ECHINODORUS MAJOR


Recommended Posts

Echinodorus major

 

Família: Alismataceae
Género: Echinodorus
Região: Américas
Localização: Norte e América do Sul

Sinónimos :Echinodorus martii var. major Micheli
Luz: Média/Alta
Temperatura: 20ºC a 27ºC
PH: 0.0 a 7.0
Substrato Fértil: Sim
CO2: Não mas recomendável
Estrutura da planta: Roseta
Tamanho: Até 60cm
Crescimento: Moderado
Emersas: Sim
Dificuldade: Fácil
Localização no aquário: Fundo e médio plano

 

Descrição:

 

Echinodorus major tem sido geralmente nomeada E. martii há alguns anos, de acordo com Haynes & Holm-Nielsen (1994), E. major é um sinónimo de E. martii. Jozef Somogyi (2006) examinou as difíceis relações entre os nomes E. intermedius, E. martii e E. major e descobriu que E. major é o nome correto para as espécies que aqui apresentamos. Os resultados de Samuli Lehtonen (2008) corroboram esta teoria. No entanto, o nome Echinodorus martii é um sinônimo de E. subalatus, de acordo com Lehtonen.
Esta bela Echinodorus existe há muitos anos e ainda é muito popular no nosso passatempo, embora escassa nos dias de hoje na natureza. E. major é originária do leste do Brasil, onde se encontra principalmente submersa em riachos de pouca correnteza.

 

E. major é uma planta de roseta de médio a grande porte que alcança uma altura máxima de 60 cm, com rizoma e folhas verdes, translúcidas, submersas, de forma estreita. A lâmina da folha atinge seu ponto mais largo um pouco acima do meio. A margem ondulada e a parte inferior estreita com uma base redonda ou e entrncada são as suas características mais marcantes. O primeiro par de nervuras longitudinais ramifica fora da nervura central perto do meio da folha. A ponta da folha é obtusa. Quando cultivada em um aquário, esta planta não forma folhas flutuantes ou emersas.

 

E. major é uma planta de médio a grande porte que alcança uma altura máxima de 60 cm, com rizoma e folhas verdes translúcidas. A lâmina da folha atinge seu ponto mais largo um pouco acima do meio. A margem ondulada da folha e a parte inferior estreita com uma base redonda e entroncada são as suas características mais marcantes. A ponta da folha é obtusa.

Um substrato rico em nutrientes é vantajoso, bem como, intensidades de luz na ordem dos 0,4 w por litro ou acima. No entanto, se for fornecida com nutrientes suficientes do substrato, esta planta tolera condições de iluminação variadas. A fertilização promove consideravelmente o seu crescimento e pode até mesmo desencadear o desenvolvimento de longos talos verticais não ramificados com flores pequenas em pedúnculos curtos, assim como plantas adventícias em seus verticilos. A planta deve ser fertilizada regularmente com ferro e micronutrientes.

Não é necessário adicionar CO2, no entanto, com a sua injecção o seu crescimento aumenta significativamente.

A propagação das plantas adventícias sobre os talos de flores é fácil, desenvolvem-se melhor se os talos se mantiverem de baixo de agua. Convém ir retirando as folhas velhas para um crescimento saudável e ir cortando as suas raízes e voltando a plantá-la de novo.

Plantas de tons avermelhados como as Rotala macrandra contrastam bem com a E. major. Por outro lado, a sua textura única e o seu verde claro também se adapta a layout's com plantas de tons verdes.

 

 

Foto:

08a03efc-6b26-4e2d-8370-e9915b994c51.jpg
© Vera Basílio dos Santos

Referências e fontes: aquaticplantcentral; tivamo; aquaflux

 

Adaptado, traduzido e actualizado por Vera Basílio dos Santos © Copyright 2016©

Link to comment
Share on other sites