Recommended Posts

O problema não é a luz chegar, o problema é a qualidade e a quantidade que chega.

Já vi aquários iluminados com leds que os corais não desenvolviam, quando trocaram para T5 começaram logo a desenvolver passado 1 semana...notava-se o crescimento, mas pode os novos leds serem melhores e para aquários um pouco mais altos que 40cm sejam bons.

Link to comment
Share on other sites

As lojas que vendem esses sistemas de leds têm os aquários delas iluminados com este tipo de iluminação? :)

Sei que a Aquarioreef em Setúbal tem dois AquaBeam 1000 HD montados à poucas semanas, mas ainda não os vi ligados (fui lá a semana passada, mas o aquário estava no período nocturno...)

Link to comment
Share on other sites

ok..mas a aquarioreef não é assim grande referência em termos de manutenção de corais...os corais que por lá passam é quase impossivel perceber de que cor são..e para peixes bom..até a lanterna de pilhas da minha filha dá. :)

 

O que estava subentendido na minha pergunta era "Se os leds são bons e muito mais económicos, faria todo o sentido as lojas que os vendem manterem os seus aquários, que têm gastos elevados de iluminação, baseados nesses mesmos leds, não?" e agora vem a segunda parte da pergunta "quais são as lojas que mantêm aquários de manutenção de corais duros, ou mesmo moles, há algum tempo baseado na tecnologia led de iluminação que eles vendem como sendo muito boa?".

 

Abraço,

Rui Feliciano

 

 

Sei que a Aquarioreef em Setúbal tem dois AquaBeam 1000 HD montados à poucas semanas, mas ainda não os vi ligados (fui lá a semana passada, mas o aquário estava no período nocturno...)
Link to comment
Share on other sites

Olá Rui,

 

Eu percebi a tua questão e acho-a bem pertinente! :)

 

Quando referi que existia na Aquarioreef era apenas para informar que quem quiser ver uma calha de leds a funcionar, pode ir lá. Quanto à qualidade dos corais da loja, partilho da tua opinião.

Link to comment
Share on other sites

Uma calha só de Leds para aquário e quando falamos de leds estamos a falar de leds de alto brilho ou de alto fluxo, é neste momento um mau investimento. Só é bom se estivermos a pensar fazer um novo investimento daqui a 6 meses, e depois outro daqui a seis meses...e depois outro....

O problema actual dos leds é o mesmo problema que a iluminação com base em lâmpadas fluorescentes teve de início: a gestão do calor.

Cerca de 50 a 90% de energia que é aplicado a um led converte-se em calor e é necessário que este calor abandone o chip para que o led seja 100% eficiente. Ou seja, todas as qualidades que atribuimos aos leds, como elevado fluxo luminoso, vida prolongada, só são verdade quando é assegurado uma apropriada gestão de calor. Esta gestão nos leds actualmente é feita através do uso de dissipadores acoplados.

A performance e a capacidade de manter o fluxo luminoso de um LED

depende da chamada temperatura de junção (Tj) do chip.

Esta temperatura não pode ser medida directamente e por isso os fabricantes usam um ponto á volta do Led, denominada temperatura correlativa ou Tc.

Portanto assume-se que a temperatura medida neste ponto corresponde à temperatura de Tj.

O cálculo do fluxo luminoso máximo dos Leds é feito pelos fabricantes com Tc=25º.

Com temperaturas mais altas o fluxo luminoso diminui gradualmente.

Nos Leds de alto luxo atinge-se muito rapidamente tc= 100 graus.

A Tc depende da dissipação térmica associado ao módulo Led e da sua corrente de alimentação.

Existe uma fórmula de calcular a depreciação do fluxo luminoso de um Led em função de Tc.

Pegando num exemplo concreto e em dados de fábrica:

Cree XRE-W WHITE 6950K BIN P4

COM ALIMENTAÇÃO A 350MA E Tc=25º – FLUXO LUMINOSO MÁXIMO 84lumen

COM ALIMENTAÇÃO A 350MA E Tc=70º – FLUXO LUMINOSO MÁXIMO 69lumen

Dividimos 69 por 84 e temos uma perda de luz de 18%,

que é o mesmo que dizer que o fluxo luminoso com Tc=70º e a 350 mA é 82%.

Isto permite-nos fazer a fórmula :

100% fluxo luminoso x fluxo luminoso em função de Tc = fluxo luminoso real

84lumen x 82% = 69 lumen.

A estimativa do tempo de vida útil do Led também é feita a partir de um determinado Tc.

Por exemplo, para este mesmo Led:

Cree XRE-W WHITE 6950K P4

COM ALIMENTAÇÃO A 350MA E Tc=70º – 69 lumen - TEMPO DE VIDA ÚTIL = 50.000 HORAS DE VIDA.

COM ALIMENTAÇÃO A 700MA E Tc=70º – 108 lumen - TEMPO DE VIDA ÚTIL = 35.000 HORAS DE VIDA

COM ALIMENTAÇÃO A 1050MA E Tc=70º – 127 lumen - TEMPO DE VIDA ÚTIL = 20.000 HORAS DE VIDA .

 

 

Actualmente pegar numa calha de iluminação baseada em leds de alto fluxo para aquário e compará-la com alguns dos sistemas HQI ou sistemas T5 mais avançados e eficientes ou é pura demagogia ou um exercício em que se comparam grandezas completamente diferentes

A maioria de nós por causa da especificidade e exigência dos organismos que habitam os nossos aquários temos calhas compactas, com potências elevadas e sujeitas a amplitudes térmicas.

Neste contexto realizar uma instalação de leds torna-se particularmente difícil. É preciso também não esquecer que uma das características afectadas pelo calor é o comprimento de onda e portanto a temperatura de cor.

As calhas no mercado da aquariofilia com leds de alto fluxo neste momento sofrem todas do mesmo mal: o facto da tecnologia led estar em pleno desenvolvimento.

Ninguém fornece dados relativos a temperaturas de funcionamento que como já viram são cruciais na avaliação de desempenho de um led.

Isto significa que, por exemplo, o anunciar de 50.000 horas de tempo de vida útil significa anunciar uma utopia e em última análise uma mentira, porque se trata do tempo de vida útil anunciado pelo fabricante do led em condições de temperatura e alimentação controladas, condições estas impossíveis de manter e controlar no interior das calhas de leds para aquário que tenho observado.

Estou a trabalhar com os led´s da Cree Xlamp de alto fluxo há cerca de um ano. Especialmente com os módulos XRE-W, XRE-WW, XRE-WWW, W-XR E WW-XR. São módulos de 1w, 3w, 4w, 3x3w, 3x4w e 16.8w. Este último módulo que tem a referência 329-XRE-WWW bin Q4 tem um fluxo máximo de 1284lumen a 1050 mA. São todos led´s de corrente constante o que significa que têm que ser operados com alimentadores de 350 mA, 500 mA, 700 mA ou 1050 mA.

Estes led´s extraordinários deixam antever que num futuro mais ou menos próximo será mesmo possível iluminar aquários de recife exigentes usando apenas este tipo de iluminação.

Até lá os leds neste momento têm um enquadramento em aquariofilia no sentido de constituírem desde já uma boa solução para aquários menos exigentes em termos de luz.

Os leds de alto fluxo são também, desde já uma óptima solução para substituir a componente azul ou actinica dos nossos aquários.

Este sim é o verdadeiro “calcanhar de Aquiles” dos sistemas de iluminação para água salgada e provavelmente também aquele que é mais ignorado pelos aquariofilistas.

As lâmpadas azuis ou actinicas por causa da sua emissão específica de luz em determinadas zonas do espectro luminoso, têm um fluxo luminoso bastante fraco. Para dar um exemplo uma lâmpada T5 de 54w com 6500k tem um fluxo luminoso de 4250 lumen, e a mesma lâmpada azul tem 1500 lumen e a actinica 1000 lumen.

Portanto já é muito fácil substituir esta parte azul dos nossos sistemas com leds azuis ou actinicos de alto fluxo com emissão de luz entre os 420 e os 485nm.

Aqui sim pode-se poupar muito dinheiro desde já!

 

Rui Alves

Lifeguard save me from life.

Link to comment
Share on other sites

Olá,

 

 

Rui Alves, obrigado pela extensa explicação. O que mais interessa no processo fotossintético que ocorre nas zooxantelas, no que à fonte de iluminação respeita, é o PAR (Photosynthetically Active Radiation) e não os lumens e, tanto quanto sei, não pode ser inferida uma relação entre estas duas grandezas. Assim, falando por exemplo da ATI, temos a Aquablue e a Aquablue Plus que à nossa vista são extremamente diferentes no que à intensidade luminosa diz respeito (lumens) no entanto o seu PAR é muitissimo próximo (336 da Aquablu vs 311 da Blue Plus, fonte http://sites.google.com/site/tfivetesting/par).

 

Anyway, os LEDs já estão ultrapassados...quaquer dia temos todos lampaads de plasma nos nossos aquários bang

Lampadas de plasma

Link to comment
Share on other sites

  • 1 month later...

Rui Alves, excelente explicação, pelo menos ficamos a perceber um pouco mais sobre essa tecnologia, mas como o Rui Feliciano disse, os PAR é que são importantes.

Actualmente coloquei recentemente um conjunto de LEDs da AquaRay 500 já com os novos leds CREE® XR-E no meu refúgio e pouco posso dizer a não ser que tenho menos luz que tinha com 4x24w T5 que era o que tinha, mas a ideia era mesmo diminuir a luz para que os cavalos marinhos e pipes não se escondam tanto. Cheguei a ter 2x24w T5 e a diferença luminosa não é significante.

Denoto que mesmo com os leds novos, que dispersão mais a luz que os anteriormente utilizados pela AquaRay, noto uma diferenciação nos espaços onde leds azuis actuam mais que os brancos.

 

Vamos ver como se comportam os moles que tenho no refúgio, que é o que tenho lá.

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...

Boas,

 

Alguma evolução neste assunto?

 

vewinhah, e então? Já tens LED's? Como se comportam?

 

 

 

Ando doidinho para me meter no sal...

 

Mas não admito a mim mesmo ter 2 X 150w + 2 ou 4 X 26w ...e blabla.

 

Acho uma enormidade.

 

Assim que puder resolver esse problema na iluminação... lá vão os Discus e os 4 aquas doces...

Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...
Boas!

 

Estou com imensas dúvidas relativamente à iluminação do meu aquário (110x60x50).

 

Estava convencida que ia começar pelo menos com uma calha de 4x54W (T5), mas vieram-me falar em Led's... Eu consigo ter esta potência que referi, com Led's?

 

Em termos crescimento de corais e realçar as suas cores, são melhores do que as T5?

 

 

Ola o que posso dizer em relação aos Led´s....

Já tenho a funcionar no meu tanque, são simplesmente 1080lux o que para ter o mesmo em T5 teria de gastar muito mais.

Tenho um consumo de 36W e a cor é de 6500k ( igual ao Sol) posso dar mais informações pelo e-mail de.... carlos.oliveira.2521@sapo.pt

Link to comment
Share on other sites

Os Power-Leds são definitivamente promissores, mas o investimento inicial é por agora quase proibitivo!

Pelo menos para sistemas de dimensões superiores ao nano, acho que o investimento em Led's ainda não justifica.

No entanto para pequenos sistemas como nano's ou pico's, desde que montados de modo a se obter uma óptima dispersão de calor constituem definitivamente uma opção a ter em conta!

 

Tenham em conta um ponto: escolhendo os leds correctos conseguem-se obter PARs muito superiores aos obtidos com T5, do nível inclusivamente de HQI.

Mas é preciso escolher bem, dar uma olhada na ficha técnica do produto antes de investir nele...

 

Eu estou a fazer umas brincadeiras com uns New Rebel, daqui a uns tempos talvez tenha feedback.

 

PS: Leds de 10, 8 ou 5mm não conseguem ter uma emissão luminosa que permita aplicação em mais do que moonlights.

dmscaping_mini_forum.jpg

Link to comment
Share on other sites

Ola o que posso dizer em relação aos Led´s....

Já tenho a funcionar no meu tanque, são simplesmente 1080lux o que para ter o mesmo em T5 teria de gastar muito mais.

Tenho um consumo de 36W e a cor é de 6500k ( igual ao Sol) posso dar mais informações pelo e-mail de.... carlos.oliveira.2521@sapo.pt

nao tenho muito jeito para fazer dyus mas se fizer calhas posso estar imtresado

Link to comment
Share on other sites

Em relação á potência do leds alguem me disse que não podemos aplicar a mesma regra do 1w por litro.

alguem sabe, para um aquario de 360lts brutos quantos conj. de leds irei precisar, pq os leds são muito mais brilhantes.

Link to comment
Share on other sites