei is most commonly available – this strain will not revert back to fliers at a higher temperature, unlike ‘flightless’ melanogaster. The life cycle of D. hydei is much longer – it will take 21 days or more until the first new hydei being emerging in a culture. Hydei fruit fly cultures show a particular ‘boom and bust’ cycle – the culture will appear empty, only to suddenly be filled with flies overnight. Most cultures will have 2-3 booms, with 5-7 days between each one.

 

Pinhead / 1/8″ Crickets – Easy to keep, inexpensive, and full of nutritious vitamins and minerals when properly gutloaded and dusted, crickets will eagerly be eaten by your pet reptiles and amphibians. Josh’s Frogs always recommends feeding your crickets with a quality cricket food for at least 48 hours before feeding them to your pet reptile or amphibian. Crickets will easily drown in a water dish. Instead, use fresh veggies or Josh’s Frogs Insect Watering Gel. We started breeding pinhead crickets for our own animals, and now have enough to offer you! Buy them here!

How Often do I Feed Poison Dart Frogs?

It’s common lore that poison dart frogs must be fed daily, especially young frogs. We feel this advice has been spread to some degree to make keeping dart frogs more difficult and time consuming than it really is! While dart frogs can be fed daily, at Josh’s Frogs we feed all of our dart frogs three times a week, on Monday, Wednesday, and Friday.

If feeding crickets to larger adult dart frogs, we often skip a feeding beforehand. Crickets have a habit of hiding and sometimes growing up in the vivarium – skipping a feeding makes the dart frogs that much more eager to hunt down all the crickets in the habitat.

Treats, such as rice flour beetle larvae or phoenix worms, are typically fed every month or so. While crickets can be fed as a staple (fruit flies are a much more economical option), we like to feed them to our breeding dart frogs every month or so.

How many fruit flies a dart frog should be eating every day, or how many flies a dart frog can eat without getting fat. Truth be told, there is no exact answer to that question. Instead, we recommend placing a small piece of banana (about 1/4″ of a thin slice) in the vivarium. This ‘feeding station’ will attract loose fruit flies in the vivarium, allowing you to determine approximately how many are in the tank. Using this information, you can make an educated decision as to how many fruit flies to feed.

For example, you feed fruit flies to your dart frogs on Monday. Wednesday, before you feed, check out the banana. If there are just a few fruit flies on the banana, go ahead and feed the same amount you did on Monday. If there are tons of fruit flies on the banana, do not feed again until Friday, then feed less than you did previously. If there are no flies on the banana, feed a little bit more than you did on Monday.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...
  • 2 weeks later...
  • 2 weeks later...
  • 2 weeks later...
  • 1 month later...

MASDEVALLIA PACHYURA ORCHID PLANT CARE AND CULTURE

 Cultural information should only be used as a guide, and should be to be adapted to suit you. Your physical location; where you grow your plants, how much time you have to devote to their care, and many other factors, will need to be taken into account. Only then can you decide on the cultural methods that best suit you and your plants.

Light:

 Masdevallia pachyura like good light, but not direct light. 17000 - 22000 lux is a good amount of light. About 70-90% shade is recommended in summer and 25% shade to full sun in winter. It will flower better if receive plenty of light and leaves are pale green rather than dark green when in heavy shade.

Temperature:

 The Broad-Tailed Masdevallia are grown in cool to cold growing conditions from 10°C to 20°C. Ideally in winter they like a minimum of 10°C in and a maximum of 13°C. In summer the optimum range is 13 to 20°C. The temperature should not exceed 25°C and temperatures consistently above 30°C will weaken the plants and they may drop their leaves. Ensure 6-12°C day/night difference to aid flower formation.

Humidity:

 This orchid prefer high humidity in summer near 75-80% and may need a humidifier over summer. Keep air circulation at all times to prevent water staying on leaves as this will encourage leaf spot.

Substrate, growing media and repotting:

 Masdevallia pachyura can be grown in basket or net pots. They can also be grown in pots or mounted. They prefer a continuously damp medium. Some growers use chopped sphagnum moss mixed with polystyrene chips. Others use a pine bark, polystyrene and coarse perlite mix. A mix of 5 parts bark, 5 parts perlite and 1 part fibrous, not fine, peat moss is recommended. Their roots are small and many and will fill pots very quickly when growing well. Deeper pots are generally used and plants are potted out from being divided into 5cm tubes, 7-10cm pots or 12-15cm pots depending on size.

 

 Repot or divide the plants during the autumn or spring every two years or when they are sufficiently large enough. It is best, as with most plants, to repot when the plants are about to root to minimize disturbance. Huge clumps must be divided as a considerable number of species tend to completely rot from the oldest parts of the clump. Do not bury the base of the plants. Double potting is beneficial to keep the plant roots cool.

Watering:

 The Broad-Tailed Masdevallia will not tolerate dry conditions and should be kept moist but not soggy. Their roots must be able to dry out slightly between waterings. In hot weather they need daily watering but in spring and autumn weekly watering should suffice. Water in the morning so leaves can be dry by midday. The plants should be provided with rain water or distilled water or a very pure water source. It is preferable to provide a humid environment than keeping roots too wet as they are prone to rotting.

 

Fertilizer:

 Masdevallia pachyura are generally active throughout the year although growth may be slower in winter. Use a balanced fertiliser at 1/4 strength throughout the year; feed at every third or fourth watering. If in doubt do not feed. These plants do not like salt so roots will easily turn brown if over fed. If plants need a boost then a dilute foliar feed can be applied. Higher feeding schedules can be used if the grower masters their culture perfectly well. Do not use lime or dolomite lime.

Screenshot_20211101_174819_com.huawei.browser_edit_721031263910810.jpg

 

Anoectochilus formosanus

Lindas folhas manchadas com uma parte inferior rosa acobreada! Uma ótima planta para adicionar à coleção ou à exibição do seu terrário.

Estas plantas têm folhas mais grossas e são muito robustas graças à sua genética poliplóide. Esta espécie floresce nos meses de primavera, verão ou outono, produzindo um espinho alto de 8-12 "com flores brancas de formato exclusivo.

Nativa de Taiwan, esta espécie prefere condições de sombra. Regue quando a mistura de envasamento estiver quase seca para manter a umidade. saturação. Fertilize levemente ao crescer em musgo esfagno (uma vez a cada três regas no máximo) e mais frequentemente em mistura de casca.

Screenshot_20211101_183248.jpg

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 2 months later...
  • 3 weeks later...

Cultivo de pulgões de ervilha. 

Eles são uma ótima fonte de alimento, muito saudável e você pode cultivá-los em melhores números em 2 semanas do que qualquer outra fonte de alimento, além de moscas, talvez.

A primeira coisa que você precisa saber é que esta fonte de alimento realmente precisa de um suprimento constante de novas plantas de ervilha. É por isso que você precisa fazer novas culturas toda semana. Você simplesmente não pode pular 1 semana ou as culturas provavelmente irão falhar porque as plantas são sugadas pelos pulgões. 


Todas as sextas-feiras coloco as ervilhas secas debaixo de água durante 6-8h até ficarem completamente embebidas em água. Você os verá inchar.


Depois de 6-8h eu os tiro e coloco em papel molhado ou outro solo úmido.
As ervilhas precisam ser mantidas bem úmidas, mas não molhadas ou elas irão mofar.

Para mantê-los úmidos, coloquei a tampa nas minhas culturas. Depois coloco-as à luz durante 5-6 dias até as ervilhas terem raízes e um talo de 0,5 a 1,5cm.

A única coisa que você precisa fazer é manter a umidade do solo e não deixar as plantas secarem. Os pulgões vão sugar as plantas até secarem, então elas precisarão de muita água!

Com tampa colocada sob uma fonte de luz.

Após 2 dias as raízes começam a se formar.

Após 5-6 dias as culturas estão prontas para serem semeadas com alguns pulgões. Eu mantenho a tampa por mais 2 dias até que eles encontrem as plantas e permaneçam nelas.

Culturas após 8-9 dias, neste momento eu removo as tampas e apenas mantenho as plantas úmidas e espero até que elas estejam cheias de pulgões.

Em 1,5-2 semanas, as culturas estão prontas para serem alimentadas com seus sapos. Você pode simplesmente cortar as plantas e jogá-las em seus tanques, ou você pode colocar as próprias culturas no tanque.
 

Fazer culturas de 5 em 5 dias será o aconselhável. 

O único problema com esta cultura é que as plantas de ervilhas gastas têm de ser pisadas a tempo porque cheiram mal e vão atrair mosquitos fungos que tomarão conta da sua casa. Também têm problemas com o calor no verão (não sei se são as ervilhas ou os afídeos que não suportam temperaturas elevadas, mas a produção abranda sempre muito nas semanas mais quentes). Por causa da agenda apertada, precisa de alguém para cuidar das suas culturas quando está em férias, mesmo por um período mais curto. 
 
Faço pequenas mini-culturas de ervilhas que posso colocar nos tanques.
As raízes podem ser bastante destrutivas, por isso prefiro fazê-lo em pequenos recipientes, as plantas também sobreviverão mais tempo desta forma e crescerão mais devagar. Uma vez que as plantas ficam muito grandes, a produção de afídeos abranda (eles realmente preferem as plantas muito jovens). 
 
É ótimo porque os afídeos continuam produzindo no tanque, mas é apenas para as rãs "mais inteligentes", já que os afídeos não se movem muito quando têm uma planta de ervilha para se sentarem. Então precisa que as rãs "saibam" que há comida nas plantas.
Não é possível aparar as plantas de ervilhas, pelo que terá de as substituir regularmente.
Se despejar os afídeos no tanque, eles andarão por todo o tanque, mas não farão mal nenhum às suas plantas. Eles vão vaguear pelo teu tanque por alguns dias até que sejam comidos ou mortos. 
 
Eu escovo as ervilhas das plantas com um pincel para que você possa colher mais uma vez do mesmo pote de plantas.
Também uso uma peneira para separar os afídios em termos de tamanho para poder alimentar os minúsculos (tamanho de cauda de mola) ao pumilio bebé e reticula, etc.
 
Os afídeos de ervilhas prosperarão em qualquer planta de feijão/ervilha/trevo. Uso as ervilhas mais baratas que encontro: ervilhas verdes que são vendidas como comida para pombos. Testei com diferentes tipos de ervilhas e não fez diferença. 
Link to comment
Share on other sites

Epidendrum nanodes porpax 

Photo_1643904420221.jpg

Família: Orchidaceae

Países: Américas , Colômbia , América do Sul , Venezeula

Epidendrum porpax é uma espécie de orquídea epífita originária da Colômbia e da Venezuela, é uma planta de tamanho diminuto e pode ser encontrada crescendo em árvores e áreas de floresta húmida. Tem o hábito natural de crescer rastejante, formando tapetes, que cobrem carvalhos e pinheiros em que esta orquídea cresce.

Epidendrum porpax é uma orquídea bastante tolerante e fácil, no entanto, esta espécie de orquídea em miniatura é favorecida por temperaturas intermediárias a quentes, luz brilhante, filtrada, difusa e alta umidade.

Epidendrum porpax desfruta de um período de inverno um pouco mais seco em seu ambiente nativo, portanto, para obter melhores resultados, reduza a dose de água que você aplica às suas plantas durante o inverno, para garantir que suas plantas sequem um pouco ao anoitecer.

O Epidendrum porpax pode ser cultivada montada em casca de cortiça ou cultivada em recipiente com pedaços de casca de pinheiro.

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Boas, umas fotos para actualizar o tópico. 

Só chamar a atenção para um bocado de micranthemum monte carlo que estava submersa, e o resultado num mês.. 

Photo_1646071387413.jpg

Photo_1646071387051.jpg

Photo_1646071386282.jpg

Photo_1646071386704.jpg

IMG_20220228_175138_edit_282301479120985.jpg

 

______________________

Acorus gramineus

Screenshot_20220301_011952_com.android.chrome_edit_306054227660589.jpg

Nome Científico: Acorus gramineus

Nomes Populares: Acorus, Mini-cálamo-do-japão, Acoro-gramíneo, Junco-japonês

Família: Acoraceae

Categoria: Folhagens, Forrações à Meia Sombra, Gramados e Forrações, Plantas Aquáticas, Plantas Marginais, Plantas Palustres

Clima: Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical

Origem: Ásia, Birmânia, China, Coréia do Norte, Coréia do Sul, Filipinas, Índia, Japão, Oceania, Tailândia, Taiwan

Altura: 0.1 a 0.3 metros, 0.3 a 0.4 metros, menos de 15 cm

Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno

Ciclo de Vida: Perene

O acorus é uma planta herbácea, rizomatosa, que a primeira vista parece uma relva.  Floresce apenas quando cultivada como planta aquática, tendo o rizoma submerso na água. As inflorescências são do tipo espádice e de cor branca, discretas, localizadas na base da touceira. 

Utilize o acorus em vasos, como forração para espécies mais altas e em canteiros mistos sob meia sombra, principalmente em áreas com problemas de drenagem. Ela é interessante também no entorno de laguinhos e cursos d’água, como planta palustre ou marginal, oferecendo refúgio para a fauna como pequenos peixes e rãs. Sua folhagem atraente e brilhante e o formato de pequena moita arredondada ajudam a suavizar os acabamentos muitas vezes agudos e pedregosos de lagos artificiais. Também pode ser utilizada em terrários fechados, por apreciar a umidade constante.

Acorus gramineus 'Pussilus'

Screenshot_20220301_012110.jpg

Catopsis morreniana

Screenshot_20220301_012402_com.android.chrome_edit_306243935508998.jpg

Chamaedorea elegans

Chlorophytum bichetii 

Cordyline 'Red Edge'

Dracaena 'Colorama'

Dracaena sanderiana

Drosera aliciae (carnivorous plant)

Fittonia 'Mini White' 

Fittonia 'Red'

Guzmania mix

Hemygraphis colorata

Screenshot_20220301_013627.jpg

Nome Científico: Hemigraphis alternata

Sinonímia: Hemigraphis colorata, Ruellia alternata, Blechum cordatum

Nomes Populares: Hera-roxa, Rubrastilis

Família: Acanthaceae

Categoria: Folhagens, Forrações à Meia Sombra, Forrações ao Sol Pleno

Clima: Oceânico, Subtropical, Tropical

Origem: Ásia, Índia, Indonésia, Java, Malásia

Altura: 0.1 a 0.3 metros

Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno

Ciclo de Vida: Perene

A hera-roxa é uma planta herbácea. Sua ramagem é ramificada, densa, reptante e prostrada, e sua altura não ultrapassa os 30 cm. As folhas são ovais, opostas, com nervuras bem marcadas, e bordos serrilhados. Na página superior, elas apresentam degradees de cor verde-acinzentada a roxo ou vermelho, com reflexos metálicos. Floresce na primavera e verão, despontando flores brancas e pequenas, em inflorescências do tipo espiga. As flores tem importância ornamental secundária. Durante a floração, o pontilhado de flores brancas, sobre o fundo arroxeado também é bastante ornamental. É ideal como forração, bordadura e na formação de maciços.  Curiosidade: De acordo com a Universidade de Georgia, em Atenas, ela é umas das plantas mais eficientes em remover poluentes orgânicos de ambientes internos, como casas e escritórios.

Hemygraphis exotica

Screenshot_20220301_014324.jpg

Common Name: Purple Waffle, Hemigraphis colorata

Purple Waffle plant is a unique terrarium plant that is commonly seen in stores being sold as a true aquatic plant. Beware, this plant is not fully aquatic and can only live submerged for extended periods before melting away. This plant will thrive when grown emersed in a high humidity environment such as terrariums or paludariums. The leaves are green on top with a bright purple underside. The texture of the leaves are ruffled and wrinkly which provides an excellent contrast to other types of foliage.  

 

Family Name: Acanthaceae

Origin: South East Asia

Height: 6-12”

pH: 6.0-7.5

Care: Medium 

Light: Moderate to High

Co2: Recommended

Propagation: Cut lateral runners and replant

Growth rate: Moderate

Neoregelia 'Fireball'

Nidularium 'Citrinum'

Syngonium pixie

Screenshot_20220301_020518.jpg

Tillandsia (Bromelia) mix

Vriesea mix

 

 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.