Nuno Prazeres

Projeto Outono

Recommended Posts

Já tenho uma ideia sobre como transmitir som debaixo de água por isso o "projeto trovoada" (que muito provavelmente nem vai avançar) parece perfeitamente possível.

 

Novidades:

 

Terminado o projeto do Arduino para simular nascer e por do sol.

 

Introduzido um monitor de pH que está a dizer que a água no pico máximo da fotossíntese anda nos 6,75 (confesso que estava à espera de menos, será que tenho que começar a injetar CO2 para baixar para 6???).

 

Os TDS estão a 70 ppm.

 

A temperatura está deliberadamente baixa a 23 graus para depois a poder subir se quiser estimular comportamentos reprodutivos.

 

Entretanto, mesmo com o metabolismo menos ativo, a parte comportamental continua em grande:

 

Edited by Nuno Prazeres
  • Upvote 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas Nuno,

 

Continua extremamente interessante este tópico, está a evoluir bem! ;)

 

 

Não sei se é mito mas diz-se que há espécies relutantes em reproduzirem-se que mudam de ideias com estes "gadgets ambientais" acompanhados por TPAs em que entra água bastante mais mole.

 

 

 

 

 

 

 

Tal como referes, "mito", não se poderia ter criado um mito mais parvo do que esse em relação à reprodução de certas espécies..hehe

 

Olha os meus:

Edited by GoncaloSilvestre

Share this post


Link to post
Share on other sites

Obrigado.

 

:naughty: As minhas piranhinhas fluorescentes (foi o nome que o meu miúdo lhes deu ao ver os cardinais a comer) ainda são muito novos mas pela velocidade a que crescem e com as condições que lhes vou criar, espero ver algo parecido.

 

Para já só há umas quantas picardias entre machos adolescentes de "sangue na guelra".

 

Entretanto fica uma brevíssima nota para dizer que durante o meu "pôr do sol" os senhores N. eques mudam de coloração e ficam com faixas verticais!!!!! Não sei se consigo fotografar mas fiquei de cara à banda. Depois verifiquei que eles durante a noite têm esse aspeto.

 

Ou seja: a gente com o mero liga desliga das luzes anda a perder alguns pontos muito intressantes da peixada.

 

Um aplauso para os leds que permitem tais coisas... :pompomgirl::pompomgirl::pompomgirl:

 

Entretanto, se já tinha resolvido em parte o "problema" dos TDS, agora tenho outro: o pH durante o dia chega aos 7,2 apesar da baixa mineralização. Acabei de fazer uma muda de 10% com água de RO onde estiveram umas boas dezenas de pinhas de amieiro. Essa água estava com o pH de 5!!!! Depois de entrar no tanque ele ficou a 6,95 e a côr da água ficou espetacular mas ainda podia ser um pouco mais escura. Amanhã, segue dose igual.

 

A explicação para isso é que o maldito do tronco que recolhi na praia deve ter fixado calcário... chainsaw Não encontro outra. bang Mas à custa de acidez e TPAs aquilo vai ao lugar.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vais ver de certeza!

 

Nuno, permite-me um reparo...não estarás um bocado fixado na meta do ph?Afinal de contas de 6,75 para 6.95(com 10% de RO e água das tais dezenas de pinhas de amieiro) a diferença não é nada de significativo...pergunto se faz sentido tanta mexida e oscilações quando na realidade os peixes querem é estabilidade.

Se tivesses ai peixes selvagens e um pouco mais delicados acho que ainda conseguia perceber o teu objectivo mas assim não vejo grande sentido, de qualquer forma continuo a acompanhar e esta minha observação não é de forma alguma depreciativa da tua dedicação! ;)

 

Agora, em tom de brincadeira, fazes mais testes que a rapaziada "high tech" dos plantados...isso não será vicio que vem dos salgados? biggrin.png' alt=':biggn:'>

Edited by GoncaloSilvestre

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vais ver de certeza!

 

Nuno, permite-me um reparo...não estarás um bocado fixado na meta do ph?Afinal de contas de 6,75 para 6.95(com 10% de RO e água das tais dezenas de pinhas de amieiro) a diferença não é nada de significativo...pergunto se faz sentido tanta mexida e oscilações quando na realidade os peixes querem é estabilidade.

Se tivesses ai peixes selvagens e um pouco mais delicados acho que ainda conseguia perceber o teu objectivo mas assim não vejo grande sentido, de qualquer forma continuo a acompanhar e esta minha observação não é de forma alguma depreciativa da tua dedicação! ;)

 

Agora, em tom de brincadeira, fazes mais testes que a rapaziada "high tech" dos plantados...isso não será vicio que vem dos salgados? biggrin.png' alt=':biggn:'>

 

:naughty:

 

Pelo que me disseram os peixes que tenho são todos selvagens mas não é isso que está em causa.

 

Relativamente à água, há 3 parâmetros chave depois de concluída a maturação.

 

pH, mineralização (não é o mesmo que GH/KH) e temperatura

 

Ora sucede que tenho a vantagem de ter monitores permanentes dos 3.

 

Isso permite-me, mais do que saber valores absolutos, verificar tendências que são elas as reais agressões à estabilidade.

 

Outro aspeto que escapa à maior parte do pessoal é que os peixes de pequenos cursos de água, levam com variações de parâmetros muito mais brutais do que pode parecer. Um exemplo: quando cai uma chuvada, a água pode reduzir a sua mineralização para metade ou menos em pouco tempo para não falar no pH porque o da chuva ronda os 5 e picos. Há distintos senhores do hobby (por exemplo um tal Heiko Blehr) que quando mudam peixes dum sistema mais mineralizado para outro menos não fazem ambientação de água. Só de temperatura! Ora todas as minhas intervenções são nessa mesma direção que se acredita não incomodar muito os peixes. Baixar o TDS e o pH.

 

É exatamente essa a mesma direção dos parâmetros que (juntamente com a subida da temperatura que ainda não iniciei) sinalizam aos peixes desta região que estão aí os gloriosos meses dos igapós (floresta inundada) em que a abundância alimentar é o sustentáculo de todo o processo reprodutivo.

 

Agora repara numa coisa. O meu TDS alvo para esta época é 50. Estou com ele a 75. Para o baixar para o alvo tenho que fazer uma TPA de 33% com água a zero ppm. No meu caso serão cerca de 170 litros!!! Agora se deixo o parâmetro "fugir" para 100ppm, a muda já tem que ser de 250 litros ou 50%.

 

É por isso que não quero deixar fugir muito os TDS. Infelizmente tenho ali um tronco que só agora dá sinais de começar a curar. A minha prioridade agora é manter os parâmetros pelas regiões atuais para no final de Março, iniciar a simulação da época das chuvas e aí baixo os TDS para 20 e o pH para 5,5.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Gabo-te principalmente a paciencia ahah! :P

 

Quando pensas que o projecto esta a iniciar a sua fase de estabilizacao la vem mais algum dado/curiosidade/tecnica nova que vais aplicar... é sinceramente impressionante e enriquecedor! :) continua! Estamos a acompanhat e aprender!

 

Um detalhe em off-topic, nao vais perder a 'pica' do hobby quando daqui a alguns meses estiver tudo definitivamente estavel e ja n existir mais experiencias a realizar?

 

 

Cumps,

Ricardo

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um detalhe em off-topic, nao vais perder a 'pica' do hobby quando daqui a alguns meses estiver tudo definitivamente estavel e ja n existir mais experiencias a realizar?

 

 

Eu acho que não. Uma das coisas que mais gosto é, depois duma fase de brutal investimento inicial, ficar com um sistema em que praticamente basta juntar comida, lol!

 

Nem imaginas a pica que isso dá... :)

 

Aconteceu-me assim com um reef que tive durante 7 anos e só os meus "amigos" da EDP conseguiram acabar com ele fazendo coincidir uma falha de energia daquelas fixes com o meu período de férias. Em 7 anos morreu-me um peixe (de velhice) devo ter tirado uns bons 10 kgs de coral que cresceu por lá. A única seca que aquilo dava era encher um bidon de reposição de água uma vez por mês, meter um pó de cálcio no reator e fazer uma TPA de 50 litros. Também tinha que ir buscar água ao mar de 6 em 6 meses mas não ia sozinho e havia minis envolvidas por isso... É verdade, havia que encher o CO2 também de 6 em 6 meses.

 

No caso deste aquário, está previsto um sistema de TPA automática. Ainda falta colocar um móvel à volta da estrutura e depois organizar o interior. Provavelmente preciso de fazer mais um projeto de leds para iluminar a sump. Preciso de ter a cultura de Daphs (onde sei que também vai aparecer larva de mosquito cinzenta e vermelha) e um par de culturas de vermes de grindal.

 

Depois é só mesmo curtir o cenário. Face ao salgado é 5% do esforço...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isso é só boa vida, gostei da ideia do nascer e por do sol, mas se for coisa de 5 segundos o efeito é o mesmo e sem graça, quanto tempo tens no teu?

 

quando aos relâmpagos espero não os ouvir por aqui mas será uma ideia engraçada.

 

não sei onde vais buscar tanta informação sobre esses biótopos eu com o Meta procuro procuro e nada.

 

estou a gostar do desenvolvimento, quanto ao ph fiquei surpreso pois deveria estar mais baixo, ca por casa sai da rede por volta dos 7,2 por isso se a tendência é cair deveria estar bem mais baixo.

 

quando a esses diy's todos quando acabar periodo letivo do mestrado vou tirar uma pós graduação contigo hehehehehe

 

bom projecto, Ja roubei a ideia das pinhas na água das tpas ca de casa hehehehehe

 

vamos ver o que tens mais para ensinar, é sempre um prazer ler as tuas novidades, haja paciência.

 

abraço

Share this post


Link to post
Share on other sites

Isso é só boa vida, gostei da ideia do nascer e por do sol, mas se for coisa de 5 segundos o efeito é o mesmo e sem graça, quanto tempo tens no teu?

 

Aquilo está assim:

14:00 - Cool White acende no mínimo e sobe 1/60 por minuto a partir daí

14:10 - Acendem os vermelhos no máximo (não me dei ao trabalho de lhes controlar a inensidade mas é algo que posso vir a fazer)

15:00 - Está tudo no máximo

23:00 - Cool White começam a descer 1/60 por minuto

23:50 - Apagam os vermelhos

00:00 - Os Cool White apagam

 

Ou seja: o nascer e pôr do sol demoram cerca de uma hora cada. Digo cerca porque os primeiros 15 minutos do por do sol e os últimos 15 do nascer mal se notam ao olho humano.

 

O pôr do sol pouco antes das 23:50 é o momento mais espetacular do aquário porque predomina um laranja que parece completamente natural como o que se vê no céu no verão

 

Se meter controlo de intensidade nos vermelhos, consigo prolongar e eventualmente melhorar esse momento ímpar.

 

O comportamento dos peixes nessa altura não é menos interessante. Os cardinais formam um cardume denso e começam a patrulhar nervosamente o aquário dum lado para o outro como se estivessem à procura do melhor sítio para descansar. Os lápis mudam de coloração e lutam pelos melhores locais para dormir que parecem ser os que ficam ao lado dos galhos semi-submersos.

 

O programa que controla a luz ainda pode ser bastante melhorado porque as variações ainda são demasiado bruscas.

 

Os relâmpagos, entretanto são só para entreter mas há alguma evidência que tem influência como estímulo reprodutivo para algumas espécies nomeadamente as que vivem em zonas com uma clara estação húmida como a Índia (monção) e grande parte da América do Sul e da África tropical e equatorial. Por exemplo simulações de relâmpagos e chuva com trovões artificiais há muito que se usam para fazer os crocodilos acasalarem.

 

O porquê é simples. Cada espécime vive uma corrida contra o tempo em que tem que reproduzir-se no intervalo temporal que mais propicía a sobrevivência dos descendentes. Com o início da estação húmida vêm as inundações e subitamente insetos, formigas e suas larvas e demais animais que constituem alimento passam a ser acessíveis em enormes quantidade.

 

Por isso, se começa a chover e relampejar à bruta e a água fica mais branda, toca a procurar fêmea que está na hora. A fêmea faz por desenvolver rapidamente os ovos para a miudagem nascer logo no pino da abundância.

 

Rio Meta: também vou procurar!

 

pH e dureza constantemente a subir: além do tronco, tenho um novo suspeito: o siphorax! Porquê? Porque já serviu numa solução para curar rocha viva para um salgado e temo que tenha ficado com algum calcário. Tenho feito mudas diárias de 50 litros com pinhas de amieiro à mistura e um pouco de sumo de limão. Gradualmente já estou a 6,45 para um TDS de 55ppm. O alvo é pH = 6,0 para 50ppm. Chegado aí fico quieto durante cerca de um mês. Depois logo se vê como está o tamanho dos peixes e, se for aceitável, avança o condicionamento reprodutivo.

 

DIY: é a gente combinar!

 

vamos ver o que tens mais para ensinar, é sempre um prazer ler as tuas novidades, haja paciência.

Epá obrigado!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas

Uma limonada com ph baixo e sem açúcar. Hmmm será q mata a sede? xD.

Pq um Pouco de limão?

 

Realmente este tópico está cada vez mais interessante só falta mesmo um time lapse desse nascer e por do sol. =)

Edited by linus84

Share this post


Link to post
Share on other sites

O limão é meramente ácido cítrico com mais alguns elementos orgânicos que rapidamente são processados pelo sistema. É uma solução caseira para baixar o pH. :)

 

O time lapse está previsto mas não tenho equipamento para tal. Posso é meter tudo a acontecer apenas num minuto bastando kitar o controlador. :)

 

 

Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Share this post


Link to post
Share on other sites

General Don Nuno, sempre a inovar e a por o pessoal a questionar, realmente a vida é mais que o convencional que vemos por aí.

 

é com agrado que espero sempre o desenvolvimento desses projectos.

 

Diys so mais lá para frente num projecto para aqua maior, até lá tens que aperfeiçoar essa técnica de tpa's automáticas para partilhar com o pessoal.

 

Em tempos tive moonligth que anda lá por casa estragado não percebo nada daquilo e por lá ficou, mas o comportamento é muito engraçado quando eles estão com o mínimo de luz, cada um no seu cantinho, anda sempre um perdido procurando o que fazer é muito engraçado.

 

quanto a chuva arranjar aí sistema cascata gigante simulando horas de chuvas quando não está ninguém em casa hahahaha nunca pensei nessas casas mas é engraçado vendo essa tua aventura, e penso em mil possibilidades para estimular comportamentos.

 

Resumindo é bom sabermos que temos mais possibilidades dentro do hobby sem ser comunitários e plantados.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu tenho possibilidade de fazer umas quantas coisas novas com a luz só via software. Moonlight, passagem de nuvens, variações de intensidade luminosa máxima (na natureza nunca há dois dias iguais), relâmpagos noturnos mas nesta altura, já não era nada mau melhorar os algoritmos de nascer e por do sol porque as variações ainda estão muito bruscas.

 

Preciso dum segundo Arduino para fazer esses desenvolvimentos.

 

Quanto às TPAs automáticas, o mais difícil é fazer as ligações. A RO à canalização controlada por um solenoide ligado ao arduino e uma powerhead ligada ao esgoto. Depois metem-se umas boias de controlo de nível e um relay e pronto. A questão aqui é que um erro de software ou hardware pode ser catastrófico por isso tenho que fazer também um circuito independente (a pilhas para não depender da edp) para desligar o que tem que ser desligado..

 

A chuva é um gadget que não me parece valer muito a pena até porque, para ficar bem, pode implicar um complexo sistema de tubos que vai interferir com a iluminação.

 

 

 

Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boa, se é por software nao é assim tao complicado como estaria a imaginar.

 

Estou a pensar em fazer uma calha para o novo aqua, o que sera que vou precisar.

Da ai umas luzes de materia que vou precisar?

Sabendo que o aqua é 100 cm de largura ...

 

o que seria assim preciso?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Panorâmica do aquário com uma pequena exibição nupcial de Nannostomus unifasciatus no final.

 

 

  • Upvote 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hoje vi pela primeira vez um comportamento reprodutivo óbvio dos Nannostomus eques. Infelizmente sempre que tentei filmar fugiam.

Não sei se chegaram a desovar mas não tenho dúvida qualquer que estavam a tentar.

Nunca tinha visto aquele tipo de posicionamento em todos os peixes que tive.

O macho coloca-se por cima da fêmea e toca-lhe constantemente com a parte de baixo da cabeça dele no topo da cabeça dela. Ela dirige-se a uma raíz de Limnobium e aí ele coloca-se ao lado dela e treme com o corpo.
Ela afasta-se e o processo repete. A certa altura um cardinal andava atrás deles porque deve ter topado que havia ali oportunidade de comer qualquer coisa...

Como disse, não consegui ver ovos mas aquele comportamento não pode significar outra coisa que não seja pelo menos uma tentativa de desovar.

Edited by Nuno Prazeres
  • Upvote 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

São otimas noticias! O problema é que com os cardinais ai vai ser dificil ver os resultados desses comportamentos

 

Adorei o video ;)

Proximo investimento neste projeto... uma boa camara fotografica (que já merece) biggrin.png' alt=':biggn:'>

 

Abraço

Share this post


Link to post
Share on other sites

Atualizações:

 

 

:arrow:pH

Depois de muita luta, o pH insiste em não baixar. Parece que tem um iman nos 7,2.

Ainda o consigo levar para os 6,5 com uma TPA de 20% com água de RO/DI com pinhas de amieiro mas passados uns dias lá volta ele a subir.

Vou continuar a insistir. Brevemente farei mais umas TPAs até porque quero começar a baixar a dureza para níveis mais compatíveis com os do Rio Negro.

 

 

:arrow:Algas

Continuam a crescer alegremente mas com aspeto natural. Os peixes lápis estão sempre a comê-las e os N. unifasciatus pura e simplesmente são comem outra coisa. Nunca os vi a atacar comida seca, congelada ou viva, agora as algas...

 

 

:arrow:Alimentação

Um balde que tenho na varanda começou a produzir algumas larvas de mosquito e é uma maravilha ver os lápis a caçá-las. Também tenho uma cultura de Daphnia mas tarda em arrancar.

Entretanto tenho uma pimenteira infestada de pulgões e experimentei apanhar alguns e deitar no aquário. Ora como ficam a boiar na superfície, os peixes lápis, sempre de bico virado para cima, atacam-nos logo e comem-nos com avidez. Pelo que sei eles produzem glicose pelo que são protegidos e "pastoreados" pelas formigas. Desde que não andem inseticidas por perto parece que é uma fonte de comida viva a explorar.

 

 

:arrow:Plantas

As plantas flutuantes acabaram de levar uma poda gigante. No processo percebi que uma Limnobium tem uma flor. Não é muito bonita mas também cresceu contra o vidro dum travamento pelo que imagino que não seja o melhor dos exemplares. A lotus tarda em crescer. Espero ansiosamente que uma folha chegue à superfície já que isso deverá fazer disparar o metabolismo da planta. Vou estudar também fertilizar o bolbo localmente,

 

 

Aqui vai um vídeo recente do tanque. Depois da poda os lápis parecem muito menos tímidos contrariamente ao que seria de esperar. Passaram também a andar em cardume quando dantes cada um tinha o seu território bem definido. No filme aparecem do lado esquerdo da imagem.

 

Edited by Nuno Prazeres
  • Upvote 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Esta porreiro como seria de esperar!!

 

Esse pH é que estraga tudo. Esse tronco foi comprado ou recolhido em algum local? Pode ser que o tronco tenha agregados componentes que estejam a comprometer a quimica da agua!

Share this post


Link to post
Share on other sites

O tronco é o principal suspeito.

 

Talvez este fim de semana faça um gingarelho que corrija o pH em tempo real.

 

Tenho o material todo.

 

Um arduino, um circuito de pH, uma sonda e uma bomba peristáltica graduável para colocar sumo de limão no sistema.

O programa é muito simples. A cada duas horas, se o pH estiver acima de 6,8, injeta 2 ml de sumo.

Deve dar para manter as coisas a níveis decentes.

 

 

 

Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Share this post


Link to post
Share on other sites

Epa as 'mariquices' que tu inventas! (Vicios do salgado provavelmente) Ahah

Quando foi grande tambem quero saber essas coisas todas! :D

 

Bota la gingarelho a funcionar para o pessoal ver isso a bombar!

 

Grande Abraco!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

:)

 

Nos salgados aprende-se muito... :)

 

Acabei agora mesmo o circuito teste.

 

Aquilo já lê o pH. Agora seria só estruturar o código para ativar a peristáltica.

 

Não sei é se merece o esforço. Fiz uma TPA há pouco e tenho o pH nos 6,5 e TDS nos 48. A ver se a coisa se aguenta.

 

Entretanto, como os Caridina multidentata ficam sempre a nadar feitos malucos com as TPAs, aproveitei e tirei-os para outro aquário. Neste momento o único espécime vivo que não é mesmo do biótopo é a Nymphaea lotus.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Este tópico tem mais de 6 meses de antiguidade... Se fizer sentido, por favor considere criar um novo tópico em vez de reactivar este. Obrigado!

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.